SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 issue5Health needs and masculinities: primary health care services for menHuman albumin use at hospitals in the Metropolitan Region of Rio de Janeiro, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Cadernos de Saúde Pública

On-line version ISSN 1678-4464

Abstract

GARCIA, Leila Posenato; HOFELMANN, Doroteia Aparecida  and  FACCHINI, Luiz Augusto. Auto-avaliação de saúde e condições de trabalho entre trabalhadores de centros de atenção primária à saúde no Brasil. Cad. Saúde Pública [online]. 2010, vol.26, n.5, pp. 971-980. ISSN 1678-4464.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000500019.

Estudo transversal com 1.249 trabalhadores dos 49 centros municipais de atenção primária à saúde de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, objetivou investigar a prevalência de auto-avaliação de saúde ruim e sua associação com condições de trabalho e outros fatores. A prevalência de auto-avaliação de saúde ruim foi de 21,86% (IC95%: 19,56%-24,15%). A maior prevalência foi observada entre assistentes odontológicos (35,71%) e a mais baixa entre os médicos (10,66%). Após análise ajustada, o desfecho permaneceu associado com: gênero feminino (RP = 1,48; IC95%: 1,03-2,14), maior idade (RP = 1,29; IC95%: 1,05-1,59), maior escolaridade (RP = 0,69; IC95%: 0,55-0,87), maior tempo de trabalho na atenção primária municipal (RP = 1,57; IC95%: 1,29-1,98), elevada carga de trabalho (RP = 1,67; IC95%: 1,35-2,05), obesidade (RP = 1,74; IC95%: 1,37-2,21) e sintomas músculo-esqueléticos freqüentes (RP = 2,69; IC95%: 1,90-3,83). Um elevado escore de carga de trabalho permaneceu associado com o desfecho, o que sugere uma associação entre condições de trabalho e auto-avaliação de saúde.

Keywords : Auto-Avaliação de Saúde; Condições de Trabalho; Pessoal de Saúde; Atenção Primária à Saúde.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )