SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.10 issue1Integration of intradermic BCG vaccination in general public health immunization programmesA new finding of Trypanosoma (Megatrypanum) freitasi, parasite of the opossum author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública vol.10 n.1 São Paulo Mar. 1976

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101976000100010 

NOTAS E INFORMAÇÕES/NOTES AND INFORMATION

 

Sobre o encontro de Panstrongylus megistus no município de Cambé, Estado de Paraná, Brasil

 

On the occurrence of Panstrongylus megistus in the county of Cambé, State of Paraná, Brazil

 

 

Almério de Castro GomesI; Ivete ShimadaII

IDo Departamento de Patologia Geral da Universidade Estadual de Londrina __ Caixa Postal 1530 – Londrina, PR – Brasil
IIDo Curso de Medicina Veterinária da Universidade Estadual de Londrina – Caixa Postal 1530 – Londrina, PR – Brasil

 

 


RESUMO

Relata-se o encontro de Panstrongylus megistus no sítio Shimada, localizado no município de Cambé, Estado do Paraná. Caracteriza-se ecologicamente a área e aborda-se possíveis fatores humanos implicados na ocorrência deste triatomíneo, em um domicílio.

Unitermos: Panstrongylus megistus. Triatomíneos.


SUMMARY

The report describes the occurrence of Panstrongylus megistus on the Shimada farm, located in Cambé, State of Paraná. The área is characterised ecologically and possible human factors related to the occurrence of this Triatominae in one dwelling are pointedout.

Uniterms: Panstrongylus megistus. Triatomids.


 

 

Em novembro de 1974, o senhor Shimada, proprietário de um sítio que recebe seu nome, capturou cinco ninfas e um adulto de Panstrongylus megistus em uma tulha e um domicílio. Tal achado, chegando ao nosso conhecimento, fomos visitar a área com o objetivo de capturar mais exemplares, o que não ocorreu devido à aplicação anterior de BHC em todas as casas.

O sítio Shimada está situado no município de Cambé, na região Norte do Estado do Paraná. Tal área dista aproximadamente 15 km do Campus Universitário da Universidade Estadual de Londrina, no município de Londrina.

A ocorrência de P. megistus em domicílios no Estado do Paraná, não é um fato inédito, mas muito pouco investigado. Mesmo assim, a maioria limita-se apenas ao relato do acontecimento, dissociado dos aspectos ecológicos.

Pelo sítio passa um pequeno rio que ao longo de suas margens possui uma estreita reserva florestal (Fig. 1). A área restante destina-se à cultura de café, de cereais e de frutas. A tulha e as habitações são de madeira e estão próximas da referida mata (Figs. 2-3). Algumas habitações estão abandonadas e seu estado de conservação é precário.

 

 

 

 

 

 

A partir do Estado de São Paulo até o Sul do Brasil, o P. megistus tem hábito predominantemente silvestre. Contudo, não é raro ser encontrado ocasionalmente em ambiente domiciliares ou peridomiciliares (Leal et al.2, 1961; Forattini 1 et al., 1970 e Pessoa & Vianna 4, 1974). No Estado do Paraná, além de Curitiba, já foi assinalado em cinco localidades (Lima 3 et al., 1964). Em Cambé é a primeira vez que este fato é observado.

A freqüência de P. megistus em domicílios no Estado de São Paulo, revela a capacidade desta espécie adaptar-se a ecótopos artificiais (Forattini1 et al., 1970). Sob este ponto de vista, o encontro dele em domicílios no Paraná indica existir um comportamento idêntico ao que se verifica naquele Estado. Levando-se em conta que a ocorrência de tal fato em Cambé foi observado após reforma do domicílio, com madeira oriunda de uma casa abandonada, admite-se a possibilidade da existência de um mecanismo de dispersão passiva, o qual associado a outros fatores poderá favorecer os fenômenos adaptativos.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. FORATTINI, O. P. et al. – Aspectos ecológicos da tripanosomose americana. I – Observações sobre o Panstrongylus megistus e suas relações com focos naturais da infecção em área urbana da cidade de São Paulo, Brasil. Rev. Saúde públ., S. Paulo, 4:19-30, 1970.        [ Links ]

2. LEAL, H. et al. – Dados ecológicos sobre triatomíneos silvestres da Ilha de Santa Catarina (Brasil). Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, 3:213-20, 1961.        [ Links ]

3. LIMA, E. C. et al. – Sobre a ocorrência de Panstrongylus megistus (Burmeister, 1835) em Curitiba (Paraná – Brasil). An. Fac. Med. Univ. Paraná, 7:25-34, 1964.        [ Links ]

4. PESSOA, S. B. & VIANNA, A. M. – Parasitologia médica. 9.a ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1974.        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 21/11/1975
Aprovado para publicação em 05/01/1976