SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 issue1Residential typologies in Chilean irregular settlements with precarious housing conditionsInternational drug price comparisons: quality assessment author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista Panamericana de Salud Pública

Print version ISSN 1020-4989

Abstract

ROCHA, Ana Karina Silva da; BOS, Ângelo José Gonçalves; HUTTNER, Édison  and  MACHADO, Denise Cantarelli. Prevalência da síndrome metabólica em indígenas com mais de 40 anos no Rio Grande do Sul, Brasil. Rev Panam Salud Publica [online]. 2011, vol.29, n.1, pp. 41-45. ISSN 1020-4989.  http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892011000100006.

OBJETIVO: Estudar a prevalência da síndrome metabólica (SM) em indígenas com idade maior do que 40 anos em duas cidades no Rio Grande do Sul, Brasil. MÉTODOS: Este estudo transversal, descritivo e analítico foi realizado nos municípios de Porto Alegre e Nonoai entre julho e agosto de 2009. Participaram 150 indígenas com idade entre 40 e mais de 70 anos (idade mínima 40 e máxima 104 anos). A prevalência da SM foi determinada pelos critérios do National Cholesterol Education Program-Adult Treatment Panel III. Foram coletadas amostras de sangue e medidas antropométricas. Além disso, os participantes responderam a um questionário sobre hábitos alimentares, analisado posteriormente conforme os 40 passos para uma alimentação saudável propostos pela Organização Mundial de Saúde e endossados pelo Ministério da Saúde. RESULTADOS: A prevalência da SM foi de 65,3%, mais prevalente no sexo feminino (P < 0,001). Alterações na circunferência abdominal, glicemia de jejum e HDL-colesterol e presença de hipertensão arterial sistêmica, hipertrigliceridemia e obesidade foram associados à SM. Faixa etária, tabagismo e sedentarismo não foram associados à SM. Os indígenas com SM tinham uma dieta pouco saudável, com baixo consumo de vegetais, frutas e legumes e nível de atividade física, alto consumo de doces e refrigerantes e alta prevalência de obesidade. CONCLUSÕES: Os indígenas pesquisados apresentaram alta prevalência de SM, especialmente as mulheres. A educação e a motivação para a saúde dos indígenas é possivelmente o melhor caminho para o controle da SM e para a promoção da saúde nessa população ainda ignorada pelas políticas de saúde pública.

Keywords : Envelhecimento; saúde indígena; síndrome X metabólica; Brasil.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese