SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 issue5Health needs and masculinities: primary health care services for menHuman albumin use at hospitals in the Metropolitan Region of Rio de Janeiro, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Cadernos de Saúde Pública

Print version ISSN 0102-311X

Abstract

GARCIA, Leila Posenato; HOFELMANN, Doroteia Aparecida  and  FACCHINI, Luiz Augusto. Auto-avaliação de saúde e condições de trabalho entre trabalhadores de centros de atenção primária à saúde no Brasil. Cad. Saúde Pública [online]. 2010, vol.26, n.5, pp. 971-980. ISSN 0102-311X.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000500019.

Estudo transversal com 1.249 trabalhadores dos 49 centros municipais de atenção primária à saúde de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, objetivou investigar a prevalência de auto-avaliação de saúde ruim e sua associação com condições de trabalho e outros fatores. A prevalência de auto-avaliação de saúde ruim foi de 21,86% (IC95%: 19,56%-24,15%). A maior prevalência foi observada entre assistentes odontológicos (35,71%) e a mais baixa entre os médicos (10,66%). Após análise ajustada, o desfecho permaneceu associado com: gênero feminino (RP = 1,48; IC95%: 1,03-2,14), maior idade (RP = 1,29; IC95%: 1,05-1,59), maior escolaridade (RP = 0,69; IC95%: 0,55-0,87), maior tempo de trabalho na atenção primária municipal (RP = 1,57; IC95%: 1,29-1,98), elevada carga de trabalho (RP = 1,67; IC95%: 1,35-2,05), obesidade (RP = 1,74; IC95%: 1,37-2,21) e sintomas músculo-esqueléticos freqüentes (RP = 2,69; IC95%: 1,90-3,83). Um elevado escore de carga de trabalho permaneceu associado com o desfecho, o que sugere uma associação entre condições de trabalho e auto-avaliação de saúde.

Keywords : Auto-Avaliação de Saúde; Condições de Trabalho; Pessoal de Saúde; Atenção Primária à Saúde.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English