SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 issue6Prevalence of dental caries in 7-12 year-old school children of Araraquara, S. Paulo, Brazil, in 1979 author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública vol.16 n.6 São Paulo Dec. 1982

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101982000600001 

ARTIGO ORIGINAL

 

Pesquisa de alguns microrganismos em saladas com maionese adquiridas em restaurantes, lanchonetes e "rotisseries"

 

Research into microrganisms in mayonnaise salad obtained in restaurants, snack bars and "rotisseries"

 

 

Sirdeia Maura Perrone FurlanettoI; Ananias Azevedo LacerdaII; Maria Lucia Cerqueira-CamposII

IDo Departamento de Microbiologia e Imunologia do Instituto de Ciências Biomédicas da USP "Setor Saúde Pública" – Av. Dr. Arnaldo, 715 – 01255 – São Paulo, SP – Brasil
IIDo Departamento 3 de Farmácia Qualitativa da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal da Bahia – Campus da Federação – 40.000 – Salvador, BA – Brasil

 

 


RESUMO

Em vinte amostras de saladas com maionese foram efetuadas as contagens de bactérias mesófilas e psicrófilas, Staphylococcus aureus, Bacillus cereus, bolores e leveduras, a determinação do Número Mais Provável (NMP) de bactérias coliforme totais de Escherichia coli e de estreptococos fecais, bem como a pesquisa de salmonelas. A contagem de bactérias mesófilas variou de 2,64 x 104 a ³ 3 x 107/g do produto. Quanto às bactérias psicrófilas, as contagens variaram de < 10 a ³ 3 x 107/g. Para S. aureus, as contagens oscilaram de < 102 a 4 x 105/g do alimento, enquanto que para B. cereus os números mínimo e máximo foram < 102 e ³ 3 x 104/g, respectivamente. Para bolores e leveduras, as contagens variaram de 7,1 x 102 a 3,7 x 106/g. Com relação ao NMP de coliformes totais e estreptococos fecais, os resultados obtidos mostraram-se compreendidos entre < 0,03 e ³ 4,3 x 105/g. Quanto ao NMP de E. coli os números mínimo e máximo obtidos foram respectivamente de < 0,03 e ³ 2,4 x 104/g de salada com maionese. Tais constatações indicam a ocorrência de contaminação inclusive por microrganismos de origem fecal. Todas as amostras revelaram-se negativas para bactérias do gênero Salmonella.

Unitermos: Alimentos, contaminação. Microbiologia.


ABSTRACT

Twenty samples of mayonnaise salads obtained in restaurants, snack bars and "rotisseries" were analysed for total plate count of mesophilic and psichrophilic bacteria, yeasts and molds, enumeration and isolation of Staphylococcus aureus, Bacillus cereus, the MPN of totally coliform bacteria, Escherichia coli and fecal streptococci as well as for investigation into the occurrence of Salmonella. It was found, in total counts, of coliform and streptococci, that numbers were high in many samples, showing the occurrence of contamination probably during the handling of the food. All the analysed samples were positive to total coliforms as well as to Escherichia coli and fecal streptococci showing that the food had, at some point, suffered pollution of fecal origi n. Staphylococcus aureus and Bacillus cereus in varying proportions were found in different samples. All the samples were showed to be negative for Salmonella.

Uniterms: Food contamination. Food microbiology.


 

 

INTRODUÇÃO

Nos últimos 20 a 30 anos tem ocorrido, a nível mundial, aumento cada vez maior do número de estabelecimentos públicos de alimentação. Isto prende-se, principalmente, ao aumento da população e, portanto, ao número de pessoas que procuram tais estabelecimentos a fim de neles fazerem suas refeições ou adquirirem alimentos preparados, para serem consumidos no próprio domicílio.

Assim, em estabelecimentos públicos de alimentação, na Inglaterra, em 1950, eram consumidas um milhão e trezentas mil refeições por semana, sendo, atualmente, quase impossível se estabelecer, nesse país, uma estimativa a respeito. Na Suíça, cerca de 2 milhões de pessoas tomam pelo menos uma refeição fora do domicílio. Na Suécia são servidas, em restaurantes, aproximadamente 4 milhões de refeições por dia, enquanto que, tal estimativa, na Alemanha Ocidental, atinge a 18 milhões (Brodhage e Anderhub 4, 1975).

No Brasil, em São Paulo, bem como em outras cidades brasileiras, é comum também se fazer pelo menos uma refeição fora de casa, sendo a salada com maionese um dos alimentos comumente consumidos. Este alimento é basicamente composto por legumes cozidos, verduras e creme de maionese. Sendo preparado a partir de vegetais, estes podem, sobretudo os crus, conter na sua superfície microrganismos oriundos da água, do solo, de adubos e do ar. Assim, os ingredientes devem ser submetidos a uma lavagem cuidadosa, principalmente aqueles que serão posteriormente adicionados crus aos já cozidos. Deve-se levar em conta, também, que os ingredientes cozidos são picados após o cozimento e, portanto, sujeitos a contaminações oriundas dos manipuladores e utensílios.

Segundo Smittle 22 (1971), existe uma crença popular de que saladas adicionadas de molhos ou maionese deterioram-se rapidamente podendo causar riscos à saúde do consumidor. Por outro lado, esse mesmo autor argumenta que em vegetais e carnes, que são excelentes meios para o desenvolvimento de bactérias patogênicas, ocorre o retardamento do crescimento de salmonelas e estafilococos e a inibição da multiplicação de Bacillus cereus e Clostridium perfringens, quando esses produtos são adicionados de molhos, vinagre ou maionese. Entretanto Kotaka e col.13 (1979) investigando um surto de toxinfecção alimentar ocorrido em um restaurante situado em Curitiba, Estado do Paraná, isolaram das fezes de pessoas atingidas, cepas de Salmonella enteritidis e Salmonella typhimurium. Os autores concluiram por outro lado, que o alimento presumivelmente responsável pelo surto foi salada de batata com maionese.

Deve ser salientado que o creme de maionese, basicamente, é uma emulsão composta de azeite, ovos e vinagre. O vinagre pode exercer ação impediente do crescimento da maioria dos microrganismos, porém o azeite e, principalmente, os ovos, ao contrário, comportam-se como bons meios de cultura devido às suas propriedades nutritivas.

Assim sendo, além da microbiota dos vegetais que entram como ingredientes deste alimento, o descuido das normas habituais de higiene durante o seu preparo e manuseio por parte de manipuladores, e as condições em que são comumente armazenados estes produtos, fazem com que os microrganismos neles presentes possam vir ou não a causar alterações no alimento 2,7,8,10,11,12,14,16,19,25 ou intoxicações alimentares nos seus consumidores 26.

Partindo do exposto e dada a falta de investigações com este tipo de alimento em nosso meio, procurou-se estudar as condições microbiológicas de saladas com maionese oferecidas ao consumo em restaurantes, lanchonetes e "rotisseries", situadas na cidade de São Paulo, através da contagem de bactérias mesófilas e psicrófilas, Staphylococcus aureus, B. cereus e bolores e leveduras, assim como da determinação do NMP de bactérias coliformes totais, de Escherichia coli e estreptococos fecais e da pesquisa de bactérias do gênero Salmonella.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Foram adquiridas em diferentes restaurantes, lanchonetes e "rotisseries" da cidade de São Paulo, 20 amostras de salada com maionese. Uma vez adquirida a amostra, esta era levada imediatamente ao laboratório iniciando-se logo a seguir, as análises microbiológicas. O tempo decorrido entre a coleta das amostras e o início dos exames nunca excedeu de 60 min.

Tanto o preparo das amostras como de suas diluições foram realizados segundo as técnicas recomendadas por Thatcher e Clark 24 (1973). Assim, eram pesados 11 gr. do material, os quais eram colocados em liqüidificador estéril seguido da adição de 99 ml de água tamponada fosfatada estéril com pH 7,2, a fim de se obter uma diluição inicial de 10-1. Em seguida, procedia-se a liquidificação do material por 2 min, e a partir desta diluição inicial preparava-se uma série de diluições decimais de 10-2 a 10-5, empregando-se frascos com rolha de borracha contendo 9 ml de água fosfatada estéril.

Contagem padrão em placas de bactérias mesófilas e psicrófilas (American Public Health Association (APHA)1, 1976

Um ml de cada diluição do material a ser examinado, em duplicata, era depositado no fundo de duas séries de placas de Petri estéreis e a seguir eram vertidos, em cada placa, 15 ml de ágar glicose-extrato levedo-triptona fundido e resfriado a 45°C. Após a homogeneização e solidificação do agar, uma das séries era incubada a 35°C por 48 h, para a contagem de bactérias mesófilas c, a outra, a 7°C por 10 dias para a de psicrófilas. Após a incubação eram selecionadas, de cada série, as placas contendo entre 30 e 300 colônias. Em seguida, nestas placas, procedia-se à contagem do respectivo número de colônias, o qual era multiplicado pela recíproca da diluição correspondente, a fim de obter-se o número de bactérias mesófilas e psicrófilas por grama de maionese.

Contagem de bolores e leveduras (APHA 1, 1976) – O preparo das placas e o cálculo final do número destes microrganismos por grama do alimento eram realizados da mesma forma que a descrita para a contagem de bactérias mesófilas e psicrófilas, porém o meio de cultura utilizado era o ágar glicose-batata acidificado, sendo a incubação feita à temperatura de 23°C. As leituras eram procedidas após 3 a 5 dias de incubação.

Contagem, isolamento e identificação de S. aureus (Thatcher e Clark 24, 1973)

Na contagem destas bactérias, 0,1 ml de cada diluição do material a ser examinado era depositado na superfície do ágar Baird-Parker em placas de Petri. O inóculo era espalhado sobre o ágar empregando-se, para tal, alça de Drigalski e, a seguir, as placas eram incubadas a temperatura de 35°C por 24 e 48 h. Após a incubação, procedia-se à contagem de número de colônias, em placas contendo entre 30 e 300 colônias. Eram contadas as colônias negras, brilhantes, com zona de precipitação circundada por um halo de transparência. O cálculo do número de S. aureus por grama de maionese era feito multiplicando-se por 10 o número de colônias contadas e a seguir multiplicando-se o resultado pela recíproca da diluição correspondente à placa de contagem.

Da placa de contagem, procedia-se o isolamento de colônias típicas, as quais eram semeadas em ágar simples inclinado. Após 24 h de incubação a 35°C, eram preparados esfregaços corados pelo método de Gram, para a verificação da morfologia das cêpas isoladas. As cepas que microscopicamente se mostravam como cocos Gram-positivos dispostos em cachos, eram submetidas às provas de verificação de produção de catalase (Baird-Parker 3, 1966), da fermentação-oxidação da glicose, segundo técnica preconizada pelo Subcomitê Internacional de Taxonomia de Staphylococcus e Micrococcus 23 (1965), da produção de DNase (Di Salvo 5, 1958) e de coagulase livre de acordo com a técnica usada por Zelante 27 (1974). Tais provas devem ser positivas quando se trata de S. aureus.

Contagem, isolamento e identificação de B. cereus

De cada diluição do produto, era tomado um volume de 0,1 ml, o qual era depositado na superfície de ágar gema de ovo-polimixina-vermelho de fenol. O inóculo era espalhado sobre o ágar através de alça de Drigalski. As placas eram então incubadas à temperatura de 35°C por 24 a 48 h, após o que eram selecionadas as placas contendo entre 3 e 30 colônias (APHA 1 , 1976). Nestas placas procedia-se à contagem de colônias com aspecto ceroso, de cor rósea e apresentando um denso halo de precipitação. O número de colônias contadas, era multiplicado por 10 e, em seguida pela recíproca da diluição correspondente, a fim de se obter o número de bactérias por grama de maionese.

Das placas de contagem, procedia-se o isolamento de colônias típicas as quais eram semeadas em ágar simples inclinado, seguido de incubação a 35°C por 24 h. Em seguida eram realizadas provas bioquímicas de identificação.

Eram consideradas como cepas típicas de B. cereus as que apresentavam positividade para a produção de gelatinase e amilase, redução do nitrato, prova de Voges Proskauer, fermentação da glicose, salicina, sacarose e glicerina (Thatcher e Clark 24, 1973), fermentação anaeróbia da glicose, crescimento em ágar hidrato de cloral e em caldo simples contendo 10% de NaCl, e resultados negativos no que concerne à fermentação de arabinose, xilose e manitol (Mcssel e col.18, 1967).

Determinação do NMP de coliformes totais (Thatcher e Clark 24, 1973) – De cada diluição inoculava-se 1 ml, em triplicata, em tubos contendo caldo lactosado com tubo de Durham, após o que procedia-se a incubação a 35°C por 24 e 48 h. A seguir, de todos os tubos que se revelavam com prova presuntiva positiva, ou seja, com produção de gás, procedia-se à passagem em placas de ágar eosina azul de metileno (EAM de Levine) sendo estas incubadas a 35°C por 24 h. De cada placa eram escolhidas 3 colônias com características das de coliformes, sendo cada uma delas semeada em dois tubos contendo, respectivamente, caldo lactosado com tubo de Durham e agar simples inclinado, os quais eram, a seguir, incubados a 35°C. Eram consideradas como provas positivas para coliformes quando os tubos de caldo lactosado, após 24 e 48 h, apresentavam produção de gás, e os esfregaços, feitos a partir da cultura de 24 h em ágar inclinado, mostravam a presença de bacilos Gram-negativos, não esporulados.

Determinação do NMP de E. coli (Thatcher e Clark 24, 1973) – A partir de cada tubo de caldo lactosado, inoculado na prova presuntiva para coliformes totais e apresentando gás, era feito um repique para tubo de caldo EC, contendo tubo de Durham. Os tubos eram incubados à temperatura de 45,5°C por 24 h.

Em seguida, a partir de cada tubo revelando-se com produção de gás, procedia-se à passagem da cultura em placa de ágar EAM de Levine, a qual era, posteriormente, incubada a 35°C por 24 h. Findo este período, de cada placa eram selecionadas três colônias de bactérias fermentadoras de lactose e cada uma delas era inoculada em dois tubos contendo, respectivamente, caldo lactosado com tubo de Durham e ágar simples inclinado, os quais eram incubados a 35°C por 24 a 48 h. Havendo produção de gás no caldo lactosado e somente a presença de bacilos Gram-negativos no esfregaço feito a partir das culturas de 24 h em agar simples inclinado, cada cepa era semeada em tubos com água peptonada para a pesquisa da produção de indol, com meio de Clark e Lubs para a realização das provas do vermelho de metila (VM) e Voges Proskauer (VP), em ágar citrato de Simmons para a verificação do aproveitamento do citrato como fonte de carbono.

Quando as provas do indol e do VM eram positivas e as de VP e do citrato negativas, considerava-se a bactéria inoculada como sendo E. coli.

As determinações do NMP de coliformes totais de E. coli eram feitas a partir do número de porções positivas respectivas e usando-se a tabela de Números Mais Prováveis 1.

Determinação do NMP de estreptococos fecais – (Thatcher e Clark 24, 1973) – De cada diluição eram inoculados 3 tubos de caldo dextrose-azida. Após incubação a 35°C por 24 e 48 h, dos tubos com prova presuntiva positiva, ou seja, que apresentavam turvação, eram feitos repiques para tubos de caldo etil violeta-azida (EVA) a fim de se proceder à prova confirmatória. Após incubação a 35°C por 24 e 48 h, eram consideradas provas confirmatórias positivas para estreptococos fecais, quando os tubos de caldo EVA se apresentavam com crescimento bacteriano evidente e formação de um sedimento de cor violeta.

A determinação do NMP de estreptococos fecais era realizada a partir do número de porções positivas e usando-se a tabela de Números Mais Prováveis 1.

Pesquisa de salmonelas (Thatcher e Clark 24, 1973) – Eram pesadas, em duplicata, 25 g de salada com maionese e colocadas em 2 frascos contendo, respectivamente, caldo selenito-cistina e caldo tetrationato, os quais eram, a seguir, incubados por 24 e 48 h à temperatura de 35°C. Após à incubação, a partir destas culturas, semeavam-se placas de ágar SS e ágar verde brilhante as quais eram então incubadas a 35°C por 24 h. Após a incubação, selecionavam-se de cada placa algumas colônias com características das de bactérias não fermentadoras da lactose e estas eram semeadas em tubos contendo ágar tríplice-açúcar ferro, os quais eram, a seguir, incubados a 35°C por 24 h. Posteriormente, procedia-se à identificação bioquímica e sorológica das cêpas suspeitas de serem de salmonela. (Edwards e Ewing 6, 1962).

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

No presente estudo as amostras de salada com maionese examinadas revelaram-se com pH variando de 4,9 a 6,6. Esta foi, talvez, a razão pela qual não se obteve o isolamento de bactérias do gênero Salmonella de nenhuma das 20 amostras analisadas e porque 70% delas mostraram-se com números inferiores a 102/g de S. aureus (Tabela 3), embora para estes dois grupos de bactérias não se faça comumente comparações quanto à sua resistência. A este respeito, salienta-se que McCroan e col.16, Khan e McCaskey 11 (1973), McKinley e col.17 (1974), com base em resultados de seus estudos, concluiram que a baixa incidência de salmonelas, coliformes e estafilococos em saladas e sanduíches se deve à ação do ácido acético existente em molhos e maioneses adicionados a estes alimentos. Porém, esses autores afirmam que o efeito inibidor de bactérias patogênicas é dado não só pelo baixo pH, mas também pelo efeito tóxico do ácido acético presente nesses produtos. Ainda com relação ao pH, Holtzapffel e Mossel 9 (1968) mostraram que salmonelas e S. aureus morrem em saladas de vegetais com pH 4,2.

Rappaport e Goepfert 20 (1975) inocularam S. typhimurium e S. aureus em saladas de presunto com maionese cujo pH era da ordem de 5,3 e em saladas de frango com maionese cujo pH era de 5,1 a 5,3. As bactérias previamente inoculadas eram inativadas, enquanto que em saladas desses mesmos tipos de alimentos sem maionese este fenômeno não ocorria. O mesmo não se repetiu em experiências realizadas por Lerche 15 (1961) em saladas contendo carne e maionese, nas quais eram inoculadas cepas de salmonelas. O autor verificou que, nos pequenos fragmentos de carne, as salmonelas se mantinham viáveis porque o pH deste alimento não chegava a ser suficientemente baixo para inativar ou inibir o crescimento dessas bactérias.

No presente estudo obteve-se como contagem mínima de S. aureus <102/g, enquanto que a máxima foi de 4 X 105/g (Tabela 1). Estes valores foram superiores aos obtidos por Rasmunssen e Strong 21 (1967) que analisando saladas de vegetais com maionese obtiveram resultados variando de zero a 2,4 X 104 S. aureus por grama do alimento. Com relação à contagem padrão de bactérias mesófilas viáveis, esses autores encontraram valores compreendidos entre 6 X 102/g e 8,35 X 106/g; por outro lado, o NMP de coliformes e de estreptococos fecais variaram de zero a 2,4 X 104/g e de 5 a 2,4 X 104/g, respectivamente. Estes resultados também são inferiores aos obtidos na presente investigação, pois, de acordo com a Tabela 1 os valores obtidos na contagem padrão de bactérias mesófilas variaram de 2,64 X 104 a ³ 3 X 107/g de maionese, e para o NMP de coliformes e de estreptococos fecais os resultados mostraram-se compreendidos, respectivamente, entre < 0,03 e ³ 4,3 X 105/g e de < 0,03 a ³ 4,3 X 105/g do alimento.

Analisando-se a Tabela 1 pode-se também verificar que a contagem de B. cereus variou de < 102/g a ³ 3 X 104/g. Observa-se, ainda, que para bactérias psicrófilas esses valores variaram de < 10/g a ³ 3 X 107/g e para bolores e leveduras de 7,1 X 102 a 3,7 X 106/g enquanto que para E. coli os NMP mínimo e máximo foram de < 0,03 e de ³ 2,4 X 104/g.

Analisando-se a Tabela 2 pode-se constatar que para bactérias mesófilas todas as amostras examinadas revelaram-se com número igual ou superior a 104/g, salientando-se que em 16 amostras (80%) os números contados foram muito altos, ou seja, de 106 ou mais por grama, indicando a ocorrência de contaminação provavelmente durante o processo de manipulação do alimento. Por outro lado, a grande maioria (70%) das amostras mostrou-se com 103 ou mais bactérias psicrófilas por grama, sendo que em 8 amostras (40%) os números contados foram de 106 ou mais bactérias por grama; tais resultados sugerem que mesmo o produto sendo mantido a temperatura de geladeira a sua deterioração poderia ocorrer em um tempo relativamente curto, dada a alta quantidade de bactérias psicrófilas existentes.

Com relação a contagem de bolores e leveduras, estas revelaram-se sempre com número igual ou superior a 102/g de salada com maionese sendo que a maioria (65%) continha 104 ou mais destes microrganismos por grama do produto.

Das amostras analisadas, em 16 (80%) constatou-se a presença de bactérias coliformes totais, assim como de E. coli 8(40%) e de estreptococos fecais 19 (95%) indicando que o alimento em algum instante sofreu poluição de origem fecal. Cumpre salientar que, havendo poluição fecal, bactérias patogênicas de origem intestinal podem estar também presentes no alimento, as quais, se conseguirem resistir à acidez do produto, poderão representar risco à saúde do consumidor.

Na Tabela 3, pode-se verificar que os números de B. cereus encontrados foram de forma geral baixos, pois 75% das amostras examinadas revelaram-se com números superiores a 102/g para essa bactéria.

 

CONCLUSÕES

1. Das 20 amostras de saladas com maionese examinadas, 16 (80%) revelaram resultados positivos para coliformes totais, 8 (40%) para E. coli e 19 (95%) para estreptococos fecais.

2. Os valores obtidos na contagem padrão de bactérias mesófilas variaram de 2,64 X 104 a ³ 3 X 107/g do produto.

3. A contagem de bactérias psicrófilas variou de < 10/g a ³ 3 X 107/g.

4. Na contagem de S. aureas em 30% das amostras as contagens estiveram compreendidas entre < 102 e 106/g do alimento.

5. Na contagem de B. cereus em 25% das amostras os números variaram de < 102 a ³ 3 X 104/g.

6. Para bolores e leveduras as contagens oscilaram entre 7,1 X 102 e 3,7 X 106/g.

7. Todas as amostras revelaram-se negativas para bactérias do gênero Salmonella.

8. Os valores obtidos nas contagens dos vários grupos de microrganismos pesquisados podem ser considerados altos em várias amostras, os quais podem ser resultado de más condições sanitárias das hortaliças e/ou manipulação e/ou conservação do alimento realizadas em condições não satisfatórias.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION. Compendium of methods for the microbiological examination of foods. Washington, D.C., 1976.        [ Links ]

2. APLEMAN, M.D. et al. An investigation of a mayonnaise spoilage. Food Technol., 3:201-3, 1949.        [ Links ]

3. BAIRD-PARKER, A.C. Methods for classifying staphylococci and micrococci. In: Gibbs, B.M. & Skinner, F.A. Identification methods for micro biologists. London, Academic Press, 1966. p. 59-64.        [ Links ]

4. BRODHAGE, H. & ANDERHUB, B. Hygiene in catering. In: Hobbs, B.C. & Christian, J.H.B. The microbiological safety of food. 2nd ed. London, Academic Press, 1975. p. 47-8.        [ Links ]

5. DI SALVO, G.W. Desoxyrribonuclease and coagulase activity of micrococci. Med. Techn. Bull., 9:191-6, 1958.        [ Links ]

6. EDWARDS, P.R. & EWING, W.H. Identification of enterobacteriaceae. 2nd ed. Minneapolis, Burgess Publishing, 1962. p. 92-187.        [ Links ]

7. FABIAN, F.W. & WETHINGTON, M.C. Bacterial and chemical analyses of mayonnaise, salad dressing, and related products. Food Res., 15:138-45, 1950.        [ Links ]

8. FABIAN, F.W. & WETHINGTON, M.C. Spoilage in salad and french dressing due to yeast. Food Res., 15:135-7, 1950.        [ Links ]

9. HOITZAPFFEL, D. & MOSSEL, D.A.A. The survival of pathogenic bacteria and the microbial spoilage of salads containing meat, fish and vegetables. J. Food Technol., 3:233-9, 1968.        [ Links ]

10. KERELUK, K. & GUNDERSON, M.F. Studies on the bacteriological quantity of frozen meat pies. I – Bacteriological survey of some commercially frozen meat pies. Appl. Microbiol., 7:320-3, 1959.        [ Links ]

11. KHAN, N. A. & McCASKEY, T.A. Incidence of salmonellae in commercially prepared sandwiches for the vending trade. J. milk Food Technol., 36:315-6, 1973.        [ Links ]

12. KINTNER, T.C. & MANGEL, M. Survival of staphylococci and salmonellae experimentally inoculated into salad dressing prepared with dried eggs. Food Res., 18:6-10, 1953.        [ Links ]

13. KOTAKA, P.I. et al. Surto de toxi-infecção alimentar, ocorrido em Curitiba – Paraná/1978. Bol. epidem., Rio de Janeiro, 11:49-56, 1979.        [ Links ]

14. KURTZMAN, C.P. et al. Microbiological spoilage of mayonnaise and salad dressings. Appl. Microbiol., 21:870-4, 1971.        [ Links ]

15. LERCHE, M. Zur lebensfähigkeit von salmonellakterien in mayonnaise und fleischsalat. Wien. tierärztl. Mschr., 48:348-61, 1961.        [ Links ]

16. McCROAN, J.E. et al. Staphylococcus and salmonellae in commercial wrapped sandwiches. Publ. Hlth Rep., 79:997-1004, 1964.        [ Links ]

17. McKINLEY, T.W. et al. Staphylococcal growth and enterotoxim production in chicken and chicken salad. Quart. Bull. Ass. Food Drug Off. U.S., 38:56, 1974.        [ Links ]

18. MOSSEL, D.A.A. et al. Enumeration of Bacillus cereus in foods. Appl. Microbiol., 15:650-3, 1967.        [ Links ]

19. PERDENSON, C.S. Bacterial spoilage of a Thousand Island dressing. J. Bact., 20: 99-106, 1930.        [ Links ]

20. RAPPAPORT, H. & GOEPFERT, J.M. Behavior of Salmonella and Staphylococcus aureus: annual report. Madison, Wis., Food Research Institute, 1975.        [ Links ]

21. RASMUSSEN, C.A. & STRONG, D.H. Bacteria in chilled delicatessen foods. Publ. Hlth Rep., 82:353-9, 1967.        [ Links ]

22. SMITTLE, R.B. Microbiology of mayonnaise and salad dressing: a review. J. Food Protec., 40:415-22, 1977.        [ Links ]

23. SUBCOMMITTEE on Taxonomy of Staphylococci and Micrococci. Minutes of First Meeting (5th – 6th October, 1964). Int. Bull. bact. Nomencl., 15:107-8, 1965.        [ Links ]

24. THATCHER, F.S. & CLARK, D.S. Analises microbiologico de los alimentos. Zaragoza, Ed. Acríbia, 1973. p. 70-169.        [ Links ]

25. VLALDIMIROV, B.D. & NEFEDIEVA, N.P. Mayonnaise as culture medium for microorganisms. Voprosy Pitaniya, 6:85-96, 1937, Apud Chem. Abstr., 32:7955, 1938.        [ Links ]

26. WETHINGTON, M.C. & FABIAN, F.W. Viability of food poisoning staphylococci and salmonellae in salad dressing and salmonellae in salad dressing and mayonnaise. Food Res., 15:125-34, 1950.        [ Links ]

27. ZELANTE, F. Contribuição para o estudo de Staphylococcus isolados de canais radiculares. São Paulo, 1974. [Tese de Livre-Docência – Instituto de Ciências Biomédicas da USP].        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 19/11/1981
Aprovado para publicação em 16/08/1982