SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 issue3Cost-effectiveness of chest x-rays in infants with clinically suspected viral bronchiolitis in ColombiaDeinstitutionalization and attitudes toward mental illness in Jamaica: a qualitative study author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista Panamericana de Salud Pública

Print version ISSN 1020-4989

Abstract

BARROSO, Michelina F.; GOMES, Keila R. O.  and  ANDRADE, Jesusmar Ximenes. Frequência da colpocitologia oncótica em jovens com antecedentes obstétricos em Teresina, Piauí, Brasil. Rev Panam Salud Publica [online]. 2011, vol.29, n.3, pp. 162-168. ISSN 1020-4989.  http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892011000300003.

OBJETIVO: Analisar a frequência da colpocitologia oncótica em jovens com pelo menos uma gravidez completa em Teresina, capital do Estado do Piauí, Brasil. MÉTODOS: Estudo transversal realizado de maio a dezembro de 2008. Foram coletados dados de 464 jovens, selecionadas por amostragem acidental, que finalizaram uma gravidez no primeiro quadrimestre de 2006 em seis maternidades da Cidade de Teresina. Investigou-se a frequência da coleta de colpocitologia oncótica. A frequência inadequada foi definida como coleta em intervalos maiores do que 1 ano. RESULTADOS: A média de idade das participantes foi de 20 anos. A frequência da colpocitologia foi semestral em 180 jovens (39,0%) e anual em 160 (34,5%). Quinze jovens (3,2%) nunca haviam feito a colpocitologia. A regressão logística simples mostrou que o não uso de contraceptivo na primeira relação sexual e não poder optar por atendimento ginecológico por homem ou mulher aumentou o risco em 48,0% (P = 0,049) e 49,0% (P = 0,044), respectivamente, para frequência inadequada de coleta do exame. A regressão logística múltipla mostrou que ter tido mais de uma gravidez elevou em 71,4% a chance de inadequação da frequência de coleta em comparação com ter somente uma gestação (P = 0,011). CONCLUSÕES: O fato de muitas jovens realizarem o exame de colpocitologia oncótica em intervalos menores do que 1 ano não melhora o rastreamento do câncer de colo uterino e pode onerar o serviço público de saúde. A multiparidade foi fator de risco para a frequência inadequada de coleta do exame, devendo esse aspecto ser considerado na assistência à saúde ginecológica de jovens.

Keywords : Gravidez na adolescência; exame colpocitológico; câncer de colo do útero; Brasil.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese