SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.36 issue2Asthma mortality in the city of São Paulo, BrazilEpidemiology of dengue infection in Ribeirão Preto, SP, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Abstract

OLIVEIRA, Maria I et al. Exantema após vacinação do sarampo: análise laboratorial de casos notificados em São Paulo. Rev. Saúde Pública [online]. 2002, vol.36, n.2, pp. 155-159. ISSN 0034-8910.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102002000200006.

OBJETIVO: O diagnóstico diferencial de doenças exantemáticas causadas por vírus é geralmente difícil, e equívocos não são raros, especialmente depois da introdução da vacina contra o sarampo e a rubéola. Um estudo laboratorial foi conduzido com o objetivo de estabelecer o diagnóstico etiológico de casos de exantema em crianças que receberam a vacina contra o sarampo. MÉTODOS: Soros de casos de exantema em crianças que receberam vacina contra o sarampo, em 1999, foram analisados para anticorpos IgM contra os vírus do sarampo, da rubéola e do parvovírus humano B19 (HPV B19), por técnicas comerciais de Elisa, e o herpes vírus humano tipo 6 (HHV 6), por técnica comercial de imunofluorecência. A viremia para cada um desses vírus foi testada pela reação em cadeia da polimerase (PCR). RESULTADOS: Foram notificados, em 1999, 17 casos de crianças com exantema pós-vacinal. A idade das crianças era de nove a 12 meses (mediana, dez meses). Uma amostra de sangue colhida para investigação laboratorial foi obtida para cada criança. O tempo decorrido entre a aplicação da vacina e o aparecimento do exantema variou de um a 60 dias. Os resultados da sorologia das 17 crianças sugeriram o seguinte diagnóstico etiológico para o exantema: 17,6% (três em 17) infecção pelo HPV B19; 76,5% (13 em 17) infecção pelo HHV 6; 5,9% (um em 17) exantema originado pela vacina do sarampo. CONCLUSÃO: Os resultados indicaram que a infecção pelo HPV B19 ou pelo HHV 6 pode ser diagnosticada como sarampo de origem vacinal. Portanto, é fundamental incluir esses vírus no diagnóstico laboratorial para corretamente apontar a etiologia das doenças exantemáticas, evitando, assim, atribuir à vacina do sarampo efeito colateral.

Keywords : Vacinação do sarampo; Parvovírus humano B19; Herpes vírus humano 6; Exantema; Rubéola; Sarampo.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English