SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 issue5Dental pain, socioeconomic status, and dental caries in young male adults from southern BrazilFood insecurity perception in families with elderly in Campinas, São Paulo, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Cadernos de Saúde Pública

Print version ISSN 0102-311X

Abstract

MALTA, Monica et al. Aderência à terapia anti-retroviral: um estudo qualitativo com médicos no Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública [online]. 2005, vol.21, n.5, pp. 1424-1432. ISSN 0102-311X.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000500015.

O Brasil fornece gratuitamente terapia anti-retroviral (ARV) para cerca de 150 mil pessoas vivendo com HIV/ AIDS. A terapia ARV requer aderência ótima, visando alcançar carga viral indetectável e evitar resistência viral. Os médicos desempenham papel central quanto à aderência à ARV, mas há escassa informação sobre a comunicação entre médicos/pessoas vivendo com HIV/ AIDS. Entrevistas em profundidade foram realizadas com 40 médicos assistentes de seis hospitais de referência do Rio de Janeiro, Brasil. Tópicos da entrevista incluíram: experiências relativas ao tratamento de pessoas vivendo com HIV/AIDS, relacionamento/diálogo com pacientes, barreiras/facilitadores para aderência aos serviços disponíveis e eficácia destes. As barreiras para aderência à ARV se referiam, principalmente, ao relacionamento médico-paciente. Outras barreiras estavam relacionadas a estilos de vida "caóticos" de alguns pacientes, conhecimento inadequado/crenças negativas sobre HIV/AIDS e a eficácia da ARV. É necessário melhorar as redes de serviços de saúde, com encaminhamento mais ágil e maior integração entre diferentes profissionais de saúde. Essas mudanças estruturais podem melhorar a aderência e a qualidade de vida das pessoas vivendo com HIV/AIDS.

Keywords : Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV; Terapia Anti-retroviral de Alta Atividade.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English