Scielo RSS <![CDATA[Revista Brasileira de Epidemiologia]]> http://www.scielosp.org/rss.php?pid=1415-790X20150003&lang=pt vol. 18 num. 3 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielosp.org/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielosp.org <![CDATA[Discriminação e sofrimento psíquico de graduandos da Universidade Federal de Santa Catarina]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000300525&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <sec><title>INTRODUCTION:</title><p> The pathogenic and consistent effect of discrimination on mental health has been largely documented in the literature. However, there are few studies measuring multiple types of discrimination, evaluating the existence of a dose-response relationship or investigating possible effect modifiers of such an association.</p></sec><sec><title>OBJECTIVE:</title><p> To investigate the association between experiences of discrimination attributed to multiple reasons and common mental disorders, including the adjustment for potential confounders, assessment of dose-response relations, and examination of effect modifiers in undergraduate students from southern Brazil.</p></sec><sec><title>METHODS:</title><p> In the first semester of 2012, 1,023 students from the Universidade Federal de Santa Catarina answered a self-administered questionnaire on socio-demographic characteristics, undergraduate course, experiences of discrimination and common mental disorders. Associations were analyzed through logistic regression models, estimation of <italic>Odds Ratios</italic> and 95% confidence intervals (95%CI).</p></sec><sec><title>RESULTS:</title><p> The study results showed that students reporting discrimination at high frequency and intensity were 4.4 (95%CI 1.6 - 12.4) times more likely to present common mental disorders. However, the relationship between discrimination and common mental disorders was protective among Electrical Engineering students, when compared to Accounting Sciences students who did not report discrimination.</p></sec><sec><title>CONCLUSION:</title><p> The findings suggest that the dose-response relationship between experiences of discrimination and common mental disorders reinforces the hypothetical causal nature of this association. Nevertheless, the modification of effect caused by the undergraduate course should be considered in future studies for a better understanding and measurement of both phenomena.</p></sec><hr/><sec><title>INTRODUÇÃO:</title><p> O efeito deletério e consistente das experiências discriminatórias sobre a saúde mental tem sido amplamente documentado na literatura. No entanto, são escassos os trabalhos que aferem múltiplos tipos de discriminação, avaliam a existência de relação dose-resposta ou investigam possíveis modificadores de efeito dessa associação.</p></sec><sec><title>OBJETIVO:</title><p> Investigar a associação entre experiências discriminatórias por múltiplos motivos e sofrimento psíquico, incluindo a avaliação de efeito dose-resposta, o ajuste para potenciais confundidores e o exame de modificadores de efeito em estudantes universitários do sul do Brasil.</p></sec><sec><title>MÉTODOS:</title><p> No primeiro semestre de 2012, 1.023 graduandos da Universidade Federal de Santa Catarina responderam a um questionário autopreenchível sobre características sociodemográficas, curso de graduação, experiências discriminatórias e sofrimento psíquico. As associações foram analisadas com modelos de regressão logística, estimação de razões de chance e seus respectivos intervalos de confiança de 95% (IC95%).</p></sec><sec><title>RESULTADOS:</title><p> Observou-se que estudantes que relataram sofrer discriminação em alta frequência e intensidade apresentaram 4,4 (IC95% 1,6 - 12,4) vezes mais chance de apresentar sofrimento psíquico. Entretanto, a relação da discriminação com o sofrimento psíquico foi protetora em meio aos graduandos de Engenharia Elétrica, quando comparados aos de Ciências Contábeis não discriminados.</p></sec><sec><title>CONCLUSÃO:</title><p> A partir do estudo, concluiu-se que a relação dose-resposta entre experiências discriminatórias e sofrimento psíquico reforça a hipótese de natureza causal dessa associação. Contudo, a modificação de efeito ocasionada pelo curso de graduação deve ser considerada em investigações futuras para uma melhor compreensão de ambos os fenômenos e suas estratégias de mensuração.</p></sec> <![CDATA[Influência de fatores individuais e socioam]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000300538&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <sec><title>OBJECTIVE:</title><p> This study aimed to determine if individual and socio-environmental characteristics can influence the self-rated health among Brazilian adolescents.</p></sec><sec><title>METHODS:</title><p> It included 1,042 adolescents from 11 to 17 years old who participated in the <italic>Beagá</italic> Health Study (<italic>Estudo Saúde em Beagá</italic>), a multistage household survey in an urban setting. Logistic regression analyses were performed to determine the association between the self-rated health and the following explanatory variables: sociodemographic factors, social support, lifestyle, physical and psychological health.</p></sec><sec><title>RESULTS:</title><p> Good/very good and reasonable/poor/very poor self-rated health were reported by 88.5 and 11.5% of adolescents, respectively. The data on sociodemographic factors (SES), social support, lifestyle, psychological and physical health were associated with poor self-rated health (p ≤ 0.05). The associated variables were: age 14 - 17 years (OR =1.71; 95%CI 1.06 - 2.74), low SES (OR =1.68; 95%CI 1.05 - 2.69), few (OR = 2.53; 95%CI 1.44 - 4.46) and many quarrels in family (OR = 9.13; 95%CI 4.53 - 18.39), report of unkind and unhelpful peers (OR = 2.21; 95%CI 1.11 - 4.43), consumption of fruits &lt; 5 times a week (OR = 1.78; 95CI% 1.07 - 2.95), physical inactivity (OR = 2.31; 95%CI 1.15 - 4.69), overweight (OR = 2.42; 95%CI 1.54 - 3.79) and low level of life satisfaction (OR = 2.31; 95%CI 1.34 - 3.98).</p></sec><sec><title>CONCLUSIONS:</title><p> Poor self-rated health among adolescents was associated with individual and socio-environmental characteristics related to family, school and neighborhood issues. Quantifying the self-rated health according to the theoretical framework of the child's well-being should help in arguing that self-rated health might be a strong indicator of social inequities for the studied population.</p></sec><hr/><sec><title>OBJETIVOS:</title><p> Determinar se características individuais e socioambientais podem influenciar a autoavaliação de saúde dos adolescentes brasileiros.</p></sec><sec><title>MÉTODOS:</title><p> Foram incluídos 1.042 adolescentes de 11 a 17 anos de idade, participantes do "Estudo Saúde em Beagá", inquérito domiciliar realizado no município de Belo Horizonte em 2008-2009. Verificou-se a associação entre autoavaliação de saúde e as seguintes variáveis explicativas: fatores sociodemográficos, suporte social, estilos de vida, saúde psicológica e saúde física.</p></sec><sec><title>RESULTADOS:</title><p> Com relação à autoavaliação da saúde, 11,5% consideraram sua saúde muito ruim/ruim/razoável e 88,5% boa/muito boa. Os domínios sociodemográfico, suporte social, estilos de vida, saúde psicológica e física foram associados com autoavaliação de saúde ruim (p ≤ 0,05). As variáveis associadas foram: idade 14 - 17 anos (OR = 1,71; IC95% 1,06 - 2,74), baixo nível socioeconômico (OR = 1,68; IC95% 1,05 - 2,69), poucas (OR = 2,53; IC95% 1,44 - 4,46) e muitas brigas na família (OR = 9,13; IC95% 4,53 - 18,39), não considerar os colegas legais e prestativos (OR = 2,21; IC95% 1,11 - 4,43), consumo de frutas &lt; 5vezes/semana, (OR = 1,78; IC95% 1,07 - 2,95), ser inativo fisicamente (OR = 2,31; IC95% 1,15 - 4,69), excesso de peso (OR = 2,42; IC95% 1,54 - 3,79) e baixo nível de satisfação com a vida (OR = 2,31; IC95% 1,34 - 3,98).</p></sec><sec><title>CONCLUSÕES:</title><p> A autoavaliação de saúde ruim entre os adolescentes foi associada com características individuais e socioambientais relacionadas com questões da família, escola e vizinhança. Conhecer a autoavaliação da saúde de acordo com o referencial teórico de bem-estar infantil pode nos auxiliar ajudar na argumentação de que a autoavaliação de saúde pode ser um forte indicador de desigualdades sociais para essa população estudada.</p></sec> <![CDATA[Vacinação contra hepatite B em adolescentes residentes em Campinas, São Paulo, Brasil]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000300552&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <sec><title>INTRODUCTION:</title><p> Viral hepatitis is an important public health problem in Brazil and around the world.</p></sec><sec><title>OBJECTIVE:</title><p> To evaluate vaccination coverage against hepatitis B in adolescents and to identify the associated factors and reasons for non-adherence.</p></sec><sec><title>METHODS:</title><p> A cross-sectional population-based study with sampling by clusters and in two stages, carried out from records of 702 adolescents aged 11 to 19 years old, non-institutionalized, living in an urban area of Campinas, São Paulo, Brazil, in 2008/2009. The data were obtained from the Health Survey in the city of Campinas (ISACamp).</p></sec><sec><title>RESULTS:</title><p> The prevalence of vaccination (3 doses) was 72.2%. An independent and negative association with the vaccine was observed for the adolescents who were not born in the municipality. The orientation of a health care provider was positively and significantly associated with vaccination. The main reasons for non-adherence were the lack of orientation and not considering the vaccine necessary. Socioeconomic factors, health behaviors and conditions did not restrict the access to vaccination, but the coverage was below the target established by the Ministry of Health in Brazil.</p></sec><sec><title>CONCLUSION:</title><p> Health education programs, addressing the importance of vaccination to prevent the disease; strategies to actively reach out adolescents that did not complete the schedule; as well as orientation from the health care professional about the benefits of the vaccine to the adolescents, parents and guardians can extend the vaccination coverage.</p></sec><hr/><sec><title>INTRODUÇÃO:</title><p> As hepatites virais constituem importante problema de saúde pública no Brasil e em todo o mundo.</p></sec><sec><title>OBJETIVO:</title><p> Avaliar a cobertura vacinal contra hepatite B em adolescentes e identificar os fatores associados e motivos da não adesão.</p></sec><sec><title>MÉTODOS:</title><p> Estudo transversal de base populacional com amostra por conglomerados e em 2 estágios realizado a partir de 702 registros de adolescentes com idade entre 11 e 19 anos, não institucionalizados, residentes em área urbana no município de Campinas, São Paulo, em 2008/2009. Os dados foram obtidos do Inquérito de Saúde no município de Campinas (ISACamp).</p></sec><sec><title>RESULTADOS:</title><p> A prevalência de vacinação (3 doses) foi de 72,2%. Associação independente e negativa com a vacina foi observada para os adolescentes não naturais do município. A orientação de profissional de saúde esteve positiva e fortemente associada à vacinação. Os principais motivos para a não adesão foram a falta de orientação e não considerar a vacina necessária. Condições socioeconômicas, comportamentos e condições de saúde não restringiram o acesso à vacinação, mas a cobertura esteve abaixo da meta estabelecida pelo Ministério da Saúde.</p></sec><sec><title>CONCLUSÃO:</title><p> Programas de educação em saúde, abordando a importância da vacinação na prevenção da doença, estratégias para busca ativa aos adolescentes que não completaram o esquema, bem como a orientação do profissional de saúde sobre os benefícios da vacina aos adolescentes, pais e responsáveis podem ampliar as coberturas vacinais.</p></sec> <![CDATA[Fluorose dentária: prevalência e fatores associados em escolares de 12 anos de Goiânia, Goiás]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000300568&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <sec><title>OBJECTIVE:</title><p> To describe the prevalence of dental fluorosis, to investigate its association with individual and contextual variables among 12-year-old schoolchildren, and to determine whether there were changes in the prevalence of this condition from 2003 to 2010.</p></sec><sec><title>METHODS:</title><p> This cross-sectional study used data from an oral health survey carried out in Goiânia, Goiás, in 2010 (n = 2,075), and secondary data from the files of the local health authority. Clinical data were collected through oral examinations in public and private schools. The dependent variable was the presence of dental fluorosis, assessed using the Dean Index. The independent individual variables were sociodemographic characteristics (the child's gender and race, and the mother's level of schooling) and those related to clinical conditions (caries experience, evaluated using Decayed, Missing, and Filled teeth index; and presence of periodontal calculus and/or bleeding, evaluated using Community Periodontal Index). The contextual variables were linked to the school (type and existence of toothbrushing program) and its geographic location in the city's health districts. The Rao-Scott test was performed, and the percentage difference between the prevalences in the period from 2003 to 2010 was calculated.</p></sec><sec><title>RESULTS:</title><p> The prevalence of dental fluorosis in 2010 was 18.7%, being distributed as very mild (11.2%), mild (4.4%), moderate (2.6%), and severe (0.5%). No significant association was found between prevalence of dental fluorosis and the investigated variables. The prevalence of fluorosis increased 230% from 2003 to 2010, and such difference was significant.</p></sec><sec><title>CONCLUSIONS:</title><p> The prevalence of dental fluorosis was low, predominantly of the very mild degree, has increased over a 7-year period, and was not associated with the individual or contextual factors studied.</p></sec><hr/><sec><title>OBJETIVO:</title><p> Descrever a prevalência de fluorose dentária e investigar sua associação com fatores individuais e contextuais entre escolares de 12 anos, além de verificar se houve mudanças na prevalência dessa condição no período de 2003 a 2010.</p></sec><sec><title>MÉTODOS:</title><p> Estudo observacional com análise transversal utilizando dados do levantamento de saúde bucal realizado em Goiânia, Goiás, em 2010 (n = 2.075) e dados secundários obtidos da Secretaria Municipal de Saúde. Os dados foram coletados através de exames bucais em escolas públicas e privadas. A variável dependente foi a presença de fluorose dentária, avaliada pelo índice de Dean. As variáveis independentes individuais foram sociodemográficas (sexo e raça do escolar e grau de escolaridade da mãe) e clínicas (experiência de cárie: índice de dentes cariados, perdidos e obturados; e presença de cálculo e/ou sangramento gengival: índice periodontal comunitário). As variáveis contextuais foram relacionadas à escola (tipo e existência de programa de escovação dentária) e sua localização geográfica nos distritos sanitários do município. Foram realizados o teste de Rao-Scott e o cálculo da diferença percentual das prevalências no período de 2003 a 2010.</p></sec><sec><title>RESULTADOS:</title><p> A prevalência de fluorose dentária em 2010 foi de 18,7%, distribuída nos graus: muito leve (11,2%), leve (4,4%), moderada (2,6%) e grave (0,5%). Não houve associação estatisticamente significativa entre prevalência de fluorose dentária e as variáveis investigadas. No período de 2003 a 2010, a prevalência de fluorose dentária aumentou 230% e essa diferença foi significativa.</p></sec><sec><title>CONCLUSÕES:</title><p> A prevalência de fluorose dentária foi baixa, com predomínio do grau muito leve, aumentou num período de sete anos e não esteve associada aos fatores individuais e contextuais investigados.</p></sec> <![CDATA[Ausência de consulta médica de rotina entre idosos hipertensos e/ou diabéticos: um estudo epidemiológico baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2008]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000300578&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <sec><title>OBJECTIVE:</title><p> This exploratory study aimed to investigate the predisposing, enabling and health need characteristics associated with lack of medical visits in the last 12 months, among 23,620 elderly hypertensive and/or diabetic individuals.</p></sec><sec><title>METHODS:</title><p> In this research, we used the theoretical behavioral model of Andersen and Newman for use of health services. The data analyzed were produced by the health supplement of the Brazilian National Household Survey (PNAD) 2008, nationwide. To identify the associations, we used the Poisson regression model, which estimates the prevalence ratios and confidence intervals of 95%, considering the significance level of 5%.</p></sec><sec><title>RESULTS:</title><p> The results showed that 10.6% of the study population did not consult the doctor in the period considered, and the prevalence was higher among hypertensive subjects (10.5%) than among diabetic ones (7.1%). The lack of medical consultation was negatively associated with female sex and increasing age (predisposing characteristics), with health insurance coverage (enabling characteristic), worse self-rated health, chronic health conditions selected and the presence of hypertension associated with diabetes (health needs), while the fact of living in the Northeast, North and Midwest appeared positively associated with the event under investigation.</p></sec><sec><title>CONCLUSION:</title><p> These results corroborate those observed in national and international studies and show evidence of inequality and inequity in the use of medical consultation for this population, based on the findings related to health plan coverage and geographic region.</p></sec><hr/><sec><title>OBJETIVO:</title><p> O presente estudo, de caráter exploratório, teve como objetivo investigar as características predisponentes, facilitadoras e de necessidades de saúde associadas à não realização de consulta médica nos últimos 12 meses, junto a 23.620 idosos hipertensos e/ou diabéticos.</p></sec><sec><title>MÉTODOS:</title><p> Nesta investigação, utilizou-se como referencial teórico o modelo comportamental de Andersen e Newman para utilização de serviços de saúde. Os dados analisados foram produzidos pelo Suplemento de Saúde da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2008, de abrangência nacional. Para identificação das associações, utilizou-se o modelo de regressão de Poisson, que estima razões de prevalências e respectivos intervalos de confiança de 95%, considerando-se o nível de significância de 5%.</p></sec><sec><title>RESULTADOS:</title><p> Os resultados mostraram que 10,6% da população estudada não consultaram o médico no período considerado, sendo que a prevalência foi maior entre hipertensos (10,5%) do que entre diabéticos (7,1%). A ausência de consulta médica esteve negativamente associada com o sexo feminino e com o aumento da idade (entre as características predisponentes), com a posse de plano de saúde (característica capacitadora), pior autoavaliação de saúde, presença de condições crônicas de saúde selecionadas e presença da hipertensão associada ao diabetes (entre as necessidades de saúde); já o fato de residir nas regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste apresentou-se positivamente associado ao evento investigado.</p></sec><sec><title>CONCLUSÃO:</title><p> Esses resultados corroboram o observado em estudos nacionais e internacionais e apontam indícios de desigualdade e iniquidade na utilização da consulta médica pelos idosos hipertensos e/ou diabéticos, a partir dos achados relativos à cobertura por plano de saúde e região geográfica.</p></sec> <![CDATA[Fatores demográficos, condições de saúde e hábitos de vida associados à incontinência urinária em idosos de Florianópolis, Santa Catarina]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000300595&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <sec><title>OBJECTIVE:</title><p> To determine the prevalence and factors associated with urinary incontinence in the elderly population of Florianópolis, in the State of Santa Catarina, Brazil.</p></sec><sec><title>METHODS:</title><p> We used data from EpiFloripa Idoso 2009/2010 survey, a cross-sectional population-based study including 1,705 elderly of both the sexes. Poisson's regression (crude and adjusted analysis) was applied to verify the association between the urinary incontinence outcome and exploratory variables (sociodemographic, lifestyle, and health conditions).</p></sec><sec><title>RESULTS:</title><p> Among the elderly, 29.4% reported urinary incontinence; 36.3% were women and 17.0% men. The factors associated with greater prevalence of urinary incontinence were being female, aged more than 70 years old, having 0 to 4 schooling years, being insufficiently active, having bronchitis or asthma, stroke or cerebral ischemia, presenting mild or moderate/severe dependence, and polypharmacy.</p></sec><sec><title>CONCLUSION:</title><p> The prevalence of urinary incontinence was high among the investigated elderly. Sociodemographic variables and those related to lifestyle and health conditions were associated with higher prevalence of urinary incontinence. Knowledge of the factors associated with urinary incontinence in aged individuals can guide actions to reduce and prevent this important issue, which affects the elderly.</p></sec><hr/><sec><title>OBJETIVO:</title><p> Determinar a prevalência e os fatores associados à incontinência urinária na população idosa de Florianópolis, no Estado de Santa Catarina.</p></sec><sec><title>MÉTODOS:</title><p> Foram utilizados dados do inquérito EpiFloripa Idoso 2009/2010, que foi um estudo transversal de base populacional, com 1.705 idosos, de ambos os sexos. Utilizou-se a regressão de Poisson bruta e ajustada para verificar a associação entre o desfecho incontinência urinária e as variáveis exploratórias (sociodemográficas, hábitos de vida e condições de saúde).</p></sec><sec><title>RESULTADOS:</title><p> Dentre os idosos, 29,4% relataram perda urinária, sendo 36,3% no sexo feminino e 17,0% no masculino. Os fatores associados a maior prevalência de incontinência urinária foram: ser do sexo feminino, idade maior de 70 anos, ter zero a quatro anos de estudo, ser insuficientemente ativo, ter bronquite ou asma, ter derrame ou acidente vascular cerebral ou isquemia cerebral, ter dependência leve ou moderada/grave e polifarmácia.</p></sec><sec><title>CONCLUSÃO:</title><p> A prevalência de incontinência urinária foi elevada nos idosos investigados, sendo que as variáveis sociodemográficas, e aquelas relacionadas aos hábitos de vida e às condições de saúde foram independentemente associadas a maior prevalência de incontinência urinária. O conhecimento dos fatores associados à incontinência urinária em idosos pode orientar as ações direcionadas à redução e prevenção deste importante problema que acomete a população mais idosa.</p></sec> <![CDATA[Fatores relacionados à sonolência diurna excessiva em idosos da comunidade: um estudo exploratório]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000300607&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <p>Excessive daytime sleepiness (EDS) imposes a wide range of adverse health-related outcomes in older people, such as disability, which impair everyday activities and may increase the risk of fall. Few studies have explored EDS in Brazilian older people living in the community who are typically cared in primary health services. This study aims to investigate the prevalence of EDS and its sociodemographic, physical and mental health correlates among community-dwelling older adults. This is an exploratory, population-based study derived from Frailty in Brazilian Older Adults (FIBRA) study including adults aged 65 years and older. Participants with a score ≥ 11 points on the Epworth Sleepiness Scale were considered as having excessive daytime sleepiness. A structured, multidimensional questionnaire was used to investigate sociodemographic, physical and mental health, and self-rated health variables. The sample was composed of 776 older adults, of whom 21% (n = 162) presented excessive daytime sleepiness. Multivariate regression analysis revealed that EDS is associated with obesity (OR = 1.50; 95%CI 1.02 - 2.20), urinary incontinence (OR = 1.53; 95%CI 1.01 - 2.31), poor self-rated health (OR = 1.54; 95%CI 1.06 - 2.24), and depression symptoms (OR = 1.49; 95%CI 1.00 - 2.20). Our results suggest that healthcare professionals should identify older adults with EDS and implement intervention strategies to minimize the negative impact of the co-occurrence of this condition with obesity, depression and urinary incontinence over health and quality of life.</p><hr/><p>A Sonolência Diurna Excessiva (SDE) está relacionada a vários efeitos adversos na saúde de pessoas idosas, como a incapacidade funcional, que compromete as atividades do cotidiano e aumenta o risco de quedas. Poucos estudos têm explorado a SDE em idosos brasileiros que vivem na comunidade, que são tipicamente cuidados em serviços de atenção primária em saúde. Este estudo tem como objetivo investigar a prevalência da SDE e sua correlação com dados sociodemográficos, físicos e sobre a saúde mental de idosos que vivem na comunidade. Este é um estudo exploratório de base populacional, derivado da Rede de Estudos de Fragilidade de Idosos Brasileiros (FIBRA) com idosos com de 65 anos ou mais. Participantes com um escore ≥ 11 pontos na Escala de Sonolência de Epworth foram considerados como tendo SDE. Um questionário estruturado, multidimensional foi usado para investigar as variáveis sociodemográficas, físicas, saúde mental, e qualidade de vida. A amostra foi composta por 776 idosos, dos quais 21% (n = 162) apresentavam SDE. A análise de regressão múltipla revelou que a SDE está associada à obesidade (OR = 1.50; IC95% 1.02 - 2.20), incontinência urinária (OR = 1.53; IC95% 1.01 - 2.31), má qualidade de vida (OR = 1.54; IC95% 1.06 - 2.24) e sintomas depressivos (OR = 1.49; IC95% 1.00 - 2.20). Nossos resultados sugerem que profissionais da saúde devem identificar os idosos com SDE e implementar intervenções para minimizar o impacto negativo da coocorrência dessas condições com obesidade, depressão e incontinência urinária sobre a saúde e qualidade de vida.</p> <![CDATA[Fatores associados ao câncer de lábio e cavidade oral]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000300618&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <sec><title>PURPOSE:</title><p> This study aimed to identify factors associated with the occurrence of primary cancer of the lip and oral cavity regions compared to other types of head and neck cancers according to demographic, socioeconomic data and lifestyle, in Brazil, from 2000 to 2011.</p></sec><sec><title>METHODS:</title><p> A study was conducted using Hospital Cancer Records (<italic>Instituto Nacional do Câncer</italic>), from 2000 to 2011, totaling 23,153 cases. Data were analyzed by binary logistic regression (response category: primary cancers located in the lip and oral cavity; comparison category; other types of primary cancer in the head and neck, which does not affect the lip and oral cavity) at a significance level α = 5%.</p></sec><sec><title>RESULTS:</title><p> The study showed factors associated with higher incidence of cancer in the lip and oral cavity: being of advanced age (OR = 1.16), not having a family history of cancer (OR = 2.38), alcohol consumption (OR = 1.17); former tobacco use (OR = 1.51) or current tobacco use (OR = 1.65); having a previous diagnosis of cancer without treatment (OR =1.66). Being female (OR = 0.92), having completed basic (OR = 0.71) and higher (OR = 0.46) education and having previous diagnosis of cancer with treatment (OR = 0.74) constituted factors associated with lower prevalence of cancer of the lip and oral cavity.</p></sec><sec><title>CONCLUSION:</title><p> Age, absence of family history of cancer, smoking habits and alcohol consumption, and previous diagnosis of cancer without treatment were associated with a higher incidence of cancer of the lip and oral cavity.</p></sec><hr/><sec><title>OBJETIVOS:</title><p> Objetivou-se identificar fatores associados à ocorrência de câncer primário nas regiões de lábio e cavidade oral frente aos demais tipos de cânceres de cabeça e pescoço segundo dados demográficos, socioeconômicos e de estilo de vida, no Brasil, no período de 2000 a 2011.</p></sec><sec><title>MÉTODOS:</title><p> Realizou-se um estudo a partir dos Registros Hospitalares de Câncer (Instituto Nacional do Câncer), no período 2000-2011, totalizando 23.153 casos. Os dados foram analisados pela regressão logística binária (categoria resposta: cânceres de localização primária em lábio e cavidade oral; categoria de comparação: demais tipos de câncer primário em cabeça e pescoço, que não acometem lábio e cavidade oral) ao nível de significância α = 5%.</p></sec><sec><title>RESULTADOS:</title><p> Revelaram-se como fatores associados à maior ocorrência de câncer em lábio e cavidade oral: possuir idade mais elevada (OR = 1,16); não ter histórico familiar de câncer (OR = 2,38); ser etilista (OR = 1,17); ser ex-tabagista (OR = 1,51) ou tabagista (OR = 1,65); possuir diagnóstico anterior de câncer sem tratamento (OR = 1,66). Ser do sexo feminino (OR = 0,92); possuir ensino fundamental (OR = 0,71) e superior (OR = 0,46) completos e apresentar diagnóstico anterior de câncer com tratamento (OR = 0,74) constituíram-se fatores associados à menor prevalência de câncer em lábio e cavidade oral.</p></sec><sec><title>CONCLUSÃO:</title><p> A idade, ausência de histórico familiar de câncer, hábitos de tabagismo e etilismo e diagnóstico anterior de câncer sem tratamento estiveram associados a uma maior ocorrência de câncer em lábio e cavidade oral.</p></sec> <![CDATA[Dor dentária e fatores associados em crianças de 2 a 4 anos de idade de Goiânia]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000300630&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <sec><title>OBJECTIVE:</title><p> To investigate the prevalence of dental pain and associated factors in 2-4-year-old children in Goiânia (GO).</p></sec><sec><title>METHODS:</title><p> Cross-sectional study using home interviews with parents or guardians and anthropometric measures. The sample consisted of 385 children from 2 to 4 years old. The variables analyzed were: dental pain sometime in their lives, and demographic, socioeconomic and health-related factors (health condition, diet, nutritional status and behavior). Bivariate analysis and logistic regression were performed, based on a hierarchical model for risk assessment, considering the sample weights.</p></sec><sec><title>RESULTS:</title><p> Dental pain prevalence was 9.9% (95%CI 7.4 - 13.1). After adjustment for other variables, children whose mothers had low education level and those who regularly consumed artificial powder juice containing sugar were more likely to have dental pain (OR = 3.03 and 2.15, respectively).</p></sec><sec><title>CONCLUSION:</title><p> It was concluded that one in ten children had dental pain, and the prevalence was associated with low education level of the mother and the regular consumption of artificial powder juice.</p></sec><hr/><sec><title>OBJETIVO:</title><p> Conhecer a prevalência de dor dentária e os fatores associados em crianças de dois a quatro anos de idade em Goiânia (GO).</p></sec><sec><title>MÉTODOS:</title><p> Estudo transversal utilizando entrevistas domiciliares com pais ou responsáveis e medidas antropométricas. Fizeram parte da amostra 385 crianças de 2 a 4 anos. As variáveis analisadas foram: dor dentária alguma vez na vida e fatores demográficos, socioeconômicos e relacionados à saúde (condição de saúde, alimentação, estado nutricional e comportamentos). Foi realizada análise bivariada e regressão logística, com base em modelo hierárquico de determinação do agravo, sendo considerados os pesos amostrais.</p></sec><sec><title>RESULTADOS:</title><p> A prevalência de dor foi de 9,9% (IC95% 7,4 - 13,1). Após ajuste pelas demais variáveis, as crianças cujas mães tinham baixa escolaridade e as que consumiam regularmente suco artificial em pó contendo açúcar tiveram mais chances de ter dor (OR = 3,03 e 2,15, respectivamente).</p></sec><sec><title>CONCLUSÃO:</title><p> Uma em cada dez crianças apresentou dor dentária, e a prevalência foi associada à baixa escolaridade da mãe e ao consumo regular de suco artificial em pó.</p></sec> <![CDATA[Cárie dentária em escolares de 12 anos: análise multinível dos fatores individuais e do ambiente escolar em Goiânia]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000300642&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <p>The aim of this study was to investigate the association between dental caries index among 12-year-old schoolchildren and individual and contextual factors related to the schools in the city of Goiânia, Goiás, Brazil. A cross-sectional study was carried out with 2,075 schoolchildren using the 2010 National Survey of Oral Health methodology. The dependent variable was the decayed, missing, and filled teeth (DMFT) index and the independent variables were individual (sex, race, and maternal education) and contextual ones (type of school, health district, and the presence of oral programs). Multilevel analysis and log-linear negative binominal regression were performed, considering the complex sampling design. Mean DMFT index was 1.51. Female students, whose mothers had lower schooling, those attending public schools, located in districts with the worst socioeconomic indicators, and covered by the Family Health Strategy had higher caries levels. The dental caries index was low and associated with the schoolchildren sociodemographic characteristics and factors related to the schools, showing inequalities in distribution.</p><hr/><p>O objetivo deste estudo foi investigar a associação entre o índice de cárie em escolares de 12 anos e fatores individuais e contextuais relacionados às escolas no município de Goiânia, Goiás. Estudo transversal realizado em 2.075 escolares, com base na metodologia da Pesquisa Nacional de Saúde Bucal de 2010. A variável dependente foi o índice dentes permanentes cariados, perdidos e restaurados (CPOD) e as variáveis independentes foram individuais (sexo, cor/raça e escolaridade da mãe) e contextuais (natureza administrativa da escola, distrito sanitário e presença de programas de saúde bucal). Foi realizada análise multinível e regressão log-linear binominal negativa, considerando o plano complexo de amostragem. O CPOD médio foi 1,51. Escolares do sexo feminino, cujas mães tinham menor escolaridade, que frequentavam escolas públicas localizadas nos distritos com os piores indicadores socioeconômicos e com cobertura pela Estratégia Saúde da Família apresentaram índices de cárie mais elevados. O índice de cárie foi baixo e associado a fatores individuais e contextuais do ambiente escolar, evidenciando iniquidades em sua distribuição.</p> <![CDATA[Prontidão para mudança de comportamento e variação do consumo alimentar de adolescentes participantes de ensaio comunitário de base escolar em Duque de Caxias, RJ]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000300655&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <sec><title>OBJECTIVE:</title><p> To investigate the influence of the stage of readiness for changes in food consumption variation among adolescents participating in school-based community trial in Duque de Caxias (RJ), Brazil.</p></sec><sec><title>METHODS:</title><p> It is a secondary analysis of a one-year randomized community trial to prevent excessive weight gain in students attending the 5<sup>th</sup>grade in 20 public schools in the municipality of Duque de Caxias. The activities conducted discouraged the consumption of sweetened beverages and cookies and encouraged the consumption of fruits and beans. A food frequency questionnaire was applied at the beginning and at the end of the study. The stages of readiness for behavioral change vary in a scale from (1) "I don't think of changing diet" to (5) "I'm already changing my diet successfully". For the longitudinal analyses, we used generalized linear mixed models.</p></sec><sec><title>RESULTS:</title><p> There was a greater change in the consumption of fruit and soft drinks among participants in the intervention group who were in the action stage, compared to participants who did not think about changing their diet.</p></sec><sec><title>CONCLUSION:</title><p> The proposed strategy may be used to identify population groups with motivation for changes in dietary behavior.</p></sec><hr/><sec><title>OBJETIVO:</title><p> Verificar a influência do estágio de prontidão para mudança de comportamento na variação do consumo alimentar de adolescentes participantes de ensaio comunitário de base escolar em Duque de Caxias (RJ).</p></sec><sec><title>MÉTODOS:</title><p> Trata-se de análise secundária de um ensaio comunitário randomizado para prevenção do ganho excessivo de peso conduzido durante 1 ano letivo com alunos do 5º ano de 20 escolas públicas do município de Duque de Caxias. Foram desenvolvidas atividades que desencorajaram o consumo de bebidas adoçadas e biscoitos e estimularam o consumo de frutas e feijão. Aplicou-se questionário de frequência alimentar ao início e ao final do estudo. Os estágios de prontidão para mudança do comportamento alimentar variam de (1) "não penso em mudar minha alimentação" a (5) "já estou mudando minha alimentação e com sucesso". Para as análises longitudinais, foram empregados modelos generalizados lineares mistos.</p></sec><sec><title>RESULTADOS:</title><p> Observou-se maior alteração no consumo de frutas e refrigerantes entre os participantes do grupo intervenção que se encontravam nos estágios de ação, comparados aos que não pensavam em mudar.</p></sec><sec><title>CONCLUSÃO:</title><p> A estratégia proposta no presente artigo pode ser utilizada para identificar grupos populacionais com alguma propensão à alteração do comportamento alimentar.</p></sec> <![CDATA[Sistemas de informação em saúde e as intoxicações por agrotóxicos em Pernambuco]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000300666&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <sec><title>INTRODUCTION:</title><p> Understanding the epidemiologic profile of a particular disease is key to undertake health actions. To that end, information systems that present quality data help in the decision-making process and demonstrate the impact of the problems.</p></sec><sec><title>OBJECTIVE:</title><p> To analyze the contribution of health information systems for the characterization of pesticide poisoning through SINAN, CEATOX and SIM in the State of Pernambuco.</p></sec><sec><title>METHOD:</title><p> In this study, the completeness and consistency of the data were assessed, as well as the epidemiological profile of pesticide poisoning in Pernambuco in the period from 2008 to 2012, based on the following Health Information Systems: Center for Toxicological Assistance of Pernambuco (CEATOX), Notifiable Diseases Information System (SINAN) and Mortality Information System (SIM).</p></sec><sec><title>RESULTS:</title><p> The data revealed incompleteness and inconsistencies in information. Regarding the profile, females are more affected in the morbidity profile, and men have a higher mortality rate. Poisoning was more frequent in young adults with low educational level. With regard to the circumstances, most of the cases were suicide attempts, unique acute cases and not related to work. Despite suggesting underreporting, the data showed that persons engaged in agriculture are most commonly affected.</p></sec><sec><title>CONCLUSION:</title><p> The strengthening of these systems is necessary for the generation of consistent information that support health policies for the population groups involved.</p></sec><hr/><sec><title>INTRODUÇÃO:</title><p> Conhecer o perfil epidemiológico de um determinado agravo é fundamental para realizar ações de saúde. Para tanto, os sistemas de informação que apresentam dados de qualidade auxiliam a tomada de decisão e evidenciam os impactos dos problemas.</p></sec><sec><title>OBJETIVO:</title><p> Analisar a contribuição dos Sistemas de Informação em Saúde na caracterização das intoxicações por agrotóxicos por meio do SINAN, CEATOX e SIM em Pernambuco.</p></sec><sec><title>MÉTODO:</title><p> No presente estudo, foi avaliada a completitude e consistência dos dados, bem como o perfil epidemiológico de intoxicações por agrotóxicos em Pernambuco no período de 2008 a 2012 com base nos seguintes Sistemas de Informação em Saúde: Centro de Assistência Toxicológica de Pernambuco, Sistema de Informação de Agravos de Notificação e Sistema de Informação sobre Mortalidade.</p></sec><sec><title>RESULTADOS:</title><p> Os dados revelaram incompletitude e inconsistências nas informações. Com relação ao perfil, os casos acometem com mais frequência pessoas do sexo feminino no perfil de morbidade e os homens apresentaram maior letalidade. As intoxicações apresentaram-se mais frequentes em adultos jovens e de baixa escolaridade. Com relação às circunstâncias, a maioria dos casos foram tentativas de suicídio, casos agudos únicos e não relacionados ao trabalho. Apesar de sugerir subnotificação, os dados mostraram que pessoas ocupadas na agricultura são mais comumente acometidas.</p></sec><sec><title>CONCLUSÃO:</title><p> O fortalecimento destes sistemas é necessário para que sejam geradas informações consistentes que subsidiem políticas de saúde para os grupos populacionais envolvidos.</p></sec> <![CDATA[Prevalência de problemas auditivos e fatores associados em uma empresa agropecuária do sul do Brasil]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000300679&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <sec><title>OBJECTIVE:</title><p> To describe the prevalence and to analyze the factors associated with hearing problems in an agricultural company.</p></sec><sec><title>METHODS:</title><p> This was a cross-sectional study, and the participants consisted entirely of employees of an agricultural company in southern Brazil. The workforce of the company was composed of several different occupations. The research instrument was a semi-structured questionnaire administered by interview.</p></sec><sec><title>RESULTS:</title><p> Of the 326 workers of the company, there were 273 (83.8%) respondents, and the prevalence of hearing problems was n = 42 (15.4%) among the participants of the study. The hearing problems were associated with lower schooling, with the operating occupational group, the technical assistance group and the general services group. The self-reported health conditions associated with hearing problems were depression and nervousness or irritation. The occupational exposures associated with hearing problems were noise, dust, vibration, oils and solvents, and toxic gases.</p></sec><sec><title>CONCLUSION:</title><p> There was an intermediate prevalence of hearing problems in relation to other studies. It was possible to observe the need to implement strategies aiming at the prevention of hearing problems that primarily contemplate modifiable aspects, such as the use of personal protective equipment, as well as improvements in the conditions, organization and work environment.</p></sec><hr/><sec><title>OBJETIVO:</title><p> Descrever a prevalência e analisar os fatores associados a problemas auditivos em uma empresa agropecuária.</p></sec><sec><title>MÉTODOS:</title><p> Foi realizado um estudo de corte transversal, os participantes do estudo foram os trabalhadores de uma empresa agropecuária do sul do Brasil. A força de trabalho da empresa contava com as mais diversas ocupações. O instrumento da pesquisa foi um questionário semiestruturado aplicado por meio de entrevistas.</p></sec><sec><title>RESULTADOS:</title><p> Dos 326 trabalhadores da empresa foram entrevistados 273 (83,8%) e foi encontrada uma prevalência de problemas auditivos de n = 42 (15,4%) entre os participantes da pesquisa. Os problemas auditivos foram associados com níveis mais baixos de escolaridade e ao grupo ocupacional operacional, técnico assistencial e serviços gerais. As condições de saúde autorreferidas com associação para problemas auditivos foram depressão e irritação ou nervosismo. As exposições ocupacionais associadas aos problemas auditivos foram barulho, pó, vibrações, óleos e solventes e gases tóxicos.</p></sec><sec><title>CONCLUSÃO:</title><p> Houve uma prevalência intermediária de problemas auditivos em relação a outras pesquisas. Observou-se a necessidade da implantação de estratégias que visem à prevenção de problemas auditivos que contemplem principalmente os aspectos modificáveis, como a utilização de equipamento de proteção individual, e melhorias nas condições, organização e ambiente de trabalho.</p></sec> <![CDATA[Riscos à saúde devido à queima prévia da palha de cana-de-açúcar no Estado de São Paulo, Brasil]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000300691&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <p>After 2003, a new period of expansion of the sugarcane culture began in Brazil. Pre-harvesting burning of sugarcane straw is an agricultural practice that, despite the nuisance for the population and pollution generated, still persisted in over 70% of the municipalities of São Paulo State in 2010. In order to study the distribution of this risk factor, an ecological epidemiological study was conducted associating the rates of deaths and hospital admissions for respiratory diseases, for each municipality in the State, with the exposure to the pre-harvesting burning of sugarcane straw. A Bayesian multivariate regression model, controlled for the possible effects of socioeconomic and climate (temperature, humidity, and rainfall) variations, has been used. The effect on health was measured by the standardized mortality and morbidity ratio. The measures of exposure to the pre-harvesting burning used were: percentage of the area of sugarcane harvested with burning, average levels of aerosol, and number of outbreaks of burning. The autocorrelation between data was controlled using a neighborhood matrix. It was observed that the increase in the number of outbreaks of burning was significantly associated with higher rates of hospital admissions for respiratory disease in children under five years old. Pre-harvesting burning of sugarcane effectively imposes risk to population health and therefore it should be eliminated.</p><hr/><p>Após 2003, teve início um novo período de expansão da cultura da cana-de-açúcar no Brasil. A queima prévia da palha de cana é uma prática agrícola, que, apesar dos incômodos à população e da poluição gerada, ainda persistia em mais de 70% dos municípios do Estado de São Paulo, em 2010. A fim de estudar a distribuição desse fator de risco, realizou-se um estudo epidemiológico ecológico associando as taxas de óbitos e as internações por doenças respiratórias, para cada município do Estado, com a exposição à queima prévia da palha de cana. Foi aplicado um modelo Bayesiano de regressão multivariada, sendo controlado para os possíveis efeitos das variações socioeconômicas e climáticas (temperatura, umidade e precipitação). O efeito sobre a saúde foi medido por meio da razão de mortalidade e morbidade padronizada. Como medidas de exposição à queima prévia foram usadas o percentual da área de cana colhida com queima, os níveis médios de aerossol e a quantidade de focos de queima. A autocorrelação entre os dados foi controlada pelo emprego de uma matriz de vizinhança. Observou-se que o aumento no número de focos de queima esteve associado significativamente com o aumento das internações por doenças respiratórias na faixa etária de menores de cinco anos. A queima prévia da palha da cana-de-açúcar oferece efetivamente risco à saúde da população, portanto sua eliminação deve ser promovida.</p> <![CDATA[Fatores associados à dor musculoesquelética em professores: Aspectos sociodemográficos, saúde geral e bem-estar no trabalho]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000300702&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <sec><title>INTRODUCTION:</title><p> Musculoskeletal pain is one of the most frequent complaints among teachers, compromising their health and quality of life.</p></sec><sec><title>OBJECTIVE:</title><p> To estimate the prevalence of musculoskeletal pain among teachers, assessing their occurrence according to sociodemographic characteristics, general health and well-being at work.</p></sec><sec><title>METHODS:</title><p> An exploratory cross-sectional study conducted with 525 teachers. During activities of continuing education, the teachers completed a self-administered questionnaire containing questions about sociodemographic factors, general health, well-being at work and musculoskeletal pain.</p></sec><sec><title>RESULTS:</title><p> The overall prevalence of musculoskeletal pain was equal to 73.5%. The most common musculoskeletal pains were localized in the shoulders (31.6%), upper back (27.8%), neck (27.2%) and ankles and/or feet (24.0%). Circulatory and respiratory problems and Common Mental Disorders were associated with pain in the shoulders, upper back, neck and ankles and/or feet. Well- being at work is associated with pain in the shoulders, neck and ankles and/or feet.</p></sec><sec><title>CONCLUSION:</title><p> It is necessary to deepen the knowledge about musculoskeletal pain among teachers, exploring the biological, ergonomic, occupational and psychosocial mechanisms of teaching, as well as invest in practices that improve the relationship of coexistence between workers and activities that enhance the comfort and reduce referred pain.</p></sec><hr/><sec><title>INTRODUÇÃO:</title><p> A dor musculoesquelética se apresenta como uma das queixas mais frequentes entre professores, comprometendo sua saúde e qualidade de vida.</p></sec><sec><title>OBJETIVO:</title><p> Estimar a prevalência de dor musculoesquelética em professores, avaliando a sua ocorrência segundo aspectos sociodemográficos, saúde geral e bem-estar no trabalho.</p></sec><sec><title>MÉTODOS:</title><p> Estudo exploratório do tipo corte transversal realizado com 525 professores. Durante as atividades de educação continuada, os professores responderam a um questionário autoaplicável contendo questões sobre fatores sociodemográficos, saúde geral, bem-estar no trabalho e dor musculoesquelética.</p></sec><sec><title>RESULTADOS:</title><p> A prevalência global de dor musculoesquelética foi de 73,5%. As dores musculoesqueléticas mais frequentes localizaram-se nos ombros (31,6%), parte superior das costas (27,8%), pescoço (27,2%) e tornozelos e/ou pés (24,0%). Problemas circulatórios e respiratórios e Transtornos Mentais Comuns mostraram-se associados às dores nos ombros, superior de costas, pescoço e tornozelos e/ou pés. Bem-estar no trabalho está associado às dores nos ombros, pescoço e tornozelos e/ou pés</p></sec><sec><title>CONCLUSÃO:</title><p> É necessário aprofundar o conhecimento sobre a dor musculoesquelética em professores, explorando os mecanismos biológicos, ergonômicos, ocupacionais e psicossociais do trabalho docente, bem como investir em práticas que melhorem a relação de convivência entre os trabalhadores e em atividades que aumentem o conforto e diminuam a dor referida.</p></sec> <![CDATA[Contribuição de estudos de coortes na análise da condição de saúde bucal de crianças e adolescentes em Sobral, Ceará]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000300716&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <p>The main objective of this study was to identify the oral health status of the child population in a northeastern Brazilian municipality as a strategy to carry out subsequent longitudinal studies to investigate the main determinants of oral diseases in the specific age groups of teenagers and young adults. Epidemiological investigations and interviews were conducted in households by research teams. In the first study, a DMFT (decayed, missing, and filled teeth) score of 1.66 was found for 9-year-olds; although only 23% children aged between 5 and 6 years were caries-free, 32.7% had gingival bleeding and 9.5% were diagnosed with severe malocclusion problems. The second wave of the cohort indicated that the incidence of caries increased progressively according to age, from 1.60 in 12-year-old adolescents to 2.28 in those aged 15. Toothache in the past 6 months, maternal income and school meals, adjusted for the perception of need for treatment, maternal education, and dental visit at least once were the variables associated with high incidence of dental caries. Data collection for the third wave of the cohort is currently underway. Socioeconomic factors and access to health services were associated with the incidence of caries.</p><hr/><p>O objetivo do presente estudo foi identificar as condições de saúde bucal de população infantil em município do Nordeste brasileiro e, a partir dessa identificação, realizar estudos longitudinais para relacionar os principais determinantes no desenvolvimento de doenças bucais em faixas etárias correspondentes a adolescentes e adultos jovens. Foram realizados exames epidemiológicos e entrevistas em ambiente domiciliar, com equipes de pesquisadores. No primeiro estudo, observou-se CPO-D aos 9 anos de 1,66 e apenas 23% das crianças entre 5 e 6 anos de idade livres de cárie; 32,7% das crianças apresentavam sangramento gengival e em 9,5% das crianças foram diagnosticados problemas severos de maloclusão. A segunda onda da coorte sinalizou que a incidência de cárie aumentou progressivamente com a idade, passando de 1,60 nos adolescentes com 12 anos de idade para atingir 2,28 naqueles com 15 anos. Dor de dente nos últimos 6 meses, renda da mãe e merenda escolar, ajustadas por percepção sobre necessidade de tratamento, escolaridade da mãe e consulta ao dentista ao menos uma vez, foram as variáveis que apresentaram relação com a alta incidência de cárie. Atualmente, está sendo realizada a coleta de dados para a terceira onda da coorte. Fatores socioeconômicos e de acesso aos serviços de saúde apresentaram relação com a incidência de cárie.</p> <![CDATA[O uso da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde em inquéritos de saúde: uma reflexão sobre limites e possibilidades]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000300720&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <p>The main objective of this study was to identify the oral health status of the child population in a northeastern Brazilian municipality as a strategy to carry out subsequent longitudinal studies to investigate the main determinants of oral diseases in the specific age groups of teenagers and young adults. Epidemiological investigations and interviews were conducted in households by research teams. In the first study, a DMFT (decayed, missing, and filled teeth) score of 1.66 was found for 9-year-olds; although only 23% children aged between 5 and 6 years were caries-free, 32.7% had gingival bleeding and 9.5% were diagnosed with severe malocclusion problems. The second wave of the cohort indicated that the incidence of caries increased progressively according to age, from 1.60 in 12-year-old adolescents to 2.28 in those aged 15. Toothache in the past 6 months, maternal income and school meals, adjusted for the perception of need for treatment, maternal education, and dental visit at least once were the variables associated with high incidence of dental caries. Data collection for the third wave of the cohort is currently underway. Socioeconomic factors and access to health services were associated with the incidence of caries.</p><hr/><p>O objetivo do presente estudo foi identificar as condições de saúde bucal de população infantil em município do Nordeste brasileiro e, a partir dessa identificação, realizar estudos longitudinais para relacionar os principais determinantes no desenvolvimento de doenças bucais em faixas etárias correspondentes a adolescentes e adultos jovens. Foram realizados exames epidemiológicos e entrevistas em ambiente domiciliar, com equipes de pesquisadores. No primeiro estudo, observou-se CPO-D aos 9 anos de 1,66 e apenas 23% das crianças entre 5 e 6 anos de idade livres de cárie; 32,7% das crianças apresentavam sangramento gengival e em 9,5% das crianças foram diagnosticados problemas severos de maloclusão. A segunda onda da coorte sinalizou que a incidência de cárie aumentou progressivamente com a idade, passando de 1,60 nos adolescentes com 12 anos de idade para atingir 2,28 naqueles com 15 anos. Dor de dente nos últimos 6 meses, renda da mãe e merenda escolar, ajustadas por percepção sobre necessidade de tratamento, escolaridade da mãe e consulta ao dentista ao menos uma vez, foram as variáveis que apresentaram relação com a alta incidência de cárie. Atualmente, está sendo realizada a coleta de dados para a terceira onda da coorte. Fatores socioeconômicos e de acesso aos serviços de saúde apresentaram relação com a incidência de cárie.</p>