SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 issue5Reliability of reported underlying causes of neonatal death: implications for the study of preventable mortality author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública vol.29 n.5 São Paulo Oct. 1995

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101995000500001 

ARTIGO ORIGINAL

 

Determinação do nível de gravidade do trauma*

 

Determination of trauma severity level by means of the injury severity score

 

 

Terezinha Dalossi Gennari; Maria Sumie Koizumi

Unidade de Terapia Intensiva da Casa da Saúde Dr. Domingos Anastácio - Jundiaí, SP- Brasil (T. D. G.)
Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo - São Paulo, SP - Brasil (M. S. K.)

 

 


RESUMO

Trata-se de estudo prospectivo que teve por objetivo caracterizar a gravidade do trauma de pacientes hospitalizados, através do "Injury Severity Score" (ISS). Foram analisados 100 pacientes de trauma internados em uma instituição referência para trauma localizada em São Paulo, Brasil. Do total de pacientes, 68 sofreram trauma fechado e 32 trauma penetrante. Dentre os pacientes de trauma fechado, 53,0% sofreram trauma leve (ISS 1-15), 29,4% trauma moderado (ISS 16-24) e 17,6% trauma grave (ISS > 25) enquanto que 34,4% dos pacientes de trauma penetrante sofreram trauma leve, 18,7% trauma moderado e 46,9% trauma grave. A média e desvio-padrão dos ISSs dos pacientes de trauma fechado e penetrante foi, respectivamente, de 14,9 ± 8,1 e 20,8 ± 11,0, correspondendo a um percentual de mortos de 11,8% e 12,5%.

Palavras-chave: Escala de gravidade do ferimento. Ferimentos e lesões, prevenção & controle.


ABSTRACT

The severity of traumas in hospitalized patients was characterized by means of the Injury Severity Score (ISS) was studied prospectively. One hundred trauma patients hospitalized in a trauma referral health facility located in S. Paulo, Brazil, were analyzed. Of the total number of patients, 68 had blunt trauma and 32 penetrating trauma. As to ISS, it was discovered that 53.0% of the blunt trauma patients had mild trauma (ISS 1-15), 29,4% moderate trauma (ISS 16-24), and 17.6% showed severe trauma (ISS 25); 34.4% of the penetrating trauma patients had mild trauma, 18.7% moderate trauma and 46.9% severe trauma. The mean and standard deviations relationg to the ISS of blut and penetrating trauma patients were, respectively, 14.9 ± 8.1 and 20.8 ± 11.0; the respective mortality rates were of 11.8% and 12.5%

Keywords: Injury Severity Score. Wounds and injuries, prevention and control.


 

 

Introdução

Nos últimos vinte anos, vários índices foram desenvolvidos e vêm sendo refinados para determinar a gravidade do trauma, tendo como base critérios anatômicos1,2,3,25,28, fisiológicos10,19 e mistos4,9.

Por meio de uma linguagem uniforme, os índices de gravidade permitem, dentre outros aspectos, a comparação da morbidade e mortalidade entre grupos de pacientes cuja gravidade do trauma seja similar. Favorecem, desta forma, a avaliação e a comparação da assistência prestada por diversos serviços de atendimento ao traumatizado, o acompanhamento da evolução da assistência ao longo do tempo, bem como a efetividade das medidas instituídas3,6,11,12,15,16. Os índices podem também auxiliar no processo de triagem dos pacientes, no planejamento de serviços, na distribuição de recursos humanos e materiais e na auditoria institucional11,12,15,26,29.

Dentre os índices desenvolvidos para determinar a gravidade do trauma de pacientes hospitalizados, o "Injury Severity Score" (ISS), derivado da "Abbreviated Injury Scale" (AIS), de base anatômica, tem sido reconhecido como o mais promissor, por ser dotado de sensível poder prognóstico com vistas à sobrevivência e mortalidade5,15,17,24,30.

A AIS é um sistema que classifica lesões de acordo com o tipo e gravidade em uma escala ordinal de 6 pontos. Foi desenvolvida nos Estados Unidos da América e publicada pela primeira vez em 1971. Posteriormente, nos anos de 1974, 1976, 1980, 1985 e 1990, foi revisada com vistas ao seu refinamento1,214,27. Em 1976 foi apresentada, pela primeira vez, sob a forma de um manual com cerca de 500 descrições de lesões1,2. Em todas as revisões, foram classificadas e acrescentadas descrições. A AIS-80 reunia mais de 50032, a AIS-85 mais de 1.20013,27 e a versão mais atual, congrega acima de 2.000 descrições de lesões1.

Cada lesão contida no Manual AIS pode receber valores de 1 a 6. Escore 1 é atribuído à injúria de gravidade leve, 2 à moderada, 3 à grave que não ameaça a vida, 4 à grave que ameaça a vida, porém com sobrevivência provável, 5 à crítica, com sobrevivência incerta, e 6 para a lesão máxima que é quase sempre fatal.

O ISS foi desenvolvido em 1974, a partir da AIS, por Baker e col.3, e é definido como um escore obtido matematicamente a partir da soma dos quadrados dos escores AIS mais altos de três regiões diferentes do corpo, mais gravemente traumatizadas3. Pelo ISS obtém-se o escore de gravidade do trauma, que é global.

As seis regiões do corpo usadas para computar o ISS são: cabeça ou pescoço; face; tórax; abdome ou conteúdos pélvicos; membros superiores, inferiores ou cintura pélvica e superfície externa.

A pontuação do ISS varia de 1 a 75. Os escores mais altos indicam maior gravidade do trauma e mais elevada é a probabilidade de morte. O ISS máximo de um paciente que apresenta lesões em apenas uma região do corpo é 25 (52). O paciente terá ISS de 75 quando apresentar lesões de escore AIS 5 e em três regiões do corpo (52 + 52 + 52). Por definição, o ISS é igual a 75 para qualquer pessoa que tenha uma lesão de escore AIS 6. Um escore ISS > 16 tem sido considerado como aquele de ponto crítico4,21,26,29.

Tendo em vista a importância do conhecimento dos escores de gravidade do trauma (ISSs) dos pacientes, ainda durante a internação hospitalar, bem como a complexidade crescente do Manual AIS, dificultando seu uso rotineiro em unidades que assistem essas vítimas, diversos autores idealizaram mapas que resumem ou simplificam o Manual AIS, objetivando pontuações mais rápidas das lesões e agilização no cálculo dos ISSs13,20,27.

Dentre esses mapas, o "Condensed Abbreviated Injury Scale" (CAIS-85), elaborado por Civil & Schwab13 nos Estados Unidos da América, a partir do Manual AIS-85, é o mais desenvolvido.

O CAIS-85 são dois mapas que condensam as lesões dos pacientes de trauma fechado (CAIS-85F) e as dos pacientes de trauma penetrante (CAIS-85P). Estas lesões são apresentadas separadamente nas seis regiões do corpo utilizadas para computar o ISS, e de acordo com os escores de gravidade AIS.

A escassez de estudos no país sobre a quantificação da gravidade do trauma por meio de índices de gravidade, levou a realização do presente estudo que teve por objetivo caracterizar a gravidade do trauma de pacientes internados, através do "Injury Severity Score", fornecendo subsídios para as áreas de prevenção, assistência, ensino e pesquisa do trauma.

 

Material e Método

A população de estudo foi constituída por 100 vítimas de trauma internadas no período de março a julho de 1992, em hospital municipal de referência para trauma, localizado em São Paulo, Brasil.

Foram critérios para inclusão desses pacientes:

(a) terem sido admitidos via pronto-socorro por lesão traumática decorrente de acidente de trânsito de veículo a motor, tentativa de homicídio, queda acidental e tentativa de suicídio;

(b) serem provenientes diretamente do local do evento ou de outros hospitais desde que não tivessem sofrido cirurgias e o trauma tivesse ocorrido no máximo um dia atrás;

(c) terem permanecido no hospital por um período de tempo > 24 horas; e

(d) terem idade > 12 anos.

Os pacientes que foram transferidos para outros hospitais foram excluídos do estudo.

A identificação da lesão teve como fonte principal o prontuário do paciente. Além disso, foi realizada por uma das autoras uma inspeção física em todos os pacientes para identificar as lesões da superfície externa, já que nem sempre eram anotadas pelos médicos no prontuário. Também foi realizada uma entrevista com todos os pacientes para determinar a ocorrência ou não de amnésia pós acidente, pois esta informação é verificada e apenas eventualmente constava no prontuário do paciente.

Identificadas todas as lesões do paciente, assinalou-se sua gravidade por meio de consulta aos mapas CAIS-85F (Anexo 1) e CAIS-85P (Anexo 2), utilizados na presente pesquisa, de acordo com as recomendações daqueles que os construíram. Logo, as lesões dos pacientes de trauma fechado foram verificadas através de consulta ao mapa CAIS-85F e as lesões dos pacientes de trauma penetrante receberam escores por meio de consulta ao mapa CAIS-85P. O Manual AIS-85 foi consultado para atribuir escores apenas para as lesões não listadas nos mapas CAIS-85.

Após a marcação das lesões de todos os pacientes, procedeu-se ao cálculo da gravidade do trauma. Neste ponto, as lesões identificadas foram classificadas segundo as seis regiões do corpo usadas para o cálculo do ISS. A seguir, para cada paciente do estudo foi assinalado o escore AIS mais alto de cada uma das seis regiões corpóreas. Assim sendo, a gravidade do trauma foi obtida pela somatória dos quadrados do escore AIS mais alto de três regiões diferentes do corpo mais gravemente traumatizadas e expressadas como ISS de marcação 1 a 75.

Com relação ao ISS, os pacientes foram subdivididos em 3 grupos, de 1 a 15, 16 a 24 e > 25. Os pacientes inseridos no intervalo de ISS de 1 a 15 foram classificados como pacientes de trauma leve, de 16 a 24 como trauma moderado, e > 25 como trauma grave. A marcação > 16 foi adotada como ponto crítico4,21,26,29.

