SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 issue4Comparison of methods to evaluate total body fat and its distributionPrevalence and distribution of risk factors for non-communicable chronic diseases among adults from Lages city, south of Brazil, 2007 author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista Brasileira de Epidemiologia

Print version ISSN 1415-790X

Abstract

VASCONCELOS, Suleima Pedroza; FISCHER, Frida Marina; REIS, Alberto Olavo Advincula  and  MORENO, Cláudia Roberta de Castro. Fatores associados à capacidade para o trabalho e percepção de fadiga em trabalhadores de enfermagem da Amazônia ocidental. Rev. bras. epidemiol. [online]. 2011, vol.14, n.4, pp. 688-697. ISSN 1415-790X.  http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2011000400015.

OBJETIVO: Analisar os fatores associados à capacidade inadequada para o trabalho e à percepção de fadiga entre os profissionais de enfermagem. MÉTODO: Estudo transversal desenvolvido com 272 trabalhadores em um hospital de urgência e emergência de Rio Branco/Acre. A coleta de dados ocorreu por meio dos seguintes instrumentos: questionário sobre dados sociodemográficos, condições de trabalho e estilo de vida; Índice de Capacidade para o Trabalho - ICT; e Questionário de Percepção de Fadiga. Para análise dos fatores associados à capacidade inadequada para o trabalho e à percepção de fadiga elevada foi utilizada a regressão de Poisson bivariada e múltipla. RESULTADOS: A prevalência de capacidade inadequada para o trabalho foi de 40,8%, tendo como fatores associados: sexo feminino (RP = 1,84; IC95% 1,06 - 3,18); referir outro vínculo empregatício (RP = 1,71; 1,25 - 2,35); número de funcionários insuficiente (RP = 1,96; 1,10 - 3,47); tarefas repetitivas e monótonas (RP = 1,84; 1,24 - 2,72); três ou mais morbidades sem diagnóstico médico (RP = 1,48; 1,06 - 2,06); fadiga elevada (RP = 2,37; 1,81 - 3,12). A prevalência de fadiga elevada foi de 25,7% e os fatores associados foram: tarefas repetitivas e monótonas (RP = 1,74; 1,00 - 3,03); referir de três a cinco morbidades com diagnóstico médico (RP = 1,98; 1,00 - 3,11) e seis ou mais morbidades (RP = 3,79; 2,04 - 7,03), segundo a auto-avaliação do profissional. CONCLUSÕES: O estudo evidencia que grande parte população estudada apresenta capacidade inadequada para o trabalho e níveis elevados de fadiga, apontando para a necessidade de intervenções no plano individual (condições de vida) e no ambiente de trabalho, principalmente no que tange aos aspectos organizacionais.

Keywords : Capacidade para o trabalho; Fadiga; Saúde do trabalhador; Condições de trabalho; Enfermagem; Hospital.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese