SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 issue6Assessment of a strategy for the control of respiratory diseases in childrenBody mass index as a tool in the nutritional assessment of adults: a review author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Abstract

SICHIERI, Rosely; LOLIO, Cecilia A. de; CORREIA, Valmir R.  and  EVERHART, James E.. Variações geográficas no padrão de mortalidade proporcional por doenças crônico-degenerativas no Brasil. Rev. Saúde Pública [online]. 1992, vol.26, n.6, pp. 424-430. ISSN 0034-8910.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101992000600008.

Em razão de a mortalidade por doenças crônico -degenerativas estar aumentando no Brasil, com correspondente redução das doenças infecciosas, foi realizado estudo comparativo entre 17 capitais brasileiras em relação à mortalidade proporcional para as principais causas de morte em 1985. Foram calculados coeficientes de correlação entre a mortalidade proporcional decorrente de doença isquêmica do coração, doença cerebrovascular, câncer de pulmão, mama e estômago e 3 variáveis socioeconômicas, raça e a mortalidade proporcional por doenças infecciosas. A análise multivariada através de regressão linear incluiu como variáveis independentes os percentuais de: analfabetismo, casas com instalação domiciliar de água, renda média, população da cor branca, faixa etária e sexo. As variáveis dependentes foram as percentagens de óbito devido a cada uma das doenças crônico-degenerativas em estudo, por grupo de idade e sexo. Os resultados mostraram que as doenças crônico-degenerativas são importantes causas de morte em todas as regiões do país. A doença isquêmica do coração, a doença cerebrovascular e as neoplasias malignas foram responsáveis por mais do que 34% da mortalidade em todas as capitais estudadas. A mortalidade proporcional variou de forma marcante entre as capitais estudadas, com amplitudes de variação de 6,3-19,5% para a doença isquêmica do coração, 8,3-25,4% para a doença cerebrovascular, 2,3-10,4% para infecções e 12,2-21,5% para as neoplasias malignas. A mortalidade proporcional por infecções apresentou a maior correlação com os indicadores socioeconômicos (p < 0,001), sendo acompanhada pela doença isquêmica do coração (p < 0,05). O alto nível socioeconômico relacionou-se com menor percentagem de mortalidade por infecções e mais alta percentagem de doença isquêmica do coração, enquanto que a mortalidade por doença cerebrovascular e câncer de mama não se associaram com os indicadores socioeconômicos. Os modelos de análise multivariada explicaram 59% da variação entre as capitais, para a doença isquêmica do coração, 50% para a doença cerebrovascular, 28% para o câncer de pulmão, 24% para o câncer de mama e 40% para o câncer de estômago. As importantes diferenças geográficas encontradas para a mortalidade proporcional devido às doenças crônico-degenerativas não podem ser totalmente explicadas pela variação na mortalidade por doenças infecciosas e pelos fatores socioeconômicos estudados, sugerindo a existência de fatores de risco específicos.

Keywords : Mortalidade [tendência]; Doença crônica [mortalidade]; Causa de morte; Distribuição espacial.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English