SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 issue1A study of perinatal morbidity and mortality in maternity hospitals: III - Congenital anomalies in live briths author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública vol.21 n.1 São Paulo Feb. 1987

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101987000100001 

EDITORIAL

 

Cinqüenta anos do Laboratório de Entomologia 1937-1987

 

 

Oswaldo Paulo Forattini

 

 

Pode-se afirmar, sem risco de erro, que a década dos anos trinta representou época extremamente significante para o estudo das endemias em nosso meio. O país em geral, e o território paulista em particular, encontrava-se a braços com problemas representados por situações epidêmicas de malária e febre amarela, e elevados níveis de outras endemias veiculadas por artrópodes. Decorrido meio século, a situação tornou-se, em linhas gerais, bastante parecida. A invasão do território brasileiro por parte de espécies vetoras originárias de outras regiões, e o agravamento de endemias tidas como sob controle, constitui-se em panorama que lembra o quadro de então. De qualquer maneira, naquela época assistiu-se ao incremento do interesse pelos estudos sobre insetos vetores de doenças, focalizando os aspectos básicos e peculiares ao nosso meio, e até então pouco conhecidos ou mesmo desconhecidos.

 

 

 

 

A benéfica influência da presença de Nelson Davis e Raymond Shannon fez-se sentir na frutificação de estudos mais intensivos. A partir dos primeiros anos da década, no então Instituto de Hygiene, e hoje Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, as pesquisas entomológicas sistemáticas tiveram seu desenvolvimento graças às iniciativas de John Lane e Paulo C.A. Antunes, e à participação de outros como Augusto L. Ayroza Galvão, Renato R. Correia, José de O. Coutinho e Nelson L. Cerqueira. Os primeiros trabalhos datam dessa época, trazendo a chancela da secção de Higiene Rural e Parasitologia. A partir de então, os estudos entomológicos tomaram vulto cada vez maior, e a sua individualidade estabeleceu-se definitivamente em 16 de julho de 1937, quando se deu início à Coleção Entomológica. O seu termo de instalação constitui-se pois na certidão de nascimento do Laboratório de Entomologia, atualmente incluído no Departamento de Epidemiologia.

Durante os seus 50 anos de atividade ininterrupta, nele trabalharam vários especialistas, formaram-se recursos humanos significantes, e a produção científica nunca cessou de crescer. Além da publicação de numerosos artigos originais, temas abrangentes foram objetos de monografias e tratados. Por ordem cronológica pode-se mencionar as monografias sobre sabetíneos, da fauna culicídea neotropical, dos culicóides da mesma região e o tratado de entomologia médica.

 

 

 

 

 

 

Em várias oportunidades, o Laboratório de Entomologia participou ativamente em campanhas nacionais de controle de endemias. Destacam-se, nas décadas dos anos trinta e quarenta, as de combate à febre amarela e a de erradicação de anofelino africano no Nordeste do Brasil; nos anos cinqüenta e sessenta tomou parte preponderante no desenvolvimento de recursos humanos destinados à campanha de erradicação da malária; e nos anos setenta colaborou eficientemente com o serviço estadual no controle e eliminação da transmissão por triatomíneos da tripanossomíase no Estado de São Paulo.

O seu pioneirismo foi, e está sendo, marcante em vários estudos básicos sobre aspectos epidemiológicos de doenças transmitidas por insetos, próprias de nosso meio. Bem como no reconhecimento e identificação faunística de vetores. Ao longo de todos esses anos, leva a seu crédito o ter contribuído significativamente para conhecimentos fundamentais como: a transmissão da febre amarela silvestre, a identificação dos aspectos regionais da veiculação malárica, o quadro epidemiológico das leishmanioses tegumentares residuais, a existência de geração anual no ciclo de vida de triatomíneos, a domiliação críptica, ou em desenvolvimento, por parte de culicídeos. Acrescente-se os estudos taxonômicos que atingem, na atualidade, elevado nível de produção.

Atualmente o Laboratório de Entomologia apresenta várias áreas de atividade. Possui laboratório de taxonomia anexo à Coleção Entomológica. A área de culicidologia dispõe de laboratório de determinação e de criação, outro de sorologia destinado à identificação de sangue ingerido e que conta com biotério anexo. Essa área de estudos possui ainda um Posto na cidade de Pariqüera-Açú, onde se situa laboratório de apoio e são levadas a efeito observações de campo sobre a domiciliação culicídea. Outra área é a de hemipterologia que dispõe de laboratório para estudos biológicos, além de um Posto na cidade de Araraquara onde se encontra insetário para manutenção e desenvolvimento de colônias triatomíneas, e são levadas a efeito observações de campo sobre a ecologia desses vetores. A terceira área é representada por laboratório de identificação e estudos de flebotomíneos.

Ao comemorar seu cinqüentenário, o Laboratório de Entomologia da Faculdade de Saúde Pública tem motivos sobejos para sentir-se satisfeito com a apreciável bagagem científica que produziu para o país. Contudo esse sentimento de realização não provém tanto do caminho percorrido, mas sim daquele que o aguarda, certamente mais longo e produtivo.

São Paulo, fevereiro de 1987.