SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.5 issue4-5Being a victim of urban violence: its likelihood and its associated variables in cities of Latin America and SpainSantiago, a fear-stricken city author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista Panamericana de Salud Pública

Print version ISSN 1020-4989

Abstract

NORONHA, Ceci Vilar et al. Violência, etnia e cor: um estudo dos diferenciais na região metropolitana de Salvador, Bahia, Brasil. Rev Panam Salud Publica [online]. 1999, vol.5, n.4-5, pp. 268-277. ISSN 1020-4989.  http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49891999000400010.

O objetivo do presente estudo é analisar a distribuição das distintas modalidades de violência - estrutural, institucional, interpessoal e derivada da delinqüência - nos três grupos de cor mais representativos da sociedade baiana: brancos, mulatos e negros. O estudo compara os níveis de vitimação de indivíduos brancos, negros e mulatos com suas próprias avaliações da eficiência das instituições de controle do crime, procurando identificar como isso se relaciona com a adoção de atitudes e normas autoritárias pelos mesmos sujeitos. Os dados analisados são provenientes do Estudo Multicêntrico sobre Atitudes e Normas Culturais face à Violência (projeto ACTIVA) e compreendem uma amostra de 1384 pessoas residentes na região metropolitana de Salvador. A investigação foi desenhada como um estudo de corte transversal, com entrevistas realizadas nos domicílios, no período de setembro a dezembro de 1996. A seleção da amostra se processou em três etapas: primeiro foram selecionadas, de modo aleatório, as áreas residenciais, seguindo uma amostragem sistemática dos domicílios em cada área do sorteio; por fim, o sujeito a ser entrevistado foi escolhido, também por sorteio. Para a coleta de dados foi utilizado o questionário desenhado para o estudo ACTIVA e testado em estudo piloto. Os resultados indicam uma distribuição desigual da violência estrutural que recai, principalmente, sobre indivíduos de pele negra; o perfil por grupos de cor para a violência interpessoal e institucional revelou-se indistinto. A violência da delinqüência atinge os brancos e os negros na mesma intensidade. O descrédito na eficiência das polícias civil e militar, da justiça e do sistema carcerário é muito alto e é generalizado para os três grupos de cor. Além disso, poucas diferenças foram encontradas entre os grupos com relação a atitudes e normas autoritárias. Com base nos resultados, é possível concluir que existe risco para a manutenção da ordem pública se os altos níveis de descontentamento com as instituições de prevenção e repressão dos crimes persistirem juntamente com a predisposição dos indivíduos para apoiar a utilização da violência como solução para os conflitos.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese