SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 issue1Health policy polarisation in MexicoPrevalence of sleep disorders in the elderly author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Cadernos de Saúde Pública

Print version ISSN 0102-311X

Abstract

JIMENEZ, Ana Luisa; GOTLIEB, Sabina Léa Davidson; HARDY, Ellen  and  ZANEVELD, Lourens J. D.. Prevenção de doenças sexualmente transmissíveis em mulheres: associação com variáveis sócio-econômicas e demográficas. Cad. Saúde Pública [online]. 2001, vol.17, n.1, pp. 55-62. ISSN 0102-311X.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2001000100005.

As doenças sexualmente transmissíveis (DST) têm sido debatidas no ambiente científico e nos meios de comunicação de massa, em especial, por sua associação a maior risco de infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV). Estudou-se a adoção de comportamentos por mulheres para proteção das DST, tal como a associação destes a variáveis sócio-econômicas e demográficas. Trata-se de estudo descritivo, com dados secundários de pesquisa feita em Campinas, São Paulo, na qual foram entrevistadas 635 mulheres selecionadas mediante a técnica de amostragem "bola de neve". Foram classificadas em: adolescentes e adultas de status sócio-econômico médio-alto ou baixo. Grande proporção delas não se prevenia das DST, em particular, as de status baixo. Em todos os grupos, o condom masculino foi o método de prevenção mais referido. Houve associação negativa entre parceiro fixo e uso de condom, e a principal razão para não usá-lo foi "só ter um parceiro e confiar nele". Em meio às adolescentes, ocorreu associação positiva entre escolaridade acima da oitava série e uso de condom, bem como negativa entre idade e uso desse método. Entre adultas o uso exclusivo de condom esteve, em geral, positivamente associado a status sócio-econômico.

Keywords : Mulheres; Preservativo; Doenças Sexualmente Transmissíveis; Posição Sócio-econômica.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese