SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 suppl.1Preventive practices of cancer screening in women: comparison of estimates from ISA - Capital survey and the telephonebased Surveillance of Risk and Protective Factors for Chronic Diseases (VIGITEL - São Paulo)Time trends of physical activity in Brazil (2006-2009) author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista Brasileira de Epidemiologia

Print version ISSN 1415-790X

Abstract

MOURA SOUZA, Amanda de; BEZERRA, Ilana Nogueira; CUNHA, Diana Barbosa  and  SICHIERI, Rosely. Avaliação dos marcadores de consumo alimentar do VIGITEL (2007-2009). Rev. bras. epidemiol. [online]. 2011, vol.14, suppl.1, pp. 44-52. ISSN 1415-790X.  http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2011000500005.

OBJETIVO: Avaliar as questões marcadoras de consumo alimentar do Sistema Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico e sua evolução temporal. MÉTODOS: Foram avaliados 135.249 indivíduos de 27 cidades brasileiras, entrevistados nos anos de 2007 - 2009. Os marcadores de consumo alimentar foram descritos a partir da frequência de consumo de frutas, hortaliças, feijão, leite integral e desnatado, refrigerante normal e diet/light, e consumo de gordura aparente das carnes e a pele do frango. Avaliou-se a evolução temporal desses marcadores e, adicionalmente, testou-se a elaboração de um escore de alimentação saudável e a identificação de padrões alimentares por meio da análise de cluster. RESULTADOS: Observou-se aumento estatisticamente significativo nas frequências de consumo de feijão, leite integral e refrigerante normal e diminuição no consumo de leite desnatado. Mesmo com aumento de 11 para 13% de indivíduos que referiram consumir feijão diariamente, esses percentuais são baixos; assim como o consumo recomendado de 3 porções de frutas e 3 porções de hortaliças por dia, que foi referido por menos de 15% da população em todos os anos, com queda de 5 para 3% para as hortaliças. O refrigerante não diet foi o item com maior aumento no consumo, passando de 60 para 67%. Os itens avaliados apresentaram fraca correlação e não configuram um constructo único de alimentação saudável. CONCLUSÃO: A qualidade da dieta dos brasileiros tem piorado e é necessária melhor qualificação dos marcadores alimentares considerados de risco para doenças crônicas não-transmissíveis.

Keywords : hábitos alimentares; comportamento alimentar; coleta de dados; Brasil.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese