SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 issue6Anemias in children from two health centers in Recife (Brazil)Observations on glicemic levels of Holochilus brasiliensis nanus Thomas, 1897, natural host of Schistosoma mansoni from lower Amazonia author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública vol.19 n.6 São Paulo Dec. 1985

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101985000600003 

ARTIGO ORIGINAL

 

Educação nutricional na escola do primeiro grau em Pernambuco (Brasil): diagnóstico*

 

Nutritional education in primary schools of Pernambuco, Brazil: a diagnosis

 

 

Eronides da Silva LimaI; Emilia Aureliano de Alencar MonteiroII; Astrogilda Paes de AndradeIII

IDo Departamento de Nutrição e Saúde da Universidade Federal de Viçosa — Av. P.H. Rolfs, s/n.° — 36.570 — Viçosa, MG — Brasil
IIDo Departamento de Nutrição da Universidade Federal de Pernambuco — Av. Prof. Moraes Rego, s/n.o — 50.000 — Recife, PE — Brasil
IIIDo Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino da Universidade Federal de Pernambuco — Av. Prof. Moraes Rego, s/n.o — 50.000 — Recife, PE — Brasil

 

 


RESUMO

Objetivou-se estudar a situação da educação nutricional na escola do primeiro grau em Pernambuco, Brasil. Um total de 761 crianças (391 de escolas públicas e 370 de escolas privadas) foram observadas em várias escolas da área metropolitana de Recife. Para avaliar o conhecimento de nutrição das crianças, foi utilizado um questionário. As crianças das escolas primárias privadas mostraram maior conhecimento de nutrição que aquelas das escolas públicas. Entretanto, todas as crianças mostraram interesse em aprender mais sobre nutrição e a seleção de tópicos foi a mesma para ambos os tipos de escolas. As opiniões dos 111 professores consultados sobre a matéria coincidiram com aquelas dos estudantes, fato que confirma a inexistência de um conteúdo sistematizado de ensino em nutrição na escola do primeiro grau em Pernambuco.

Unitermos: Criança, nutrição. Educação em saúde. Escolares.


ABSTRACT

The state of nutritional education in elementary schools in Pernambuco, Brazil, was studied. The "Proposta Curricular de Ciências" (Proposal for science curriculum) — a publication of the Pernambuco Office of Education — which contains the "Programas de Saúde" (Health programs), was analyzed and the actual behavior of students in the alst (8th) grade in relation to previously defined objectives was surveyed. The suvey covered 391 students from state schools and 370 from private schools in the metropolitan area of Recife (the State capital). A 37-item questionnaire was used to determine what the students had been aught and how much they had learned concerning Nutrition, as well as to identify the subjects they would be most interested in learning. The opinion of elementary school teachers was surveyed by means of a questionnaire consisting of four questions having to do with general aspects of Nutrition and Health and the contents of the current "Programas de Saúde". Significant differences as concerns private schol students were found with regard to 12 questions (40% of the cognitive test items). Such results are evidence of the fact that such students have greater knowledge of the themes presented. However, 33% of the state school students rated the content they had been taught as insufficient, and 44% as acceptable. Private school students choosing the same ratings comprised 28% and 44% respectively. The opinion of elementary school teachers coincided with that of the students, rating Nutrition as the second priority area in teaching. On the basis of such results it has been found that there is no systematized program for the teaching of Nutrition in elementary schools in Pernambuco. A redefinition of objectives and contents in that area is thus necessary.

Uniterms: Child nutrition. Health education. Child, school.


 

 

INTRODUÇÃO

Na atualidade, a educação é dirigida fundamentalmente à formação de indivíduos que se adaptem cada vez mais às condições de trabalho e sejam capazes de mudar seu comportamento frente às mutações sociais8. Como outras práticas sociais, a educação atua sobre a sociedade em dois sentidos: no desenvolvimento das forças produtivas e dos valores culturais2,3.

Por outro lado, o ambiente social, seu desenvolvimento e transformações, determina os tipos de educação e, conseqüentemente, sua evolução. A forma como os homens organizam a produção dos bens com os quais mantêm a vida delimita "como" e "para que" um ou outro tipo de educação é criado e posto a funcionar3.

Da compreensão dos processos sociais dessa estrutura de relações tem se influenciado a concepção das práticas educativas institucionalizadas. A escola se configura como seletiva e classificadora dos indivíduos. Os bens culturais são produzidos e manipulados pelos grupos dominantes e impostos aos indivíduos de modo a serem reconhecidos como corretos, legítimos. Quanto à reprodução das categorias sociais de produção, a escola desempenha o papel de formadora das forças de trabalho, contribui para a divisão em classes e manter as condições ideológicas de dominação7,8. Tais aspectos têm levado alguns educadores a levantar críticas sobre se a atual estrutura da educação é dirigida contra ou a favor do homem2,3.

Cunha5 afirma que o acesso à escola já não atinge a todas as crianças de 7 anos na primeira série e conclui que os setores de mais baixa renda da sociedade brasileira tem menos chance de entrar na escola e/ou entram tardiamente em escolas de mais baixa qualidade.

Outros educadores têm admitido a existência de grandes diferenças na qualidade do ensino, entre escolas públicas e privadas. Ceccon e col.4 ressaltam que tanto o conteúdo quanto as disciplinas são familiares às crianças da classe dominante e das camadas médias, porém absolutamente estranhas à classe trabalhadora. Evidentemente, isto acarreta uma "marginalização cultural" cujos efeitos provocam nas crianças a convicção de que fracassaram porque são menos dotados e inteligentes que outras4,5. Reafirma-se então a conclusão de que a escola não é igual para todos, como pretende ser.

Admite-se, por outro lado, que o setor educação está estreitamente vinculado à saúde e que a educação em saúde deve ser considerada parte integrante do processo educacional global10. A educação também tem sido incluída no estudo dos fatores que interferem no estado nutricional das populações6,9,11,12. Conforme Angove1, a UNESCO sugere que a educação em nutrição serve à sociedade em dois aspectos: como uma força conservadora que mantém a viabilidade da cultura, e como uma força inovadora que contribui para o ajustamento aos problemas atuais. Propõe a implementação da educação nutricional nas instituições educativas formais.

Dispõe-se de definições e recomendações pouco claras a respeito do papel da educação nutricional na melhoria da alimentação e, consequentemente, do estado nutricional. Todavia, é possível pressupor que da constante adaptação dos homens às circunstâncias que criaram, no caso, as condições de acesso aos alimentos surgem situações contraditórias, que são facilmente perceptíveis nas doenças decorrentes do excesso de consumo e naquelas ocasionadas pela carência alimentar. Trata-se de questionar que tipos de valores orientam e servem essa sociedade para que tal contradição seja um fato. Questões como alimentação e saúde são pouco definidas e os próprios termos sociais, econômicos e políticos não se separam nitidamente.

É dentro desse contexto que a sociedade brasileira precisa de permanente atitude crítica a fim de se integrar superando a simples atitude de acomodação. Segundo Freire7 "a integração resulta da capacidade de ajustar-se à realidade, acrescida de transformá-la".

O presente trabalho teve como objetivo estudar a situação da educação nutricional no conteúdo de "Programas de Saúde" vigente na Escola do Primeiro grau em Pernambuco.

 

METODOLOGIA

Estudou-se o material referente ao curso de primeiro grau e realizou-se avaliação do nível de conhecimento dos alunos da oitava série, bem como a sua temática em função de objetivos de ensino em nutrição previamente definidos no trabalho, como segue:

— Relacionar os conceitos básicos da nutrição e saúde.

— Identificar os nutrientes e sua função no organismo.

— Empregar medidas higiênicas adequadas à boa preservação dos alimentos.

— Caracterizar e selecionar uma dieta adequada.

— Valorizar os hábitos alimentares da região compatíveis com os fundamentos da nutrição.

— Selecionar técnicas de preparo e cocção adequadas para os alimentos relacionados ao hábito alimentar regional.

— Reconhecer as doenças nutricionais como problema de saúde pública.

— Identificar os Programas Nacionais de Alimentação e Nutrição.

— Reconhecer a importância da participação comunitária como meio de garantir o acesso a uma dieta adequada.

Sondagem de opiniões foi realizada com docentes, sobre aspectos gerais de nutrição e saúde em conexão com "Programas de Saúde" vigente na escola.

Dimensão, seleção da amostra e operacionalização

A pesquisa envolveu 391 alunos das escolas públicas e 370 alunos das escolas privadas da área metropolitana de Recife, na faixa etária média de 14 anos. A amostra foi dimensionada dentro do limite de precisão de 5% e nível de confiança de 95%.

Já no caso dos docentes estimou-se uma amostra de 370 professores abrangendo apenas os das escolas públicas, obedecendo o mesmo critério adotado para os alunos. Por motivos circunstanciais apenas 111 foram abordados.

Aplicou-se questionário composto de 37 questões, sendo 35 referentes às áreas do conhecimento em função dos objetivos fixados, e 2 envolvendo o conteúdo de nutrição que a escola ensina, bem como as expectativas sobre o que mais gostaria de aprender.

Foram sorteadas seis escolas públicas dos DERE Norte e Sul (Departamentos Regionais de Educação), obtendo-se uma turma de alunos por escola. As escolas privadas foram selecionadas de modo a representar o mais elevado nível sócio-econômico-cultural e de ensino.

A sondagem dos docentes ocorreu simultaneamente à dos alunos, e o questionário foi composto de 4 questões.

Tratamento dos dados

Após coleta dos dados, apurou-se um total de 761 questionários e empregou-se o teste do qui-quadrado para análise estatística tomando como referência o nível de significância de 1%.

Para as questões objetivas de múltipla escolha nas quais a resposta correta seria uma única das alternativas propostas, considerou-se respectivamente o total de acertos e o total de erros (incluindo-se neste, também a alternativa não sabe e as omissões). Nas questões objetivas de resposta curta (o aluno escreveu a resposta) adotou-se o mesmo critério (questões 2, 3, 19, 27 e 34).

Entretanto, nas questões de resposta livre (22, 23, 24, 25, 33, 36 e 37) não se adotou o critério acima, excluindo do teste estatístico os alunos que não declararam suas opiniões.

 

RESULTADOS E CONCLUSÕES

Os resultados são apresentados e discutidos, bem como interpretados, conforme os grupos pesquisados: alunos das escolas públicas e privadas e docentes. É importante ressaltar que o questionário constituiu um bom recurso incentivador, vez que levantou problemas de nutrição inerentes à realidade dos alunos, despertando seu interesse.

Como se observa na Tabela 1, os alunos das escolas públicas estão em situação desvantajosa quanto ao conhecimento dos conceitos básicos de nutrição.

 

 

Percebe-se na Tabela 2 que ambos os grupos apresentam relativamente a mesma dificuldade em identificar o valor nutritivo e a função dos alimentos, fato que pode interferir no processo de seleção dos mesmos.

 

 

Na Tabela 3 nota-se que ambos têm noções sobre as necessidades nutricionais, porém o grupo das escolas públicas mostra maior dificuldade em selecionar os nutrientes que compõem uma dieta adequada, bem como os alimentos mais nutritivos.

 

 

É evidente na Tabela 4 que os alunos das escolas públicas não conhecem bem as comidas típicas da Região, quando comparados à vantagem apresentada pelo grupo das escolas privadas.

 

 

Há uma tendência dos grupos (Tabela 5) à valorização dos hábitos alimentares da região, pela exclusão dos alimentos industrializados que constituiam uma das opções; entretanto, o grupo das escolas privadas tende a uma maior variabilidade nas preferências alimentares.

 

 

A Tabela 6 apresenta um componente da lista dos tabus alimentares que já foi "apreendido" pelos adolescentes de tal modo que já pode ser considerado parte integrante de seu contexto sócio-cultural. Tal evidência foi mais acentuada nos alunos das escolas públicas.

 

 

Os grupos mostraram grande resistência à mudança de hábitos (Tabela 7), parecendo importante o conhecimento do valor nutritivo do alimento substituto para os alunos das escolas públicas.

 

 

Conforme as Tabelas 8 e 9, os alunos selecionam corretamente as medidas higiênicas e de conservação dos alimentos, sendo que o grupo das escolas públicas evidencia melhor o modo mais adequado de conservar o leite, perdendo pontos para o outro grupo quanto à forma mais adequada de ingerir as frutas.

 

 

 

 

A Tabela 10 permite observar que os respectivos grupos identificam bem a desnutrição como problema de Saúde Pública, entretanto, o grupo das escolas pú- blicas não conhece tão bem as causas da desnutrição, estando o outro grupo melhor informado.

 

 

Os grupos expressam de forma semelhante suas opiniões (Tabela 11) quanto à preocupação governamental com o problema da alimentação e nutrição, sendo que 80% e 76% dos respectivos grupos que acreditam haver "preocupação governamental", acham que o governo "quer ajudar"; 58% dos dois grupos que acreditam não haver "preocupação governamental" acham que os governantes "só pensam neles".

 

 

A Tabela 12 indica resultados semelhantes em ambos os grupos de alunos, e sugere que eles não conhecem os Programas Nacionais de Alimentação e Nutrição existentes, fato que adquire maior repercussão nos alunos das escolas públicas que constituem o grupo vulnerável beneficiado pelo Programa da Merenda Escolar.

 

 

Conforme a Tabela 13 os alunos adotam a mesma posição quanto a medida mais correta para enfrentar o problema da desnutrição (proporcionar condições para que o homem adquira e utilize os alimentos de forma adequada).

 

 

O conteúdo de nutrição que a escola ensina atualmente foi classificado pelos alunos (Tabela 14) como "insuficiente" e "regular", dado confirmado na questão sobre o que mais gostaria de aprender na área de nutrição (Tabelas 15 e 16).

