plogo.gif (7177 bytes)

ISSN 1135-5727
versão impressa

INSTRUÇÕES AOS AUTORES

 

Objetivo e política editorial

O objetivo da Revista Española de Salud Pública é divulgar pesquisas originais e estudos técnicos dos profissionais de saúde pública do país, assim como trabalhos e documentos de procedência estrangeira que são de interesse para a Saúde Pública.

A Revista Española de Salud Pública irá considerar para publicação os trabalhos que estejam relacionados com a Saúde Pública e com a Administração Sanitária. Cada número estará disponível en versão impressa e em versão electrônica, esta última no site do Ministerio de Sanidad y Consumo (http://www.msc.es/biblioPublic/publicaciones/recursos_propios/resp/home.htm), e nos repositôrios de Open Access: Scielo Espanha, (http://scielo.isciii.es/scielo.php), Scielo Saúde Pública (http://www.scielosp.org/?lng=es), e-Revistas (http://www.erevistas.csic.es/), Cuiden (http://www.doc6.es/index/), Redalyc (http://redalyc.uaemex.mx/) e Directory of Open Access Journals (http://www.doaj.org/).

A Revista Española de Salud Pública publica os seguintes tipos de trabalhos:

Originais. Trabalhos de pesquisa sobre Saúde Pública e Administração Sanitária (epidemiologia, estatísticas sanitárias, promoção da saúde e prevenção de doenças, planejamento sanitário, informação sanitária e economia da saúde).

Os trabalhos originais deverão apresentar a seguinte estrutura: resumo, palavras-chave, texto (introdução, material e métodos, resultados e discussão), agradecimentos e bibliografia. A extensão máxima do texto será de doze folhas tamanho DIN-A4, digitadas em espaço duplo, como no máximo seis figuras e seis tabelas. É aconselhável que o número de autores não ultrapasse a seis.

Colaborações Especiais. O texto terá uma extensão máxima de quinze folhas tamanho DIN-A4, digitadas em espaço duplo. A bibliografia não será superior a cem citações. Opcionalmente o trabalho poderá incluir tabelas e figuras.

Cartas ao Diretor. Esta seção publicará comentários relacionados com os trabalhos publicados recentemente na Revista. Aceitará também os trabalhos que, por sua extensão reduzida, não cheguem a constituir um artigo original. A extensão máxima permitida para as cartas será de duas folhas tamanho DIN-A4, digitadas em espaço duplo, além de uma tabela e uma figura. A bibliografia não terá mais do que dez citações. O número de autores será no máximo de quatro.

Outras Seções. A Revista Española de Salud Pública publica outras seções, como Editoriais e Recensões de livros. Estas serão solicitadas aos colaboradores diretamente pela redação da Revista. Os autores que espontaneamente desejem enviar uma colaboração para alguma dessas seções deverão consultar a redação previamente por escrito.

 

Apresentação e estrutura dos trabalhos

As seguintes normas de publicação são um resumo dos "Requisitos de uniformidade para manuscritos apresentados a revistas biomédicas" (estilo Vancouver), 5ª edição, elaborados pelo Comitê Internacional de Editores de Revistas Médicas, e publicados no N Engl J Med 1997; 336:309-15, e na Rev Esp Salud Pública 1997; 71: 89-102.

Trabalhos publicados anteriormente ou apresentados ao mesmo tempo em outra revista não serão aceitos.

Os manuscritos deverão ser apresentados de acordo com a seguinte ordem:

1. A primeira página deve conter, na ordem aqui apresentada, os seguintes dados:

  • Título do artigo (conciso e informativo).
  • Sobrenome e dois nomes de cada um dos autores, seguido do número (entre parênteses) do respectivo centro de trabalho .
  • Nome completo do centro de trabalho de cada um dos autores, que deverá aparecer ao lado do respectivo autor em algarismos arábicos entre parênteses.
  • Nome e endereço completo do responsável pelo trabalho ou do primeiro autor, incluindo o número de telefone e de fax (para correspondência), assim como o e-mail.
  • Bolsas ou auxílios recebidos para a realização do trabalho e outras especificações relativas aos posíveis conflitos de interesses.

2. A página seguinte deverá apresentar:

  • Resumo do trabalho com uma extensão entre 150 e 250 palavras.
  • O conteúdo do trabalho deverá ser dividido em quatro partes: Fundamentos, Métodos, Resultados e Conclusões. Em cada uma os autores descreverão de forma concisa, respectivamente, o motivo da pesquisa, a maneira de realizá-la, os resultados que mais se destacaram e as principais conclusões do trabalho. Os aspectos novedosos e relevantes do trabalho deverão ser enfatizados.
  • Palavras-chave: Após o resumo deverão ser especificadas de três a dez palavras-chave ou frases curtas que identifiquem o conteúdo do trabalho, visando a sua inclusão em índices e bases de dados biomédicos nacionais e internacionais. Os autores devem indicar o maior número possível até o limite de dez, utilizando os termos do Medical Subject Headings (MeSH), do Index Medicus ou os termos dos Descritores em Ciências da Saúde (Decs). Se os termos adequados ainda não estiverem disponíveis no MeSH, por se tratar de termos de uso recente, será possível utilizar os termos de uso corrente.
  • Tanto o título, como o resumo e as palavras-chave devem ser acompanhados de sua tradução para o inglês.

3. As páginas seguintes serão dedicadas ao texto do artigo (até um máximo de 12 páginas em artigos originais, 6 páginas em originais breves e 15 páginas em revisões). Os artigos originais e as revisões devem ser divididos de acordo com as seguintes seções: Introdução, Material e métodos, Resultados e Discussão. Essas seções e seus títulos não deverão aparecer no caso das Cartas ao Diretor. Os ensaios clinicos devem seguir a Declaração CONSORT. As Colaborações Especiais poderão apresentar seções diferentes para facilitar a sua compreensão.

Introdução. Deve indicar com clareza os fundamentos e a finalidade do trabalho, resumindo os critérios que conduziram à sua realização, e oferecendo, se necessário, o substrato bibliográfico mínimo indispensável. Deve-se evitar uma revisão extensa do tema. Não deverá incluir dados ou conclusões do trabalho.

Material e métodos ou Sujeitos e métodos segundo corresponda. Deve descrever claramente os critérios seguidos no momento de selecionar o material objeto de estudo e os participantes, incluindo o grupo de controle. Deve expor a metodologia utilizada, incluindo a instrumentação e a sistemática seguida, com informações suficientes para permitir que outros grupos possam reproduzir o mesmo trabalho. Deve fazer referência ao tipo de análise estatística utilizado. Se se tratar de uma metodologia original, é necessário expor as razões que conduziram ao seu emprego e descrever suas possíveis limitações.

Quando se tratar de trabalhos experimentais nos quais tenham sido utilizados grupos humanos, indicar se foram levados em conta os critérios éticos aprovados pela comissão correspondente do centro no qual o estudo foi realizado e, em todo caso, se foram respeitados os acordos da Declaração de Helsinki em sua revisão de 2000 (http://www.wma.net). Os nomes e as iniciais dos pacientes não devem ser mencionados.

Quando se fizer referência a fármacos ou produtos químicos deve-se indicar o nome genérico, a dosagem e a forma de administração.

Resultados. As observações efetuadas com o material e métodos empregados deverão ser descritas, e não interpretadas, apresentando os resultados numa seqüência lógica no texto. Não se deve repetir no texto todos os dados expostos nas tabelas ou figuras, mas apenas ressaltar ou resumir as observações mais importantes.

Discussão. Os aspectos novos e importantes do estudo e as conclusões que daí resultam deverão ser ressaltados. Não se deve repetir em detalhe os dados ou outro material já comentado em outras seções. Mencionar as inferências das descobertas e suas limitações, incluindo as deduções para uma pesquisa futura. Relacionar as observações com outros estudos relevantes. Confrontar as conclusões com os objetivos do estudo, evitando as afirmações gratuitas e as conclusões não apoiadas completamente pelos dados do trabalho.

Agradecimentos. Quando for considerado necessário, pessoas, centros ou entidades que tenham colaborado na realização do trabalho, sem chegar a merecer a qualificação de autor, deverão ser citados.

4. A bibliografia deve aparecer após a discussão ou os agradecimentos, se houver. As referências bibliográficas deverão ser apresentadas segundo a ordem em que aparecem no texto, com a correspondente numeração. No texto deverá constar sempre a numeração das referências em algarismos arábicos colocados como expoentes. Os títulos das revistas devem ser abreviados de acordo com o Índice Médico Español  (http://www.uv.es/~fresquet/TEXTOS/)  e o Index Medicus. A "List of Journals Indexed" que publica todos os anos o Index Medicus em seu número de janeiro ou a secção de Journal Browser de Medline (http://www.ncbi.nlm.nih.gov/journals?itool=sidebar) deverão ser consultados.

