SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 issue4Epidemiology of the use of medicines during the first three months of life in an urban area of Southern BrazilEvaluation of access to the pediatric service of a university hospital author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública vol.32 n.4 São Paulo Aug. 1998

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101998000400006 

Acidentes de trabalho em Barcelona (Espanha), no período de 1992-1993*

Work accidents in Barcelona (Spain), from 1992 to 1993

 

Rosana F. Sampaio, Miguel Martin M., Lucía Artazcoz L. e Salvador Moncada y L.
Departamento de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da EEF da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, MG - Brasil (R.F.S.); Faculdad de Medicina de la Universidad Autónoma de Barcelona. Barcelona, Espanha (M.M.); Centro de Salud Laboral del Instituto Municipal de Salud. Ayuntamiento de Barcelona. Barcelona, Espanha (L.A L., S.M.L.)

 

 

Resumo
Introdução As estatísticas dos acidentes de trabalho, como qualquer outro sistema de notificação, devem servir de base para determinar prioridades e decidir quais medidas preventivas devem ser adotadas. Neste contexto, o objetivo do estudo é aprofundar a análise dos acidentes de trabalho através da utilização de técnicas estatísticas descritivas que permitam estabelecer a relação entre o número de acidentes de trabalho ocorridos em Barcelona (Espanha) e as variáveis tipo de acidente, setor econômico, tamanho da empresa e tipo de contrato.
Método Como fonte de dados foi utilizado o sistema de notificação de acidentes graves e mortais ocorridos na cidade de Barcelona (Espanha), entre 1992 e 1993. Foram examinados 848 registros de acidentes de trabalho em trabalhadores do sexo masculino e a partir desses dados efetuou-se uma análise mediante modelos log-lineares.
Resultados e Conclusões Os resultados evidenciam que os acidentes traumáticos e o setor de construção têm uma associação positiva, verificada, da mesma forma, entre os acidentes de trânsito e o setor de serviços. Os acidentes traumáticos e de trânsito apresentaram uma associação com as pequenas empresas e os acidentes não traumáticos demonstraram associar-se com as grandes empresas. Verificou-se, ainda, associação entre os trabalhadores temporais e o setor da construção frente aos trabalhadores com contrato fixo, em que se constatou uma associação com os setores de indústria e de serviços. Foi verificada associação positiva entre os acidentes ocorridos com os trabalhadores temporais e as pequenas e médias empresas.
Acidentes de trabalho, estatística e dados numéricos. Modelos log-lineares [Saúde pública].
Abstract
Introduction The statistics related to labor accidents as with any other notification system ought to be the basis for programs and policies with a view to the adoption of preventive measures. In order to establish preventive norms, however, the health system needs data from researchers focussing on the dynamics of and the pitfalls revealed by specific events. Within this context the main objective of this study is to proceed with an in-depth analysis of the labor accidents verified in Barcelona (Spain) using for this purpose a descriptive statistics model to test variables such as type of accident, economic sector, economic enterprise and type of labor contract.
Method The data source utilized was the notification system for labor accidents with grave consequences such as death of the victim registered in Barcelona during the period 1992-1993. Labor accidents registered for male workers numbered 848. A log-linear model was applied to this data base.
Results and Conclusions The results show a positive association between traumatic accidents with the construction, traffic and services sectors. A positive association was also found between traumatic accidents and the size of the company concerved the small ones being the worse type in terms of worker's injuries. Regarding the non-traumatic accidents, the study showed a positive correlation between large-sized enterprizes and type of temporary worker and the civil construction sector as compared to workers with long term work contracts within industry and services. There was some evidence, also, of a positive association between small and medium sized companies and temporary work and the ocurrence of work accidents.
Accidents, occupational. Log-linear models [Public health].

 

 

INTRODUÇÃO

A Espanha ocupa um lugar destacado entre os países da Comunidade Econômica Européia (CEE) quanto ao número de mortes por acidentes de trabalho, com o agravante de que o número de casos apresenta crescimento anual. Em parte, esse aumento é conseqüência da deterioração das condições de trabalho e do aumento dos fatores de risco relacionados ao fato de que o mercado se torna cada vez mais precário5,17.

No que se refere às comunidades autônomas, o problema dos acidentes não é exclusivo de uma delas em particular, apesar das diferenças relativas à estrutura produtiva, às taxas de acidentes e suas tendências. Na Catalunha, no ano de 1991, 89 de cada mil trabalhadores sofreram acidente exigindo afastamento do posto de trabalho. Em Barcelona, no período 1988-1990, morreram 183 trabalhadores em conseqüência de acidente. Para cada trabalhador morto, dez sofreram acidente grave17.

