SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.10 issue1Prevalence of osteoporosis and vertebral fractures in postmenopausal women attending reference centersPrevalence of oral cleft in Campos dos Goytacazes-RJ, 1999-2004 author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista Brasileira de Epidemiologia

Print version ISSN 1415-790X

Abstract

STULBACH, Tamara E.; BENICIO, Maria Helena D'Aquino; ANDREAZZA, Rosemarie  and  KONO, Silvia. Determinantes do ganho ponderal excessivo durante a gestação em serviço público de pré-natal de baixo risco. Rev. bras. epidemiol. [online]. 2007, vol.10, n.1, pp. 99-108. ISSN 1415-790X.  http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2007000100011.

INTRODUÇÃO: O excesso de ganho de peso durante a gestação pode ocasionar retenção de peso pós-parto e contribuir para a obesidade no sexo feminino. METODOLOGIA: Neste estudo, avaliou-se a influência de fatores sociodemográficos, história gestacional, tabagismo, trabalho fora de casa e estado nutricional inicial sobre o ganho ponderal excessivo (GPE). O GPE foi estimado a partir das. recomendações do IOM (ganho semanal >0,58g, >0,53g e >0,39g, correspondentes a estado de nutricional no início da gestação: desnutrida, adequada e sobrepeso/obesidade, respectivamente). Estudou-se uma coorte de 141 gestantes saudáveis, inscritas em serviço público de pré-natal, entre março de 1997 e março de 1998. A influência dos fatores de estudo sobre o GPE foi testada separadamente no 2º e 3º trimestres mediante análise de regressão de Poisson múltipla hierarquizada. RESULTADOS: Dentre as 237 elegíveis houve 37,8% de perdas, não se detectando diferenças estatisticamente significativas para as variáveis centrais do estudo. A incidência de GPE no 2º trimestre foi de 38,6% (IC95% 30,5 - 47,2) e no 3º trimestre foi de 36,4% (IC95% 28,5 - 45,0). No 2º trimestre, apenas a escolaridade mostrou-se associada ao GPE. Em relação às mulheres com menos de 5 anos de escolaridade, as gestantes com 5 a 8 anos e acima de 8 anos de escolaridade apresentaram riscos relativos correspondentes a 2,09 (IC95% 1,03 - 4,25) e 2,62 (IC95% 1,32 - 5,22), respectivamente. No 3º trimestre mostraram significância estatística as variáveis: escolaridade >8 anos (RR=1,91 [IC95% 1,22 - 2,97], ausência de companheiro (RR=1,66 [(IC95% 1,06 - 2,59], primiparidade (RR=2,13 [IC95% 1,20 - 3,85] e estado nutricional inicial adequado e sobrepeso/obesidade (RR=1,53 [IC95% 0,82 _ 2,84] e RR=2,02 [IC95% 1,04 - 3,92], respectivamente) em relação às desnutridas. CONCLUSÃO: Em função da elevada freqüência de GPE, particularmente em mulheres de escolaridade mais alta, as sem companheiro, as primíparas e aquelas com estado nutricional inicial adequado ou sobrepeso/obesidade durante a gestação, mais atenção deveria ser dada à prevenção e ao controle do problema durante o pré-natal.

Keywords : Gestação; Ganho ponderal excessivo; IMC.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese