SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.42 suppl.1Use of psychoactive substances and contraceptive methods by the Brazilian urban population, 2005 author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista de Saúde Pública

On-line version ISSN 1518-8787

Abstract

SCHRAIBER, Lilia Blima; D'OLIVEIRA, Ana Flávia P L; FRANCA JUNIOR, Ivan  and  GRUPO DE ESTUDOS EM POPULACAO, SEXUALIDADE E AIDS. Violência sexual por parceiro íntimo entre homens e mulheres no Brasil urbano, 2005. Rev. Saúde Pública [online]. 2008, vol.42, suppl.1, pp. 127-137. ISSN 1518-8787.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102008000800015.

OBJETIVO: Estimar a prevalência de violência sexual por parceiro íntimo entre homens e mulheres da população urbana brasileira e fatores a ela associados. MÉTODOS: Os dados analisados fazem parte de pesquisa realizada em 1998 e 2005 no Brasil, em população urbana. Os dados foram obtidos por meio de questionários aplicados a amostra representativa de 5.040 indivíduos, homens e mulheres de 16 a 65 anos. Análise descritiva foi realizada com dados ponderados, usando-se os testes F design-based, com significância de 5%. RESULTADOS: A prevalência global de violência sexual por parceiro íntimo foi de 8,6%, com predominância entre as mulheres (11,8% versus 5,1%). As mulheres apresentaram taxas sempre maiores de violência do que os homens, exceto no caso de parcerias homo/ bissexuais. Foi significativa a diferença da maior taxa verificada para homens homo/bissexuais em relação aos heterossexuais, mas não para mulheres. A população negra, independente do sexo, referiu mais violência que a branca. Quanto menor a renda e a escolaridade, maior a violência, mas homens de regiões mais pobres referiram mais violência, o que não ocorreu com mulheres. Situações diversas do trabalho, uso de condom, menor idade na primeira relação sexual e número de parceiros nos últimos cinco anos diferiram significativamente para mulheres, mas não para homens. Para homens e mulheres a violência sexual associou-se a ser separado(a) ou divorciado(a), ter tido doença sexualmente transmissível, auto-avaliar-se com risco para HIV, mas não à sua testagem. CONCLUSÕES: Confirma-se a alta magnitude da violência sexual e a sobretaxa feminina. Reitera-se a violência como resultado de conflitos de gênero, os quais perpassam a estratificação social e a etnia. Quanto à epidemia de Aids, a violência sexual é um fator importante a ser considerado na feminilização da população atingida.

Keywords : Violência contra a mulher; Violência sexual; Maus-tratos conjugais; Gênero e saúde; Saúde sexual e reprodutiva; Brasil; Estudos transversais; Estudos Populacionais em Saúde Pública.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )