SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.10 issue1Some angles of the biology of Biomphalaria glabrata (Say, 1818) and Biomphalaria tenagophila (D'Orbigny, 1835) (Pulmonata, Planorbidae): I. Duration of the embryo periodThe local heath tean author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública vol.10 n.1 São Paulo Mar. 1976

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101976000100006 

ARTIGO ORIGINAL

 

Meio modificado de cultura para caracterização de Salmonella lactose positiva

 

A modified culture medium for the characterization of positive lactose strains of Salmonella

 

 

Deise Pasetto Falcão

Da Disciplina de Microbiologia da Faculdade de Farmácia e Odontologia de Araraquara - Rua Expedicionários do Brasil, 1.621 - Araraquara, SP - Brasil

 

 


RESUMO

Foi desenvolvido um meio modificado de cultura para isolamento e caracterização de enterobactérias, visando especialmente salmonelas fermentadoras da lactose. No chamado "Meio modificado" as colônias das duas estirpes de Salmonella (lactose positivas e lactose negativas) apresentam a morfologia idêntica, o que não ocorre quando são empregados os meios rotineiros à base de lactose, para isolamento de enterobactérias. Esse meio é uma modificação do meio de Hektoen Enteric Agar, do qual retirou-se lactose e adicionou-se xilose e L-lisina. Foi verificado que há possibilidade de diferenciar-se os diversos grupos de enterobactérias, empregando um meio de cultura sem lactose e usando como sistema diferenciador xilose e L-lisina. O meio modificado foi também avaliado quantitativamente comparando o seu poder enriquecedor ou inibitório, ao dos meios de Hektoen Enteric Agar, Brilliant Green Agar e SS Agar para diferentes grupos de enterobactérias.

Unitermos: Enterobactérias. Salmonella lactose-positiva. Meio de cultura.


SUMMARY

A modified culture medium was developed for the purpose of isolating and characterizing the enterobacterias, giving special attention to the Salmonella strains that ferment lactose. In this "Modified Medium" the colonies of the two strains of Salmonella show a morphological similarity. This does not occur with other culture media of enterobacteria, in which the basic carbohydrate is lactose. The Modified Medium is a modification of the Enteric Agar in which the lactose was substituted by xilose and L-lisine. It was verified that there is a possibility of differentiating between the different groups of enterobacteria by using a culture medium with no lactose and using xilose L-lisina as a differentiating system. The Modified Medium was also evaluated quantitatively comparing its enriching or inhibiting power with the Hektoen Enteric Agar, Brilliant Green Agar and the SS Agar media in relation to the different groups of enterobacteria.

Uniterms: Enterobacterias. Salmonella, positive lactose. Culture medium.


 

 

INTRODUÇÃO

No trabalho de rotina de caracterização de enterobactérias, o critério inicial para isolamento de Salmonella é a separação de colônias fermentadoras e não fermentadoras de lactose. Somente a partir de colônias lactose negativas realizam-se provas para identificação e caracterização de Salmonella.

Edwards e Ewing4 e Kauffmann 9, ao definirem o gênero Salmonella afirmam que o mesmo é constituído por bactérias não fermentadoras da lactose.

Estirpes lactose positivas de Salmonella são consideradas raras. Em 1966, Ewing e Ball6 observaram que apenas 0,8% de amostras de Salmonella estudadas no Center for Disease Control (USA) eram lactose positivas, sendo que duas dessas amostras eram de sorotipo tennessee e a outra era typhimurium. Em trabalho posterior, Ewing5 (1968) relata que apenas 0,3% das amostras de Salmonella estudadas no mesmo Centro eram lactose positivas. Outros autores têm descrito o isolamento de estirpes lactose positivas de Salmonella. Assim Saphra e col. 14 isolaram o sorotipo newington de fezes; Seligmann e Saphra15 isolaram o mesmo sorotipo de um caso fatal de meningite; Falkow e Baron 7 relatam o isolamento do sorotipo typhi de fezes; Bulmash e cols.3 referem o isolamento do sorotipo tennessce também de fezes; Kunz e Ewing12 do sorotipo typhi de sangue e urina; Gonzales 8 do sorotipo tennessee de um caso de septicemia, todas lactose positivas. Mais recentemente Blackburn e Ellis2 (1973), observaram que 15,6% de Salmonella isoladas de leite em pó eram lactose positivas e pertenciam aos sorotipos anatum, tennessee e newigton.

Na cidade de São Paulo, Brasil, à partir de 1971 essa variedade lactose positiva de Salmonella tem sido considerada endêmica. Pessoa 13, em 1972, descreve o isolamento de 313 amostras de lactose positivas de Salmonella typhimurium, var. Copenhagen. Também em São Paulo, Almeida e Trabulsi1, relatam que, durante o ano de 1973, 56% de amostras de Salmonella isoladas de materiais clínicos diversos eram do sorotipo typhimurium, fermentadoras de lactose.

As colônias de Salmonella lactose-positivas são idênticas às colônias de E. coli nos meios de cultura à base de lactose, tornando impossível distinguir colônias de Salmonella lactose-positivas das colônias de E. coli em tais meios de cultura.

O presente trabalho tem por objetivo desenvolver um meio de cultura isento de lactose, empregando outro carbohidrato como indicador de fermentação, a fim de que as estirpes lactose positivas e lactose negativas de Salmonella apresentem a mesma morfologia colonial, procurando desse modo evitar-se que estirpes lactose postivas de Salmonella deixem de ser identificadas por serem confundidas com aquelas de E. coli.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Hektoen Enteric Agar Modificado

Foi desenvolvido um meio à partir de uma modificação do meio de Hektoen Enteric Agar (King e Metzger 10,11), retirando a lactose e introduzindo xilose e L-lisina, baseando-se na experiência de Taylor 17.

A presente fórmula foi definida depois de estudadas e testadas algumas variações:

Aquecer até a ebulição. Acertar o pH a 7.5 e adicionar:

Ferver novamente e adicionar assepticamente 20 ml de solução A e 20 ml de solução B.

Esterilizar as soluções A e B a 60°C por uma hora em banho maria.

O mecanismo do Meio Modificado é assim explicado:

Para Salmonella: todas as salmonelas com exceção da S. paratyphi A e algumas amostras de S. typhi, S. anatum e S. newington, fermentam a xilose; todas descarboxilam a lisina (com exceção da S. paratyphi A). Havendo acidificação da xilose, o pH cai. Entretanto como há descarboxilação da lisina, o pH reverte de ácido para alcalino, e as colônias adquirem a aparência de não fermentadoras. Aparece também cor preta no centro porque todas as salmonelas (com exceção de S. paratyphi A, S. sendai, S. berta e algumas de S. typhi), produzem H2S.

Para Citrobacter: esses germes fermentam a xilose, não descarboxilam a lisina e produzem H2S. Portanto suas colônias são típicas ácidas com centro preto.

Para Shigella: esses germes não fermentam a xilose, a salicina e raramente o fazem com sacarose, não descarboxilam lisina e não produzem H2S. Suas colônias são típicas não fermentadoras.

Para Coliformes: a grande maioria de E. coli bem como outros coliformes são xilose positivas. Também grande parte dos coliformes fermentam a sacarose e a salicina. Verificamos assim que quase todos os germes desse grupo acidificam um ou todos esses açúcares, produzindo colônias ácidas típicas. Não produzem H2S. A fim de que não haja reversão de pH devido aos germes lisina-positivos, adicionamos sacarose e salicina em excesso. O ácido em excesso produzido por esses açúcares, impede a reversão do pH daqueles coliformes lisina-positivos.

Para Proteus: essas bactérias podem ou não fermentar a xilose, salicina e sacarose, não descarboxilam a lisina, produzindo ou não H2S. Não apresentam comportamento colonial típico no Meio Modificado, como no caso das outras enterobactérias estudadas.

Outros Meios Avaliados:

Juntamente com o Meio Modificado foram avaliados outros meios usados; no isolamento de enterobactérias: SS Agar, Brilliant Green Agar (B.G.A.), Hektoen Enteric Agar, todos da marca Difco e Hektoen Enteric Agar preparado no laboratório.

O trabalho foi desenvolvido em 2 fases:

Numa primeira fase as bactérias foram semeadas no Meio Modificado para verificação do comportamento e caracterização colonial. Nessa fase trabalhou-se com as seguintes bactérias:

17 amostras de Salmonella typhimurium lactose positivas.

25 amostras de Salmonella lactose negativas, dos diversos grupos sorológicos.

12 amostras de Shigella (3 S. sonnei, 6 S. flexneri, 1 S. boydi, 2 dysinteriae).

35 amostras de Proteus (15 P. mirabilis, 8 P. vulgaris, 2 P. rettgeri, 10 P. morganii).

23 amostras de Citrobacter. 60 amostras de Coliformes.

Numa segunda fase realizamos um estudo quantitativo comparativo entre o Meio Modificado e outros meios empregados para isolamento de enterobactérias. Os germes escolhidos (Salmonella lactose positiva e lactose negativa, Shigella, Proteus e Coliformes, foram diluídos seriadamente em salina a 0,85% (10-1 a 10-10). Semeou-se 0,1 ml de cada diluição em SS Agar, Brilliant Green Agar, Hektoen Enteric Agar, (Difco) ; Hektoen Enteric Agar preparado no laboratório e no Meio Modificado. Após incubação a 37°C durante 24 horas, foi feita a contagem do número de colônias.

 

RESULTADOS

A descrição da morfologia colonial das diversas enterobactérias estudadas, no Meio Modificado, pode ser observada na Tabela 1.

A contagem comparativa do número de colônias, nos diferentes meios estudados, pode ser observada nas Tabelas 2, 3, 4, 5 e 6.

 

DISCUSSÃO

Através dos resultados obtidos observamos que o Meio Modificado mostrou-se muito eficaz para o isolamento de Salmonella, atingindo o objetivo desejado, isto é, fazer com que todas as amostras de Salmonella apresentem morfologia colonial idêntica, eliminando desse modo a possibilidade de confundir-se as colônias lactose-positivas com colônias de E. coli. Todas as estirpes de Salmonella (lactose-positivas e lactose-negativas), apresentam colônias típicas não ácidas, com centro preto, exceto é claro, aquelas não produtoras de H2S. Na maioria das vezes a quantidade de H2S é tão intensa que as colônias se mostram quase que inteiramente negras, com apenas um halo verde.

O Meio Modificado também é considerado bom para o isolamento de Citrobacter, pois suas colônias apresentam-se perfeitamente diferenciadas das de Salmonella devido à acidificação da xilose e não se confundem com as coliformes, pois o meio propicia uma perfeita evidenciação de H2S.

Shigella também apresentam colônias bem características nesse meio, isto é, não fermentadoras.

Os coliformes também apresentam colônias típicas amarelo-salmão, diferenciando-se dos Citrobacter pela não produção de H2S.

No entretanto os germes do grupo Proteus, podem ser confundidos quer com Salmonella, quer com Shigella. Através de dados de um estudo sobre Proteus, realizado por Suassuna 16, verificamos que a maioria dessas bactérias fermentam pelo menos um dos carbohidratos existentes no Meio Modificado (xilose, sacarose e salicina). Sabemos também que os Proteus não descarboxilam a lisina. Teoricamente, pois, esses germes deveriam apresentar no Meio Modificado, quase sempre morfologia colonial típica de bactérias fermentadoras. Acreditamos que esse comportamento colonial diferente do esperado, seja devido a uma alcalinização intensa do meio por processo outro que o da descarboxilação da lisina, que irá neutralizar os ácidos formados pela fermentação dos carbohidratos.

Analisando pois o Meio Modificado em relação a sua capacidade de caracterizar as colônias de enterobactérias, verificamos que os resultados foram bastante satisfatórios, a não ser em relação aos Proteus, os quais não apresentaram colônias típicas. No entretanto, todos os outros meios de cultura para isolamento de enterobactérias à base de lactose, como carbohidrato diferenciador, também apresentam essa falha, isto é, confundem as colônias de Proteus com as de Salmonella ou Shigella.

Pudemos também observar através da morfologia colonial apresentada pelas enterobactérias no Meio Modificado, que a lactose pode ser perfeitamente substituída pelo sistema indicador xilose L-lisina.

Em relação à contagem comparativa do número de colônias no Meio Modificado e nos outros meios estudados, observando-se as Tabelas 2, 3, 4, 5 e 6, verifica-se que a contagem foi muito uniforme no Meio Modificado e no meio de Hektoen Enteric Agar, quer o adquirido comercialmente, quer o preparado no laboratório, para todos os germes estudados. Verificamos também que as contagens nesses meios, de um modo geral, foram superiores às apresentadas nos de Brilliant Green Agar, para as Salmonella lactose-positivas. Para as Salmonella lactose-negativas, a contagem foi ligeiramente inferior no meio de Brilliant Green Agar.

As amostras de Shigella estudadas foram totalmente inibidas no meio de Brilliant Green Agar. No meio de SS Agar as amostras de Shigella sonnei sofreram inibição, sendo que as outras espécies apresentaram contagens bastantes semelhantes às observadas nos meios modificado e de Hektoen Enteric Agar (duas variedades).

De um modo geral as amostras de E. coli foram inibidas no meio de Brilliant Green Agar, o mesmo não ocorrendo com a amostar de Klebsiella. O meio do SS Agar mostrou-se de um modo geral mais inibitório que o meio modificado e o de Hektoen Enteric Agar para os coliformes.

Os Proteus apresentaram contagens uniformes nos meios de SS Agar, Modificado e Hektoen Enteric Agar. Foram totalmente inibidos no Brilliant Green Agar.

Após este estudo quantitativo, concluimos que o Meio Modificado, ao lado de possibilitar uma caracterização uniforme das duas estirpes de Salmonella, bem como perfeita caracterização e diferenciação colonial dos outros gêneros de enterobactérias, não foi inibitório para as amostras estudadas.

Observamos também igualdade de comportamento bacteriano no Hektoen Enteric Agar, quer o adquirido comercialmente, quer o preparado no laboratório.

Ressaltamos que esses resultados foram obtidos com bactérias de coleção e que o Meio Modificado será testado na rotina de isolamento de enterobactérias. Apesar de havermos trabalhado apenas com bactérias de coleção, acreditamos que os resultados foram bastante satisfatórios de modo a sugerir a introdução do Meio Modificado na rotina de isolamento de enterobactérias. com referência especial à Salmonella.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. ALMEIDA, P. C. A. & TRABULSI, L. R. – Características culturais, bioquímicas e virulência de amostras de Salmonella typhimurium fermentadoras da lactose. Rev. Microbiol., 5: 27-35, 1974.        [ Links ]

2. BLACKBURN, B. O. & ELLIS, B. M. – Lactose fermenting Salmonella from dried milk and milk-drying plants. Appl. Microbiol., 26:672-4, 1973.        [ Links ]

3. BULMASH, J. M.; FULTON, M. & JIRON, J. – Lactose and sulfide reactions of an aberrant Salmonella strain. J. Bacteriol., 89:259, 1965.        [ Links ]

4. EDWARDS, P. R. & EWING, W. H. – Identification of enterobacteriaceae, 3rd ed., Minneapolis, Burgess Publishing Co., 1972.        [ Links ]

5. EWING, W. H. – Differentiation of enterobacteriaceae by biochemical reactions. Atlanta, Center for Disease Control, 1968.        [ Links ]

6. EWING, W. H. & BALL, M. M. – The biochemical reactions of members of the genus Salmonella. Atlanta, Center for Disease Control, 1966.        [ Links ]

7. FALKON, S. & BARON, L. S. – Episomic element in a strain of Salmonella typhosa. J. Bacteriol., 84:581-9, 1962.        [ Links ]

8. GONZALES, A. B. – Lactose fermenting Salmonella. J. Bacteriol., 91:1661-2, 1966.        [ Links ]

9. KAUFFMANN, F. – The bacteriology of enterobacteriaceae 3rd ed. Copenhagen, Munksgaard, 1966.        [ Links ]

10. KING, S. & METZGER, W. – A new plating medium for the isolation of enteric pathogens. I. – Hektoen enteric agar. Appl. Microbiol., 16: 577-8, 1968.        [ Links ]

11. KING, S. & METZGER, W. – A new-plating medium for the isolation of enteric pathogens. II – Comparison of Hektoen enteric agar – with SS agar and EMB agar. Appl. Microbiol., 16:579-81, 1968.        [ Links ]

12. KUNZ, L. J. & EWING, W. H. – Laboratory infection with a lactose fermenting strain of S. typhi. J. Bacteriol., 89:1629, 1965.        [ Links ]

13. PESSÔA, G. V. A. – Sobre a ocorrência de uma variante Salmonella typhimurium fermentadora da lactose. São Paulo, 1972. Tese – Univ. São Paulo.        [ Links ]

14. SAPHRA, I. & SELIGMANN, E. – Coliforms with complet Salmonella antigen, or lactose-fermenting Salmonella? J. Bacteriol., 54:270-1, 1947.        [ Links ]

15. SELIGMANN, E. & SAPHRA, I. – A coliform bacterium with the complete antigen of Salmonella newington. J. Immunol., 54:275-82, 1946.        [ Links ]

16. SUASSUNA, I. – Estudo sobre o gênero Proteus. Rio de Janeiro, 1963. (Tese Faculdade de Ciências Médicas do Estado da Guanabara).        [ Links ]

17. TAYLOR, W. I. – Isolation of Shigella. I – Xilose lysina agars; new media for isolation of enteric pathogens. Reg. med. Technol., 35:471-5, 1965.        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 28/11/1975
Aprovado para publicação em 05/01/1976