Hoje em dia, existe consenso sobre a importância de se planificar as políticas sanitárias a partir de instâncias cada vez mais próximas da população. O conhecimento dos acidentes de uma determinada área geográfica pode ser o ponto de partida para que seja priorizado o desenho de medidas de correção das condições de trabalho que se associam a um alto risco de acidentes.

A ausência de um denominador com um nível de desagregação municipal impede a realização de estudo mais rigoroso sobre os fatores de risco dos acidentes de trabalho em Barcelona. Neste caso, como já foi observado por diversos autores2,8,15,18, os modelos log-lineares representam uma boa opção para a análise deste tipo de informação. Além de contribuir para a quantificação dos acidentes, eles possibilitam identificar que fatores ou variáveis são mais importantes para determinar os valores assumidos pela observação. Esses modelos permitem reduzir um processo, por mais complexo que seja, em uma série de componentes de forma que sejam mais fáceis de interpretar6,10.

O presente estudo objetiva estabelecer a relação entre o número de acidentes de trabalho ocorridos na cidade de Barcelona (Espanha), no período 1992-1993, e as variáveis tipo de acidente, setor econômico, tamanho da empresa e tipo de contrato.

 

MÉTODO

A fonte de dados utilizada foi a informação dos comunicados de acidentes de trabalho graves e mortais ocorridos em Barcelona, durante o período de 1992 a 1993. A não-inclusão dos acidentes leves explica-se pela alta subnotificação dos mesmos. Foram analisados 848 registros de acidentes de trabalho ocorridos com trabalhadores do sexo masculino. Os acidentes em mulheres (178 casos) foram excluídos da população inicial (n= 1.320) devido ao pequeno número de casos e, também, pelo fato de haver concentração das mesmas no setor de serviços o que dificultava a análise. Da mesma forma, os acidentes de trajeto (286 casos) não foram incluídos por se entender que as condições de trabalho propriamente ditas influem pouco em sua etiologia. Considerando que os dados referem-se especificamente à cidade de Barcelona, foram excluídos ainda os acidentes verificados no setor agrícola (8 casos).

Variáveis Estudadas

a) Tipo de contrato: Fixo e não-fixo (C)

b) Características da empresa:

•Tamanho da empresa ou quadro de pessoal (P), dividido em categorias segundo critérios estândares18: pequena (menos de 50 trabalhadores), média (50 a 199 trabalhadores) e grande (mais de 199 trabalhadores).

•Setor econômico (A), dividido em categorias segundo a Clasificación Nacional de Actividades Económicas (CNAE)6: indústria, construção e serviços.

c) Caraterísticas do acidente. A variável tipo de acidente (T) foi criada a partir de três características: local do acidente, forma do acidente e natureza da lesão. Esta variável foi dividida em três classes: acidentes por causas naturais (basicamente acidente vascular cerebral (AVC) e infarto agudo do miocárdio). A legislação espanhola reconhece os AVCs e os infartos como acidentes de trabalho quando esses ocorrem no local de trabalho; acidentes de trânsito (deslocamentos durante as horas de trabalho); e acidentes traumáticos (aqueles que ocorrem no posto de trabalho).

Análise Estatística

Foi construída uma tabela de freqüências de quatro vias. Para uma célula particular ijkl da tabela de contingência, o logaritmo natural (ln) da proporção esperada de acidentes pode ser escrito como: ln ijkl= l0 + lAi + lTj + lPk + lCl + lATij + lAPik + lACli + lTPjk + lTCjl + lPCkl + lATPijk+ lAPCikl + lATCijl + lTPCjkl + lATPCijkl .

Os parâmetros lambdas são os efeitos correspondentes aos fatores principais e suas interações (o termo interação aqui utilizado serve para descrever a relação entre variáveis qualitativas). O l0 é o efeito devido à média geométrica das células. Este modelo, chamado saturado, reproduz exatamente as freqüências das células observadas, pois possui tantos parâmetros quanto o número de células. No entanto, o objetivo da análise é obter o modelo mais simples possível, com menos parâmetros, de modo que as freqüências preditas sejam diferentes das observadas de forma estatisticamente não significativa.

Para a obtenção desse modelo log-linear utilizou-se o método stepwise (com critério de entrada de p<0,05 e saída p>0,05), baseado na comparação de modelos hieráquicos mediante o uso de razão de verossimilhança ou deviance. Os testes analisam as deviances de diferentes modelos e seus graus de liberdade (GL). Quando o modelo que se está aplicando é adequado e o número de casos é relativamente grande, a deviance segue aproximadamente uma distribuição de c2 com um número de graus de liberdade igual ao número de células da tabela menos o número de parâmetros independentes estudados 2, 16. No procedimento forward partiu-se do modelo mais simples (ln ijkl =l0) e introduziram-se os efeitos um a um, com o objetivo de diminuir as diferenças entre as freqüências calculadas pelo modelo e as observadas, analisando as mudanças que se produziam ao introduzir cada termo. No procedimento backward, partiu-se do modelo saturado (modelo completo), passando à eliminação de termos. Esse método de análise, passo a passo, é baseado na significação do c2 parcial, ou seja, o ajuste do modelo é analisado quando se acrescenta ou suprime um parâmetro1. O modelo final escolhido foi o mais simples, ou seja, o modelo com menos elementos, seguindo o princípio de parcimônia2.

Para a validação do modelo escolhido foi realizado estudo dos resíduos (diferença entre a freqüência observada e a esperada). Quando o modelo está bem ajustado, a distribuição dos resíduos estandarizados deve ajustar-se a uma distribuição quase normal, ou seja, 95% dos resíduos devem ter um valor igual ou menor que 1,96.

Passou-se, por último, ao cálculo dos parâmetros para verificar a contribuição de cada um deles ao ajuste do modelo. Foi adotado o parâmetro lambda, cuja interpretação relaciona-se à média geométrica do número de acidentes. Se lambda é igual a zero, o número de acidentes é igual a média; se lambda é menor do que zero, o número de acidentes está abaixo da média; e, se lambda é maior do que zero, o número de acidentes está acima da média. Assim, a soma dos efeitos l de um fator principal deve ser zero. O conjunto não altera a média, assim como os termos da interação anulam-se quando se considera a soma de lij , fixando a i ou fixando a j; quer dizer, Âi lij=0 ou Âj lij=021.

Para o tratamento inicial dos dados utilizou-se o pacote estatístico SPSS/PC20 e, para o ajuste de modelos log-lineares, o módulo 4F do BMDP7.

 

RESULTADOS

Entre os 848 acidentes estudados, 600 (70,8%) foram de tipo traumático, 159 (18,8%) acidentes de trânsito e 89 (10,6%) acidentes não traumáticos. Em relação aos setores de atividade econômica considerados, o setor de serviços apresentou 470 casos (54,2%); a indústria, 223 (26,3%); e o setor de construção, 155 (18,3%). No que se refere ao tamanho da empresa, 460 (54,2%) acidentes ocorreram em pequenas empresas; 262 (30,9%) em grandes empresas; e 126 (14,8%) em empresas de porte médio. O tipo de contrato era fixo em 525 casos (61,9%).

No procedimento forward, o modelo que melhor se ajustou foi o que incluiu todas as interações de primeira ordem (Atividade econômica x Tipo de acidente; Atividade econômica x Tipo de contrato; Tipo de acidente x Tipo de contrato; Atividade econômica x Tamanho de empresa; Tamanho de empresa x Tipo de contrato e Tipo de acidente x Tamanho de empresa), com GL=28 e p=0,08978. Encontrou-se o mesmo modelo no procedimento backward. O modelo final foi: l0 + lAi + lTj + lPk + lCl + lATij + lACil +lTPjk + lTCjl + lPckl .

A análise dos resíduos estandardizados apresentou uma distribuição ao azar, com média zero compatível com uma distribuição normal. Só um resíduo ultrapassou o valor esperado, o que se encontra dentro dos limites esperados (Tabela 1).

a2361t1.GIF (20830 bytes)

 

A Tabela 2 mostra os parâmetros lambdas para as interações de primeira ordem presentes no modelo. Os parâmetros não descritos podem ser obtidos a partir das restrições que todo modelo log-linear possui. Em termos gerais, pode-se afirmar que, além de existir dependência entre o setor de atividade econômica e o tamanho da empresa (aspecto não relevante para explicar os tipos de acidentes), os resultados mostraram que os acidentes de trânsito têm uma associação positiva com o setor de serviços e os acidentes traumáticos, por sua vez, com o setor da construção. Já os acidentes traumáticos e de trânsito demonstram associação com as pequenas empresas, enquanto os acidentes não traumáticos têm associação com as grandes empresas. Existe ainda uma associação entre os trabalhadores temporais e o setor da construção, frente aos trabalhadores com contrato fixo, que têm associação com os setores de indústria e serviços. Por último, evidenciou-se uma associação positiva entre os acidentes ocorridos com os trabalhadores temporais e as pequenas e médias empresas. O conceito de associação positiva significa que o parâmetro l associado é maior que zero e, portanto, aumenta o valor esperado quanto a média geométrica global.

a2361t2.GIF (49229 bytes)

 

DISCUSSÃO

Apesar do desenho transversal da presente investigação e do fato dos modelos log-lineares serem descritivos, o que não permite estabelecer uma relação de causalidade entre os acidentes de trabalho e as variáveis aqui analisadas, os resultados encontrados indicam associações que merecem ser aprofundadas em estudos posteriores.

Não obstante, foram assinaladas algumas limitações que devem ser observadas na hora de interpretar esses resultados. Em primeiro lugar, a inexistência de denominadores com um nível de desagregação municipal não permite calcular riscos. Em segundo, há que levar em conta que os dados, coletados do sistema oficial de notificação de acidentes de trabalho, se referem somente aos trabalhadores assalariados. Portanto, desconhece-se o que ocorre com os trabalhadores autônomos. Apesar dessas limitações, foram ressaltadas algumas constatações desse trabalho.

Os resultados obtidos com o uso dos modelos log-lineares indicam que o número de acidentes estudados pode ser explicado pela dupla interação dos quatro fatores principais. Destaca-se o setor de construção, em função da associação positiva com os acidentes traumáticos em trabalhadores temporais. É conhecida a associação entre acidentes e instabilidade no trabalho. Na cidade de Barcelona, esse problema é muito importante por apresentar o menor número e a maior mobilidade tanto dos trabalhadores quanto dos centros de trabalho3,4. De acordo com a Encuesta de Población Activa (EPA) o índice de rotatividade atual no setor da construção é de 50%, sendo que, há aproximadamente seis anos, não superava os 15%. Ainda que esta instabilidade no trabalho não seja competência direta da área da saúde, acredita-se que a saúde pública deve intervir para tentar diminuir o impacto que tais situações têm sobre a saúde dos trabalhadores.

Considerando a associação entre os acidentes traumáticos e de trânsito com as pequenas empresas e levando em conta que o número dessas empresas tende a aumentar em época de crise como uma alternativa à pouca oferta de empregos no mercado de trabalho, são necessários estudos que busquem conhecer as condições de trabalho nesses estabelecimentos.

As pequenas empresas são maioria na estrutura econômica da Espanha, mas, ainda assim, existem alguns fatores que devem ser considerados. Em geral, esse tipo de empresa conta com pouco ou nenhum recurso material e humano para a promoção da segurança do trabalhador. Além disso, ao utilizarem métodos e processos de trabalho inadequados e equipamentos obsoletos5,13,19 elevam ainda mais o risco de acidentes de trabalho na empresa.

Os acidentes de tipo não traumáticos constituem outro tema de difícil investigação. Em geral, no presente trabalho, esses acidentes ocorrem entre trabalhadores com contrato fixo, presentes nas grandes empresas do setor de serviços. Isto leva a crer que tais acidentes poderiam estar relacionados à idade do trabalhador, com o conteúdo da tarefa desenvolvida por ele e com as condições de trabalho12. Apesar de não haver consenso quanto à tipificação das patologias não traumáticas como acidentes, e considerando a cronicidade destes processos, não se pode descartar que existem mortes não traumáticas no trabalho associadas com a ocupação. Muitos estudos descrevem a maior prevalência de doença cardiovascular relacionada com características da organização do trabalho12.

O número elevado de acidentes no setor de serviços pode ser explicado pelo fato de que Barcelona é hoje uma cidade de serviços (aproximadamente 67% da população trabalhadora encontra-se nesse setor)11,16. Por outro lado, a inclusão do setor transportes em serviços também pode ter contribuído para elevar a freqüência de acidentes.

Apesar destas considerações não se pode esquecer das condições de trabalho vivida pelos trabalhadores na Espanha. Alguns autores relacionam as péssimas condições de trabalho com a evolução da economia espanhola4. No período de 1982-86, essa economia sofreu forte recessão e agora vive uma nova crise junto com a maior parte da economia ocidental. Embora os fatores desencadeantes dessas crises e as alternativas para superação das mesmas sejam diferentes, os especialistas coincidem no impacto negativo sobre a ocupação e o mercado de trabalho.

