Scielo RSS <![CDATA[Ciência & Saúde Coletiva]]> http://www.scielosp.org/rss.php?pid=1413-812320080006&lang=en vol. 13 num. 6 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielosp.org/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielosp.org <![CDATA[<b>Interfaces</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Anthropology and Epidemiology</b>: <b>learning epistemological lessons through a collaborative venture</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600002&lng=en&nrm=iso&tlng=en Collaboration between anthropology and epidemiology has a long and tumultuous history. Based on empirical examples, this paper describes a number of epistemological lessons we have learned through our experience of cross disciplinary collaboration. Although critical of both mainstream epidemiology and medical anthropology, our analysis focuses on the implications of addressing each discipline's main epistemological differences, while addressing the goal of adopting a broader social approach to health improvement. We believe it is important to push the boundaries of research collaborations from the more standard forms of "multidisciplinarity," to the adoption of theoretically imbued "interdisciplinarity." The more we challenge epistemological limitations and modify ways of knowing, the more we will be able to provide in-depth explanations for the emergence of disease-patterns and thus, to problem-solve. In our experience, both institutional support and the adoption of a relativistic attitude are necessary conditions for sustained theoretical interdisciplinarity. Until researchers acknowledge that methodology is merely a human-designed tool to interpret reality, unnecessary methodological hyper-specialization will continue to alienate one field of knowledge from the other.<hr/>A colaboração entre Antropologia e Epidemiologia tem uma longa e confusa história. Baseado em exemplos empíricos, o artigo descreve lições epistemológicas aprendidas ao longo da nossa trajetória de colaboração transdisciplinar. Apesar de críticos da Epidemiologia e da Antropologia Médica tradicional e crermos que ambas possuem o objetivo de adotar uma abordagem social à promoção da saúde populacional, enfocamos as implicações de confrontar suas principais diferenças epistemológicas. É importante avaliar os limites da colaboração padrão ("multidisciplinaridade") e destacar a relevância de adotar a "interdisciplinaridade." Quanto mais profissionais de diversas disciplinas convergir e modificar seus modos de saber e desafiar suas posturas epistemológicas, mais poderão dar explicações aprofundadas aos padrões de doenças e solucionar problemas concretos. Em nossa experiência, ambos o suporte institucional e a adoção de uma abordagem realista das limitações epistemológicas das disciplinas são necessários à manutenção do grupo e interdisciplinaridade teórica. Até que se perceba que a metodologia é uma ferramenta humana criada para interpretar a realidade, a desnecessária hiperespecialização metodológica das disciplinas continuará a alienar um campo do conhecimento do outro. <![CDATA[<b>Beyond method: constructing "anthropoepidemiological" methods</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600003&lng=en&nrm=iso&tlng=en Collaboration between anthropology and epidemiology has a long and tumultuous history. Based on empirical examples, this paper describes a number of epistemological lessons we have learned through our experience of cross disciplinary collaboration. Although critical of both mainstream epidemiology and medical anthropology, our analysis focuses on the implications of addressing each discipline's main epistemological differences, while addressing the goal of adopting a broader social approach to health improvement. We believe it is important to push the boundaries of research collaborations from the more standard forms of "multidisciplinarity," to the adoption of theoretically imbued "interdisciplinarity." The more we challenge epistemological limitations and modify ways of knowing, the more we will be able to provide in-depth explanations for the emergence of disease-patterns and thus, to problem-solve. In our experience, both institutional support and the adoption of a relativistic attitude are necessary conditions for sustained theoretical interdisciplinarity. Until researchers acknowledge that methodology is merely a human-designed tool to interpret reality, unnecessary methodological hyper-specialization will continue to alienate one field of knowledge from the other.<hr/>A colaboração entre Antropologia e Epidemiologia tem uma longa e confusa história. Baseado em exemplos empíricos, o artigo descreve lições epistemológicas aprendidas ao longo da nossa trajetória de colaboração transdisciplinar. Apesar de críticos da Epidemiologia e da Antropologia Médica tradicional e crermos que ambas possuem o objetivo de adotar uma abordagem social à promoção da saúde populacional, enfocamos as implicações de confrontar suas principais diferenças epistemológicas. É importante avaliar os limites da colaboração padrão ("multidisciplinaridade") e destacar a relevância de adotar a "interdisciplinaridade." Quanto mais profissionais de diversas disciplinas convergir e modificar seus modos de saber e desafiar suas posturas epistemológicas, mais poderão dar explicações aprofundadas aos padrões de doenças e solucionar problemas concretos. Em nossa experiência, ambos o suporte institucional e a adoção de uma abordagem realista das limitações epistemológicas das disciplinas são necessários à manutenção do grupo e interdisciplinaridade teórica. Até que se perceba que a metodologia é uma ferramenta humana criada para interpretar a realidade, a desnecessária hiperespecialização metodológica das disciplinas continuará a alienar um campo do conhecimento do outro. <![CDATA[<b>Is epidemiology beginning to dialogue with anthropology?</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600004&lng=en&nrm=iso&tlng=en Collaboration between anthropology and epidemiology has a long and tumultuous history. Based on empirical examples, this paper describes a number of epistemological lessons we have learned through our experience of cross disciplinary collaboration. Although critical of both mainstream epidemiology and medical anthropology, our analysis focuses on the implications of addressing each discipline's main epistemological differences, while addressing the goal of adopting a broader social approach to health improvement. We believe it is important to push the boundaries of research collaborations from the more standard forms of "multidisciplinarity," to the adoption of theoretically imbued "interdisciplinarity." The more we challenge epistemological limitations and modify ways of knowing, the more we will be able to provide in-depth explanations for the emergence of disease-patterns and thus, to problem-solve. In our experience, both institutional support and the adoption of a relativistic attitude are necessary conditions for sustained theoretical interdisciplinarity. Until researchers acknowledge that methodology is merely a human-designed tool to interpret reality, unnecessary methodological hyper-specialization will continue to alienate one field of knowledge from the other.<hr/>A colaboração entre Antropologia e Epidemiologia tem uma longa e confusa história. Baseado em exemplos empíricos, o artigo descreve lições epistemológicas aprendidas ao longo da nossa trajetória de colaboração transdisciplinar. Apesar de críticos da Epidemiologia e da Antropologia Médica tradicional e crermos que ambas possuem o objetivo de adotar uma abordagem social à promoção da saúde populacional, enfocamos as implicações de confrontar suas principais diferenças epistemológicas. É importante avaliar os limites da colaboração padrão ("multidisciplinaridade") e destacar a relevância de adotar a "interdisciplinaridade." Quanto mais profissionais de diversas disciplinas convergir e modificar seus modos de saber e desafiar suas posturas epistemológicas, mais poderão dar explicações aprofundadas aos padrões de doenças e solucionar problemas concretos. Em nossa experiência, ambos o suporte institucional e a adoção de uma abordagem realista das limitações epistemológicas das disciplinas são necessários à manutenção do grupo e interdisciplinaridade teórica. Até que se perceba que a metodologia é uma ferramenta humana criada para interpretar a realidade, a desnecessária hiperespecialização metodológica das disciplinas continuará a alienar um campo do conhecimento do outro. <![CDATA[<b>'Undisciplinary' comments from evaluative research in health</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600005&lng=en&nrm=iso&tlng=en Collaboration between anthropology and epidemiology has a long and tumultuous history. Based on empirical examples, this paper describes a number of epistemological lessons we have learned through our experience of cross disciplinary collaboration. Although critical of both mainstream epidemiology and medical anthropology, our analysis focuses on the implications of addressing each discipline's main epistemological differences, while addressing the goal of adopting a broader social approach to health improvement. We believe it is important to push the boundaries of research collaborations from the more standard forms of "multidisciplinarity," to the adoption of theoretically imbued "interdisciplinarity." The more we challenge epistemological limitations and modify ways of knowing, the more we will be able to provide in-depth explanations for the emergence of disease-patterns and thus, to problem-solve. In our experience, both institutional support and the adoption of a relativistic attitude are necessary conditions for sustained theoretical interdisciplinarity. Until researchers acknowledge that methodology is merely a human-designed tool to interpret reality, unnecessary methodological hyper-specialization will continue to alienate one field of knowledge from the other.<hr/>A colaboração entre Antropologia e Epidemiologia tem uma longa e confusa história. Baseado em exemplos empíricos, o artigo descreve lições epistemológicas aprendidas ao longo da nossa trajetória de colaboração transdisciplinar. Apesar de críticos da Epidemiologia e da Antropologia Médica tradicional e crermos que ambas possuem o objetivo de adotar uma abordagem social à promoção da saúde populacional, enfocamos as implicações de confrontar suas principais diferenças epistemológicas. É importante avaliar os limites da colaboração padrão ("multidisciplinaridade") e destacar a relevância de adotar a "interdisciplinaridade." Quanto mais profissionais de diversas disciplinas convergir e modificar seus modos de saber e desafiar suas posturas epistemológicas, mais poderão dar explicações aprofundadas aos padrões de doenças e solucionar problemas concretos. Em nossa experiência, ambos o suporte institucional e a adoção de uma abordagem realista das limitações epistemológicas das disciplinas são necessários à manutenção do grupo e interdisciplinaridade teórica. Até que se perceba que a metodologia é uma ferramenta humana criada para interpretar a realidade, a desnecessária hiperespecialização metodológica das disciplinas continuará a alienar um campo do conhecimento do outro. <![CDATA[<b>The authors reply - Response</b>: <b>a call for the study of multidisciplinary collaboration</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600006&lng=en&nrm=iso&tlng=en Collaboration between anthropology and epidemiology has a long and tumultuous history. Based on empirical examples, this paper describes a number of epistemological lessons we have learned through our experience of cross disciplinary collaboration. Although critical of both mainstream epidemiology and medical anthropology, our analysis focuses on the implications of addressing each discipline's main epistemological differences, while addressing the goal of adopting a broader social approach to health improvement. We believe it is important to push the boundaries of research collaborations from the more standard forms of "multidisciplinarity," to the adoption of theoretically imbued "interdisciplinarity." The more we challenge epistemological limitations and modify ways of knowing, the more we will be able to provide in-depth explanations for the emergence of disease-patterns and thus, to problem-solve. In our experience, both institutional support and the adoption of a relativistic attitude are necessary conditions for sustained theoretical interdisciplinarity. Until researchers acknowledge that methodology is merely a human-designed tool to interpret reality, unnecessary methodological hyper-specialization will continue to alienate one field of knowledge from the other.<hr/>A colaboração entre Antropologia e Epidemiologia tem uma longa e confusa história. Baseado em exemplos empíricos, o artigo descreve lições epistemológicas aprendidas ao longo da nossa trajetória de colaboração transdisciplinar. Apesar de críticos da Epidemiologia e da Antropologia Médica tradicional e crermos que ambas possuem o objetivo de adotar uma abordagem social à promoção da saúde populacional, enfocamos as implicações de confrontar suas principais diferenças epistemológicas. É importante avaliar os limites da colaboração padrão ("multidisciplinaridade") e destacar a relevância de adotar a "interdisciplinaridade." Quanto mais profissionais de diversas disciplinas convergir e modificar seus modos de saber e desafiar suas posturas epistemológicas, mais poderão dar explicações aprofundadas aos padrões de doenças e solucionar problemas concretos. Em nossa experiência, ambos o suporte institucional e a adoção de uma abordagem realista das limitações epistemológicas das disciplinas são necessários à manutenção do grupo e interdisciplinaridade teórica. Até que se perceba que a metodologia é uma ferramenta humana criada para interpretar a realidade, a desnecessária hiperespecialização metodológica das disciplinas continuará a alienar um campo do conhecimento do outro. <![CDATA[<b>"Get back to where you once belonged"</b>: <b>monitoring the AIDS pandemic in the 21<sup>st</sup> century</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600007&lng=en&nrm=iso&tlng=en This paper reviews the concepts and methodological strategies that have shaped the monitoring of the AIDS pandemic, today in its third decade. A deliberate effort was made to highlight aspects usually forgotten by the canon. The paper aims to track the footsteps of the evolving strategies in the field of surveillance & monitoring, with the help of disciplines such as epidemiology, molecular biology, social, and behavioral sciences. The deep divide that opposes societies severely affected by the epidemic and affluent societies much less affected by the epidemic is contrasted with the scarce human and financial resources of the societies facing harshest epidemic vis-à-vis the comprehensiveness of the response to the epidemic in their affluent counterparts in terms of the scope and high standards of their initiatives on monitoring, prevention, management & care. The pressing need to implement feasible alternatives to the current sophisticated and expensive ones is briefly discussed. Beyond the renewed challenge posed to the creativity of scientists and health professionals, the AIDS pandemic is described as a major public health crisis, compromising the social fabric in some contexts, and as a never fulfilled calling for an ethics of solidarity between different societies and different social strata of each given society.<hr/>O artigo procede a uma retrospectiva histórica dos conceitos e estratégias metodológicas que informaram e informam o monitoramento da pandemia de aids, hoje na sua terceira década. Procurou-se iluminar aspectos raramente abordados pela história canônica da epidemia, buscando traçar as raízes e desdobramentos das atuais alternativas de vigilância e monitoramento, no campo da epidemiologia, da biologia molecular e das ciências sociais e comportamentais. O profundo cisma que opõe sociedades duramente afetadas pela epidemia e que contam com recursos humanos e financeiros escassos a serem empregados tanto no monitoramento, como na implementação ampla e adequada de estratégias de prevenção e tratamento às pessoas vivendo com HIV/aids nas sociedades afluentes e substancialmente menos afetadas pela epidemia é criticamente revisado, em prol de soluções factíveis e prementes, dado o alto custo e a complexidade de boa parte das alternativas-padrão em curso nos países mais ricos. Mais do que um desafio à engenhosidade de cientistas e profissionais de saúde, a pandemia de aids é revista como uma crise de grandes proporções da saúde pública, da vida social e um chamamento renovado à frustrada ética solidária entre as diferentes sociedades e segmentos sociais. <![CDATA[<b>Transdisciplinary research strategies for understanding socially patterned disease</b>: <b>the Asthma Coalition on Community, Environment, and Social Stress (ACCESS) project as a case study</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600008&lng=en&nrm=iso&tlng=en As we have seen a global increase in asthma in the past three decades it has also become clear that it is a socially patterned disease, based on demographic and socioeconomic indicators clustered by areas of residence. This trend is not readily explained by traditional genetic paradigms or physical environmental exposures when considered alone. This has led to consideration of the interplay among physical and psychosocial environmental hazards and the molecular and genetic determinants of risk (i.e., biomedical framing) within the broader socioenvironmental context including socioeconomic position as an upstream "cause of the causes" (i.e., ecological framing). Transdisciplinary research strategies or programs that embrace this complexity through a shared conceptual framework that integrates diverse discipline-specific theories, models, measures, and analytical methods into ongoing asthma research may contribute most significantly toward furthering our understanding of socially patterned disease. This paper provides an overview of a multilevel, multimethod longitudinal study, the Asthma Coalition on Community, Environment and Social Stress (ACCESS), as a case study to exemplify both the opportunities and challenges of transdisciplinary research on urban asthma expression in the United States.<hr/>Com o aumento da asma observado em nível mundial nas últimas três décadas, também ficou claro que se trata de uma doença social, conforme evidenciado por indicadores demográficos e socioeconômicos agrupados por áreas residenciais. Esta tendência não pode ser explicada apenas por paradigmas genéticos tradicionais ou influência física do ambiente, quando considerados isoladamente. Por isso passou-se a considerar a interação entre riscos ambientais físicos e psicológicos e os determinantes de risco moleculares e genéticos (i.e. enquadramento biomédico) no âmbito de um contexto socioambiental mais amplo, incluindo a posição socioeconômica como "causa das causas" (i.e. enquadramento ecológico). Estratégias de pesquisa transdisciplinares ou programas que acolhem esta complexidade por meio de uma estrutura conceitual comum integrando teorias, modelos, medidas e métodos analíticos específicos das diversas disciplinas à pesquisa atual da asma podem representar contribuições particularmente significantes a uma melhor compreensão de uma doença social. Este artigo em forma de relato de caso pretende dar uma visão geral de um estudo longitudinal usando vários níveis e métodos - o Asthma Coalition on Community, Environment and Social Stress (ACCESS) -, para mostrar as oportunidades e desafios de um estudo transdisciplinar investigando a expressão urbana da asma nos Estados Unidos. <![CDATA[<b>The many faces of epidemiology</b>: <b>evolutionary epidemiology</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600009&lng=en&nrm=iso&tlng=en We review important issues revealed by the application of the evolutionary theory to epidemiological problems. The scope is restricted to infectious diseases and the evolution of virulence as a consequence of public health strategies to control transmission. We focus on the discussion about the possibility of virulence management and explore current scenarios in which recent advances in molecular biology and genetics offer new tools to monitor and change diversity among pathogens, vertebrate and invertebrate hosts. We stress the need to integrate the analytical framework of epidemiology into population genetics and evolutionary theory. We anticipate as an outcome of this process the development of study designs and analytical tools to predict the evolutionary implications of control measures in the population and surveillance mechanisms to continuously monitor the changes in pathogen virulence patterns. Communication among modelers, epidemiologists and molecular biologists is essential in order to design model-driven field trials and to develop data-driven analytical tools leading to conclusive findings that can inform the public health oriented decision making process.<hr/>Apresentamos os principais conceitos relacionados à aplicação da teoria evolutiva a problemas epidemiológicos. Limitamo-nos às doenças infecciosas e à evolução da virulência como conseqüência das estratégias de controle da transmissão em saúde pública. Nosso foco é voltado à discussão sobre a possibilidade de controle da virulência e exploramos possíveis cenários atuais em que os avanços recentes em biologia molecular e genética oferecem novas ferramentas de controle e monitoramento de variações na diversidade em patógenos e hospedeiros. Chamamos a atenção para a necessidade de integrar a estrutura analítica da epidemiologia com a genética de populações e a teoria evolutiva. Seguindo a tradição epidemiológica, antecipamos como resultado deste processo o desenvolvimento de desenhos de estudos e ferramentas analíticas de predição das implicações evolutivas das medidas de controle usadas em populações e mecanismos de vigilância que permitam o monitoramento contínuo de mudanças nos padrões de virulência de patógenos. A comunicação entre modeladores, epidemiologistas e biologistas moleculares torna-se essencial ao desenho de ensaios de campo motivados por dados empíricos e ao desenvolvimento de ferramentas analíticas que possam informar o processo de decisão orientado aos problemas em saúde pública. <![CDATA[<b>Georeferenced data in epidemiologic research</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600010&lng=en&nrm=iso&tlng=en This paper reviews some conceptual and practical issues regarding the application of georeferenced data in epidemiologic research. Starting with the disease mapping tradition of geographical medicine, topics such as types of georeferenced data, implications for data analysis, spatial autocorrelation and main analytical approaches are heuristically discussed, relying on examples from the epidemiologic literature, most of them concerning mapping disease distribution, detection of disease spatial clustering, evaluation of exposure in environmental health investigation and ecological correlation studies. As for concluding remarks, special topics that deserve further development, including the misuses of the concept of space in epidemiologic research, issues related to data quality and confidentiality, the role of epidemiologic designs for spatial research, sensitivity analysis and spatiotemporal modeling, are presented.<hr/>Neste artigo, faz-se uma revisão acerca de aspectos conceituais e práticos relacionados à aplicação de dados georreferenciados na pesquisa epidemiológica. Iniciando com a tradicional abordagem de mapeamento de doenças da geografia médica, discute-se heuristicamente com base em exemplos da literatura epidemiológica, tópicos como tipos de dados georreferenciados, implicações para a análise de dados, autocorrelação espacial e as principais estratégias analíticas, destacando-se os estudos de mapeamento da distribuição espacial de eventos de saúde, detecção de agregados espaciais de casos, avaliação de exposição em estudos de saúde ambiental e estudos ecológicos. Os comentários finais salientam tópicos especiais que merecem desenvolvimentos futuros, incluindo os dilemas relacionados à incorporação do conceito de espaço na pesquisa epidemiológica, aspectos relacionados à qualidade dos dados e confidencialidade, o papel dos estudos epidemiológicos na pesquisa com dados espaciais, análise de sensibilidade e modelos espaço-temporais. <![CDATA[<b>Networks</b>: <b>epidemiology of transmissible diseases from a systemic perspective</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600011&lng=en&nrm=iso&tlng=en A necessidade do contato físico entre pessoas (direta ou indiretamente) para a transmissão de agentes infecciosos trouxe para a epidemiologia, desde seus primórdios, a necessidade de compreender e descrever o processo de encontro entre pessoas. É neste espaço de encontros que a transmissão flui pela população e emerge, a nível sistêmico, na forma de epidemias. Durante todo o século XX, intenso esforço foi dedicado ao desvendamento dos fatores populacionais que favoreceriam ou não o surgimento de epidemias, sua temporalidade e espacialidade. Este caminho tem como inspiração inicial a física, com modelos de natureza quantitativa, nos quais a população é vista como um todo sem estrutura. Posteriormente, vê-se necessário incluir as estruturas sociais que compõem a população: grupos sociais, redes sociais, coesão social tornam-se conceitos de interesse no estudo quantitativo das epidemias. A integração com a sociologia torna-se óbvia, na medida em que seus conceitos interagem cada vez mais. É um breve olhar sobre esta jornada o objetivo deste ensaio.<hr/>The direct or indirect physical contact between human beings as a basic condition for the transmission of infectious diseases stimulated epidemiologists to put forth great efforts to understanding and describing the process of human contacts. It is through these contacts that disease spreads over populations and emerges, at the systemic level, in the form of epidemics. During the 20th century, many researchers dedicated themselves to revealing the population patterns that favor or not the emergence of epidemics and their temporal and spatial dynamics. The first insights came from population models adapted from the physical sciences, in which non-structured populations are considered. Later on it became clear that a more detailed description of social structures was required to correctly describe epidemic dynamics, and concepts such as social group, social network and social cohesion became important terms in the quantitative study of epidemics. The approximation between epidemiology and the social sciences turns obvious as their concepts are interacting more and more. To give a brief overview of this trajectory is the purpose of this article. <![CDATA[<b>Energy expenditure of adults in the city of Niterói, state of Rio de Janeiro</b>: <b>nutrition, Physical activity and Health Survey - PNAFS</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600012&lng=en&nrm=iso&tlng=en Conhecer o gasto energético (GE) e o nível de atividade física (NAF) serve como base para o estabelecimento dos requerimentos energéticos (RE) de populações. Pouco se conhece sobre o GE da população brasileira, lacuna que deve ser preenchida visto o quadro de transição nutricional presente no país. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar o GE e o NAF da população adulta (> 20 anos) do município de Niterói, RJ. Para a obtenção do tempo de duração das atividades cotidianas, usou-se um questionário de orçamento do tempo das atividades cotidianas. O custo energético (CE) das atividades foi obtido na tabela da FAO de 2004 como múltiplo da taxa metabólica basal (TMB). O GE total diário (GETD) foi computado como o somatório do GE de todas as atividades de um dia típico. O GETD foi maior nos homens (2382,0 + 38,0) do que nas mulheres (1987,1 + 22,9 kcal.dia-1) mas as mulheres apresentaram NAF maiores. O RE usando o valor de NAF de 1,40 foi o que melhor estimou o GETD na população em todas as categorias de estado nutricional. Parece ser prudente utilizar valores menores de NAF para a estimativa dos RE na população adulta de Niterói. Fica evidente a necessidade de se obter mais dados de CE de atividades para, junto com estimativas adequadas da TMB, se poder determinar os RE da população brasileira.<hr/>The accurate assessment of energy expenditure (EE) and of the physical activity level (PAL) is important for establishing the energy requirements (ER) of populations. Little is known about these variables in the Brazilian population. The purpose of the present study was to assess EE and PAL in the adult population (> 20 years) of Niterói, RJ. An adapted version of the MOSPA time-budget questionnaire was used to assess the duration of the daily activities of the subjects. The energy cost of the activities was obtained from the table published by FAO in 2004, expressed as multiples of the basal metabolic rate (BMR) measured by indirect calorimetry. Total daily EE (TDEE) was calculated as the sum of EE of all activities of a typical daily routine. TDEE was higher in males than in females (2382.0 + 38.0 and 1987.1 + 22.9 kcal.day-1 respectively) but women showed higher PAL values (1.70 + 0.02 and 1.75 + 0.01 respectively). ER estimated using a PAL of 1.40 was the best predictor of EE of the population in all nutritional status categories, particularly for males. In conclusion, it seems prudent to use lower PAL values when estimating the ER of the adult population of Niterói. It is also evident that more data on the energy cost of activities must be generated for establishing the ER of the Brazilian population. <![CDATA[<b>Urban health</b>: <b>"the city is a strange lady, smiling today, devouring you tomorrow"</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600013&lng=en&nrm=iso&tlng=en Mais da metade dos habitantes da terra está vivendo nas cidades, e o mundo está se tornando mais e mais urbano. Este artigo considera, a partir de revisão bibliográfica, que o ambiente urbano influencia a saúde e os comportamentos humanos, apontando para a necessidade do melhor entendimento dos determinantes da saúde das populações vivendo nas cidades. Explora as transformações urbanas oferecendo uma visão sobre a conformação das cidades contemporâneas e os impactos sobre a saúde humana. Sugere que, enquanto as cidades podem representar oportunidades positivas, impactos desiguais negativos relacionados à falta de organização social, precárias condições urbanas e de trabalho, falta de governança, de oportunidades, e de capacidade de desenvolver políticas para ações tendem a ampliar os efeitos adversos sobre a saúde das pessoas. Discute a saúde urbana como um ramo de conhecimento aninhado na saúde pública, possibilitando re-pensar avaliações de impacto à saúde a partir de intervenções não necessariamente originadas da saúde. Propõe arcabouço de um modelo conceitual, além de uma taxonomia comum para a saúde urbana. Apresenta direções futuras de investigação e prática, contemplando especificidades analíticas, sob a luz de alguns exemplos da literatura científica brasileira.<hr/>More than half of the world's population is living in cities and the world is turning more and more urbanized. This literature review explores the ramifications of urban transformation, showing how cities take shape and impact human health in our times. While cities can offer positive opportunities, their negative impacts related to the lack of social organization, precarious urban living and working conditions, lack of governance and opportunities as well as the lack of strategies for promoting social equity tend to increase the adverse effects on the health of the urban communities. The article also advocates the study of urban health as a branch of knowledge related to public health, proposing a common conceptual model and taxonomy for urban health. Future directions for research and practice are discussed in the light of some examples from the Brazilian scientific literature. <![CDATA[<b>The impact of oral health on the quality of life of HIV infected children</b>: <b>a literature review</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600014&lng=en&nrm=iso&tlng=en Em busca de uma melhora da saúde de pacientes sistemicamente comprometidos e um maior entendimento do impacto de doenças nas suas vidas, grande interesse tem sido dado à qualidade de vida relacionada à saúde, principalmente em crianças com doenças crônicas. Neste sentido, a qualidade de vida relacionada à saúde bucal tem sua importância haja vista que a mesma é um componente indissociável da saúde geral e também pela relevância dos problemas orais na vida destes pacientes. Assim, a avaliação de qualidade de vida relacionada à saúde bucal em pacientes infantis infectados pelo HIV pode ser de grande relevância uma vez que estas apresentam alta prevalência de doença cárie e periodontal, além da presença de manifestações orais da própria infecção pelo vírus. Dessa forma, o objetivo deste artigo é, através de uma revisão de literatura, apresentar alguns conceitos relacionados à qualidade de vida e utilização de instrumentos de avaliação da mesma, bem como analisar o impacto da saúde bucal na qualidade de vida de crianças infectadas pelo HIV.<hr/>The search for improvement of the health of systemically compromised patients and for a better knowledge about the impact of diseases on their lives has brought great interest for health-related quality of life, mainly in children with chronic diseases. The quality of life related to oral health is thus relevant, not only for being an inseparable component of the general health but also due to the importance of oral problems in the lives of these patients. The evaluation of oral health-related quality of life in HIV infected children can be of great importance seen that these patients show high prevalence of caries and periodontal diseases besides the oral manifestations of the virus infection itself. The aim of this article is to present some concepts about quality of life and the use of instruments for its evaluation on the basis of a literature review as well as to analyze the impact of oral health on the quality of life of HIV infected children. <![CDATA[<b>From condom use to prevention of STD/AIDS</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600015&lng=en&nrm=iso&tlng=en O objetivo deste estudo foi analisar as atitudes de homens referentes ao uso do preservativo masculino nas relações heterossexuais e se caracteriza como análise secundária de parte de uma pesquisa de maior amplitude que teve o propósito de compreender o poder nas relações de casais heterossexuais a partir da perspectiva do homem. A análise secundária propõe examinar dados de pesquisa obtidos e analisados num estudo prévio para responder questões diferentes das do estudo original. Do estudo original participaram dez homens do oeste de Santa Catarina. Para o presente estudo, foram usados os dados de identificação dos participantes, bem como dados gerados nas discussões do grupo e das entrevistas realizadas no estudo original. A análise dos dados consistiu em leitura de todas as informações; extração dos relatos comuns; agrupamento dos códigos de acordo com sua natureza e formação de categorias. Os resultados mostraram atitudes dos homens em relação às seguintes categorias: preservativo somente para evitar gravidez; preservativo com a esposa denuncia traição; o preservativo deve ser usado "fora de casa"; nunca usei preservativo; sexo seguro. Na prevenção de DST/aids, emaranham-se aspectos vinculados às crenças, aos mitos, aos estereótipos em saúde e às características dos relacionamentos homem-mulher.<hr/>Men´s attitudes were investigated regarding the condom use in heterosexual intercourse. The study was characterized as secondary analysis of part of wider research aiming to understand power in heterosexual intercourse from the man´s perspective. The secondary analysis proposed to analyze research data obtained and analyzed in a previous study to answer questions other than those contained in the original study. Ten men from west Santa Catarina took part in the original study; for the present study the data of participant identification, the group discussion and the interview of the original study were used. The data analysis comprised reading all the information, extracting common reports, grouping codes according to their nature; category formation. The results showed men´s attitudes in the following categories: condom only to prevent pregnancy; condom with the wife denotes cheating; the condom should be used when 'out'; I have never used a condom; safe sex. In STD/AIDS prevention, aspects linked to beliefs, myths, health stereotypes and the characteristics of man-woman relationships become entwined. <![CDATA[<b>Evaluation of STD/HIV/AIDS peer-education and danger</b>: <b>a local perspective</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600016&lng=en&nrm=iso&tlng=en An evaluation of peer-education projects with sex workers, men who have sex with men and marginalized adolescents, was introduced in a remote region of Brazil. The context of varied limits of predictability made it difficult to conduct inquiry. To go beyond available epidemiological surveys and questionnaires on sexual behavior, a self-evaluation aimed at increasing pragmatic knowledge about prevention in a challenging socio-political context. During five-months, a participatory-action research explored participant observation; individual and collective exchanges with users, peer-educators, coordinators, administrators, politicians and regional health professionals. Collective understanding of peer-education in prostitution zones underlines the reality of unforeseen social repercussions and confluence/divergence of multiple actors' perspectives. It identifies meaningful dimensions at a community-level, such as the collective history and dangerous working conditions. Nurses face complex struggles and negotiations over multiple actors in their practice. This study suggests that nurses have a role to play in the conceptualization of participatory evaluation. It also underlines the threats to their physical and social safety, which they might share with peer-educators.<hr/>Uma avaliação dos projetos de educação por pares com trabalhadores do sexo, homens que fazem sexo com homens e adolescentes marginalizados foi implantada numa região do interior do Brasil. Os diversos limites postos à previsibilidade tornaram difícil conduzir a investigação. Indo além das pesquisas epidemiológicas e questionários evolutivos sobre os comportamentos sexuais, esta auto-avaliação enfatiza o desenvolvimento de conhecimento pragmático sobre prevenção em um contexto sociopolítico desafiante. Durante cinco meses, uma pesquisa-ação explorou observação participante, entrevistas individuais e coletivas junto com usuários, pares educadores, coordenadores, administradores, políticos e profissionais da saúde. A compreensão coletiva da educação por pares em áreas de prostituição sublinha a realidade de repercussões sociais imprevistas e a confluência/divergência das perspectivas de diversos atores locais. A pesquisa identifica dimensões coletivas significativas como a historia coletiva e as condições de trabalho perigosas. As enfermeiras enfrentam complexas lutas e negociações com múltiplos atores no âmbito da sua prática. Este estudo ressalta o papel importante delas na conceitualização de avaliação participativa. O estudo também destaca as ameaças para a segurança física e social que as enfermeiras compartilham com os pares educadores. <![CDATA[<b>Evaluating the existence of oral infection control in patients admitted in state hospitals in Rio de Janeiro</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600017&lng=en&nrm=iso&tlng=en O objetivo do presente estudo foi verificar a existência de um protocolo de controle de infecção oral nos hospitais do Estado do Rio de Janeiro. Foram avaliados 62 hospitais da rede pública e privada. Quando questionados se existia na instituição algum procedimento destinado aos pacientes internados (no caso de UTIs), 39% dos hospitais pesquisados responderam positivamente. Das instituições pesquisadas, apenas 15% possuem um protocolo regular para o controle de placa nos pacientes internados. Pesquisas têm demonstrado a inter-relação da doença periodontal com doenças sistêmicas, como doenças cardiovasculares, osteoporose, nascimento de bebês de baixo peso e parto prematuro, diabetes e doenças respiratórias. A cavidade oral tem sido considerada como um potente reservatório de patógenos respiratórios. Diante destes fatos, evidencia-se a importância da higiene bucal como um meio de se prevenir patologias diversas. Desta forma, existe a necessidade de se criar um protocolo de controle de infecção da cavidade oral para contribuir para a redução da mortalidade de pacientes internados e propor medidas preventivas para este fim.<hr/>The aim of the present study is to ascertain whether an oral infection control protocol is being used in Rio de Janeiro State hospitals. Sixty two hospitals, both public and private have been surveyed. When asked whether any procedure was being adopted with admitted patients (in case of ICU patients), 39% of the hospitals responded positively. Among all institutions surveyed, only 15% conduct a regular plaque control protocol in admitted patients. Studies have shown that there is an inter-relationship between periodontal disease and systemic diseases, such as cardiovascular disease, osteoporosis, preterm births and low birthweight, diabetes and respiratory diseases. The oral cavity is considered a potent reservoir of respiratory pathogens. Based on these findings, it has become evident that oral hygiene is an important means of preventing a number of diseases. Thus the need arises not only to create an oral cavity infection control protocol that will contribute to reduce mortality in admitted patients but also to propose preventive measures towards this end. <![CDATA[<b>The knowledge of the aged about HIV/AIDS</b>: <b>epidemiologic study in Vale do Rio dos Sinos, Rio Grande do Sul, Brazil</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600018&lng=en&nrm=iso&tlng=en O objetivo deste estudo é avaliar o conhecimento sobre HIV/aids dos participantes de grupos de convivência do Vale do Sinos, Rio Grande do Sul. O estudo caracterizou-se como transversal, obtendo-se uma amostra de 510 pessoas, sendo 17,5% homens e 82,5% mulheres, na faixa etária entre 60-90 anos. Utilizou-se o questionário sobre HIV para terceira idade, que abrange características gerais dos participantes e questões relativas à aids, organizadas nos domínios "conceito", "transmissão", "prevenção", "vulnerabilidade" e "tratamento". Quase metade (48,4%) dos participantes relatou ter cursado de quatro a sete anos de estudo e a renda mensal de 52,2% foi de um a três salários mínimos. Nos domínios "conceito" e "transmissão", 49,4% desconheciam a fase assintomática da infecção pelo HIV e 41,4% acreditavam que a aids poderia ser transmitida pelo mosquito. No âmbito dos domínios "prevenção" e "vulnerabilidade", 25,5% não sabiam da existência da camisinha feminina e 36,9% consideravam a aids uma síndrome somente de homens que fazem sexo com homens, profissionais do sexo e usuários de drogas. Quanto ao "tratamento", 12,2% ignoravam a sua existência. Constataram-se lacunas no conhecimento sobre HIV/aids na amostra avaliada, demonstrando a necessidade de programas de saúde pública que visem à elucidação das principais dúvidas.<hr/>The objective of this study was to assess the knowledge about HIV/AIDS in participants of companionship groups in the Vale do Sinos, Rio Grande do Sul, Brazil. It was a prospective cross-sectional study in a sample of 510 individuals, 17% males and 82.5% females aged between 60 and 90 years. We used the Questionnaire on HIV for the Old Aged, which comprises the general characteristics of the participants and questions concerning HIV/AIDS, organized into the elements 'concept', 'transmission', 'prevention', 'vulnerability', and 'treatment'. Nearly half of the participants (48.4 %) reported having studied 4 to 7 years and the monthly income of 52.2% was of 1 to 3 minimum wages. In the dimensions concept and transmission, 49.4% had no idea about the asymptomatic phase of the infection, and 41.4% believed HIV could be transmitted by a mosquito bite. With regard to prevention and vulnerability, 25.5% did not know about the female condom and 36.9% considered AIDS a disease confined to men who have sex with men, sex workers, and injection-drug users. Regarding antiretroviral treatment, 12.2% ignored its existence. Elderly people in companionship groups have important misconceptions about HIV/AIDS, which can increase their risk of infection. There is a need for public health programs directed to this population in order to prevent or decrease the risk of HIV transmission. <![CDATA[<b>From "acute AIDS" to "chronic AIDS"</b>: <b>body perception and surgical interventions in people living with HIV and AIDS</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600019&lng=en&nrm=iso&tlng=en Após dez anos de uso da terapia anti-retroviral de alta potência, um novo problema surge: a síndrome lipodistrófica do HIV, uma distribuição irregular de gordura no corpo, decorrente do uso das medicações anti-retrovirais. Se no início da epidemia, a aids era caracterizada, sobretudo, pela magreza, hoje - tempos de "aids crônica"- estamos, uma vez mais, diante do estigma sobre o corpo, só que, paradoxalmente, com sinal trocado - o acúmulo "desordenado" de gordura no corpo. Este artigo apresenta e compara as mudanças corporais percebidas por pessoas que vivem com HIV e aids, ocorridas nos últimos anos da epidemia, com a utilização dos anti-retrovirais. Foram analisadas 32 entrevistas qualitativas com pessoas vivendo com HIV e aids, realizadas nos anos de 1999 e 2005. Ao nos depararmos com as novas questões emergentes e analisarmos sua interação com a crescente disponibilidade e utilização de tecnologias, fica a forte sensação de ressurgimento, sob nova forma, dos mesmos paradoxos previamente existentes nos tempos da aids aguda: o impacto dos sinais e um certo tipo de ressurgimento da desesperança quanto ao futuro de vida dessas pessoas.<hr/>The Brazilian government has been providing free and universal access to the HAART therapy for people living with HIV and AIDS for ten years. Since then, many epidemiological characteristics have changed, and AIDS passed scientifically and medically to be classified as a chronic condition. This qualitative study aims to comprehend the challenges posed by self-perception of body changes experienced by people living with AIDS during recent years, as a result of prolonged use of antiretroviral medication.With this purpose, in 1999 and 2005, 32 semi-structured interviews with HIV positive individuals were held in the State of Sao Paulo to capture the challenges occurred during this period, in particular with regard to the lipodystrophy syndrome. The analysis of the data indicates that even with the availability and use of new technologies that allowed for AIDS to transform into a chronic, clinically treatable disease, there are still important aspects lived by patients that reedit fears and difficulties similar to those of the initial periods of the epidemic, among others appearance-impairing physical stigma. <![CDATA[<b>Adherence to an oral health program for HIV infected children and adolescents and the attitudes of their caretakers</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600020&lng=en&nrm=iso&tlng=en O estudo avaliou a adesão a um Programa de Atenção à Saúde Bucal (PASB) por crianças e adolescentes infectados pelo HIV, bem como a atitude de seus responsáveis quanto a cuidados em relação à saúde bucal. Foram entrevistados 58 responsáveis que acompanhavam crianças e adolescentes HIV+ nas consultas médicas de rotina no ambulatório de aids, os quais foram indagados sobre os dados pessoais, adesão ao PASB ou a outros serviços odontológicos e atitudes quanto aos cuidados bucais. Aproximadamente 70% dos responsáveis disseram que a criança participava do PASB; entretanto, 20% delas não retornavam às consultas de prevenção quando solicitadas, e este retorno era menor quando os responsáveis não eram os próprios pais (p=0,036). A adesão desta população ao tratamento odontológico fora do PASB foi pequena, visto que 48% dos responsáveis relataram que a criança não concluiu o tratamento quando este não foi realizado no PASB. A atitude dos responsáveis em relação aos cuidados bucais das crianças HIV+ também não foi considerada satisfatória. Desta forma, ressalta-se a importância da inserção do odontopediatra em equipes multidisciplinares que atendem crianças e adolescentes HIV+, bem como da divulgação deste serviço para os familiares e para todas as equipes médicas envolvidas com estes pacientes.<hr/>This study aimed to evaluate the adherence to an Oral Health Program (OHP) for HIV infected children and adolescents, as well as the attitudes of their caretakers regarding oral care. A total of 58 caretakers that accompany the children in medical appointments at an AIDS ambulatory were interviewed for collecting personal data and data regarding adherence to the OHP or other odontological treatment and attitudes related to oral care. Approximately 70% of the caretakers stated that their children participated in the OHAP, however 20% of them did not return to the recall appointments; such visits were even less frequent when the caretakers were not the parents themselves (p= 0.036). The adherence of this population to dental treatment outside the OHP was small, 48% of the caretakers stated that the child did not conclude the treatment when referred to another place for treatment. The attitude of the caretakers regarding dental care of HIV+ children was not considered satisfactory. Furthermore, it is very important to have pediatric dentists in the multi-professional teams that attend HIV+ children and adolescents and to promote this program among the parents and all medical teams involved with such patients. <![CDATA[<b>Analyzing the risk problem in couples with serodiscordance</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600021&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo relata um estudo feito com pessoas que vivem em situação de sorodiscordância - caracterizada pela parceria entre uma pessoa soropositiva para o HIV e outra não - e busca compreender de que modo elas convivem com essa condição que pode se apresentar como uma constante prática de risco. Foram realizadas, no Centro de Testagem e Aconselhamento do Hospital Escola São Francisco de Assis da Universidade Federal do Rio de Janeiro, quinze entrevistas com usuários que vivem em situação de sorodiscordância. O temor de transmitir o vírus HIV ao (à) parceiro (a) soronegativo (a) apareceu como uma constante. Além do medo, dificuldades para conversar sobre o assunto, planejar o futuro e manter uma vida sexual considerada satisfatória também se destacaram. O uso do preservativo não aparece como algo adotado facilmente. Os entrevistados apontam outros fatores em jogo no exercício das práticas sexuais com prevenção efetiva - para além do conhecimento sobre as formas de infecção pelo vírus. Tais fatores parecem depender mais diretamente das possibilidades de cada um dos parceiros em construir uma identidade do casal diante de uma nova realidade que traz risco. Paradoxalmente, o risco de infecção que está sempre num outro, neste caso, está num outro muito próximo, do qual depende, inclusive, a permanência do casal.<hr/>This article relates an investigation made with people who live in a situation of partner serodiscordance, shall say in partnerships in which one partner is HIV positive and the other is HIV negative. The study is aimed at understanding how these people deal with the constant risk this situation involves. Fifteen individuals living with serodiscordant partners were interviewed in the Testing and Counseling Center of the São Francisco de Assis School Hospital of the Federal University of Rio de Janeiro. The fear of transmitting the HIV to the seronegative partner is constant. Besides the fear, there are the difficulties to talk about the problem, to plan the future and to keep a satisfactory sexual life. Condom use does not seem to be an easily adopted practice. The interviewees point to other factors that need to be taken into consideration beyond safe sexual practices and knowledge of the forms of HIV transmission. Such factors seem to depend much more directly on the capacity of the partners to construct a new couple identity in face of a risk situation. The risk of infection always lies in another being. Paradoxically, in this case the risk of infection comes from someone so close that the continuation of the partnership itself depends on this other being. <![CDATA[<b>Asymmetry in international relations, industrial property rights and anti-HIV medication</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600022&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo analisa a assimetria nas relações internacionais entre países no que diz respeito ao reconhecimento da propriedade industrial no setor específico da indústria farmacêutica. O foco é o impacto destas relações no acesso a medicamentos anti-retrovirais (ARV), questão de interesse mundial em face da sua relação com o desenvolvimento das nações. A disputa de interesses no campo e o posicionamento de alguns países frente às leis patentárias, ao longo do tempo, apontam um cenário pouco favorável para acesso aos medicamentos anti-aids pelos países que não pertencem ao núcleo do sistema mundial. O sucesso do programa brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) e Aids nas negociações dos preços dos ARV, ao contrário, aponta para novas possibilidades de enfrentamento desta realidade. A saída parece ser o fortalecimento interno dos Estados Nacionais e um papel ativo das Agências do Sistema das Nações Unidas na defesa dos interesses humanos coletivos.<hr/>This paper analyzes the asymmetry in the international relations as refers to the recognition of industrial property rights in the pharmaceutical industry. It focuses on the impact of such relations upon the access to ARV medication, an issue of worldwide interest due to its connection with the development of the nations. Clashing interests and the position taken by some countries in their patent laws point to a scenario less favorable for the access of peripheral countries to anti-HIV/AIDS medication. On the other hand, it seems that the success of the Brazilian STD/AIDS program in negotiating ARV prices will open new possibilities. The solution may be the internal strengthening of the National States and the active role played by the Agencies of the United Nations System in defense of the collective human interests. <![CDATA[<b>The knowledge of the population of Viçosa, MG, about the ways of AIDS transmission</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600023&lng=en&nrm=iso&tlng=en A aids é um dos mais graves problemas de saúde pública atuais e uma importante forma de prevenção reside no conhecimento, por parte da população, das formas de transmissão da doença. Com o objetivo de avaliar o grau de conhecimento da população da cidade de Viçosa em relação às formas de transmissão da aids, foram aplicados 376 questionários, com onze perguntas de múltipla escolha sobre as formas de transmissão da aids, bem como sexo, idade e escolaridade dos entrevistados. Os dados mostraram que as formas de transmissão enfatizadas pelas campanhas de saúde estão bem assimiladas, enquanto situações do cotidiano que não oferecem risco apresentaram elevado número de respostas incorretas. As diferenças encontradas entre os sexos não foram significativas. Quando os dados foram estratificados por idade e escolaridade, foram encontradas diferenças significativas para algumas perguntas em que as pessoas com mais de 55 anos e de menor escolaridade apresentaram maior número de respostas incorretas. Pode-se concluir que a população viçosense conhece as principais formas de transmissão da aids, mas uma parte desconhece a ausência de risco de algumas atividades cotidianas. Esses dados podem ser usados para a elaboração de campanhas de esclarecimento visando à redução do preconceito.<hr/>AIDS is a major public health problem reaching all social strata. Knowing about the ways of transmission is a way of preventing the disease. For evaluating the level of knowledge of the population of the city of Viçosa about AIDS transmission, a questionnaire about the ways of transmission of the disease based on studies made in Europe was applied to 376 individuals. The questionnaire consisted of eleven multiple-choice questions about the ways of AIDS transmission, sex, age and educational level of the interviewees. The results showed that the ways of transmission emphasized in health campaigns are well assimilated, while the questions about everyday situations that offer no risk received a high number of incorrect answers. The differences were not significant when data were stratified by sex. The same data stratified by age or educational level showed significant differences for some questions; people aged over 55 and with a lower educational level had a significantly higher number of incorrect answers. It can be concluded that the population of Viçosa knows the main ways of AIDS transmission, but a part of the population does not know that some everyday situations do not pose risk of transmission. These data can be useful for the preparation of elucidative campaigns for reducing prejudice. <![CDATA[<b>Historical aspects, maternity and HIV infection in women</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600024&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente artigo teve por objetivo examinar aspectos históricos ligados ao feminino e ao maternal, buscando ampliar a compreensão sobre a maternidade no contexto da infecção pelo HIV/aids. Apresenta-se uma revisão do papel da mulher ao longo da história, demonstrando a dissociação histórica do feminino dividido entre a mãe, digna de respeito e consideração, e a prostituta, marginalizada e desrespeitada. Nesse contexto, discutem-se as doenças sexualmente transmissíveis e as reações sociais diante destas infecções em mulheres e, em especial, a questão da maternidade no contexto de HIV/aids. Destaca-se a presença de crenças sociais historicamente construídas a respeito dos comportamentos femininos como fatores que dificultam a efetiva prevenção de DST/HIV/aids em mulheres, o que indica a necessidade de reflexão quanto às estratégias de prevenção e assistência.<hr/>The aim of this article was to examine historical aspects related to the feminine and to being a mother for deepening the comprehension of motherhood in the context of HIV/Aids infection. We reviewed the traditional role of the woman in society, showing the historical division between the mother, deserving respect and consideration, and the prostitute, marginalized and not worth of respect. In this context, we discuss the sexually transmitted diseases and the social reactions toward these infections in women, especially as refers to motherhood in the context of HIV/Aids infection. The paper emphasizes the presence of socially constructed beliefs about women's behaviors as a factor hampering an effective prevention of STD/HIV/AIDS in women and the great need for reflecting about the strategies for prevention and care. <![CDATA[<b>HIV-testing for pregnant women in a Family Health Unit in Fortaleza, Ceará</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600025&lng=en&nrm=iso&tlng=en A garantia do diagnóstico da infecção pelo HIV em gestantes representa a primeira etapa de prevenção da transmissão vertical. Falhas na cobertura desse diagnóstico impossibilitam a adoção precoce das medidas profiláticas. Esse estudo objetivou analisar a implementação da detecção da infecção pelo HIV em gestantes em uma Unidade Básica de Saúde da Família em Fortaleza, Ceará. Utilizou referencial teórico-metodológico da grounded theory, que propõe a construção de modelo teórico a partir dos dados da realidade social. Realizou-se observação participante e entrevistas abertas com médicos, enfermeiros, gestantes e grupos focais com gestantes e agentes de saúde. As gestantes enfrentam barreiras de acesso à consulta pré-natal e ao teste anti-HIV. Evidenciaram-se dificuldades na marcação da consulta, na captação precoce da gestante e demora para atendimento. Quanto ao teste anti-HIV, detectou-se que a unidade básica não realiza a coleta do material biológico, poucos laboratórios o realizam e há distância geográfica entre os laboratórios e a residência da gestante. Concluiu-se que, mesmo em Unidades de Saúde da Família, o acesso à consulta pré-natal é difícil e a prevenção da transmissão vertical do HIV depende de mudanças políticas, institucionais e estruturais.<hr/>Free access to prenatal care and HIV tests represent the first step in the prevention of vertical transmission and guarantees early prophylactic measures. This study aims at analyzing the coverage of HIV testing in pregnant women in a Basic Family Health Unit in the city of Fortaleza, Ceará. The theoretical-methodological basis of the study was the grounded theory, which proposes generation of theory from data derived from the social reality. Data were collected through participant observation, open interviews with physicians, nurses and pregnant women and in focal groups with pregnant women and health agents. The women faced institutional barriers to prenatal care and HIV testing. Difficulties in making the appointments for prenatal care hampered early identification of pregnant women and delayed their assistance. With respect to HIV testing, the study found that the Basic Health Unit does not collect the biologic material; there are few laboratories performing this kind of exam and those who do are very far from the pregnant women's residences. This study concludes that even in the Family Health Unit, the access to prenatal care for pregnant women remains difficult, and that the prevention of vertical HIV transmission depends on political, institutional and structural changes. <![CDATA[<b>A systematic review and meta-analysis of interventions used to reduce exposure to house dust and their effect on the development and severity of asthma</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600026&lng=en&nrm=iso&tlng=en We assessed whether any household dust reduction intervention has the effect of increasing or decreasing the development or severity of atopic disease. Electronic searches on household intervention and atopic disease were conducted in 2007 in EMBASE, MEDLINE, and the Cochrane Central Register of Controlled Trials. We included randomized controlled trials comparing asthma outcomes in a household intervention group with either placebo intervention or no intervention. Meta-analyses on the prevention studies found that the interventions made no difference to the onset of wheeze but made a significant reduction in physician-diagnosed asthma. Meta-analysis of lung function outcomes indicated no improvement due to the interventions but found a reduction in symptom days. Qualitatively, health care was used less in those receiving interventions. However, in one study that compared intervention, placebo, and control arms, the reduction in heath care use was similar in the placebo and intervention arms. This review suggests that there is not sufficient evidence to suggest implementing hygiene measures in an attempt to improve outcomes in existing atopic disease, but interventions from birth in those at high risk of atopy are useful in preventing diagnosed asthma but not parental-reported wheeze.<hr/>Avaliamos se intervenções para reduzir a exposição à poeira doméstica podem aumentar ou diminuir o desenvolvimento ou severidade de doença atópica. Em 2007, fez-se um levantamento das intervenções domiciliares e doença atópica (EMBASE, MEDLINE e Cochrane Central Register of Controlled Trials). Foram incluídos aleatoriamente ensaios controlados comparando a ocorrência da asma em grupos de intervenção domiciliar com ou sem intervenção placebo. Segundo a meta-análise dos estudos de prevenção, as intervenções não tiveram impacto sobre a respiração difícil mas reduziram significativamente a asma diagnosticada por médico. Segundo a meta-análise da função pulmonar, a intervenção não resultou em melhora, mas houve redução nos dias sintomáticos. Qualitativamente, os que receberam intervenção usaram menos os serviços de saúde. Contudo, em um estudo que comparou os ramos intervenção, placebo e controle, a redução no uso dos serviços de saúde foi parecida com a dos casos de placebo e intervenção. Concluimos que não há evidência bastante que justifique a implementação de medidas de redução de poeira para melhorar doença atópica existente, mas que intervenções desde o nascimento em indivíduos sob alto risco de atopia são úteis na prevenção da asma diagnosticada, menos no caso da respiração difícil relatada por parentes. <![CDATA[<b>Anemia as a public health problem</b>: <b>the current situation</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600027&lng=en&nrm=iso&tlng=en Em 1990, as Nações Unidas promoveram a Reunião de Cúpula de Nova Iorque, onde foram traçadas metas para o decênio vindouro, dentre as quais, a redução de um terço na prevalência das anemias nas mulheres em idade fértil. Porém, apesar de percentual modesto, indícios epidemiológicos apontam no sentido inverso, ou seja, indicam a crescente e grave ocorrência de anemia em diferentes regiões do mundo, inclusive no Brasil. Ao reunir esses informes, constata-se que a anemia continua, desde a antiguidade, a ser uma das entidades nosológicas mais prevalentes e difundidas nas populações humanas. A partir daí surge uma série de questionamentos ainda sem respostas em relação às reais prevalência e etiopatogenia do problema, ao grau de implantação e à efetividade das medidas de controle.<hr/>In 1990, the United Nations held a World Summit in New York, in which goals for the upcoming decade were established. One of these goals was a one-third reduction in the prevalence of anemia among women at childbearing age. Despite this modest percentage, epidemiological indicators point to the opposite direction, indicating an increasing occurrence of anemia in different regions of the world, including in Brazil. These data show that anemia has continued since the antiquity to be one of the most prevalent and widespread diseases in human populations. Thus, a number of questions without answers arise regarding the actual prevalence and etiopathogenesis of the problem as well as with respect to the degree of implantation and the effectiveness of control measures. <![CDATA[<b>Evaluation of the decentralization of epidemiologic surveillance to the Team of the Family Health Program</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600028&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo avalia a implantação da descentralização das ações de vigilância epidemiológica para a equipe do Programa de Saúde da Família em um município da Bahia. Trata-se de uma pesquisa avaliativa através de um estudo de caso, com uso de técnicas adaptadas de análise temática e avaliativa, e adoção do modelo político da análise de implantação. Os dados primários foram obtidos através de entrevista semi-estruturada com os gestores da Secretaria Municipal da Saúde e trabalhadores do Programa de Saúde da Família e os dados secundários, através da análise de documentos. A pesquisa demonstrou que a vigilância epidemiológica é compreendida como uma prática voltada para o poder de polícia médica; como uma vigilância voltada para o controle das doenças transmissíveis e como vigilância de riscos e danos. Quanto à capacidade de intervenção, confirma-se um desempenho positivo da equipe no Programa de Saúde da Família, ainda que relacionada à detecção da doença e adoção de medidas de controle. Conclui-se que é possível descentralizar a vigilância epidemiológica para a equipe do Programa de Saúde da Família, muito embora esta ainda não tenha ocorrido efetivamente, se caracterizando muito mais como uma desconcentração de atividades, por razões políticas.<hr/>The aim of this study is to evaluate the decentralization of Epidemiologic Surveillance actions to the Family Health Program in a city in the state of Bahia, Brazil. The research was conducted as a case study, using adapted techniques of thematic and evaluative analysis. In face of the need to adopt a model for this analysis, it was decided to adopt the political model of implantation analysis. The primary data were collected in semi-structured interviews with managers of the local Health Department and the Family Health Team and the secondary data through document analysis. The study demonstrated that Epidemiologic Surveillance is understood in three ways: as a kind of medical police action; as an instrument of surveillance focused on the control of transmissible diseases and as surveillance addressing the risk of damages. As refers to the capacity of intervention, although mainly directed to disease detection and control, the performance of the Family Health Team was found positive. We conclude that it is possible to decentralize Epidemiologic Surveillance to the Family Health Program but the effective implantation of this process will depend on the support of health managers and professionals and on a political project assuming the decentralization of epidemiologic survey a strategy towards reorganization of the healthcare system in the city. <![CDATA[<b>Epidemiologic surveillance in the plan for intensification of malaria control actions in the state of Mato Grosso</b>: <b>a case study</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600029&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo tem como objetivo analisar a vigilância epidemiológica no Plano de Intensificação das Ações de Controle de Malária (PIACM), nos dezoito municípios mato-grossenses, de 1999 a 2002. Realizou-se uma pesquisa avaliativa do tipo análise de implantação. A análise foi realizada através do Modelo Lógico de Avaliação, considerando quatro dimensões de análise - contexto externo e político, contexto organizacional, implementação e efetividade - e cinco bases de evidências, sendo três de dados primários e os outros secundários. Os municípios foram denominados de CASOS. Os dados foram coletados por questionários semi-estruturados. A implementação das ações do PIACM apresentou-se adequada apenas em 5,6% dos CASOS. A efetividade das ações em apenas um CASO e nenhum CASO teve condição adequada nas características contextuais. Os fatores que mais influenciaram a implementação foram: rotatividade dos gestores municipais e profissionais de saúde; capacitação fragmentada e esporádica; promoção e prevenção à saúde limitada aos profissionais da atenção básica. Conclui-se que a vigilância epidemiológica, no PIACM, mostrou-se desarticulada, com problemas de ordem estrutural, o que vem dificultando o pleno desenvolvimento das ações.<hr/>The objective of this study is to analyze the epidemiologic surveillance in the Malaria Control Actions Intensification Plan (PIACM) in the 18 cities of the state of Mato Grosso, from 1999 to 2002. An evaluative research of the type implantation analysis was conducted. The analysis was carried out using a logic model considering 4 dimensions - external and political context, organizational context, implementation and effectiveness - and 5 evidence bases, 3 of primary data and 2 of secondary data. The cities are called CASE. The data were collected using semi-structured questionnaires. The implementation of the PIACM actions was found adequate in only 5,6% of CASES. The effectiveness of the actions was adequate in only one CASE and none of the CASES showed adequate contextual characteristics. The principal factors affecting the implementation were: frequent changes of the local health managers and professionals, fragmented and sporadic training and health promotion and prevention actions limited to the primary care team. In conclusion, structural problems and lack of articulation of epidemiologic surveillance hamper the full development of the PIACM actions. <![CDATA[<b>Model for evaluating plans for health service waste management (MPHSW) for use by local health and environmental protection authorities</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600030&lng=en&nrm=iso&tlng=en O gerenciamento inadequado de resíduos de serviços de saúde produzidos diariamente, aliado ao aumento significativo de sua produção, vem agravando os riscos à saúde e à população. Cada responsável por estabelecimento gerador destes resíduos deve implementar o Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS. Cabe às Secretarias da Saúde e do Meio Ambiente municipais a principal responsabilidade por orientar e monitorar a construção e a sustentação dos PGRSS. A proposta deste trabalho é a apresentação de um modelo que pode ser utilizado por Secretarias da Saúde e/ou do Meio Ambiente municipais para análise de PGRSS dos estabelecimentos de saúde dos municípios. A análise (incluindo gráficos com os percentuais de questões enquadradas em cada critério pré-estabelecido) é devolvida para que cada estabelecimento de saúde municipal possa proceder a ajustes. Esta análise favorece um retorno para os estabelecimentos de saúde municipais com orientações precisas para melhora da qualidade do plano. Permite ainda que a Secretaria da Saúde ou do Meio Ambiente obtenha parâmetros para o direcionamento das ações de capacitação para a elaboração do plano. O modelo permite um retorno rápido, facilita a avaliação dos PGRSS, é de fácil aplicação e auxilia seu constante aprimoramento.<hr/>The inadequate management of the waste the health services are producing day by day and the considerable increase in quantity of this waste are increasingly posing hazards to the health of the population. Thus, the managers in charge of establishments that originate this waste should adopt a Management Plan for Health Service Waste - MPHSW. The main responsibility of guiding and monitoring the construction and implementation of the waste management plan falls on the local health and environmental protection authorities. This paper presents a model for a questionnaire to be used by the local authorities for analyzing the MPHSW of the health services in their respective jurisdictions. The result of this analysis (including graphs and tables with the percentages of questions fitting into each criterion set in advance) will be returned to the health institution with precise instructions for improving the quality of the plan. The necessary software is easily available and allows adapting the questionnaire to the conditions and needs of each municipality. The model provides parameters enabling the involved authorities to direct their capacity-building actions, allows quick evaluation of the MPHSWs and is easily updated. <![CDATA[<b>Waste over history</b>: <b>perceptions about residues</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600031&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo busca, em diferentes períodos da história, as percepções sobre os resíduos resultantes da atividade humana. Está dividido em três partes: 1) narra o episódio da peste negra do século XIV, mostrando como ela foi associada aos resíduos produzidos pelo corpo humano; 2) explicita como as prenoções sobre resíduos, ainda hoje, remetem à sujeira, à doença e à morte; 3) descreve as medidas de higiene, a partir do renascimento e a saúde pública no início do século XX, que começa combatendo os agentes microbianos das doenças infecciosas e os seus vetores.<hr/>This article describes how Man, over history, felt about the residues produced by human activity. The text is divided into three parts: In the first part it tells the story of the black plague pandemic during the XIV century, showing how this disease was associated with the residues produced by the human body. In the second part it explains how the first notions of waste were, and still are, related to dirt, disease and death. Finally, in the third part, it describes the first measures of hygiene in the Renaissance and refers to the first public health actions at the beginning of the XX century, starting to combat the agents of infectious diseases and their vectors. <![CDATA[<b>The trajectory of a public service for alcohol and drug addicts in Vitória</b>: <b>the case of the CPTT</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600032&lng=en&nrm=iso&tlng=en O objetivo desse estudo é analisar o Centro de Prevenção e Tratamento de Toxicômanos (CPTT) e refletir o processo municipal de implementação da política de atenção aos usuários de álcool e outras drogas. Foi realizada pesquisa documental tendo como fontes os relatórios semestrais/anuais e/ou de gestão do CPTT e artigos publicados sobre o serviço. Para análise dos dados, utilizou-se a análise de conteúdo, recorrendo a categorias a priori e a posteriori. O CPTT, serviço de saúde da Prefeitura Municipal de Vitória, foi criado em 1992 na perspectiva de um serviço psicossocial. O processo de trabalho abrange o atendimento individual; atividades grupais na Atenção Diária e grupos de acolhimento e acompanhamento. O quadro hoje no CPTT se caracteriza por precarização do vínculo de trabalho da maioria dos profissionais com o CPTT. Os dados apontam que a implementação do CPTT no município de Vitória expressa, contraditoriamente, avanços na política municipal de atenção aos usuários de álcool e outras drogas e o desafio da não implementação de uma política de recursos humanos que efetive os avanços propostos pela política.<hr/>The aim of this case study is to analyze the Center for Prevention and Treatment of Alcohol and Drug Addiction (CPTT)/Psychosocial Care Center in Drugs and Alcohol (CAPS ad), and to reflect about the implementation process of the local addiction recovery policy for drug users and alcoholics. A document research was performed using as sources the CPTTs mid-year/annual and/or management reports and articles about the service. Data were analyzed using a priori and a posteriori content analysis. The CPTT, a health service of the government of the city of Vitória, was created in 1992 as a psychosocial service. The services provided by the CPTT include individual care, daily group activities and reception and follow-up groups. Today, the situation in the CPTT is characterized by precarious employment relations for most of the professionals working there. The trajectory of the implementation of the CPTT in the city of Vitória expresses two contradictory features: on one hand the advances made in the implementation of the public policy for prevention and treatment of drug and alcohol abuse, and on the other hand the challenge posed by the lack of a human resources policy capable of putting in effect the advances proposed by the policy. <![CDATA[<b>The touched masculinity</b>: <b>a discussion about the digital rectal exam for prostate cancer prevention</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600033&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente estudo tem por objetivo analisar os sentidos atribuídos ao toque retal, buscando refletir acerca de questões subjacentes a falas masculinas a partir de aspectos do modelo hegemônico de masculinidade. O método do estudo baseia-se numa abordagem de pesquisa qualitativa, através de entrevistas semi-estruturadas, com 28 homens, realizadas na cidade do Rio de Janeiro, em 2004. Dentre os principais resultados, destaca-se a idéia de que o exame do toque retal pode suscitar interdições e violações, podendo ser percebido como algo que compromete o que se entende comumente por ser homem; ou seja, o toque retal não toca apenas a próstata, mas também toca na masculinidade, podendo arranhá-la. Conclui-se que, para a compreensão e problematização das questões sobre a prevenção do câncer prostático, em específico, e as relacionadas ao cuidar de si masculino, em geral, se faz necessário levar em consideração os aspectos estruturais e simbólicos que perpassam tais questões.<hr/>The present study aims at analyzing the meanings attributed to the digital rectal exam, seeking to problematize questions underlying the masculine discourse on the basis of aspects of the hegemonic masculinity model. Semi-structured interviews were held with 28 men in the city of Rio de Janeiro, in 2004. Among the main results is the idea that the digital rectal exam is something that violates an interdicted space, something that compromises the current understanding of masculinity, shall say, the digital rectal exam does not only affect the prostate, it also affects the masculinity, puts it to shame. We conclude that for understanding and problematizing the questions related to the prostate cancer prevention in special, and to the question of taking care of oneself from the masculine perspective in general, we need to consider the structural and symbolic aspects that underlie these questions. <![CDATA[<b>Dental caries and need for dental care among the Baniwa Indians, Rio Negro, Amazonas</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600034&lng=en&nrm=iso&tlng=en Pesquisas epidemiológicas em comunidades indígenas no Brasil têm evidenciado forte relação entre a deterioração da saúde bucal e o consumo de itens industrializados (e do açúcar refinado em particular), aliados à precariedade da atenção odontológica. Este estudo abordou a população Baniwa do pólo-base de Tunuí-Cachoeira, São Gabriel da Cachoeira, Amazonas, Brasil. Foi realizado inquérito transversal sobre as condições de saúde bucal, de acordo com critérios da OMS. Foram observadas as condições dentárias e a necessidade de tratamento, examinando-se 590 indivíduos (49,2% da população > 2 anos). A média de dentes atacados pela doença cárie foi 6,0, 8,2 e 22,1 nas faixas etárias 12-14, 15-19 e mais de 50 anos, respectivamente. O maior valor de ceo-d (5,3) foi encontrado na idade de 5 anos. Do total de pessoas examinadas, 73,6% apresentaram alguma necessidade de tratamento cirúrgico-restaurador. Os indivíduos entre 15-19 anos apresentam as mais elevadas freqüências de restaurações. O CPO-D da população Baniwa é elevado, o que deve estar relacionado a processos recentes de mudanças socioeconômicas, particularmente na dieta. Enfatiza-se a necessidade de ampliação da atenção à saúde bucal, considerando-se a complexidade da questão sociocultural dos povos indígenas.<hr/>Epidemiologic research conducted with Indian communities in Brazil has shown strong correlation between the deterioration of their oral health and the consumption of industrial products, sugar in particular, added to the lack of structure of oral health care. This study was carried out among the Baniwa Indians from the Tunuí-Cachoeira region, São Gabriel da Cachoeira, Northwestern Amazon, Brazil. A cross-sectional survey was conducted according to the criteria established by the WHO, focusing on dental caries and need for dental treatment. A total of 590 individuals were examined (49.2% of the population older than 2 years). The mean numbers of teeth with caries were 6.0, 8.2 and 22.1 in the age groups 12-14, 15-19 and more than 50 years respectively. In children with deciduous dentition the highest mean value of decayed, missing and filled teeth (5.3) was observed in children age 5. From the total of examined people, 73.6% showed some need for surgery-restoration. The individuals between 15-19 years of age show the highest need for restorations. The DFMT index for the Baniwa can be considered high. The results show that it is necessary to expand public health control measures related to oral heath, taking into consideration the complex socio-cultural reality of the Northwestern Amazon region. <![CDATA[<b>Proteção social</b>: <b>dilemas e desafios</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600035&lng=en&nrm=iso&tlng=en Pesquisas epidemiológicas em comunidades indígenas no Brasil têm evidenciado forte relação entre a deterioração da saúde bucal e o consumo de itens industrializados (e do açúcar refinado em particular), aliados à precariedade da atenção odontológica. Este estudo abordou a população Baniwa do pólo-base de Tunuí-Cachoeira, São Gabriel da Cachoeira, Amazonas, Brasil. Foi realizado inquérito transversal sobre as condições de saúde bucal, de acordo com critérios da OMS. Foram observadas as condições dentárias e a necessidade de tratamento, examinando-se 590 indivíduos (49,2% da população > 2 anos). A média de dentes atacados pela doença cárie foi 6,0, 8,2 e 22,1 nas faixas etárias 12-14, 15-19 e mais de 50 anos, respectivamente. O maior valor de ceo-d (5,3) foi encontrado na idade de 5 anos. Do total de pessoas examinadas, 73,6% apresentaram alguma necessidade de tratamento cirúrgico-restaurador. Os indivíduos entre 15-19 anos apresentam as mais elevadas freqüências de restaurações. O CPO-D da população Baniwa é elevado, o que deve estar relacionado a processos recentes de mudanças socioeconômicas, particularmente na dieta. Enfatiza-se a necessidade de ampliação da atenção à saúde bucal, considerando-se a complexidade da questão sociocultural dos povos indígenas.<hr/>Epidemiologic research conducted with Indian communities in Brazil has shown strong correlation between the deterioration of their oral health and the consumption of industrial products, sugar in particular, added to the lack of structure of oral health care. This study was carried out among the Baniwa Indians from the Tunuí-Cachoeira region, São Gabriel da Cachoeira, Northwestern Amazon, Brazil. A cross-sectional survey was conducted according to the criteria established by the WHO, focusing on dental caries and need for dental treatment. A total of 590 individuals were examined (49.2% of the population older than 2 years). The mean numbers of teeth with caries were 6.0, 8.2 and 22.1 in the age groups 12-14, 15-19 and more than 50 years respectively. In children with deciduous dentition the highest mean value of decayed, missing and filled teeth (5.3) was observed in children age 5. From the total of examined people, 73.6% showed some need for surgery-restoration. The individuals between 15-19 years of age show the highest need for restorations. The DFMT index for the Baniwa can be considered high. The results show that it is necessary to expand public health control measures related to oral heath, taking into consideration the complex socio-cultural reality of the Northwestern Amazon region. <![CDATA[<b>Humanização dos cuidados em saúde</b>: <b>conceitos, dilemas e práticas</b>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000600036&lng=en&nrm=iso&tlng=en Pesquisas epidemiológicas em comunidades indígenas no Brasil têm evidenciado forte relação entre a deterioração da saúde bucal e o consumo de itens industrializados (e do açúcar refinado em particular), aliados à precariedade da atenção odontológica. Este estudo abordou a população Baniwa do pólo-base de Tunuí-Cachoeira, São Gabriel da Cachoeira, Amazonas, Brasil. Foi realizado inquérito transversal sobre as condições de saúde bucal, de acordo com critérios da OMS. Foram observadas as condições dentárias e a necessidade de tratamento, examinando-se 590 indivíduos (49,2% da população > 2 anos). A média de dentes atacados pela doença cárie foi 6,0, 8,2 e 22,1 nas faixas etárias 12-14, 15-19 e mais de 50 anos, respectivamente. O maior valor de ceo-d (5,3) foi encontrado na idade de 5 anos. Do total de pessoas examinadas, 73,6% apresentaram alguma necessidade de tratamento cirúrgico-restaurador. Os indivíduos entre 15-19 anos apresentam as mais elevadas freqüências de restaurações. O CPO-D da população Baniwa é elevado, o que deve estar relacionado a processos recentes de mudanças socioeconômicas, particularmente na dieta. Enfatiza-se a necessidade de ampliação da atenção à saúde bucal, considerando-se a complexidade da questão sociocultural dos povos indígenas.<hr/>Epidemiologic research conducted with Indian communities in Brazil has shown strong correlation between the deterioration of their oral health and the consumption of industrial products, sugar in particular, added to the lack of structure of oral health care. This study was carried out among the Baniwa Indians from the Tunuí-Cachoeira region, São Gabriel da Cachoeira, Northwestern Amazon, Brazil. A cross-sectional survey was conducted according to the criteria established by the WHO, focusing on dental caries and need for dental treatment. A total of 590 individuals were examined (49.2% of the population older than 2 years). The mean numbers of teeth with caries were 6.0, 8.2 and 22.1 in the age groups 12-14, 15-19 and more than 50 years respectively. In children with deciduous dentition the highest mean value of decayed, missing and filled teeth (5.3) was observed in children age 5. From the total of examined people, 73.6% showed some need for surgery-restoration. The individuals between 15-19 years of age show the highest need for restorations. The DFMT index for the Baniwa can be considered high. The results show that it is necessary to expand public health control measures related to oral heath, taking into consideration the complex socio-cultural reality of the Northwestern Amazon region.