SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.6 issue3On the force of mortality and life tables constructionThe required for concepcion: it's relation to the oral hormonal contraceptive author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública vol.6 n.3 São Paulo Sep. 1972

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101972000300005 

ARTIGO ORIGINAL

 

Estimativas do nível de mortalidade e de esperança de vida para o Estado de São Paulo, Brasil, em 1970

 

Estimatives of mortality rate and life expectance for the S. Paulo, State, Brazil, in 1970

 

 

Jair L. F. Santos

Do Centro de Estudos de Dinâmica Populacional da Faculdade de Saúde Pública da USP – Av. Dr. Arnaldo, 715 – São Paulo, S.P. – Brasil

 

 


RESUMO

Resultados preliminares do Censo Demográfico de 1970, são utilizados para a determinação do nível de mortalidade no Estado de São Paulo, Brasil. Através da teoria de populações estáveis e de tábuas de vida modelo, encontrou-se tábuas de sobrevivência para os sexos masculino e feminino. Acredita-se que estas tábuas refletem as condições de mortalidade vigentes nos períodos próximos a data censitária.

Unitermos: Mortalidade (estimativa)*; Tábuas de sobrevivência*; Estatística vital*.


SUMMARY

Preliminary results of the 1970 Demographic Census in Brazil lead the author to determining the mortality level for the State of São Paulo, Brazil. Life Tables for males and females were found through stable population theory and model life tables. It is believed that those tables reflect mortality conditions of the State of S. Paulo during the period close to me Census date.

Uniterms: Mortality rate*; Life tables*; Vital statistics*.


 

 

INTRODUÇÃO

Recentemente, o Ministério do Planejamento e Coordenação Geral, através do Centro Brasileiro de Estudos Demográficos 1 publicou estimativas da esperança de vida ao nascer, para o Brasil como um todo, baseadas nos dados censitários de 1960 e 1970.

Embora seja de concenso geral que brevemente se terá publicado os resultados do Censo Demográfico de 1970, para o Estado de São Paulo, bem como os dados de óbitos para aquele ano – permitindo assim que se tenha estimativas da esperança de vida ao nascer para a população de nosso Estado pelos métodos mais adequados – é de grande interesse que se tenha de imediato uma avaliação destas esperanças de vida. Embora de qualidade precária, qualquer estimativa que não envolva erros grosseiros será de grande valor para o homem de ciência, permitindo-lhe comparações e análises imediatas.

Objetiva este trabalho a determinação da esperança de vida ao nascer e do nível de mortalidade da população do Estado de São Paulo, segundo o sexo, para 1970.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Até a data da elaboração deste trabalho, não se dispunha dos resultados censitários para o Estado de São Paulo, em 1970. Recorreu-se às estimativas populacionais publicadas em 1967 (SANTOS 4).

As estimativas populacionais por idade e sexo, citadas acima, constituem a fonte básica para as atuais estimativas. Através da distribuição etária acumulada para cada sexo e da taxa de crescimento de aproximadamente 2,9% a.a., observada no período 1960/1970, determinou-se o nível de mortalidade (e conseqüentemente as esperanças de vida ao nascer) através da teoria de população quase estáveis, desenvolvida por COALE2 e apresentada por COALE & DEMENY3

Comparou-se, separadamente para cada sexo, as estruturas etárias da população do Estado com as populações estáveis de diversos níveis de mortalidade, para uma taxa de crescimento entre 2,5 e 3,0% a.a., elegendo-se assim os níveis que melhor se ajustam à população estimada.

 

RESULTADOS

Através das comparações citadas, encontrou-se para ambos os sexos o nível de mortalidade 19, das Tábuas de vida modelo da família Sul. Na Tabela 1 pode-se verificar o grau de aproximação destas comparações.

Observa-se que, para ambos os sexos, as estruturas etárias da população do Estado de São Paulo aproximam-se bastante das estruturas das populações estáveis. A aproximação é extremamente nítida, nos grupos etários jovens, à taxa de 3,0% a.a. para, nos grupos etários mais velhos, vir a ser menos clara, mantendo-se porém ambas as estruturas etárias de São Paulo, sempre entre as estruturas estáveis com taxas de 2,5% e 3,0% a.a.

Por se tratar de estimativas temporárias que cederão, no devido tempo, o seu lugar a estimativas muito mais precisas, não nos demos ao trabalho de interpolar valores da estrutura etária entre as diferentes taxas ou entre os possíveis níveis.

As aproximações citadas são de tal ordem que possibilitam a afirmação de que dificilmente os verdadeiros valores da esperança de vida ao nascer estejam longe dos níveis escolhidos.

Baseados nas observações acima, pode-se escolher as tábuas de vida correspondentes às populações masculina e feminina do Estado, para 1970. As tábuas regionais modelo, escolhidas são: família Sul, nível 19, como publicadas por COALE & DEMENYS3 cujas cópias constam da Tabela 2.

 

CONCLUSÕES

Selecionados os níveis de mortalidade para cada sexo, verificou-se que as esperanças de vida ao nascer, estimadas para o Estado de São Paulo, em 1970, são:

65,0 anos para o sexo feminino 61,2 anos para o sexo masculino.

As estimativas para o Brasil1, apontam:

61,10 para o sexo feminino

57,01 para o sexo masculino,

o que colocaria nosso Estado com uma esperança de vida ao nascer cerca de 4 anos maior que a do Brasil, para ambos os sexos.

No caso das estimativas para o Estado de São Paulo, mesmo tendo-se subestimado ou superestimado o nível de mortalidade por uma unidade, isto acarretaria um erro nas estimativas da esperança de vida ao nascer de cerca de 3,0%.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. BRASIL, Ministério do Planejamento e Coordenação Geral – Estimativa para o Brasil, da vida média ao nascer durante o período 1960/1970 a partir de razões de sobrevivência intercensitárias. Rio de Janeiro 1971.        [ Links ]

2. COALE, A. J. – Estimates of various demographic measures, through the quasistable age distribution. In: ANNUAL CONFERENCE OF THE MILBANK MEMORIAL FUND, New York, 1962. New York, Milbank Memorial Fund, 1963. p. 175-93.        [ Links ]

3. COALE, A. S. & DEMENY, P. – Regional model life tables an stable populations. Princeton, N. J., Princeton Univ. Press, 1966.        [ Links ]

4. SANTOS, J. L. F. – Projeção da população em idade escolar e das necessidades para o seu atendimento, no Estado de São Paulo, 1965-1980. Rev. Saúde públ., S. Paulo, 1: 59-78, 1967.        [ Links ]

 

 

Aprovado para publicação em 10-7-1972
Recebido para publicação em 26-7-1972