Scielo RSS <![CDATA[Revista Brasileira de Epidemiologia]]> http://www.scielosp.org/rss.php?pid=1415-790X20010002&lang=en vol. 4 num. 2 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielosp.org/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielosp.org <![CDATA[<B>Editorial</B>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2001000200001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<B>Diagnosis of dental caries</B>: <B>comparing results of three epidemiological surveys from the same population</B>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2001000200002&lng=en&nrm=iso&tlng=en INTRODUÇÃO: Os índices mais utilizados para medir a freqüência da cárie dentária em populações são o CPO-D, para dentes permanentes, e o ceo-d, para dentes temporários. A Organização Mundial da Saúde vem estabelecendo, desde os anos 60, padrões para os levantamentos de cárie dentária, a fim de melhorar a validade e a confiabilidade dos dados. Tem havido questionamentos, porém, quanto à validade e à confiabilidade de dados obtidos com essas diferentes padronizações da metodologia, quando são introduzidas mudanças nos critérios utilizados para definir o que é cárie dentária. OBJETIVO: Comparar os dados obtidos de uma mesma população de referência, empregando diferentes padronizações dos índices CPO-D e ceo-d, com a finalidade de verificar se essas diferenças nos critérios alteram significativamente as estimativas. METODOLOGIA: Foram utilizados dados secundários, obtidos em levantamentos epidemiológicos realizados no município de São Paulo, em 1996 e 1998. Analisaram-se as médias e a distribuição dos valores dos índices CPO-D e ceo-d, em escolares de 6 a 12 anos de idade, comparando-se estatisticamente médias e proporções. Admite-se que outros aspectos metodológicos, como os planos amostrais e os treinamentos de calibração, também poderiam alterar os resultados. RESULTADOS: Não se observou diferença estatisticamente significativa entre as médias. Houve diferenças significativas nas porcentagens de indivíduos livres de cárie na dentição permanente; o mesmo não aconteceu com os dentes decíduos. CONCLUSÃO: Os diferentes critérios empregados para definir cárie dentária não levaram à obtenção de médias e porcentagens estatisticamente diferentes nos três levantamentos.<hr/>INTRODUCTION: The DMF-T index is the most widely used instrument to estimate prevalence of dental caries on permanent teeth in epidemiological surveys. Since the 60's, the World Health Organization has been recommending standards for oral health surveys to improve validity and reliability of epidemiological data. During this period, different criteria for diagnosis and coding the observations have been used. OBJECTIVE: To compare data from the same population using different standardizations for DMF-T and dmf-t indexes in order to verify if changing dental caries criteria redounds to different population estimates. MATERIAL AND METHOD: Data from three epidemiological surveys carried out in the City of São Paulo in 1996 and 1998 were analyzed. These surveys had different methodological aspects as sample design and calibration of examiners. DMF-T averages and value distribution related to schoolchildren from 6 to 12 years of age were analyzed comparing averages and proportions. RESULTS: No significant difference was observed between averages. There were no significant differences in percentages of caries- free individuals in relation to deciduous dentition, unlike permanent teeth. CONCLUSION: Different criteria used to define dental caries did not lead to different averages and percentages in these three surveys. <![CDATA[<B>Human T-cell lymphotropic viruses (HTLV) in the last decade (1990-2000)</B>: <B>epidemiological aspects</B>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2001000200003&lng=en&nrm=iso&tlng=en Vinte anos após o isolamento do vírus linfotrópico humano tipo I, muitos aspectos epidemiológicos, patogênicos e filogenéticos já estão esclarecidos. Sabe-se que em regiões endêmicas a prevalência aumenta com a idade e é maior no sexo feminino. Três patologias estão claramente relacionadas a ele: paraparesia espástica tropical / mielopatia associada ao HTLV, leucemia de células T do adulto e uveíte. Os modos de infecção, semelhantes aos dos outros retrovírus, são: transfusão de sangue, relações sexuais não protegidas, transplacentária e durante o aleitamento materno. A história natural das doenças relacionadas ao HTLV-I ainda não está bem estabelecida. O risco de portadores da infecção desenvolverem patologias depende de mais estudos de incidência para serem corretamente estimados. Menos se conhece sobre o HTLV-II. A despeito do alto grau de homologia entre os dois tipos, os vírus interagem de forma bem diversa com os infectados, não havendo uma associação clara de doença com o HTLV-II. Relatos recentes têm apontado sua participação em casos de mielopatia crônica semelhante à TSP/HAM. As implicações incertas do prognóstico para pessoas infectadas pelo vírus linfotrópico humano (HTLV-I/II) e suas formas de transmissão constituem um problema de saúde pública, principalmente em áreas consideradas endêmicas para esse vírus.<hr/>Twenty years after the discovery of the human T-cell lymphotropic virus type I, quite great progress has been achieved and many epidemiological, clinical and phylogenetic features are well known. Seroprevalence increases with age in endemic regions and is higher in women. Three diseases are clearly associated to the virus: tropical spastic paraparesis/myelophathy, adult T cell leukemia and uveitis. The transmission is similar to other retroviruses: contact with contaminated blood, sexual intercourse, and mother to child transmission, mainly through breastfeeding. The natural history of diseases associated to the human lymphotropic virus has not been well established yet. Further studies are required to estimate correctly the risk of infected carriers developing diseases in their life-time. In the last 5 years, reports have pointed towards the association of a syndrome like tropical spastic paraparesis and the human lymphotropic virus type II. The uncertain prognosis for people infected with both types of viruses and the transmission through sexual contact, blood transfusion and from mother to child make this infection a public health problem, mainly in endemic regions. <![CDATA[<B>AIDS case-definitions and trends in AIDS cases: S. Paulo, Brazil, 1980-98</B>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2001000200004&lng=en&nrm=iso&tlng=en Os casos de AIDS diagnosticados entre 1980-98, em pessoas com 13 anos de idade e mais, foram notificados segundo diferentes critérios. O objetivo deste trabalho é estimar a tendência temporal da epidemia de AIDS por critério de notificação. A partir do Banco de Dados da Coordenação Nacional de DST/AIDS, foi utilizada a contagem de linfócitos T CD4+ dos casos notificados pelos critérios CDC/Modificado, Rio/Caracas e "CD4" e a distribuição dos casos de AIDS de acordo com estes critérios hierarquizados entre as categorias de exposição. A mediana dos casos notificados para a contagem de linfócitos T CD4+, segundo os critérios CDC/Modificado, Rio/Caracas e "CD4" hierarquizados, é de respectivamente 86 células/mm³, 135 células/mm³ e 215 células/mm³. De acordo com os critérios CDC/Modificado e Rio/Caracas, observa-se uma queda significativa do número de novos casos de AIDS entre homossexuais e UDI, desde 1992, e entre heterossexuais masculinos e femininos, desde 1996. O critério "CD4" não deve ser utilizado na análise da tendência temporal da epidemia de AIDS entre 1980-98. A análise da tendência temporal da epidemia de AIDS, considerando-se o período assintomático da infecção pelo HIV, revela um decréscimo da infecção entre homossexuais e UDI já em 1985. A queda do número de novos casos de AIDS entre heterossexuais masculinos e femininos desde 1996 pode estar refletindo tanto os avanços da terapia anti-retroviral como as medidas de prevenção da população heterossexual a partir do momento em que a AIDS deixou de ser caracterizada como uma doença que atingia essencialmente homossexuais masculinos e UDI.<hr/>Between 1980 and 1998, AIDS cases among people who are 13 years old or over in the State of Sao Paulo were reported by different AIDS-case definitions. The objective of this paper is to estimate the trend of reported AIDS cases according to the three main Brazilian AIDS-case definitions. Utilizing the database from the Brazilian National Coordination of STD/AIDS, the study used CD4 T-lymphocytes count of cases reported by CDC/Adapted, PAHO/Caracas/Rio and "CD4" criteria; and the distribution of cases of AIDS per exposure category according to these criteria. The medians for CD4 T-lymphocytes count according to the CDC/Adapted, PAHO/Caracas/Rio and "CD4" criteria are respectively 86 cells/mm&sup3;, 135 cells/mm&sup3; and 215 cells/mm&sup3;. According to the CDC/Adapted and PAHO/Caracas/Rio criteria, the number of new AIDS cases among homosexuals and IDU has been decreasing since 1992 and among heterosexual men and women since 1996. The "CD4" criteria should not be utilized for analyzing the trend of AIDS between 1980 and 1988. The analysis of the trend of AIDS cases, considering the HIV clinical latency period without AIDS, reveals the decrease of new infections among homosexual men and IDU since 1985. The reduction of new AIDS cases among heterosexual men and women from 1996 on can be reflecting both the anti-retroviral therapy in process and the prevention measures for heterosexuals since 1990, when AIDS stopped being considered a disease that affects essentially homosexuals and IDU. <![CDATA[<B>Factors associated to physical exercise in adults and elderly volunteer men living in S. Paulo, Brazil</B>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2001000200005&lng=en&nrm=iso&tlng=en O objetivo deste estudo foi verificar os fatores associados à prática de exercícios físicos em homens adultos e idosos residentes na grande São Paulo. O estudo foi transversal e a população constou de 326 homens voluntários, avaliados no Hospital Heliópolis em São Paulo. As variáveis de estudo foram a prática de exercícios físicos (PEF) dos últimos 12 meses (variável dependente), e idade, nível de escolaridade, prática de exercícios físicos no período de 10 a 30 anos, cor da pele, estado civil, tabagismo, ingestão de bebidas alcoólicas, ocupação e índice de massa corporal foram as variáveis independentes. A análise univariada foi realizada através do teste de chi2 e regressão logística simples e a análise conjunta através de regressão logística múltipla. A variável que melhor explicou a PEF foi o nível de escolaridade. Depois do ajuste por tabagismo, idade e IMC, os homens com ensino fundamental e médio completos mostraram maior chance de PEF (OR=4,56; IC95%=1,66-12,50), o mesmo acontecendo com homens com ensino superior (OR=8,39; IC95%=1,83-38,42), quando comparados com homens com escolaridade até ensino fundamental incompleto. Estes resultados são importantes para as políticas públicas de implantação e implementação de programas de exercícios físicos, mostrando ser de fundamental importância programas que objetivem atingir a população masculina de adultos e idosos com baixa escolaridade na grande São Paulo.<hr/>The aim of the study was to analyze the factors associated to practicing physical exercise in adults and elderly men living in S. Paulo. It is a cross-sectional study that analyzes 326 volunteer men aged 50 years and older. The dependent variable was the practice of physical exercise (PPE) in the last 12 months and the independent variables were age, education, practice of physical exercise in the period from 10 to 30 years of age, race, marital status, smoking habits, ingestion of alcoholic drinks, occupation and body mass index (BMI). The analysis was done using the c²test and simple logistic regression and multiple logistic regression. Education was associated to PPE, even after adjusting for smoking habits, age and BMI. Men with elementary school (OR= 4.56, 95CI%=1.66-12.50) and men with college education (OR= 8.39, 95CI%=1.83-38.42) practice more physical exercise than men that did not finish elementary school. These results show that education should be considered in the planning of physical exercise programs for adults and elderly men. <![CDATA[<B>Comparing the International Classification of Disease to Dentistry and Stomatology (ICD-DA) and the International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems (ICD-10)</B>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2001000200006&lng=en&nrm=iso&tlng=en INTRODUÇÃO: Nos estudos epidemiológicos de morbidade é necessário se adotar um sistema de classificação de doenças. Na odontologia e nos traumatismos buco-maxilo-faciais pode-se usar a Classificação Internacional de Doenças em Estomatologia e Odontologia (CID-OE) mas, em alguns casos, esta classificação não é adequada. O objetivo deste estudo é comparar a aplicação da CID-OE com a aplicação da CID-10 na classificação de diagnósticos da área. MATERIAL E MÉTODOS: Foram analisados 2.372 casos atendidos em serviços de traumatismos buco-maxilo-faciais e emergências dentais no Município de São Paulo, Brasil, onde os diagnósticos encontrados foram codificados por ambas as classificações. RESULTADOS: A CID-OE especificou melhor 1.117 casos mas, em 267, não ofereceu possibilidade de codificação. Em 978 casos, o detalhamento dado pela codificação foi o mesmo em ambas as classificações.<hr/>INTRODUCTION: Adopting a classification system of diseases is necessary to perform epidemiological studies of morbidity. In oral and maxillo-facial injuries and in dentistry we may use the International Classification of Diseases for Dentistry and Stomatology (ICD-DA), but the classification is not always appropriate. The objective of the study is to compare the accuracy of the ICD-DA to the International Classification of Diseases-10th Revision (ICD-10) in the classification of diagnoses. MATERIAL AND METHODS: 2,372 encounters were analyzed in oral and maxillo-facial care and in dental emergency services, in the city of São Paulo, Brazil. The encounters were codified by both classifications. RESULTS: 1,117 cases were better classified by the dental classification, but in 267 cases the ICD-DA does not offer a code. In 978 cases the details were the same in both classifications. <![CDATA[<B>Using the International Classification of Diseases in health surveys</B>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2001000200007&lng=en&nrm=iso&tlng=en O objetivo do trabalho foi descrever a morbidade "referida" em inquérito de saúde, comparando o uso da CID-9 com o da CID-10. O estudo foi realizado com uma amostra populacional de 10.199 indivíduos, identificando-se as doenças ou os acidentes ocorridos num período de quinze dias. Realizou-se também uma comparação