SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 issue4Circulation of Streptococcus pneumoniae clone Colombia5 ST289 in nine Latin American countriesBibliometric assessment of cancer research in Puerto Rico, 1903-2005 author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista Panamericana de Salud Pública

Print version ISSN 1020-4989

Abstract

FARIAS JUNIOR, José Cazuza de et al. Comportamentos de risco à saúde em adolescentes no Sul do Brasil: prevalência e fatores associados. Rev Panam Salud Publica [online]. 2009, vol.25, n.4, pp. 344-352. ISSN 1020-4989.  http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892009000400009.

OBJETIVO:Determinar a prevalência de comportamentos de risco à saúde e analisar fatores associados à exposição a esses comportamentos em adolescentes do Estado de Santa Catarina, Brasil. MÉTODO: Adolescentes escolares de 240 turmas do ensino médio da rede pública estadual responderam a um questionário para a coleta de informações demográficas (sexo, idade, região de residência e período de estudo), socioeconômicas (trabalho e renda familiar mensal) e de comportamentos de risco à saúde (níveis insuficientes de atividade física, baixo consumo de frutas/verduras, tabagismo, consumo abusivo de bebidas alcoólicas, consumo de drogas ilícitas, envolvimento em brigas e não utilizar preservativos regularmente nas relações sexuais). RESULTADOS: Foram considerados válidos os questionários de 5 028 adolescentes (2 984 do sexo feminino e 2 044 do sexo masculino), com idade entre 15 e 19 anos (média = 17,0; desvio padrão = 1,12). Os comportamentos de risco mais prevalentes na amostra foram níveis insuficientes de atividade física (36,5%), baixo consumo de frutas/verduras (46,5%) e não utilizar preservativos regularmente nas relações sexuais (38,3%). Aproximadamente sete em cada 10 adolescentes (64,7%) estavam expostos a dois ou mais comportamentos de risco de forma simultânea. Os seguintes subgrupos de risco foram identificados: adolescentes do sexo masculino, adolescentes de 18 a 19 anos de idade, que residem em área urbana, que estudam no período noturno e que têm maior renda familiar. CONCLUSÕES: A proporção de adolescentes expostos a comportamentos de risco à saúde foi elevada, principalmente ao se considerar a exposição simultânea a diferentes comportamentos. Os resultados encontrados podem contribuir para o desenvolvimento de programas de promoção da saúde no ambiente escolar, direcionados principalmente aos subgrupos de risco.

Keywords : Adolescente; comportamento de risco; escolares; estilo de vida; saúde; Brasil.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese