SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 issue4Measuring medicine prices in Peru: validation of key aspects of WHO/HAI survey methodologyNeonatal screening by tandem mass spectrometry: an update author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista Panamericana de Salud Pública

Print version ISSN 1020-4989

Abstract

MIRANDA, Milma Pires de Melo; PAULA, Cristiane Silvestre de  and  BORDIN, Isabel Altenfelder. Violência conjugal física contra a mulher na vida: prevalência e impacto imediato na saúde, trabalho e família. Rev Panam Salud Publica [online]. 2010, vol.27, n.4, pp. 300-308. ISSN 1020-4989.  http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892010000400009.

OBJETIVOS: Estimar a prevalência de violência conjugal física contra a mulher ao longo da vida (VCFM) em uma comunidade urbana de baixa renda e avaliar o seu impacto imediato na saúde, trabalho e vida familiar. MÉTODOS: O presente estudo de corte transversal foi realizado em Embu, Estado de São Paulo, como componente do projeto multicêntrico internacional World Studies of Abuse in the Family Environment (WorldSAFE). Foi utilizada uma amostra probabilística de conglomerados derivados de setores censitários, incluindo todos os domicílios elegíveis identificados em cada um deles. Participaram 784 mulheres (16 a 49 anos) com pelo menos um filho menor de 18 anos e marido/companheiro residente (ao longo da vida). Foi avaliada a ocorrência de algum tipo de VCFM (tapa, chute, soco, espancamento, uso/ameaça de uso de arma, outras agressões físicas espontaneamente referidas), de VCFM grave (mesmos itens, exceto tapa e outras agressões referidas) e de impactos imediatos na saúde, trabalho e vida familiar das vítimas. RESULTADOS: A prevalência de VCFM foi de 26,0% para algum tipo de violência e de 18,5% para violência grave. Entre as vítimas de algum tipo de VFCM, 38,7% julgaram necessitar cuidados médicos, 4,4% foram hospitalizadas, 18,1% ficaram incapacitadas para o trabalho (remunerado ou doméstico), 51,5% separaram-se devido às agressões e 66,7% tiveram filhos testemunhando a violência. Para a violência grave, essas taxas foram de 51,0, 5,5, 23,4, 59,3 e 75,9%, respectivamente. A vergonha e o medo de represália por parte do companheiro dificultaram o acesso à assistência médica. CONCLUSÕES: A VCFM é frequente na comunidade estudada e produz impactos imediatos na saúde, trabalho e vida familiar das vítimas. Esses impactos diminuem a capacidade da vítima de buscar socorro e dificultam a interrupção do ciclo da violência.

Keywords : Violência doméstica; violência contra a mulher; prevalência; impactos na saúde; impacto psicossocial; Brasil.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese