SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 issue1Prevention of mother-to-child transmission of HIV in HaitiCost-benefit of a prevention and treatment program to reduce iron deficiency in Argentina author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista Panamericana de Salud Pública

Print version ISSN 1020-4989

Abstract

RODRIGUES-JUNIOR, Antonio Luiz  and  CASTILHO, Euclides Ayres de. A AIDS nas regiões de fronteira no Brasil de 1990 a 2003. Rev Panam Salud Publica [online]. 2009, vol.25, n.1, pp. 31-38. ISSN 1020-4989.  http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892009000100005.

OBJETIVO: Estudar a epidemia de aids na faixa de fronteira no Brasil, com enfoque espacial e temporal. MÉTODOS: Trata-se de um estudo ecológico no qual os casos de AIDS notificados ao Ministério da Saúde de 1990 a 2003 foram agrupados conforme as áreas de fome estabelecidas por Josué de Castro nos anos 1940 e conforme 19 sub-regiões culturais. A avaliação espacial foi feita com base nos coeficientes de incidência para os municípios da faixa de fronteira; a avaliação temporal considerou o número absoluto de casos em períodos trimestrais de 1990 a 2003 em cada área de fome considerada (Extremo Sul, Centro-Oeste e Amazônica). RESULTADOS: Foram notificados 7 973 casos de AIDS na faixa de fronteira brasileira: 648 na área Amazônica, 1 579 no Centro-Oeste e 5746 no Extremo Sul (população de 668098, 895489 e 2769361 habitantes, respectivamente). As sub-regiões com os maiores coeficientes de incidência de AIDS, em cada área, estavam localizadas nas fronteiras tríplices entre o Brasil e outros países da América do Sul. Houve predominância da transmissão por via sexual, sendo a transmissão heterossexual a categoria mais freqüente, seguida pela de transmissão por homens que fazem sexo com outros homens. Essas duas categorias representaram 87,2% dos casos notificados. Quanto à análise temporal, as estimativas do parâmetro de tendência foram 0,53 (P < 0,0001), 0,83 (P < 0,0001) e 3,47 (P < 0,0001), respectivamente, para a área Amazônica, Centro-Oeste e Extremo Sul. CONCLUSÃO: O aperfeiçoamento dos serviços de saúde na faixa de fronteira brasileira, em toda a sua extensão, pode ser uma estratégia de integração territorial e de enfrentamento da epidemia de AIDS, desde que as diferenças sociais, econômicas e culturais sejam consideradas.

Keywords : HIV; síndrome de imunodeficiência adquirida; áreas de fronteira; estudos ecológicos; Brasil.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese