SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 issue3Vital characteristics of women as indicators of pregnancy riskBirth weight, Rohrer's ponderal index and postnatal birth author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública vol.14 n.3 São Paulo Sep. 1980

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101980000300005 

Educação em saúde na prevenção do risco gravídico pré-natal e interconcepcional: algumas características do comparecimento a serviços de atendimento pré-natal*

 

Health education in the prevention of prenatal and interconcepcional reproductive risk: some characteristics of pregnant women receiving care in prenatal care centers

 

 

Nelly Martins Ferreira Candeias

Do Departamento de Prática de Saúde Pública da Faculdade de Saúde Pública da USP — Av. Dr. Arnaldo, 715 — 01255 — São Paulo, SP — Brasil

 

 


RESUMO

Procurou-se, verificar se a proporção de mulheres que iniciaram a assistência pré-natal no primeiro e segundo trimestres da gravidez diferia significantemente da proporção de mulheres que iniciaram a assistência pré-natal no terceiro trimestre ou que não receberam assistência pré-natal. Nesta comparação consideraram-se as seguintes variáveis: risco gravídico, determinado pelo sistema de avaliação de Perkin, idade, paridade, intervalo entre as gestações, renda per capita familiar, escolaridade, naturalidade, estado civil e atitudes em relação à gravidez. Os resultados alcançados permitiram elaborar o conteúdo educativo de um programa dirigido a gestantes e puérperas.

Unitermos: Assistência pré-natal. Risco gravídico. Educação em saúde pública.


ABSTRACT

A comparative study was made to verify if the number of women who began prenatal care in the first and second trimesters of pregnancy differed significantly from that of those who began their care in the last trimester and, also, from those who received no prenatal care. The following variables were considered: reproductive risk as measured by Perkin's system of evaluation of reproductive risk, age, parity, medical history, birth interval, family income, schooling, place of birth, marital status, and attitude toward pregnancy. The results achieved led to the elaboration of an educational program for women receiving pre-and post-natal care.

Uniterms: Prenatal care. Pregnancy, risk Health education.


 

 

INTRODUÇÃO

É preciso que mulheres em idade fértil adotem medidas que permitam evitar ou controlar os riscos inerentes à gestação. Há sempre um risco na saúde da mãe que não pode ser totalmente eliminado mas, a par desse irredutível mínimo, há riscos que podem e devem ser controlados durante a assistência pré-natal e, em seguida, no período interconcepcional. A prevenção desse tipo de risco apresenta um contingente de natureza comportamental. Cabe à Educação em Saúde levar as gestantes a iniciar a assistência pré-natal no primeiro trimestre, a fazer visitas regulares durante a gravidez e a seguir a orientação recebida. E preciso que elas procurem a assistência pré-natal tão logo se apercebam da gravidez a fim de que se submetam a um exame completo, recebendo o tratamento adequado. Tal preocupação assume particular importância em gestações de alto-risco. Tem-se então a possibilidade de orientar a futura mãe sobre cuidados a tomar durante a gravidez, de prepará-la para o parto, dissipando inquietações e reduzindo riscos que contribuem para aumentar a morbimortalidade infantil. Igualmente significativo é o papel da Educação em Saúde durante o período interconcepcional. É preciso que as mulheres com risco gravídico compareçam regularmente a serviços de atendimento médico, a fim de que fatores capazes de prejudicar a gravidez subseqüente sejam oportunamente controlados.

Mostra a experiência, entretanto, que, mesmo em países onde existem bons serviços de atendimento médico, são justamente as mulheres mais necessitadas de tratamento e orientação as que menos comparecem, problema este do âmbito da Educação em Saúde 7.

Dados apresentados no XI Congresso de Genicologia e Obstetrícia, em 1975, confirmam estas considerações. No Brasil, a maioria dos óbitos maternos ainda se deve a problemas evitáveis, como hemorragia, infecções e toxemia. Comprova isto que, com acesso a uma assistência médica nem sempre eficiente e sem ter um nível cultural que lhes permita reconhecer a validade da assistência pré-natal, as gestantes, em grande parte previdenciárias do Instituto Nacional de Assistência Médica e Previdência Social (INAMPS), representam um dos pontos mais vulneráveis do setor saúde 5.

Tais considerações justificam o interesse dispensado ao presente estudo que, basicamente, procurou analisar a variável dependente, trimestre da gestante em que a assistência pré-natal teve início, em função de algumas variáveis independentes.

Especificamente pretendeu-se:

— Comparar mulheres que iniciaram o pré-natal no primeiro e segundo trimestres com mulheres que iniciaram o pré-natal no terceiro trimestre ou que não tiveram nenhuma assistência pré-natal.

— Conhecer o trimestre da gestação em que a assistência pré-natal teve início, em pacientes classificadas segundo o sistema de avaliação de risco gravídico de Perkin.

— Estudar a associação entre as variáveis incluídas no sistema de avaliação de Perkin e o trimestre de gestação em que as pacientes iniciaram a assistência pré-natal.

— Estudar a associação entre as variáveis estado civil e migração e o trimestre da gestação em que as pacientes iniciaram a assistência pré-natal.

— Estudar a associação entre atitudes das pacientes em relação à gravidez e trimestre da gestação em que a assistência pré-natal teve início.

— Estudar a associação entre atitudes dos maridos ou companheiros em relação à gravidez e trimestre da gestação em que a assistência pré-natal teve início.

 

MATERIAL E MÉTODOS

O presente estudo constitui um "survey" analítico, de caráter prático, não voltado, portanto, para a verificação de teorias sociológicas, porém visando à analise etiológica dos fenômenos a partir de hipóteses previamente elaboradas2.

Amostras

A população foi constituída por 404 mulheres internadas no Serviço de Obstetrícia do Hospital São Paulo, da Escola Paulista de Medicina. Estas mulheres foram entrevistadas consecutivamente após receberem alta médica, dando origem à informação básica utilizada no presente estudo.

Definida como amostra de uma população hipotética, esta população não favoreceu nem desfavoreceu a manifestação dos fenômenos em estudo, constituindo, portanto, uma amostra casual.

Variáveis selecionadas

Considerou-se como variável dependente o trimestre da gestação em que a assistência pré-natal teve início.

As variáveis independentes foram as seguintes: risco gravídico avaliado pelo sistema Perkin8, idade, paridade, história obstétrica, intervalo, renda per capita familiar, escolaridade, atitudes em relação à gravidez, naturalidade e estado civil.

Coleta e análise dos dados

As informações referentes a mulheres internadas no Serviço de Obstetrícia foram obtidas através de entrevistas realizadas por uma pesquisadora e duas alunas da Escola Paulista de Medicina. Após a entrevista, os formulários foram suplementados com informações registradas por dois médicos residentes a partir dos prontuários médicos.

A perfuração e o processamento dos cartões realizaram-se no Centro de Computação Eletrônica da Universidade de São Paulo, utilizando-se, para tanto, um equipamento de computação B-6700 da Burroughs.

Tendo em vista a natureza do presente estudo, optou-se pela aplicação de um teste não paramétrico. Utilizou-se o teste do qui-quadrado em quadros de associação e a decomposição do qui-quadrado em quadros de contingência, de acordo com os moldes preconizados por Cochran 1. Para isto recorreu-se ao Sistema SPSS.

Os testes estatísticos individuais ou globais realizaram-se a nível de significância de 5%. Sendo assim, todo o resultado dito significante, significa estatisticamente significante a nível de 5%.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os resultados referem-se a um total de 404 mulheres, contudo, nem sempre correspondem os mesmos a este total geral. Ocorre isto por algumas perguntas comportarem alternativas do tipo "não responde", "não se aplica" e "outros".

Nas tabelas, os resultados estatisticamente significantes estão assinalados com um asterisco.

Risco Gravídico

Para fins de análise estatística e com vistas a verificar hipóteses segundo a qual "a proporção de mulheres com alto risco gravídico é maior no grupo que inicia a assistência pré-natal no primeiro e segundo trimestres", agruparam-se os dados conforme Tabela 1.

 

 

Ao contrário das expectativas, os dois grupos não diferiram significantemente, quando analisados em termos do grau de risco gravídico, não se confirmando, portanto, a referida hipótese.

Idade

Quando se agruparam os dados conforme a Tabela 2, verificou-se haver maior proporção de mulheres que iniciaram o pré-natal no 1° e 2° trimestres (83,9%) no grupo com idade entre 30 e 34 anos, sendo seguido em importância (74,6%) pelo grupo de mulheres com idade de 21 a 29 anos. Contudo, a diferença não foi estatisticamente significante.

 

 

Paridade

Para fins de análise estatística agruparam-se os dados conforme Tabela 3.

 

 

No que se refere à paridade, a diferença entre os grupos não foi estatisticamente significante, tal como se deduz dos dados apresentados na Tabela 3. A hipótese segundo a qual à medida que aumentasse a paridade diminuiria o número de mulheres que iniciaria o pré-natal no 1° e 2° trimestres não se confirmou.

Doenças intercorrentes

A análise da associação estatística entre mulheres com ou sem doenças intercorrentes no ciclo gravídico e trimestre da gestação em que a assistência pré-natal teve início mostrou que as proporções foram significantemente diferentes, conforme Tabela 4.

 

 

De acordo com a Tabela 4, o fator "doenças intercorrentes" mostrou-se relevante na análise do comportamento em relação ao início da assistência pré-natal. Cerca de 82,7% das mulheres que a iniciaram no 1° e 2° trimestres da gestação apresentavam doenças intercorrentes, decrescendo a proporção para 69,6% em mulheres sem as mesmas. Tais dados confirmam a hipótese segundo a qual mulheres com doenças intercorrentes apresentam maior motivação para iniciar o pré-natal nos dois primeiros trimestres da gestação do que mulheres sem doenças intecorrentes. Sem dúvida, estes achados deixam transparecer maior percepção no que respeita à medicina curativa em detrimento da medicina preventiva, com óbvia desvantagem para a proteção da saúde materno-infantil.

Óbitos fetais

A análise estatística não revelou associação significante entre o trimestre em que a assistência pré-natal teve início e o fato de as mulheres terem ou não um histórico registrando óbitos fetais, conforme dados da Tabela 5.

 

 

Defeitos congênitos e óbitos infantis

Uma proporção mais elevada de mulheres, com casos de mortalidade infantil e defeitos congênitos registrados na história obstétrica anterior à presente gestação, iniciaram a assistência pré-natal no primeiro e segundo trimestres da gestação. Porém, como se observa na Tabela 6, as diferenças entre os dois grupos não foram estatisticamente significantes.

Intervalo

A Tabela 7 refere-se à distribuição das mulheres segundo o trimestre da gestação em que a assistência pré-natal teve início e intervalo, considerado aqui como o tempo decorrido entre o término da gestação anterior e o nascimento deste último filho.

 

 

Utilizando-se a decomposição aditiva do Qui-quadrado para fins de análise estatística, agruparam-se as mulheres com intervalo menor ou igual a 12 meses, com 13 a 24 meses e com 25 meses ou mais, conforme Tabelas 8, 9 e 10.

 

 

 

 

 

 

A proporção de mulheres que iniciaram o pré-natal no primeiro e segundo trimestres foi significantemente diferente nos grupos considerados. No que se refere à proporção de mulheres com intervalo menor ou igual a 12 meses e intervalo igual ou superior a 25 meses e mulheres com intervalo entre 13 e 24 meses, a diferença quanto ao início da assistência pré-natal não foi estatisticamente significante (Tabela 9). Foi significante, entretanto, a diferença encontrada entre o grupo com intervalo menor ou igual a 12 meses e o grupo com intervalo igual ou superior a 25 meses: 38,0% das mulheres que haviam iniciado a assistência pré-natal no terceiro trimestre ou que não tiveram nenhum atendimento médico haviam tido um filho num período igual ou inferior a 12 meses, enquanto que apenas 19,4% de mulheres estavam em igual situação no grupo com intervalo igual ou maior a 25 meses (Tabela 10). Estes achados parecem fundamentar a teoria de Deutsch4, segundo a qual a demora em procurar a assistência pré-natal pode ser interpretada como uma manifestação de protesto contra exigências relativas a uma identificação emocional positiva com o feto.

Condições sociais: renda e escolaridade

Quando se compararam os dois grupos segundo início da assistência pré-natal e renda per capita em salário mínimo, verificou-se haver maior proporção de mulheres que iniciaram o atendimento médico no grupo com renda superior a um salário mínimo (79,4%). Apesar disto e no que se refere à renda, a diferença entre os grupos não foi estatisticamente significante, como se verifica na Tabela 11.

 

 

No que se refere à escolaridade e de acordo com a Tabela 12, a diferença entre os grupos não foi estatisticamente significante.

 

 

Local de procedência e estado civil

Para fins de análise estatística, agruparam-se as mulheres conforme procedência e trimestre da gestação em que a assistência pré-natal teve início (Tabela 13).

 

 

A Tabela 14 permite observar a associação entre o trimestre da gestação em que o pré-natal teve início e o estado civil das mulheres em estudo. A análise das diferenças percentuais da prevalência de não comparecimento e comparecimento no terceiro trimestre mostra que as freqüências entre mulheres casadas e solteiras são estatisticamente significantes, havendo maior proporção de mulheres casadas que iniciaram a assistência pré-natal no primeiro ou segundo trimestre (78,0%) do que entre mulheres solteiras (50,0%). Tais resultados deixam evidente o risco da ilegitimidade no que concerne à saúde materno-infantil, fato este freqüentemente referido na literatura 3,6,9,10.

 

 

Atitudes em relação à gravidez

Com vistas a verificar hipótese segundo a qual há maior proporção de mulheres com atitudes positivas no grupo de mulheres que compareceram à assistência pré-natal no primeiro e segundo trimestres, agruparam-se os dados conforme Tabelas 15, 16 e 17.

 

 

 

 

 

 

No que se refere ao grupo que iniciou a assistência pré-natal no primeiro e segundo trimestres, a proporção de mulheres casadas com atitudes positivas (72,9%) é significantemente maior do que a do grupo de mulheres cujo pré-natal teve início no terceiro trimestre e sem assistência pré-natal (57,5%) (Tabela 15). Comprova-se assim a hipótese referida, porém apenas no que concerne ao grupo de mulheres casadas, uma vez que no grupo de mulheres solteiras, a análise estatística não revelou associação significante (Tabela 16).

Com vistas a verificar hipótese que afirma haver associação entre o trimestre em que teve início a assistência pré-natal e atitudes dos maridos ou companheiros em relação à gravidez, elaborou-se a Tabela 17.

De acordo com a Tabela 17, é estatisticamente significante a diferença entre as proporções encontradas, confirmando-se, assim, a hipótese referida.

 

CONCLUSÕES

1. Não houve associação entre grau de risco gravídico e trimestre da gravidez em que a assistência pré-natal teve início.

2. Não houve associação entre idade e trimestre da gravidez em que a assistência pré-natal teve início.

3. Não houve associação entre paridade e trimestre da gravidez em que a assistência pré-natal teve início.

4. A proporção de mulheres com doenças intercorrentes, que iniciaram a assistência pré-natal no primeiro e segundo trimestres da gravidez, foi significantemente maior do que a proporção de mulheres sem doenças intercorrentes.

5. Não houve associação entre ocorrências negativas anteriores, como óbitos infantis e/ou crianças com defeitos congênitos e trimestre da gravidez em que a assistência pré-natal teve início.

6. Não houve associação entre ocorrências negativas anteriores, como abortamentos, e trimestre da gravidez em que a assistência pré-natal teve início.

7. A proporção de mulheres com intervalo igual ou menor do que 12 meses, que iniciaram a assistência pré-natal no primeiro e segundo trimestres da gravidez, foi significantemente menor do que a proporção de mulheres com intervalo maior ou igual a 25 meses que iniciaram a assistência pré-natal no primeiro e segundo trimestres da gravidez.

8. Não houve associação entre renda per capita e trimestre da gravidez em que a assistência pré-natal teve início.

9. Não houve associação entre escolaridade e trimestre da gravidez em que a assistência pré-natal teve início.

10. Não houve associação entre migração e trimestre da gravidez em que a assistência pré-natal teve início.

11. A proporção de mulheres solteiras que iniciaram a assistência pré-natal no primeiro e segundo trimestres da gravidez foi significantemente menor do que a proporção de mulheres casadas que iniciaram a assistência pré-natal no primeiro e segundo trimestres da gravidez.

12. A proporção de mulheres casadas com atitudes positivas em relação à gravidez, que iniciaram a assistência pré-natal no primeiro e segundo trimestres da gravidez, foi significantemente maior do que a proporção de mulheres casadas com atitudes positivas em relação à gravidez que iniciaram a assistência pré-natal no terceiro trimestre da gravidez ou sem assistência pré-natal.

13. A proporção de mulheres cujos maridos ou companheiros demonstraram atitudes positivas em relação à gravidez e que iniciaram a assistência pré-natal no primeiro e segundo trimestres foi significantemente maior do que a proporção de mulheres cujos maridos ou companheiros demonstraram atitudes positivas em relação à gravidez e que iniciaram a assistência pré-natal no terceiro trimestre ou sem assistência pré-natal.

 

AGRADECIMENTOS

À Professora Ruth Sandoval Marcondes, pela orientação; ao Professor Pedro Augusto Marcondes de Almeida, pelas condições que proporcionou junto ao Serviço de Obstetrícia do Hospital São Paulo, na Escola Paulista de Medicina; ao Professor Ruy Laurenti, pela leitura do original e pelas sugestões que apresentou; ao Doutor Elias Rodrigues Paiva, pelo tratamento estatístico dos dados; a Liao Fu Fong, pela execução dos programas de processamentos de dados.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. COCHRAN, W. G. Some methods for strenghtening the common X2 test. Biometrics, 10:417-51, 1954.         [ Links ]

2. COLEMAN, J. S. Relational analysis: a study of social organization with survey methods. In: Denzin, N.K., ed. Sociological methods: a sourcebook. Chicago, Aldine Publ., 1970. p. 115-126.         [ Links ]

3. COLLVER, A. et al. Factors influencing the use of maternal health services. Soc. Sci. Med., 1:293-308, 1967.         [ Links ]

4. DEUTSCH, H. The psychology of women: motherwood. New York, Grune and Stratton, 1945. v. 2.         [ Links ]

5. GESTANTES ainda morrem por causas secundárias. O Estado de São Paulo, 7 set. 1975.         [ Links ]

6. NESBITT Jr., B.E.L. & AUBRY, B. H. High-risk obstetrics value of semiobjective grading system in identifying the vulnerable groups. Amer. J. Obstet. Gynecol., 103:972-85, 1969.         [ Links ]

7. ORGANIZACION MUNDIAL DE LA SALUD. Comité de Expertos en Higiene Maternoinfantil, Ginebra, 1960. La insuficiencia ponderal del recien nacido desde el punto de vista sanitario; tercer informe. Ginebra, 1961. (Ser. Inf. tecn., 217).         [ Links ]

8. PERKIN, G. Assessment of reproductive risk in non-pregnant women. Amer. J. Obstet. Gynec., 101:709-17, 1968.         [ Links ]

9. REEDER, S. R. & REEDER, L. G. Some correlates of prenatal care among low income wed and unwed women. Amer. J. Obstet. Gynec., 90:1304-14, 1964.         [ Links ]

10. TOKUHATA, G. K. et al. Prenatal care and obstetric abnormalities. J. chron. Dis., 26:163-85, 1973.        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 14/03/1980
Aprovado para publicação em 23/06/1980

 

 

* Trabalho baseado na tese de doutoramento apresentada à Faculdade de Saúde Pública da USP, 1979, subordinada ao título "Educação em saúde na prevenção do risco gravídico pré-natal e interconcepcional."