Neste contexto, destaca-se a importância cada vez maior em se utilizar técnicas de análise que permitam estimar os prejuízos para a saúde derivados de condições de trabalho deficientes e, em conseqüência, estabelecer e implementar políticas de saúde efetivas dentro das empresas.

 

REFERÊNCIAS

1. AGRESTI, A. Categorical data analysis. New York, John Willey and Sons, 1990.         [ Links ]

2. ALZINA, B. R. Introducción conceptual al análisis multivariable: un enfoque informático con los paquetes SPSS-X, BMDP, LISREL y SPAD. Barcelona, Ed. PPU, 1989.         [ Links ]

3. AYUNTAMIENTO de Barcelona. Barcelona Economia. Indicadors econòmics de Barcelona: quart trimestre 1991. Area d' economia i empreses. Departament d'estudis,1992.         [ Links ]

4. AYUNTAMIENTO de Barcelona. L' evolució de l'atur a Barcelona. Rev. Inf. Estud. Soc., 3:98-107, 1995.         [ Links ]

5. BENAVIDES, G.F. Prevención de riesgos laborales: otra oportunidad para una asignatura pendiente. Gac. Sanit., 7: 155-7, 1993.         [ Links ]

6. Decreto Nº 2518/74. Bol. Ofic. Estado, 12/09/74.         [ Links ]

7. BMDP: statistical software. Chicago, Ed. Library of California Press, 1992.         [ Links ]

8. COBO, E. El análisis de tablas de contingencia: introducción a los modelos log-lineales. Barcelona, Ed. Universidad de Barcelona,1993.         [ Links ]

9. EVERITT, B. & DUNN, G. Applies multivariate data analyses. London, Ed Edward Arnold, 1990.         [ Links ]

10. FISCHER, B.G. A methodology for the health sciences: categorical data: contingency tables. New York, Wiley-Intersciense Publ., 1993.         [ Links ]

11. GENERALITAT de Catalunya. Información estadística del Departamento de Treball. [Madrid, Ministério del Tabajo], 1993.         [ Links ]

12. JOHNSON, J. Collective control: strategies for the survival in the workplace. In: Johnson, J.V. & Johansson, G. The psychosocial work environment: work organization, democratizacion and health. New York, Ed Baywood, 1991. p. 121-32.         [ Links ]

13. LINDSTROM, K. Psychosocial criterio for good work organization. Scand. J. Work Environ. Health, 20:123-33, 1994.         [ Links ]

14. LUCCA, R.S. & MENDES, R. Epidemiologia dos acidentes do trabalho fatais em área metropolitana da região Sudeste do Brasil. Rev. Saúde Pública, 27:168-73, 1993.         [ Links ]

15. MCCULLAGH, B.P. & NELDER, J.A. Generalized linear models. London, Ed. Chapman and Hall, 1989.         [ Links ]

16. MINISTÉRIO DEL TRABAJO Y SEGURIDAD SOCIAL. Estadística de accidente de trabajo, 1993. Madrid, Ed. Dirección General de Informática y Estadística, 1994.         [ Links ]

17. MONCADA, S. & LAZCANO, A. L. Los accidentes de trabajo en España: un gran problema, mayor olvido. Quadern Caps/Primavera, 17:63-79, 1992.         [ Links ]

18. OLIVARES, F.G. & PABLOS, C.S. Siniestralidad laboral en la región de Murcia 1992. Murcia, Ed. Consejería de Sanidad, 1994.         [ Links ]

19. SALMINEN, S. et al. Organizational factores influencing serious occupational accidents. Scand. Work Environ. Health, 19:8-9, 1993.         [ Links ]

20. SPSS for windows release 5. Chicago, Ed. Library of Congress, 1990.         [ Links ]

21. UPTON, G.J.G. The cross-tabulated data. New York, John Willey and Sons, 1978.         [ Links ]

 

 

* Trabalho realizado no Departamento de Pediatria, Obstetrícia, Ginecologia, Medicina Preventiva y Salud Pública/ Faculdad de Medicina/ Universidad Autónoma de Barcelona.

Correspondência para/Correspondence to: Rosana Ferreira Sampaio.Unidade Administrativa II - 2º andar - Campus Universitário - Pampulha.Av. Antonio Carlos, 6627 - 31270-901 Belo Horizonte, MG - Brasil. E-mail: rosana@dedalus.lcc.ufmg.br
Recebido em 13.1.1997. Reapresentado 20.10.1997. Aprovado em 26.1.1998.