SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 issue4Characteristics of Brazilian adolescent mortality author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública vol.17 n.4 São Paulo Aug. 1983

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101983000400001 

ARTIGO ORIGINAL

 

Aspectos ecológicos da tripanossomíase americana. XVIII – Desenvolvimento e ciclos anuais de colônias de Triatoma infestans, T. sordida e Rhodnius neglectus em ecótopos artificiais, no ambiente peri e extradomiciliar

 

Ecological aspects of South American trypanosomiasis. XVIII – Development and annual cycles of Triatoma infestans, T. sordida and Rhodnius neglectus colonies in artificial ecotopes in the peri and extradomiciliar environment

 

 

Oswaldo Paulo ForattiniI; Octávio Alves FerreiraII; Ernesto Xavier RabelloI; José Maria Soares BarataI; Jair Licio Ferreira SantosI

IDo Departamento de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da USP – Av. Dr. Arnaldo, 715 – 01255 – São Paulo, SP – Brasil
IIDa Superintendência de Controle de Endemias – SUCEN – Rua Tamandaré, 639 – 01525 – São Paulo, SP – Brasil

 

 


RESUMO

Em colônias de Triatoma infestans, T. sordida e Rhodnius neglectus, espontaneamente desenvolvidas em galinheiros experimentais, observou-se as condições de desenvolvimento, variação, permanência e mobilidade de seus componentes. São também apresentados os dados obtidos sobre os ciclos anuais e a sobrevivência. Para as três espécies o desenvolvimento das colônias revelou-se com seu aspecto cíclico, caracterizado pela maior produção de formas adultas no decurso do primeiro semestre do ano. No caso particular de T. sordida, esse fenômeno torna-se evidente no primeiro trimestre ou quadrimestre anual, ocasião em que coincide com o encontro dessa espécie no ambiente domiciliar. O T. infestans revelou capacidade de dispersão ativa por parte de formas adultas, atingindo edifícios situados nas proximidades. Face à atividade cíclica, considera-se o período de produção de adultos como "infestante" para o ambiente domiciliar "suscetível", ou seja, aquele que foi previamente submetido ao expurgo. Nesse período, ocorre o risco de reinfestação e subseqüente domiciliação por parte de T. sordida e de R. neglectus, a partir do ambiente extradomiciliar. No caso de existência de colônias domiciliadas de T. infestans, o mesmo período será propício para que esta espécie amplie a sua dispersão, invadindo novos domicílios. Tais informações apresentam utilidade para sua aplicação na vigilância epidemiológica.

Unitermos: Tripanossomíase americana. Triatoma infestans. Triatoma sordida. Rhodnius neglectus. Triatomíneos, domiciliação. Triatomíneos, dispersão. Triatomíneos, dinâmica populacional. Ecologia.


ABSTRACT

Spontaneous colonies of Triatoma infestans, T. sordida and Rhodnius neglectus developed in experimental fowlhouses were observed for the conditions under which they developed, their variations, permanence, annual cycles and survival. Of nine of these colonies three were mixed, one of them with T. infestans and T. sordida and two with T. sordida and R. neglectus. For all the triatomine species the colonies' development showed a cyclic rhythm with an increase of the production of adults in the first semester of the year. For T. sordida this production was particularly high in the first three or four months of the year, followed by a similar pattern of females findings in the dwellings. An active dispersal capacity in T. infestans was demonstrated by the adults findings in the ecotopes surrounding dwellings. This cyclic dynamic of the colonies permits identification of the "infestant" period for the "susceptible" domiciliary environment represented by the cleaned dwellings. The reinfestation risk from extradomiciliary T. sordida and R. neglectus occurs at this time. At the same time, if there are previously developed T. infestans colonies in this environment, they may be dispersed to other new dwellings. The information will be of use in epidemiological surveillance.

Uniterms: Trypanosomiasis, South American. Triatoma infestans. Triatoma sordida. Rhodnius neglectus. Triatomine, domiciliation. Triatomine, dispersal. Triatomine, population dynamics. Ecology.


 

 

INTRODUÇÃO

Em publicação anterior (Forattini, 1983), foram expostos os resultados de observações levadas a efeito em áreas situadas na região biogeográfica do domínio paisagístico dos cerrados, correspondente ao centro de dispersão do Triatoma sórdida. Nessa oportunidade, pôde-se acompanhar o processo de domiciliação de três populações triatomíneas representadas por aquela espécie e por Triatoma infestans e Rhodnius neglectus. Ao observar a reinfestação do ambiente domiciliar, após o expurgo realizado, foi possível também detectar alguns dos prováveis processos de reintrodução da infecção. Em linhas gerais, a reinfestação triatomínea e conseqüente domiciliação obedeceram a dois tipos essenciais. O primeiro, como decorrente da atuação humana no transporte passivo e reinstalação do T. infestans nas áreas tratadas. O segundo devido à capacidade de dispersão ativa, refletindo a dinâmica populacional dos focos extradomiciliares de triatomíneos silvestres, representados por T. sordida e R. neglectus, e subseqüente invasão dos domicílios. Nessa mesma oportunidade, a instalação e acompanhamento de galinheiros experimentais (GE) permitiu a obtenção de colonizações espontâneas desses ecótopos por parte desses três triatomíneos. Assim sendo pôde-se seguir o desenvolvimento dessas colônias, detectando informações complementares às conseguidas nas mencionadas pesquisas, que possibilitaram compreensão mais detalhada dos mecanismos de domiciliação dessas espécies. Com isso pretendeu-se adquirir subsídios que fossem aplicáveis para maior eficácia das atividades de vigilância a serem desenvolvidas após o expurgo domiciliar.

 

MATERIAL E MÉTODOS

De acordo com o que foi relatado anteriormente, os exames dos galinheiros experimentais (GE), instalados nas várias áreas e levados a efeito a partir de janeiro de 1976, revelaram a colonização de triatomíneos em nove desses ecótopos. Tais inspecções obedeceram a ritmo aproximadamente trimestral e consistiram na contagem de todas as formas encontradas e na marcação dos adultos e das ninfas de quarto e de quinto estádios (Forattini e col.2, 4, 1979, 1983). Essa marcação teve apenas o fito de identificação do ecótopo e do exame onde as referidas formas foram encontradas, não tendo havido preocupação de identificar individualmente os espécimens. Assim sendo, o reencontro em inspecções subseqüentes não significou, necessariamente, tratar-se do mesmo exemplar, mas sim de indivíduo pertencente ao lote marcado em determinado exame realizado em determinado GE. O período de observação prolongou-se até junho de 1978, em seis desses biótopos, a saber, a2, a3, b1 b2, e3, f1. Nos três restantes, a1 f2 e f3, as observações foram encerradas, em dezembro de 1977, para possibilitar sua concentração naqueles onde a evolução das colônias apresentavam aspectos que justificaram o prolongamento até a data supramencionada.

Tendo em vista sua localização, esses ecótopos artificiais foram classificados em peri e extradomiciliares. No primeiro grupo incluiram-se b1, e3, f1, e no segundo, os demais.

Para a avaliação da duração dos estádios e da sobrevivência, adotou-se a técnica de Kiritani e Nakasujii modificada por Manly 8 (1976), e relatada na sua aplicação às colônias desenvolvidas nos GE, em trabalhos anteriores (Forattini e col.1, 3, 1977, 1979).

 

RESULTADOS

No decurso de 30 meses foram levados a efeito exames trimestrais, em número global variável de 9 a 11, nos GE instalados em datas e situações já relatadas (Forattini e col.4, 1983). A Tabela 1 mostra a seqüência temporal dessas inspecções e a evolução da positividade observada em nove desses ecótopos. As Tabelas 2 a 7 apresentam os resultados quantitativos neles obtidos por ocasião dos exames e datas correspondentes. Como se pode ver, em cinco GE ocorreu colonização triatomínea uniespecífica, representada por uma de T. infestans em e3 (Tabela 2), embora com tentativa malograda de invasão por parte de T. sordida, três deste mesmo triatomíneo em a1, b2 e f2 (Tabelas 3 e 4) e uma de R. neglectus em f1 (Tabela 5). Em outros três desses ecótopos desenvolveram-se colônias mistas representadas por uma de T. infestans, conjuntamente com T. sordida em b1 (Tabela 6), e duas em conjunto de T. sordida e de R. neglectus em a2 e a3 (Tabela 7). Finalmente, em f3 (Tabela 4) verificou-se princípio de colonização por parte de T. sordida, embora tardiamente, decorridos 18 meses do início da série de exames.

Quando da realização dos vários exames nos GE, pôde-se surpreender a presença de animais visitantes outros, que não triatomíneos. Alguns, aparentemente, instalaram--se nesses ecótopos, como se observou em relação a baratas e formigas que chegaram a constituir apreciáveis populações. Os demais, representados por diversos vertebrados, foram capturados em vários GE sem que, contudo, se pudesse evidenciar sinais de nidificação, motivo pelo qual foram considerados como visitantes temporários. Assim sendo, os encontros registrados foram os seguintes:

 

 

A presença de visitantes predadores em e3, e talvez também em b1, coincidiu com acentuado decréscimo no crescimento das colônias, principalmente de T. infestans. Foi o caso da invasão de camundongos (Mus) e de ratos (Rattus) no primeiro desses GE e, possivelmente, de formigas (Camponotus) no segundo. Por outro lado, em algumas inspecções pôde-se constatar a aparente presença de certa territorialidade nos casos de colonização mista. Tal aspecto tornou-se evidente em b1 onde o T. infestans foi predominantemente encontrado, em algumas ocasiões, na parede posterior do ecótopo, ao passo que o T. sordida o era nas laterais. Todavia, não foi possível levar avante observações adequadas que permitissem a obtenção de dados precisos nesse particular.

Considerando-se os dados globais referentes ao T. sordida nos GE extradomiciliares a1, a2, a3, b2, f2 e f3 (Tabela 1) foi possível observar as flutuações do desenvolvimento de adultos. Para tanto, foram calculadas as proporções dessas formas, encontradas por ocasião de cada exame, em relação às demais, excluídos os ovos. A Figura 1 mostra a curva representativa da variação dos adultos bem como, em destaque, a referente às fêmeas. Incluiram-se também os dados sobre o encontro de espécimens femininos no ambiente domiciliar, quando das seis pesquisas de vigilância nas áreas tratadas, e que foram realizadas concomitantemente com igual número de exames nos galinheiros experimentais (Forattini e col.4, 1983). Observou-se assim concordância nas três representações gráficas, com flutuações cíclicas de aumento proporcional no primeiro trimestre ou quadrimestre do ano, ou seja, no período correspondente de janeiro a março/abril.

Duração dos estádios e sobrevivência – Os estádios medianos referentes às colônias de cada espécie estão apresentados na Tabela 8. Deixaram de figurar os de T. infestans posteriores ao 5o exame no GE e3 uma vez que, a partir do 6o, constatou-se a visita de camundongos (Mus) cuja atividade predatória veio prejudicar a comparação com os dados obtidos nos exames subseqüentes. Os valores correspondentes à colonização de T. infestans no GE b1 e à soma dos sete e dos três desses ecótopos nos quais se desenvolveram, respectivamente, colônias de T. sordida e de R. neglectus, acham-se distribuídos pelo tempo no gráfico da Figura 2 onde estão representadas as curvas referentes a cada uma dessas espécies. Pôde-se assim verificar o comportamento cíclico correspondendo ao maior envelhecimento ou à maior produção de formas adultas no período de dezembro a junho, ou seja, no primeiro semestre do ano.

Para o cálculo da duração média de cada estádio, os ciclos selecionados e os respectivos estádios medianos calculados por médias móveis, para os exames correspondentes ao centro da média móvel e considerados os conjuntos dos GE para cada espécie, foram os seguintes:

 

 

As informações de sobrevivência e duração dos estádios, para as três espécies, constam da Tabela 9. Observou-se assim que a duração do período compreendendo os estádios de 1 a 5 foi de 387 dias para T. infestans, de 468 para T. sordida e de 327 para R. neglectus. De cada 100 ovos eclodidos chegaram ao fim do 5o estádio 9 indivíduos de T. infestans, 28 de T. sordida e 45 de R. neglectus. Considerando-se os vários estádios, verifica-se que para as duas primeiras espécies, o 4o e o 5o são os de mais longa duração, ao passo que para a terceira isso não se observou, pois a duração de cada estádio se manteve pouco variável, com o 5o praticamente igual ao 1o

Permanência – Os dados obtidos com espécimens marcados nos GE, durante todo o período de exames, constam da Tabela 10. Do número global de 7.722 pôde-se obter o reencontro de 760 exemplares, o que corresponde a 9,8%. No entanto, das 2.060 ninfas de quarto estádio nenhuma foi reencontrada por ocasião dos sucessivos exames, o que significa que aquele resultado deveu-se aos novos achados das outras formas marcadas, representadas pelas ninfas de quinto estádio e pelos adultos. Assim sendo, é de se considerar somente os dados referentes a essas e que correspondem ao total de 5.662 indivíduos marcados o que eleva o coeficiente geral de reencontro para 13,4%. Os resultados por espécie foram os seguintes:

 

 

Os percentuais relativos às várias formas foram como segue:

 

 

De maneira geral, observaram-se menores proporções de reencontros para as ninfas. Em relação aos adultos, a aplicação do teste do qui-quadrado (x2 = 3,84 valor crítico para um grau de liberdade) revelou significância nas diferenças obtidas entre os dois sexos de T. sordida e entre os de R. neglectus (x2 = 6,28 e 8,90, respectivamente). O mesmo não se verificou entre as diferenças obtidas para os de T. infestans. A comparação entre os percentuais de re-encontro de adultos das três espécies revelou significância nas diferenças registradas entre as fêmeas de T. infestans e as de T. sordida, e entre as deste e as de R. neglectus (x2 = 5,89 e 10,40, respectivamente). Quanto aos machos, não se detectaram diferenças significantes entre os de T. infestans e os de T. sordida, mas sim com referência à comparação entre estes e os de R. neglectus (x2 = 5,72).

Em relação ao tempo decorrido, os reencontros foram observados de três a doze meses da data da marcação. Do total de 760 indivíduos reencontrados, 614 (80,8%) o foram após três meses. Somente 146 (19,2%) puderam ser reencontrados além desse período, e destes, 59 (40,4%) foram representantes de T. infestans. Dentre o número de espécimens marcados, para cada espécie, o percentual de reencontrados, após seis ou mais meses da data da marcação, foi maior para essa espécie com 30,1% do que para T. sordida e R. neglectus com 16,2 e 13,3%, respectivamente. Para os vários períodos e espécies, as proporções obtidas de reencontros, foram as seguintes:

 

 

Mobilidade – Dos 7.722 espécimens marcados por ocasião dos exames levados a efeito nos GE, somente seis adultos puderam ser reencontrados em locais outros que não aqueles onde originariamente foram observados. Tal resultado representou 0,2% do total de 2.536 formas adultas submetidas à marcação, constituído por quatro fêmeas e dois machos o que, dentro do número de representantes de cada sexo, ou seja, 1.254 indivíduos femininos e 1.274 masculinos, correspondeu a 0,3 e a 0,2%, respectivamente. Assim sendo, em relação às espécies encontradas, tais resultados podem ser resumidos da maneira seguinte:

T. infestans: Um marcado no GEe3 por ocasião do 5o exame (dezembro de 1976) e reencontrado no intradomicílio de habitação situada a 30 m desse ecótopo, quando da realização da 5a pesquisa de vigilância (março de 1977); um marcado no mesmo biótopo no decurso do 6o exame (março de 1977) e reencontrado no interior da mesma habitação, durante a 6a pesquisa de vigilância (junho de 1977).

T. sordida: Um marcado no GEa1 quando da realização do 2o exame (março de 1976) e reencontrado no GEa3, distante cerca de 300 m daquele, por ocasião do 3o exame (julho de 1976); um marcado no GEa2 durante o 6o exame (março de 1977) e reencontrado no GEa1 distante cerca de 200 m quando do 7o exame (junho de 1977); um marcado no GEa3 por ocasião do 6o exame (março de 1977) e reencontrado no GEa2 distante cerca de 300 m, ao se realizar o 8o exame (setembro de 1977).

R. neglectus: um marcado no GEa2 no 8o exame (setembro de 1977) e reencontrado no GEa3 distante cerca de 300 m, no 9o exame (dezembro de 1977).

 

COMENTÁRIOS

Nas presentes pesquisas, realizadas de janeiro de 1976 a junho de 1978, pôde-se observar a colonização espontânea de T. infestans, T. sordida e R. neglectus em galinheiros experimentais. Para estes dois últimos, as observações vieram confirmar as já anteriormente publicadas (Forattini e col.1, 2, 1977, 1979). No entanto, para o T. infestans o fenômeno é agora assinalado pela primeira vez e permitiu registrar aspectos até agora pouco conhecidos de seu comportamento. Cabe ainda ressaltar a verificação do desenvolvimento de colônias mistas com a participação conjunta de duas espécies triatomíneas.

Em relação ao T. infestans, sua colonização deu-se em dois ecótopos (GE) instalados no peridomicílio. Um deles em zona rural (b1), situado a 80m da habitação mais próxima, e outro em núcleo habitacional (e3) e localizado em quintal a apenas 10m da casa. Tais fatos chamam a atenção para o apreciável caráter domiciliado dessa espécie, levando a admitir que os indivíduos pioneiros nos citados GE devam ter-se originado de habitações próximas e provavelmente durante período anterior ao expurgo inicial nelas levado a efeito (Forattini e col.4, 1983). Para tanto corrobora a observação de adultos previamente marcados no GEe3 e posteriormente reencontrados no interior de habitação distante 30 m do local, por ocasião das pesquisas de vigilância. Tais evidências vão ao encontro de resultados experimentais, obtidos em condições de laboratório e de campo, sobre a capacidade de vôo de indivíduos masculinos dessa espécie (Lehane e Schofield 5,6,7, 1976, 1981, 1982). Forçoso pois se torna admitir que, pelo menos dentro de um raio de 100m, o T. infestans possa exercer a sua dispersão de maneira ativa, à procura de novos ecótopos e para tanto lançando mão do poder de vôo de suas formas adultas.

A ocorrência de predatismo por parte de indivíduos visitantes fez-se sentir de maneira evidente no GEe3, onde se desenvolveu colônia de T. infestans. Ao que parece essa atividade deveu-se principalmente a roedores domiciliados, representados por camundongos (Mus musculus) e ratos (Rattus rattus). É de se considerar que as limitadas dimensões desses galinheiros experimentais propiciam maiores oportunidades para o predador exercer sua ação. De qualquer maneira, a ocorrência de camundongos no citado ecótopo mostra a estreita proximidade com o ambiente domiciliar ao qual esse GE se integrou.

Em relação à invasão do ambiente domiciliar por parte de triatomíneos extradomiciliares, os dados referentes ao T. sordida são bastante sugestivos. Confirmando o já observado anteriormente (Forattini e col.2, 1979), o gráfico da Figura 1 mostra de maneira evidente que, à produção de adultos e particularmente de fêmeas no extradomicílio, corresponde paralelamente a invasão do domicílio por parte dessas formas. É de se assinalar o aspecto cíclico de que o fenômeno se reveste, ocupando o espaço de tempo do primeiro trimestre ou quadrimestre do ano. Tal aspecto, em relação aos indivíduos femininos, identifica o período que pode ser tido como "infestante" para o ambiente domiciliar previamente tratado. Nesse sentido, os referidos GE instalados no extradomicílio podem ser considerados como focos comparados, ressalvadas as proporções, aos naturais de onde as fêmeas se dispersam para atingir o domicílio. Tal informação torna-se útil para a vigilância a ser desenvolvida posteriormente ao expurgo domiciliar, permitindo concentrar essas atividades naquele período.

Por sua vez, os dados obtidos sobre a duração dos estádios medianos (Tabela 8, Figura 2) permitiram também observar o comportamento cíclico do animal "mediano", como já foi descrito para o T. sordida, anteriormente (Forattini e col.1,3, 1977, 1979). No entanto, no caso dessa mesma espécie, verificou-se que desta feita, os menores estádios medianos não se apresentaram tão baixos como os obtidos naquelas oportunidades. Tal fato poderia encontrar explicação nas seguintes hipóteses, não mutuamente exclusivas:

1. Maior permanência das formas adultas nos GE, elevando assim os estádios medianos em cada exame.

2. Curta duração do estádio 1, com rápida passagem entre a eclosão e a chegada ao segundo estádio ninfal.

3. Maior duração dos estádios mais elevados, correspondentes aos 3, 4 e 5, atuando no mesmo sentido da primeira hipótese.

Considerando-se os resultados obtidos com o T. sordida em trabalho anterior, onde o número de exames foi comparável com o apresentado agora, verificou-se maior duração do período pré-adulto e maior sobrevivência (Forattini e col.3, 1979). Assim é que, naquela oportunidade, para o total dos GE, a soma da duração dos estádios de 1 a 5 foi aproximadamente igual ao período de um ano, contra os 468 dias obtidos com os resultados atuais. Por sua vez, de cada 100 ovos eclodidos, chegavam ao fim do 5o estádio 17 indivíduos, bem menos do que os 28 calculados para as presentes observações (Tabela 9). Obteve-se assim duração total 28,6% e sobrevivência 64,7% maiores do que as anteriormente registradas para essa espécie. Assim sendo, parece que as hipóteses 2 e 3 acima aventadas encontram apoio nestas evidências. Ao se considerar cada estádio, verifica-se que o padrão de duração, até certo ponto, manteve-se. O estádio 1 mostrou-se mais rápido do que o 5. Por sua vez, pôde-se notar que o 3o teve exatamente a mesma duração nas duas oportunidades, correspondendo a 63 dias, ao passo que as dos 1o e 2o foram, respectivamente, 11,9 e 35,2% menores do que as anteriormente observadas. Finalmente, os estádios 4 e 5 mostraram-se, respectivamente, 130,0 e 54,5% maiores em duração do que os valores correspondentes assinalados antes. A explicação para tais diferenças deverá ser encontrada na influência de fatores locais e temporais, em especial modo, nas condições climáticas de temperaturas regionais mais elevadas, propiciando maior rapidez ao desenvolvimento dos estádios iniciais desse triatomíneo.

É de se assinalar a evolução cíclica, também observada para T. infestans e R. neglectus, acompanhando a que se verifica com T. sordido. O período compreendido de dezembro a junho, correspondendo aproximadamente ao primeiro semestre, representa o do predomínio dos estádios mais avançados (Figura 2), dentre os quais as fêmeas e, por conseguinte, o da dispersão à procura de novos ecótopos por parte dessas formas. Dentre eles figura o ambiente domiciliar que pode assim sofrer a invasão triatomínea (Figura 1). Note-se também a menor duração do ciclo de R. neglectus e, praticamente, a ausência de diferenças entre as durações dos vários estádios dessa espécie. Torna-se assim viável admitir que os adultos desse triatomíneo tendam a abandonar mais rapidamente os ecótopos, obedecendo a atividade de dispersão mais intensa e precoce do que a que se pode observar nas outras duas espécies.

Após período não inferior a três meses, o reencontro das formas marcadas nos GE revelou-se em baixas proporções no que concerne às ninfas, o que pode ser entendido como devido, pelo menos em parte, à ocorrência das ecdises. Em relação aos adultos, é de se assinalar a maior tendência a permanecer por tempo mais prolongado no ecótopo, revelada pelas fêmeas de T. infestans. Nesse particular diferiram das de T. sordida e R. neglectus cuja permanência se mostrou menor. Quanto aos indivíduos masculinos, somente os daquela espécie não diferiram, nesse comportamento, com as respectivas fêmeas, ao passo que os das outras duas revelaram maior tendência a permanecer do que os indivíduos femininos respectivos. Tais observações confirmam as já anteriormente feitas (Forattini e col.2, 1979). Considerando que as populações triatomíneas extradomiciliares possuem maior capacidade de dispersão ativa, torna-se compreensível que às fêmeas lhes seja atribuído maior parte no desempenho desse papel. É o que parece ocorrer com T. sordida e R. neglectus. Por sua vez, estando a dispersão de T. infestans, pelo menos em boa parte, subordinada à atividade humana, as respectivas fêmeas tendem a permanecer maior tempo no ecótopo com conseqüente menor dispersão ativa do que as daqueles triatomíneos. Quanto aos indivíduos masculinos, sua maior permanência em relação aos femininos, pode ser interpretada como a necessidade de fecundação destes, à medida que se formam na colônia.

É de se assinalar que nestas observações sobre a permanência, o reencontro das formas não representa, necessariamente, o do mesmo indivíduo. Trata-se, isso sim, de espécimens anteriormente marcados e que podem não terem permanecido continuamente no ecótopo. Todavia, embora não tivesse sido possível controlar essa variável, os dados colhidos sobre a mobilidade permitem supor que a permanência contínua tenha sido a regra. De qualquer maneira, as evidências revelaram que as fêmeas de T. sordida e de R. neglectus abandonam o ecótopo mais rapidamente do que as de T. infestans, pelo menos decorridos três meses de sua formação.

Quanto à mobilidade, as observações referentes às formas adultas de T. sordida e de R. neglectus confirmam as anteriormente publicadas (Forattini e col.2, 1979). A constatação dessa capacidade para T. infestans permite admitir a existência de dispersão ativa dessa espécie pelo menos no ambiente domiciliar, como já se mencionou em parágrafo anterior.

 

CONCLUSÕES

Dos resultados e considerações expostos, pode-se concluir o que segue:

1 . O T. infestans apresenta capacidade de colonização em ecótopos artificiais peridomiciliares, a partir de colônias desenvolvidas no intradomicílio.

2. Essa espécie possui capacidade de dispersão ativa, com as formas adultas podendo deslocarem-se pelo vôo, dentro de um raio de, pelo menos, 100m.

3. A invasão domiciliar por parte de populações triatomíneas extradomiciliares de T. sordida ocorre por ocasião do primeiro trimestre ou quadrimestre do ano. Isso permite sugerir que a concentração das atividades de vigilância se deva fazer nesse período.

4. Para as três espécies, T. infetsans, T. sordida e R. neglectus, nas colônias espontâneamente desenvolvidas, o aparecimento de estádios finais mostra aspecto cíclico, com o máximo ocorrendo no período de dezembro a junho, o que aproximadamente corresponde ao primeiro semestre do ano.

5. A duração dos estádios e a sobrevivência apresentam variações de acordo com a espécie e, pelo menos para T. sordida, também com a região. A maior duração correspondeu a T. sordida e a menor a R. neglectus.

6. Para T. infestans e T. sordida, a duração dos estádios iniciais é menor do que a dos finais. Para R. neglectus, não se revelou sensíveis diferenças nesse particular.

7. A maior sobrevivência correspondeu à de R. neglectus, com 45 sobreviventes de cada 100 ovos eclodidos, atingindo o estádio final. Para T. sordida foi de 28, e de 9 para T. infestans.

8. Os adultos femininos de T. infestans tendem a permanecer por mais tempo na colônia, do que os correspondentes às outras duas espécies.

9. Considerando-se a atividade cíclica das colônias dos três triatomíneos, com a produção de adultos no primeiro semestre, a vigilância deverá levá-la em conta ao programar sua execução.

10. Por ocasião do supracitado período "infestante" para o domicílio "suscetível", ou seja, aquele já submetido ao expurgo, as fêmeas de T. sordida e, em menor grau, as de R. neglectus, tenderão a invadí-lo a partir do ambiente extradomiciliar.

11 . Quando da existência de colônias domiliadas de T. infestans, as fêmeas deste triatomíneo e no mesmo período "infestante", tenderão a ampliar a infestação domiciliar através a invasão de novos edifícios.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. FORATTINI. O.P. et al. Aspectos ecológicos da tripanossomíase americana. X – Dados populacionais das colônias de Panstrongylus megistus e de Triatoma sordida espontaneamente desenvolvidas em ecótopos artificiais. Rev. Saúde públ., S. Paulo, 11:362-74, 1977.        [ Links ]

2. FORATTINI. O.P. et al. Aspectos ecológicos da tripanossomíase americana. XV – Desenvolvimento, variação e permanência de Triatoma sordida, Panstrongylus megistus e Rhodnius neglectus em ecótopos artificiais. Rev. Saúde públ., S. Paulo, 13:220.34, 1979.        [ Links ]

3. FORATTINI. O.P. et al. Aspectos ecológicos da tripanossomíase americana. XVI – Dispersão e ciclos anuais de colônias de Triatoma sordida e de Panstrongylus megistus espontaneamente desenvolvidas em ecótopos artificiais. Rev. Saúde públ., S. Paulo, 13:299-313, 1979.        [ Links ]

4. FORATTINI, O.P. et al. Aspectos ecológicos da tripanossomíase americana. XVII – Desenvolvimento da domiciliação triatomínea regional, em centro de endemismo de Triatoma sordida. Rev. Saúde públ., S. Paulo, 17:159-99, 1983.        [ Links ]

5. LEHANE, M.J. & SCHOFIELD, C.J. Preliminar report on flight by some triatomine bugs. Trans. roy. Soc. trop. Med. Hyg., 70:526, 1976.        [ Links ]

6. LEHANE, M.J. & SCHOFIELD, C.J. Field experiments of dispersive flight by Triatoma infestans. Trans. roy. Soc. trop. Med. Hyg., 75:399-400, 1981.        [ Links ]

7. LEHANE, M.J. & SCHOFIELD, C.J. Flight initiation in Triatoma infestans (Klug) (Hemiptera: Reduviidae). Bull. ent. Res., 72:497-510, 1982.        [ Links ]

8. MANLY, B.F.J. Extension to Kiritani and Nakasuji's method for analysing insect stage-frequency data. Res. Pop. Ecol., 17:191-9, 1976.        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 08/04/1983
Aprovado para publicação em 11/05/1983
Realizado com o auxílio financeiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq (Processo PDE-10-1-01)