O uso de frases imprecisas como referências bibliográficas deverá ser evitado. Não será permitido incluir na bibliografia expressões como "observações não publicadas", ou "comunicação pessoal", ainda que se possam citá-las no texto entre parênteses.

Os trabalhos aceitos, mas ainda não publicados, deverão ser incluídos nas referências bibliográficas especificando o título da revista, seguido pela expressão "no prelo". As referências bibliográficas deverão ser elaboradas a partir dos próprios documentos originais, indicando sempre a página inicial e final do trabalho. Seguem exemplos de referências bibliográficas:

Artigos de revistas

(1) Artigo padrão de revista. (Relacionar todos os autores, mas se o número for superior a seis, citar os seis primeiros seguidos da expressão et al).

Llorca Díez J, Prieto Salceda D, Dierssen Sotos T y Delgado-Rodríguez M. Comparación entre varias poblaciones estandar para el ajuste de edades. Rev Esp Salud Pública 2000; 74:341-350.

(2) Autor corporativo

Ministerio de Sanidad e Consumo. Liga Española para la lucha contra la Hipertensión. Sociedad Española de Hipertensión. Control de la hipertensión arterial en España. Rev Esp Salud Pública 1996;70: 139-210.

(3) Trabalho sem autor

Cancer in South Africa [editorial]. S Afr Med J 1994;84:15.

(4) Suplemento de um volume

Shen HM, Zhang QF. Risk assesment of nickel carcinogenicity and occupational lung cancer. Environ Health Perspect 1994;102 Supl 1:275-82.

(5) Suplemento de um número

Payne DK, Sullivan MD, Massie MJ. Women´s psichological reactions to breast cancer. Semin Oncol 1996;23(1 Supl 2):89-97.

(6) Parte de um volume

Ozben T, Nacitarhan S, Tuncer N. Plasma and urine sialic acid in non-insulin dependent diabetes mellitus. Ann Clin Biochem 1995;32(Pt 3):303-6.

(7) Parte de um número

Poole GH, Mills SM. One hundred consecutive cases of flap lacerations of the leg in ageing patients. N Z Med J 1994;107(986 Pt 1):377-8.

(8) Número sem volume

Turan I, Wredmark T, Fellander-Tsai L. Arthroscopic ankle arthrodesis in reumathoid arthritis. Clin Orthop 1995;(320):110-4.

(9) Sem número nem volume

Browell DA,Lennard TW. Inmunologic status of the cancer patient and the effects of blood transfusion on antitumor responses. Curr Opin Gen Surg 1993:325-33.

(10) Paginação com algarismos romanos

Fisher GA, Sikic Bl. Drug resistance in clinical oncology and hematology. Introduction. Hematol Oncol Clin North Am 1995 Abr;9(2):XI-XII.

Livros e outras monografias

(11) Indivíduos como autores

Ringsven MK, Bond D. Gerontology and leadership skills for nurses. 2ª ed. Albany (NY): Delmar Publishers;1996.

Hawe P, Degeling D hall J. Evaluación en promoción de la salud. Guía para trabajadores de la salud. 1ª ed.Barcelona:Masson,1993.

(12) Editor(es) ou compilador(es) como autor

Norman IJ, Redfern SJ, editores. Mental health care for elderly people. Nueva York: Churchill Livingstone; 1996.

(13) Organização como autor e entidade publicadora

Institute of Medicine (US). Looking at the future of the Medicaid programme. Washington (DC): The Institute; 1992.

(14) Capítulo de livro

Phillips SJ, Whisnant JP. Hypertensión and stroke. En: Laragh JH, Brenner BM, editores. Hypertensión: pathophisiology, diagnosis and management. 2ª ed. Nueva York: Raven Press;1995. p. 465-78.

Regidor Poyatos E, Rodríguez Blas C y Gutiérrez Fisac JL. Reducir los comportamientos perjudiciales para la salud. En: Indicadores de Salud. Tercera evaluación en España del programa regional europeo Salud para Todos. Madrid, Ministerio de Sanidad e Consumo; 1995.p. 239-273.

(15) Anais de conferências

Kimura J, Shibasaki H, editors. Recent advances in clinical neurophisiology. Proceedings of the 10th International Congress of EMG and Clinical Neurophisiology; 1995 Oct 15-19; Kyoto, Japón. Amsterdam: Elsevier; 1996.

Navarro C. Epidemias de asma asociadas con la inhalación de polvo de soja. Libro de ponencias de la XII Reunión Científica de la Sociedad Española de Epidemiología; 1994 Sep 29-30-Oct 1: Alicante: Departamento de Salud Pública. Universidad de Alicante,1994.

(16) Trabalho apresentado em conferência

Bengtsson S, Solheim BG. Enforcement of data protection, privacy and security in medical informatics. En: Lun KC, Degoulet P, Piemme TE, Rienholf O, editors. MEDINFO 92. Proceedings of the 7th World Congress on Medical Informatics; 1992 Sep 6-10; Ginebra, Suiza. Amsterdam: North-Holland; 1992. p. 1561-5.

(17) Informe científico e técnico

Smith P, Golladay K. Payment for durable medical equipment billed during skilled nursing facility stays. Fynal report. Dallas (TX): Dept. of Health and Human Services (US), Office of Evaluation and Inspections; 1994 Oct. Report No.: HHSIGOE169200860.

La diabetes del adulto en la Comunidad de Madrid. Madrid: Consejería de Salud; 1996. Documentos Técnicos de Salud Pública núm.37.

(18) Tese

Kaplan SJ. Post-hospital home health-care: the elderly´s acces and utilization [tesis doctoral]. San Luis (MO): Washington Univ.; 1995.

(19) Patente

Larsen CE, Trip R, Johnson CR, inventors; Novoste Corporation, assignee. Méthods for procedures related to the electrophisiology of the heart. US patent 5,529,067. 1995 Jun 25.

Outros trabalhos publicados

(20) Artigo de periódico

Lee G. Hospitalitations tied to ozone pollution: study estimates 50.000 admissions annually. The Washington Post 1996 Jun 21; Sec. A:3 (col. 5).

(21) Material audiovisual

VIH +/SIDA: the facts and the future [videocassette]. San Luis (MO): Mosby-Anuario; 1995.

(22) Arquivo de computador

Hemodynámics III: the ups and downs of hemodynámics [programa de ordenador]. Versión 2.2. Orlando (FL): Computerized Educational Systems; 1993.

(23) Documento de Internet:

Donaldsom L, May, R. Health implications of genetically modified foods [citado 12 de oct. 2000]. www.doh.gov.uk/gmfood.htm.

(24) Mapas

North Carolina. Tuberculosis rates per 100,000 population, 1990 [mapa demográfico]. Raleigh: North Carolina Dept. of Environment, Health and Natural Resources Div. of Epidemiology; 1991.

(25) Dicionários e obras de consulta

Stedman´s medical dictionary. 26th ed. Baltimore: Williams & Wilkins; 1995. Apraxia; p. 119-20.

(26) No prelo

Leshner AI. Molecular mechanisms of cocaine addiction. N Engl J Med. En prensa 1997.

(27) Documentos legais

Boletín Oficial de Navarra. Decreto Foral 545/1995, de 13 de noviembre, por el que se modifica la estructura orgánica y funciona del Instituto Navarro de Salud Laboral. BON núm 149,4/12/1995.

Boletín Oficial del Estado. Real Decreto 2210/1995 por el que se crea la Red Nacional de Vigilancia Epidemiológica. BOE núm 21, 24/1/1996.

Diario Oficial de las Comunidades Europeas. Directiva 94/33/CE relativa a la protección de los jóvenes en o trabalho. DOCE núm L 216, 20/8/1994.

É necessário que a pontuação das referências bibliográficas seja igual aos exemplos.

5. A seguir serão incluídas as tabelas que deverão ser apresentadas em folhas separadas do texto, e incluir:

  • a) Numeração da tabela em algarismos arábicos.
  • b) Enunciado (título) correspondente digitado em espaço duplo.
  • c) Uma única tabela por folha.

Os autores devem elaborar as tabelas de forma clara e sem emendas; as siglas e abreviaturas deverão ser sempre acompanhadas de uma nota explicativa (de radapé). Se uma tabela ocupa mais de uma folha, os cabeçalhos deverão ser repetidos na folha seguinte.

6. Por último, deverão ser apresentadas as figuras (até um máximo de seis), numeradas em algarismos arábicos. As legendas das figuras deverão ser digitadas em espaço duplo, començando em folha separada e identificando-as com os algarismos arábicos correspondentes. Quando símbolos, setas, números ou letras forem utilizados para indicar certas partes das ilustrações, será preciso identificar e elucidar o significado de cada um em nota de rodapé ou na legenda.

As fotografias devem ser selecionadas cuidadosamente, para garantir uma boa qualidade, desprezando as que não contribuírem para uma melhor compreensão do texto. O tamanho deverá ser 10 x 15 cm. É muito importante que as cópias fotográficas tenham máxima qualidade, com o fim de obter boas reproduções. Deverão ser apresentadas de maneira que os corpos opacos apareçam em branco. É aconselhável um máximo de seis fotografias, salvo exceções justificadas. Ilustrações em cor serão aceitas, e deverão ser enviadas na forma de diapositivos dentro de um envelope ou em formato eletrônico.

Gráficos (até um máximo de seis) deverão ser elaborados com qualidade suficiente para serem reproduzidos diretamente (não serão admitidas fotocópias), cuidando para que seu formato seja 10 x 15 cm ou um múltiplo. Os autores deverão considerar as mesmas normas para as fotografias. Estas deverão apresentarse em um arquivo de Powert Point em color branco e negro e, a ser possível, estarão também incluidas no arquivo de Word do manuscrito.

As fotografias e gráficos deverão ser numerados de maneira correlativa e conjunta em algarismos arábicos, sob a denominação de figuras.

Abreviaturas e símbolos. Utilizar unicamente abreviaturas comuns. Evitar o uso de abreviaturas no título e no resumo. Quando uma abreviatura for mencionada pela primeira vez, deverá ser precedida de seu nome completo por extenso, salvo quando se tratar de uma unidade de medida conhecida.

 

Informação aos autores

1. Três cópias dos trabalhos deverão ser enviadas para a redação da Revista Española de Salud Pública, no endereço abaixo, acompanhadas de uma carta de apresentação, na qual os autores solicitarão a avaliação do trabalho para a sua publicação em uma das seções da Revista, indicando expressamente que o trabalho é original, não foi divulgado ou publicado anteriormente, exceto na forma de resumo, e que está sendo enviado exclusivamente à Revista Española de Salud Pública. A carta de apresentação deverá ser assinada por todos os autores.

2. A redação da Revista acusará o recebimento dos trabalhos e posteriormente informará a sua aceitação ou recusa.

3. Os manuscritos serão analisados de forma anônima por dois especialistas na área do estudo e/ou da metodologia empregada. A redação da Revista se reserva o direito de recusar os artigos que julgar não apropriados para publicação, assim como o de introduzir modificações de estilo e/ou encurtar os textos, comprometendo-se a respeitar o conteúdo do original.

Os autores assumem total responsabilidade pelas afirmações contidas em seus trabalhos. O Comitê de Redação não se responsabilizará pelo material recusado, uma vez comunicada essa decisão aos autores.

4. No caso de manuscritos que estejam próximos de sua aceitação final, a Revista solicitará aos autores uma cópia em formato eletrônico. Ao apresentar este tipo de formato os autores devem:

  • Incluir em um documento eletrônico a versão mais recente do manuscrito, que conterá também as tabelas e figuras.
  • Utilizar o softaware Word para textos e tabelas e Power Point paras as figuras.

5. Quando o artigo estiver no prelo, o autor receberá por e-mail as provas impressas para sua correção, devolvendo-as à redação da Revista em 24 horas após o seu recebimento ao seguinte número de fax: 913601361.

6. Os autores poderão traduzir os seus manuscritos a outros idiomas diferentes ao espanhol. Estas versões serão publicadas em formato pdf na página web da Revista.

7. Uma vez publicado o trabalho, o autor responsável pelo trabalho receberá um exemplar da Revista por cada autor do manuscrito.

[Home] [Sobre esta revista] [Corpo editorial] [Assinaturas]


© 2010 MSC

Paseo del Prado, 18-20
28071 Madrid - España
Tel.: 91 596 41 75

Fax: 91 360 13 61


resp@msc.es