SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 issue2Changes in the AIDS epidemiologic situation in Puerto Rico following health care reform and the introduction of HAARTAtraumatic restorative treatment to control dental caries: history, characteristics, and contributions of the technique author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista Panamericana de Salud Pública

Print version ISSN 1020-4989

Abstract

CHATKIN, Moema N.  and  MENEZES, Ana Maria B.. Associação entre baixo peso ao nascer e asma: uma revisão sistemática da literatura. Rev Panam Salud Publica [online]. 2005, vol.17, n.2, pp. 102-109. ISSN 1020-4989.  http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892005000200006.

OBJETIVO: Investigar a existência de associação entre baixo peso ao nascer (< 2 500 g) e asma. RESULTADOS: As palavras-chave asthma, children, birth weight e risk factors foram utilizadas para identificar estudos epidemiológicos analíticos em seres humanos, publicados em inglês, espanhol ou português entre 1990 e 2001, conforme as bases de dados MEDLINE (PubMed) e Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS). Foram identificados 41 artigos que tratavam da associação entre peso ao nascer e asma, sendo que, quanto ao delineamento, 21 eram longitudinais, 16 eram transversais e quatro eram estudos de caso-controle. O baixo peso ao nascer foi identificado como fator de risco para asma em 26 estudos. Dois estudos encontraram associação inversa entre o peso ao nascer e o risco de asma, e 15 não observaram uma associação entre esses fatores. CONCLUSÕES: Permanece controversa a associação entre peso ao nascer e asma, devido, principalmente, à rede de fatores que concorrem para a determinação da asma. A associação entre baixo peso ao nascer e asma ocorre principalmente até os 5 anos, e diminui com o aumento da idade. A função pulmonar é um importante aspecto a ser considerado: as crianças nascidas com baixo peso podem ter a função pulmonar diminuída e, conseqüentemente, desenvolver asma; por outro lado, essas crianças podem ser asmáticas como decorrência do baixo peso, sem influência da função pulmonar. Nos seis estudos que avaliaram tanto as crianças de baixo peso ao nascer quanto as crianças de muito baixo peso ao nascer (< 1 500 g), este último fator implicou em risco maior para a asma. Finalmente, a contribuição de fatores intra-uterinos (como a nutrição) para o desenvolvimento de asma está ganhando importância na literatura. Em estudos futuros, o controle de possíveis fatores de confusão é essencial para o esclarecimento da relação entre peso ao nascer e asma.

Keywords : Fatores de risco; grupos etários; peso ao nascer; prematuro; volume expiratório forçado.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese