SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 issue4Assessment of the performance of a definition of a suspected measles case: implications for measles surveillancePhysical activity and overweight among adolescents on the Texas-Mexico border author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista Panamericana de Salud Pública

Print version ISSN 1020-4989

Abstract

DUARTE, Cristina Maria; NASCIMENTO, Vânia Barbosa do  and  AKERMAN, Marco. Gravidez na adolescência e exclusão social: análise de disparidades intra-urbanas. Rev Panam Salud Publica [online]. 2006, vol.19, n.4, pp. 236-243. ISSN 1020-4989.  http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892006000400003.

OBJETIVO: Comparar as adolescentes que residiam em quatro áreas com diferentes graus de exclusão social no Município de Santo André, Estado de São Paulo, em relação ao nível de escolaridade, o peso ao nascer e a idade gestacional dos bebês e as taxas de fecundidade específicas de cada área no ano de 1998. MÉTODO: Foi realizado um estudo transversal ecológico com 1 314 adolescentes. As quatro áreas utilizadas foram as previamente identificadas no Mapa da exclusão/inclusão social da cidade de Santo André, sendo a área 1 a de exclusão social mais pronunciada e a 4 a de menor exclusão social. Os dados das adolescentes e de seus recém-nascidos foram coletados através do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (SINASC), e as informações socioeconômicas do Município de Santo André foram obtidas da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (SEADE), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Mapa da exclusão/ inclusão social da cidade de Santo André. RESULTADOS: O nível de escolaridade mostrou uma relação estatisticamente significativa com as áreas mais pobres, que concentravam o maior número de adolescentes com menos escolaridade. Quanto à distribuição do baixo peso ao nascer, 76,8% dos bebês nascidos com < 2 500 g encontravam-se nas áreas mais pobres da cidade. A maior taxa de fecundidade (35,7 em 1 000 adolescentes) também esteve associada às piores condições socioeconômicas, enquanto que a menor taxa (12,1 em 1 000) foi observada na área mais favorecida. A freqüência de bebês prematuros não foi diferente entre as quatro áreas (P = 0,81). CONCLUSÕES: Os resultados mostram que mais adolescentes de baixa escolaridade e menor nível socioeconômico tiveram mais filhos. É necessário promover ações específicas para evitar a gravidez nesse grupo e para incentivar a inclusão social dessas adolescentes e de seus filhos, abrindo a eles perspectivas de modificar a sua condição.

Keywords : Classe social; distribuição espacial; gravidez na adolescência; Brasil.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese