SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 issue3Nutritional status of children in Antioquia, Colombia, according to two reference systemsMalaria control in the municipality of San Esteban, Honduras author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista Panamericana de Salud Pública

Print version ISSN 1020-4989

Abstract

CHAVES, Sonia Cristina Lima et al. Determinantes da implantação de um programa de segurança e saúde no trabalho. Rev Panam Salud Publica [online]. 2009, vol.25, n.3, pp. 204-212. ISSN 1020-4989.  http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892009000300003.

OBJETIVO: Identificar preditores da implantação de um programa de saúde e segurança no trabalho (PSST) que integra a vigilância à saúde do trabalhador com a segurança no trabalho, envolvendo a participação de técnicos, empresários e trabalhadores. MÉTODO: Neste estudo de desenho ecológico, foram estudadas empresas atendidas pelo PSST do Serviço Social da Indústria (SESI) no Estado da Bahia, selecionadas aleatoriamente, durante o ciclo entre 2005 e 2006. Os dados foram coletados em entrevistas com informantes chaves da empresa e relatórios técnicos do SESI. Com regressão linear múltipla, analisaram-se os fatores e subdimensões impulsionadores do PSST para a empresa, os trabalhadores e a equipe técnica do PSST. RESULTADOS: Das 78 empresas selecionadas (3 384 trabalhadores), 24,4% haviam alcançado a implantação do PSST em grau avançado; 53,8% em grau intermediário; e 19,3% em grau incipiente. Fatores da empresa, dos trabalhadores e da equipe técnica se associaram positivamente ao grau de implantação do PSST (P < 0,001). Destacou-se como o mais importante, isoladamente, a autonomia da gestão financeira do PSST (β = 4,40; P < 0,001). Na análise bivariada, associaram-se com a implantação o nível de conhecimento (β = 1,58; P < 0,05) e treinamento em SST dos trabalhadores (β = 0,40; P < 0,001) e a articulação entre a equipe de segurança (β = 1,89; P < 0,01) e a de saúde (β = 0,58; P < 0,05). Esses achados não se modificaram após ajuste por escolaridade dos trabalhadores e gestores, salários, grau de risco e porte das empresas. CONCLUSÕES: A disponibilidade de recursos e de tempo dos trabalhadores para a saúde e a segurança no trabalho, a integração e o reforço de atividades de educação para trabalhadores e gestores e a melhor integração das equipes de saúde e segurança podem contribuir para o sucesso das ações de promoção da saúde nas empresas.

Keywords : Saúde ocupacional; segurança; gerência de segurança; vigilância; Brasil.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese