SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 suppl.1On the concept of eugenics: preliminaries to a critical appraisalSanitary justice in scarcity author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Cadernos de Saúde Pública

Print version ISSN 0102-311X

Abstract

GARRAFA, Volnei; DINIZ, Debora  and  GUILHEM, Dirce Bellez. O idioma bioético, seus dialetos e idioletos. Cad. Saúde Pública [online]. 1999, vol.15, suppl.1, pp. S35-S42. ISSN 0102-311X.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1999000500005.

Na procura de respostas à questão teórica relativa à importação de conhecimento em ética prática, os autores utilizam, de forma instrumental, a metáfora. Essa figura de linguagem permite que se compare o idioma e suas variantes lingüísticas com a bioética e seus saberes. Segundo o registro dicionarizado, o idioma é a língua oficial de uma nação, o dialeto é uma variante regional de um idioma e o idioleto é uma variante individual de um dialeto. O idioma bioético é entendido, então, como um conjunto lingüístico que constitui a 'nação bioética' e que, por estar acima dos dialetos particulares, exerce um papel sobre-regulador na disciplina. Os dialetos correspondem às várias correntes ou teorias existentes e realizam a ponte entre o idioma e a prática. Os idioletos são frutos de tentativas críticas de adaptação de dialetos específicos a contextos sócio-culturais diferentes daqueles onde os dialetos surgiram. Neste artigo, com o objetivo de apontar para o processo de transmissão do conhecimento em bioética, os autores escolheram a obra do bioeticista Diego Gracia como referência paradigmática para a questão da transculturação de dialetos e das relações entre as bioéticas consideradas centrais e periféricas.

Keywords : Bioética; Linguagem; Epistemologia.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English