entre a CID-9 e a CID-10, reclassificando-se pela CID-10 as morbidades classificadas pela CID-9 como Capítulo XVI (Sintomas, Sinais e Afecções Mal Definidas). Cerca de 30% dos entrevistados referiu algum problema de saúde, somando 4415 queixas ou diagnósticos. Um total de 1403 queixas foram classificadas, pela CID-9, em 51 códigos do Capítulo XVI. Estas mesmas queixas recodificadas pela CID-10 transformaram-se em 70 Códigos, ganhando maior especifididade. Concluiu-se que foi satisfatória a classificação das morbidades referidas pelos entrevistados por meio da CID, sendo que a CID-10 apresentou vantagens em relação à CID-9, possibilitando classificar subcategorias residuais ao longo dos diferentes capítulos e apresentado maior especificidade do Capítulo XVIII.<hr/>The objective of the study was to describe morbidity "referred" in health surveys, comparing ICD-9 and ICD-10. The study identified the conditions or injuries occurring within a 15-day period in a population sample of 10,199 individuals. ICD-9 and ICD-10 were also compared, by reclassifying conditions formerly classified as ICD-9 Chapter XVI (Symptoms, Signs and Ill-Defined Conditions) using ICD-10. Approximately 30% of interviewees referred some health condition, totaling 4,415 complaints or diagnoses. A total of 1,403 complaints were classified, by ICD-9, into 51 Chapter XVI codes. The same complaints, recoded by ICD-10, turned into 70 Codes, therefore gaining greater specificity. The conclusion is that the classification of morbidity referred by interviewees using ICD was satisfactory. ICD-10 had advantages in relation to ICD-9, once it enabled the classification of residual subcategories in various chapters, thus providing greater specificity in Chapter XVIII. <![CDATA[<B>Evaluation of information on tuberculosis (1989-1999) from a School Health Center in the city of S. Paulo, Brazil</B>]]> http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2001000200008&lng=en&nrm=iso&tlng=en As fichas contendo os dados dos pacientes com tuberculose, diagnosticados e/ou tratados em um Centro de Saúde Escola da cidade de São Paulo, eram arquivadas por 10 anos e após esse tempo incineradas. Realizou-se um estudo retrospectivo e descritivo, visando a preservação desta documentação histórica e a avaliação das atividades do Programa de Controle da Tuberculose no período de 1989 a 1999. As informações contidas nas fichas e nos prontuários médicos arquivados foram processadas em uma base de dados, utilizando-se o Programa EPI-INFO. Foram analisados o perfil dos pacientes e a evolução do tratamento, para subsídio deste e de outros estudos. Foram tratados 590 pacientes com tuberculose, verificando-se que houve um decréscimo anual no número de pacientes. O maior número dos doentes pertencia ao sexo masculino (58%), eram solteiros (46,8%), na faixa etária de 30 a 49 anos (45,6%) e residiam nas imediações do Centro de Saúde (48,1%). A forma pulmonar foi a mais freqüente (74,4%) e a baciloscopia foi realizada em 375 pacientes (86,3%), com uma positividade de 71,7%. O percentual de saída por cura foi de 72,4%, no período estudado, e o de abandono, 12,4%. Concluiu-se que existe a necessidade de melhoria na qualidade das informações, a implantação de um serviço informatizado no atendimento e no seguimento do tratamento, assim como o aprimoramento da busca ativa, ao menos na sua clientela. Deveria também oferecer o tratamento supervisionado, procurando evitar as altas taxas de abandono e transferência observadas neste estudo.<hr/>Files containing data of patients with tuberculosis, diagnosed and/or treated in a School Health Center in the City of S. Paulo, were maintained for 10 years and then were incinerated. A retrospective and descriptive study was conducted, focusing on the preservation of that historical documentation and the evaluation of the activities of the Tuberculosis Control Program during the period from 1989 to 1999. The information contained in the medical archive files was processed into a database utilizing the EPI-INFO Program that analyzed the profile of the patients and the results of treatment, so as to support this and other studies. 590 patients with tuberculosis were treated. There was an annual decrease in the number of tuberculosis patients. Most were men (58.0%), single (46.8%), between 30 and 49 years of age (45.6%) and lived in the neighborhood of the Health Center (48.1%). The pulmonary form was the most frequent (74.4%) and baciloscopy was performed for 375 patients (86.3%) with 71.7% of positive results. 72.4% of patients were discharged because they were cured and, 12.4% by default. The conclusion is that the quality of information should be improved; a specific computer program should be implemented for the care of patients and treatment follow-up; case finding should also be improved, at least for the clients of this service. Moreover, treatment should be supervised in order to decrease the high level observed of default.