SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.12 issue3Analysis of the spatial distribution of adolescent pregnancy in the city of Belo HorizontePhysical abuse of minors under 15: epidemiological study in a city in the south of Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista Brasileira de Epidemiologia

Print version ISSN 1415-790X

Abstract

BASTOS, João Luiz et al. Cor/raça e desigualdades em saúde bucal entre adolescentes brasileiros. Rev. bras. epidemiol. [online]. 2009, vol.12, n.3, pp. 313-324. ISSN 1415-790X.  http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2009000300003.

O presente estudo avaliou desfechos de saúde bucal (necessidade de tratamento dentário autopercebida, cárie dentária não tratada, sangramento gengival, bolsa periodontal e dor nos dentes e gengivas) com o intuito de identificar desigualdades por cor/raça entre adolescentes em cada uma das macro-regiões brasileiras. O banco de dados incluiu informações sociodemográficas e de exames bucais de 16.833 adolescentes entre 15-19 anos de idade, investigados pelo Ministério de Saúde entre maio de 2002 e outubro de 2003, conforme critérios diagnósticos preconizados pela Organização Mundial da Saúde. Foram utilizadas razões de prevalência, calculadas por regressão de Poisson e ajustadas para variáveis socioeconômicas e acesso a água fluoretada, para estimar desigualdades nos desfechos de saúde bucal entre os grupos de cor/raça e as macro-regiões brasileiras. Exceto para bolsa periodontal, as estimativas de prevalência foram mais altas no Norte e no Nordeste: necessidade de tratamento dentário autopercebida, cárie dentária não tratada, sangramento gengival e dor nos dentes e gengivas variaram entre 80-83%, 75-76%, 38-43% e 17-18%, respectivamente, nestas regiões. Os adolescentes do Sudeste - a macro-região mais rica do país - apresentaram, em geral, melhores condições de saúde bucal, quando comparados com seus pares das demais macro-regiões; os adolescentes do Sudeste apresentaram menores prevalências de cárie dentária não tratada (54%) e de sangramento gengival (29%). Entretanto, o Sudeste demonstrou desigualdades por cor/raça em todos os desfechos investigados, com piores condições afetando sistematicamente pardos ou pretos, a depender da condição de saúde bucal investigada. Estes resultados reforçam a necessidade de expandir as ações dirigidas à saúde bucal dos adolescentes brasileiros. Programas/intervenções em saúde socialmente sensíveis devem visar a redução de níveis de morbidades bucais, bem como de suas desigualdades.

Keywords : Saúde bucal; Cárie dentária; Adolescentes; Relações raciais; Brasil.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English