SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.11 issue2Vaccinal condition of the student population of the S. Paulo UniversityEpidemiometric models in tuberculosis: definition of "states" and risk of infection author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública vol.11 n.2 São Paulo Jun. 1977

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101977000200003 

ARTIGO ORIGINAL

 

Tendência da sub-notificação de casos no decorrer da epidemia de meningite meningocócica ocorrida no Estado de São Paulo, Brasil, no período de 1971/75

 

Trends of under-reporting of cases during an outbreak of meningococcal meningitis in the State of S. Paulo (Brazil), from 1971 through 1975

 

 

Gilberto Ribeiro ArantesI; Antonio Ruffino-NettoII

IDa Divisão de Estudos e Programas da Coordenadoria de Saúde da Comunidade, da Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo – Avenida S. Luiz, 99 – São Paulo, SP – Brasil
IIDo Departamento de Medicina Social da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo – Ribeirão Preto, SP – Brasil

 

 


RESUMO

A sub-notificação de casos de meningite no decorrer de uma epidemia de meningite meningocócica foi estudada em uma região do Estado de S. Paulo, Brasil. Os casos conhecidos através dos atestados de óbito (não notificados em vida) foram usados como medida indireta da sub-notificação. Esta, que chegou a 37,6% em 1971, caiu para 2,1% em 1975. Foi possível quantificá-la e demonstrar que seguiu uma função exponencial negativa com o tempo. A aplicação da metodologia apresentada, em amostra casual e probabilística, proporcionará um melhor conhecimento da incidência da doença, mais adequado ao estudo da tendência da epidemia, o que permitirá estimar com maior segurança o impacto epidemiológico provocado pelas medidas adotadas para controle da mesma.

Unitermos: Meningite meningocócica, São Paulo, Brasil, Epidemia, sub-notificação.


ABSTRACT

A study of under-reporting of meningitis in five communities in the State of S. Paulo (Brazil), during an outbreak of meningococcal meningitis was undertaken. The number of "cases" (not notified during life) achieved through the examination of death records was used as an indirect measure of under-reporting. There was a variation in under-reporting during the epidemic period: it decreased from 37.6% in 1971 to 2.1% in 1975, following a negative exponential pathway, at a measurable rate. The application of the methodology presented in this paper would provide a more accurate knowledge of the incidence of the disease allowing a better interpretation of the trends of the epidemic in order to evaluate the effectiveness of policies adopted to control it.

Uniterms: Meningococcal meningitis, S. Paulo, Brazil. Epidemic under-reporting.


 

 

INTRODUÇÃO

Apenas uma parcela dos casos incidentes de uma moléstia de notificação compulsória é notificada às autoridades sanitárias; da parcela não notificada uma parte acaba sendo conhecida pelos órgãos oficiais através dos atestados de óbito, porém os casos não notificados que sobrevivem à moléstia jamais são computados, por isso perdidos para estimativas de morbidade.

É possível que no decorrer de epidemia prolongada, seja pela melhor atuação das autoridades sanitárias junto aos médicos e hospitais, ou devido à grande ênfase concedida ao assunto pelos órgãos da imprensa escrita e falada, a sub-notificação seja menor. Aproveitando a recente epidemia de meningite meningocócica que se iniciou no Estado de São Paulo em 1971, propusemonos verificar se realmente diminuiu a sub-notificação de casos de meningite, bem como tentar medir a intensidade desse declínio.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Foram usados como parâmetros de incidência notificada e não notificada os casos autóctones de meningite de qualquer etiologia, notificados aos Centros de Saúde, e os casos não notificados em vida, porém conhecidos através do atestado de óbito. A área estudada foi a 6a Regional de Saúde de São Paulo4 que abrange 80 municípios na região nordeste do Estado, cuja sede administrativa está situada na cidade de Ribeirão Preto.

Até 1971, os boletins epidemiológicos consolidados em nível regional continham os casos notificados e os "casos" conhecidos através dos respectivos óbitos. Nos anos de 1972 a 1974, novos boletins foram instituídos2 contendo apenas os casos notificados sem os nomes dos pacientes; devido a essa omissão não era possível verificar no mapa demógrafo-sanitário MDS* quais os óbitos por meningite que não haviam sido notificados em vida. A partir de 1975, esses boletins, embora não incluindo os "casos" conhecidos pelo óbito, voltaram a incluir os nomes dos pacientes3, permitindo assim aquela verificação no MDS.

Com a intenção de conhecer a proporção desses "casos" no total de casos conhecidos nos anos de 1972, 1973 e 1974, foi feito um levantamento "in loco" na fonte primária das informações em 5 Centros de Saúde localizados em sedes de Distritos Sanitários4 (sub-regiões administrativas) a saber: Ribeirão Preto, Franca, Bebedouro, Jaboticabal e Araraquara. A fonte citada é o livro de registro de casos notificados e óbitos por moléstias contagiosas, conhecido antes da Reforma Administrativa da Secretaria da Saúde como "B-12" e atualmente como "E-2", Para proceder ao levantamento das informações preliminarmente arrolavam-se, mês a mês para todos os anos do período 1971-1975, em ordem alfabética, os óbitos por meningite de pessoas residentes no município; a seguir procedia-se à leitura no E-2 do nome de cada caso notificado e confirmado para verificar se o mesmo constava da lista de óbitos com a finalidade de eliminá-lo desta se tivesse sido notificado em vida. Os remanescentes eram arrolados como "casos" conhecidos através do óbito e somados aos primeiros para obter a incidência total.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os resultados obtidos são apresentados na Tabela 1, onde o número de casos conhecidos através do atestado de óbito nos 5 municípios (que é uma estimativa indireta de sub-notificação5), nota-se que sua percentagem variou de 37,6% (em 1971) a 2,1% (em 1975) em relação ao total de casos conhecidos. As percentagens dos casos conhecidos através do atestado de óbito são apresentados na Figura 1.

A observação desse gráfico mostra que as percentagens projetadas nas ordenadas parecem seguir uma função exponencial negativa em relação ao tempo (projetado nas abcissas).

Sendo:

y = percentual de casos de meningite conhecidos através do atestado de óbito;

x = tempo calendário.

Fazendo-se equivaler:

x = 0 para o ano de 1971; x = 1, x = 2, x = 3, e x = 4, para os anos respectivamente de 1972, 1973, 1974 e 1975, e projetando-se os valores de x e y em um gráfico em escala semi-logarítmica (Fig. 2) observa-se que a reta obtida corrobora a hipótese anterior, isto é, parece haver uma função do tipo log y = a – bx ou y = yo . 10-bx

Efetuando o ajustamento da função pelo método dos mínimos quadrados 1 obteve-se a equação:

log y = 1,65 – 0,32 x, ou seja, y = 44,67 . 10-0,32x cujo teste de ajustamento de função1 ("goodness of fit") pelo método dos c2 resultou c2 = 2,748, mostrando que não se poderia rejeitar a hipótese da função exponencial anteriormente aventada.

Sendo y (que é em uma medida indireta da sub-notificação) uma função que cai exponencialmente com o tempo é de se supor que a "força de notificação" (que chamaremos de variável z) deva ter variado no período considerado através da relação z = (100 – y)%.

Conhecendo-se os dados referentes ao conjunto da DRS-6, nos anos de 1971 e 1975, quando os casos conhecidos pelo atestado de óbito representaram respectivamente 54,4% (yo = 54,4) de 112 casos e 2,3% de 1267 casos, e supondo-se que a velocidade de declínio da sub-notificação (10-0,32x) encontrada nos 5 municípios fosse aplicável aos 80 municípios da região, a incidência total nos anos intermediários (1972, 1973 e 1974) seria aquela apresentada na Tabela 2. Acreditamos, contudo, que esta última suposição (qual seja, velocidade de declínio da sub-notificação = 10-0,32x para toda a DRS-6) não tenha suporte, pelas razões:

1. Os 5 municípios estudados não constituem uma amostra representativa (casual e probabilística) da DRS-6.

2. A comparação das "sub-notificações" observadas nos 5 municípios (Tabela 1) mostra que as velocidades não foram as mesmas para todos.

3. A média inicial obtida nesses 5 municípios (37,6%) foi muito diferente da sub-notificação média inicial de toda a região (54,4%).

É possível que os fatores que influenciaram as comunidades, no sentido de não serem omitidas as notificações da doença em pauta tenham atuado com intensidade diferente em cada comunidade, em decorrência de características culturais de cada uma. É possível também que as diferenças iniciais tenham corrido por conta de em uma maior sub-notificação nas pequenas comunidades, que foi se atenuando na medida em que a atuação do órgão Regional de Saúde foi se intensificando.

Por estas razões, o "fator de correção" obtido não pode ainda ser usado para corrigir o conjunto dos dados regionais, mês a mês, nos anos estudados.

Julgamos que apenas uma amostra representativa dos municípios permitiria elucidar o tipo de função Y em relação à X para toda a DRS-6. É válida contudo a metodologia apresentada para aplicação em outras regiões.

Sugerimos que as sub-notificações nos anos de 1972, 1973 e 1974 sejam pesquisadas e quantificadas para que se possam construir curvas de incidência da doença mais adequadas a uma análise, interpretação e avaliação do impacto provocado pelas medidas adotadas para o controle da epidemia.

 

CONCLUSÃO

Foi possível quantificar a "sub-notificação" dos casos de meningite em 5 municípios da DRS-6, que em termos percentuais seguiu uma função exponencial negativa com o tempo, no período de 1971 a 1975.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. LINDGREN. B. W. & McELRATH, G. W. Introduction to probability and statistics. 2nd ed. New York, Collier-Macmillan Student Editions, 1976.        [ Links ]

2. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Saúde. Norma técnica. SS-7/71. Diário Oficial do Estado, 12 fev. 1971. p. 24-30.        [ Links ]

3. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Saúde. Norma técnica; SS/71 reformulada. Diário Oficial do Estado, 23 fev. 1974. p. 41-2.        [ Links ]

4. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Saúde. Reforma administrativa: coletânea de textos legais e regulamentares. São Paulo, 1971.        [ Links ]

5. SWAROOP. S. Introduction to health statistics. Edinburgh Livingstone, 1960.        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 29/10/1976
Aprovado para publicação em 17/12/1976

 

 

* Relação nominal dos óbitos ocorridos no mês e respectivas causas, que os cartórios de paz enviam ao Centro de Saúde da sua área de jurisdição.