 

 

 

 

 

 

A diferença encontrada em 12 questões (40% das questões cognitivas), a favor dos alunos das escolas privadas, permite inferir que esse grupo tem maior conhecimento dos temas apresentados. Tal diferença tem maior relação com a dessemelhança nos níveis sócio-econômico-culturais dos grupos, embora seja evidente a diferenciação na qualidade de ensino dos dois tipos de instituições educativas.

No caso dos docentes pode-se concluir que estão atentos aos problemas nutricionais (Tabelas 17 e 18) e elevado percentual acredita que o conteúdo de "Programas de Saúde" vigente na escola tem contribuído para a saúde do escolar (Tabela 19). Os docentes optaram pela nutrição como a segunda área de estudo que deve receber melhor enfoque na escola (Tabela 20) principal ponto de coerência com os resultados obtidos dos alunos.

 

 

 

 

 

 

 

 

Com base nesses achados e no estudo da Proposta Curricular de Ciências que contém "Programas de Saúde"13, conclui-se que é preciso redefinir os objetivos e conteúdos dessa área, de modo a representar fatos concretos da região, em suas relações de causa-efeito dentro do contexto social geral. Desse modo, a educação em saúde abrangeria temas como: parasitoses, desidratação, desnutrição, saneamento básico, entre outros. Seria uma contradição ensinar que a proteína promove o crescimento, sem refletir com os alunos sobre os meios que garantem o acesso aos alimentos proteicos, ou ainda, sobre os fatores que limitam atualmente o seu consumo.

Apesar do fato inconteste de que a desnutrição constitui um grave problema de saúde pública no Brasil e principalmente em Pernambuco, inexiste um conteúdo sistematizado de ensino em Nutrição dentro de "Programas de Saúde" da escola de primeiro grau do Estado. Os objetivos e temas de nutrição contidos na proposta curricular não estabelecem uma ordenação seqüencial carecendo de logicidade, gradualidade e continuidade. Conseqüentemente não há integração com os temas de saúde, de modo a criar uma unidade de conhecimento.

Como indicam os resultados da pesquisa, todas as crianças mostraram interesse em estudar nutrição, e a seleção de tópicos foi a mesma para ambos os tipos de escola, o que legitima a proposição de um modelo de ensino nessa área.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. ANGOVE, R. Nutrition education for change. J. hum. Nutr., 33: 65-8, 1979.        [ Links ]

2. BERGER, M. Educação e dependência. 3.a ed. São Paulo, Difusão Editorial, 1982.        [ Links ]

3. BRANDÃO, C.R. O que é educação? São Paulo, Ed. Brasiliense, 1983.        [ Links ]

4. CECCON, C. et al. A vida na escola e a escola da vida. 5.a ed. Rio de Janeiro, Editora Vozes, 1982.        [ Links ]

5. CUNHA, L.A. Educação e desenvolvimento social no Brasil. 6.a ed. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1981.        [ Links ]

6. DWYER, J. Challenge of change — Nutrition and Policy: the changing environment for nutrition policy challenges the society for nutrition education. J. Nutr. Educ., 9(2): 54-6, 1977.        [ Links ]

7. FREIRE, P. Educação como prática de liberdade. 13.a ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1982.        [ Links ]

8. GARCIA, W. Educação brasileira contemporânea: organização e funcionamento. São Paulo, McGraw-Hill, 1978.        [ Links ]

9. JELLIFE, D.B. et al. Nutrition programs for preschool children. Amer. J. din. Nutr., 25: 595-605, 1972.        [ Links ]

10. PERALTA, E.D.C. La educacion en el logro de una meta: salud para todos no año 2.000. Bol. Ofic. sanit. panamer., 91: 401-6, 1981.        [ Links ]

11. QUELCH, J.A. The role of nutrition information in national nutrition policy. Nutr. Rev., 35: 289-93, 1977.        [ Links ]

12. REFLEXIONES sobre educacion alimentar e nutricional; Projecto Interagencial de Promocion de Politicas Nacionales de Alimentacion e Nutricion. Bol. PIA/ PNAN, Santiago, Chile, (6/7): 1-7, 1979.        [ Links ]

13. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E CULTURA. Proposta curricular. Ensino de 1o grau: Ciências. 2a ed. Recife, 1978.        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 28/03/1985
Reapresentado em 30/07/1985
Aprovado para publicação em 05/08/1985

 

 

* Parte da dissertação intitulada "Educação Nutricional na Escola do Primeiro Grau: Uma Proposição para Pernambuco", apresentada ao Departamento de Nutrição da Universidade Federal de Pernambuco, para obtenção do grau de mestre em Nutrição e Saúde Pública, em 1984. Trabalho apresentado no VII Congresso Latinoamericano de Nutrición, Brasília, DF, em novembro de 1984