SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.38 issue6HIV infection during pregnancy: the Sentinel Surveillance Project, Brazil, 2002Study of inequalities in hospital mortality using the Charlson comorbidity index author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Saúde Pública

On-line version ISSN 1518-8787Print version ISSN 0034-8910

Abstract

RIBEIRO, Valdinar S et al. Mortalidade infantil: comparação entre duas coortes de nascimentos do Sudeste e Nordeste do Brasil. Rev. Saúde Pública [online]. 2004, vol.38, n.6, pp.773-779. ISSN 1518-8787.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102004000600004.

OBJETIVO: Obter estimativas populacionais e fatores de risco de mortalidade infantil em coortes de nascimentos e comparar esses fatores entre cidades de diferentes regiões do País. MÉTODOS: Em Ribeirão Preto, SP, a mortalidade infantil foi avaliada em 1/3 dos nascidos vivos hospitalares (2.846 partos únicos) em 1994. Em São Luís, MA, foi feita amostragem sistemática de partos estratificada por maternidade (2.443 partos únicos) em 1997/98. As mães responderam a questionários padronizados logo após o parto e as informações sobre os óbitos foram coletadas nos hospitais, nos cartórios e nas secretarias estaduais de saúde. Risco relativo (RR) e intervalo de confiança de 95% foram estimados pela regressão de Poisson. RESULTADOS: O coeficiente de mortalidade infantil (CMI) em São Luís foi 26,6/1.000 nascidos vivos, o coeficiente de mortalidade neonata (CMN)l 18,4/1.000 e o coeficiente de mortalidade pós-neonatal (CMPN) 8,2/1.000, valores superiores aos de Ribeirão Preto, com CMI 16,9/1.000, CMN 10,9/1.000,CMPN 6,0/1.000. Na análise ajustada, nas duas cidades, natimorto prévio (RR=3,67 vs 4,13) e idade materna <18 anos (RR=2,62 vs 2,59) foram fatores de risco para a mortalidade infantil. Apenas em São Luís, o pré-natal inadequado (RR=2,00) e o sexo masculino (RR=1,79) foram fatores de risco, e domicílios com 5 ou mais moradores foram fatores protetores (RR=0,53). Em Ribeirão Preto, o hábito materno de fumar foi associado à mortalidade infantil (RR=2,64). CONCLUSÕES: Além de desigualdades socioeconômicas, diferenças no acesso e na qualidade da atenção médica entre as cidades influenciaram as taxas de mortalidade infantil.

Keywords : Mortalidade infantil; Coeficiente de mortalidade; Mortalidade neonatal [saúde pública]; Mortalidade pós-neonatal; Fatores socioeconômicos; Fatores de risco; Recém-nascido de baixo peso.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )