SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.42 suppl.1Use of psychoactive substances and contraceptive methods by the Brazilian urban population, 2005 author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Abstract

SCHRAIBER, Lilia Blima; D'OLIVEIRA, Ana Flávia P L; FRANCA JUNIOR, Ivan  and  GRUPO DE ESTUDOS EM POPULACAO, SEXUALIDADE E AIDS. Violência sexual por parceiro íntimo entre homens e mulheres no Brasil urbano, 2005. Rev. Saúde Pública [online]. 2008, vol.42, suppl.1, pp. 127-137. ISSN 0034-8910.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102008000800015.

OBJETIVO: Estimar a prevalência de violência sexual por parceiro íntimo entre homens e mulheres da população urbana brasileira e fatores a ela associados. MÉTODOS: Os dados analisados fazem parte de pesquisa realizada em 1998 e 2005 no Brasil, em população urbana. Os dados foram obtidos por meio de questionários aplicados a amostra representativa de 5.040 indivíduos, homens e mulheres de 16 a 65 anos. Análise descritiva foi realizada com dados ponderados, usando-se os testes F design-based, com significância de 5%. RESULTADOS: A prevalência global de violência sexual por parceiro íntimo foi de 8,6%, com predominância entre as mulheres (11,8% versus 5,1%). As mulheres apresentaram taxas sempre maiores de violência do que os homens, exceto no caso de parcerias homo/ bissexuais. Foi significativa a diferença da maior taxa verificada para homens homo/bissexuais em relação aos heterossexuais, mas não para mulheres. A população negra, independente do sexo, referiu mais violência que a branca. Quanto menor a renda e a escolaridade, maior a violência, mas homens de regiões mais pobres referiram mais violência, o que não ocorreu com mulheres. Situações diversas do trabalho, uso de condom, menor idade na primeira relação sexual e número de parceiros nos últimos cinco anos diferiram significativamente para mulheres, mas não para homens. Para homens e mulheres a violência sexual associou-se a ser separado(a) ou divorciado(a), ter tido doença sexualmente transmissível, auto-avaliar-se com risco para HIV, mas não à sua testagem. CONCLUSÕES: Confirma-se a alta magnitude da violência sexual e a sobretaxa feminina. Reitera-se a violência como resultado de conflitos de gênero, os quais perpassam a estratificação social e a etnia. Quanto à epidemia de Aids, a violência sexual é um fator importante a ser considerado na feminilização da população atingida.

Keywords : Violência contra a mulher; Violência sexual; Maus-tratos conjugais; Gênero e saúde; Saúde sexual e reprodutiva; Brasil; Estudos transversais; Estudos Populacionais em Saúde Pública.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese