SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 issue10Gender inequalities in non communicable disease mortality in BrazilAccessed through sex: the medicalization of male sexuality at two different moments author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Ciência & Saúde Coletiva

Print version ISSN 1413-8123

Abstract

SCHRAIBER, Lilia Blima. Necessidades de saúde, políticas públicas e gênero: a perspectiva das práticas profissionais . Ciênc. saúde coletiva [online]. 2012, vol.17, n.10, pp. 2635-2644. ISSN 1413-8123.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001000013.

Examina-se a relação entre políticas públicas e práticas dos profissionais, relativamente às necessidades de saúde. Em abordagem teórico-conceitual, as práticas são definidas como desempenhos permeados por determinantes técnico-cien­tíficos e sócio-históricos para a produção social de um trabalho, analisando-se suas possibilidades de mudanças culturais, éticas e políticas, para um agir crítico das desigualdades de gênero. Tomando-se a atenção integral à saúde dos homens, examina-se a relevância da distinção entre necessidades masculinas e femininas, enquanto realidades parciais não necessariamente convergentes na (re)produção daquelas desigualdades. Igualmente se examinam as práticas profissionais, como realidade parcial e distinta das políticas, estabelecendo relações não imediatas. Desenvolve-se que são obstáculos simbólicos e práticos para mudanças: a normalização biomédica redutora das necessidades, a cultura do trabalho autônomo e da abordagem individualizante das necessidades, a cultura tradicional de gênero conservando práticas desiguais para homens e mulheres e a ausência de inscrição dos direitos como parte do agir profissio­nal. Isto exige propostas específicas às práticas de saúde e às necessidades masculinas para maior convergência com as reformas das políticas.

Keywords : Gênero; Práticas de saúde; Políticas de saúde.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese