SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 número3Características clínico-laboratoriais no retratamento por recidiva em hanseníaseCaracterísticas das mulheres com câncer de mama assistidas em serviços de referência do Norte de Minas Gerais índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Page  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Brasileira de Epidemiologia

versão impressa ISSN 1415-790X

Resumo

REISDORFER, Emilene; BUCHELE, Fátima; PIRES, Rodrigo Otávio Moretti  e  BOING, Antonio Fernando. Prevalência e fatores associados a transtornos devido ao uso de álcool em adultos: estudo populacional no sul do Brasil. Rev. bras. epidemiol. [online]. 2012, vol.15, n.3, pp. 582-594. ISSN 1415-790X.  http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2012000300012.

OBJETIVOS: Descrever a prevalência de uso problemático de álcool na população adulta de uma cidade de médio porte do sul do Brasil e testar sua associação com variáveis demográficas, socioeconômicas, comportamentais e de condições de saúde. MÉTODOS: Foi realizado um estudo transversal de base populacional com adultos (20 a 59 anos) de uma cidade de médio porte do sul do Brasil com amostra probabilística de 1.720 pessoas. Utilizou-se o processo de amostragem por conglomerados, em dois estágios, sendo o primeiro o setor censitário e o segundo o domicílio. O uso problemático de álcool foi mensurado por meio do Alcohol Use Disorder Identification Test (AUDIT) e foram testadas as associações com variáveis selecionadas através da Regressão de Poisson. Os resultados das análises multivariáveis foram expressos como razão de prevalência. RESULTADOS: A prevalência de uso problemático de álcool na população foi de 18,4% (IC95%: 16,6% - 20,3%), sendo maior entre os homens (29,9%) do que entre as mulheres (9,3%). A prevalência de abstenção foi de 30,6%. Verificou-se que 6,8% dos entrevistados já causaram problemas a si mesmos ou a outros após terem bebido e 10,3% referiram que algum parente, amigo ou médico já se preocupou com seu modo de beber. Após a análise multivariável, permaneceram associados com o uso problemático de álcool o sexo masculino, a faixa etária de 20 a 29 anos, pessoas solteiras, que se declararam pardas, e ex-fumantes ou fumantes atuais. CONCLUSÃO: A prevalência de uso problemático de álcool é elevada em comparação com outros estudos semelhantes, existindo diferenças segundo características demográficas, cor de pele e comportamentais. Estas questões devem ser consideradas na formulação de políticas públicas de saúde que objetivem a redução dos problemas relacionados ao uso de álcool.

Palavras-chave : Estudos transversais; Prevalência; Transtornos relacionados ao uso de álcool; Adulto; Brasil.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · pdf em Inglês