 

Resultados e Discussão

Caracterização dos Pacientes quanto à Causa Externa, Tipo de Trauma, Idade e Sexo

Um total de 40 pacientes (40,0%) foram vítimas de acidente de trânsito de veículo a motor, 39 (39,0%) de tentativa de homicídio, 19 (19,0%) de queda acidental e 2 (2,0%) de tentativa de suicídio.

O mecanismo do acidente ou violência que causou o trauma foi do tipo fechado em 68 pacientes (68,0%) e penetrante em 32 (32,0%).

A idade dos pacientes de trauma fechado variou de 13 a 70 anos, sendo que a média foi de 35,4 anos. Um total de 57 pacientes (83,9%) tinham idade de 13 a 50 anos. Quanto ao sexo, houve predomínio do masculino (80,9%).

A idade dos pacientes de trauma penetrante variou de 16 a 55 anos e a média foi de 27,2 anos, bem inferior a dos pacientes de trauma fechado. O trauma penetrante atingiu basicamente pessoas de 13 a 40 anos (93,8%) e do sexo masculino (93,8%).

O predomínio de adultos jovens do sexo masculino tem sido registrado em muitos estudos que envolvem acidentes e violências de natureza traumática8,17,22,23 e se confirmou verdadeiro também na presente investigação.

Quanto à causa externa, como já foi demonstrado por outros autores 8,14,17,18,21 , o acidente de trânsito de veículo a motor ficou situado em primeiro lugar. Além disso, ressalte-se o fato de que as tentativas de homicídio ficaram muito próximas aos acidentes de trânsito. Isso mostra o homicídio, não só como uma importante causa de mortalidade mas, provavelmente, também, de morbidade, no Município de São Paulo.

Caracterização dos Pacientes segundo a Gravidade das Lesões (AIS) e Gravidade do Trauma (ISS)

Um total de 323 lesões anatômicas foram diagnosticadas nos 100 pacientes do estudo, desde a entrada no hospital até a alta ou óbito, em média 3,2 lesões por paciente.

Nos pacientes de trauma fechado ocorreram 223 lesões anatômicas, perfazendo uma média de 3,3, por paciente. Além dessas, foram constatadas 66 descrições não-anatômicas, referentes a alterações do nível de consciência e período de inconsciência nas primeiras 24 horas após o trauma.

As lesões de gravidade leve (AIS1), moderada (AIS2) e grave, que não ameaçam a vida (AIS3), foram as mais comuns entre os pacientes de trauma fechado, totalizando 86,5% das lesões. Embora as lesões de escores AIS 4 e 5 não tenham sido tão freqüentes (13,5%), é importante realçá-las pelo fato de que lesões de escores AIS 4 ameaçam a vida e na presença de lesões AIS5 a sobrevivência é incerta.

O total de 100 lesões ocorreram nos 32 pacientes de trauma penetrante, em média 3,1 por paciente. A gravidade das lesões dos pacientes de trauma penetrante foi diferente. Ela foi principalmente moderada (AIS2) e grave, sem e com ameaça a vida (AIS 3 e 4), englobando 76,0% do total de lesões. O número de lesões de escores AIS 4 e 5, proporcionalmente ao número de pacientes, foi maior nos pacientes de trauma penetrante.

A caracterização dos pacientes, segundo a gravidade do trauma, apresentada a seguir, foi realizada com base nos ISSs calculados à luz dos diagnósticos finais, por ocasião da alta ou óbito.

Nos pacientes de trauma fechado os ISSs variaram de 1 a 42, sendo que a média e desvio-padrão foi 14,9 ± 8,1. Como mostra a Tabela 1, dos 68 pacientes de trauma fechado, 36 (53,0%) sofreram trauma leve (ISS de 1 a 15), 20 (29,4%) trauma moderado (ISS de 16 a 24) e 12 (17,6%) trauma grave (ISS > 25). Do total de pacientes de trauma fechado, 32 (47,0%) sofreram trauma importante, definido por um ISS igual ou maior que 16.

 

 

Em relação às condições de saída do hospital, 60 pacientes (88,2%) receberam alta e 8 (11,8%) morreram. Os ISSs referentes aos pacientes que morreram foram 9, 10, 16, 17, 17, 25, 26 e 30. A faixa etária de 7 desses pacientes era de 21 a 50 anos e apenas uma paciente tinha 68 anos.

Especificamente em relação aos pacientes de trauma penetrante, os ISSs variaram de 4 a 41 e a média foi 20,8 ± 11,0, superior aos pacientes de trauma fechado.

De acordo com a Tabela 2, dos 32 pacientes de trauma penetrante, 11 (34,4%) foram levemente traumatizados, 6 (18,7%) moderadamente e 15 (46,9%) gravemente traumatizados. A gravidade do trauma desses pacientes foi mais alta se comparada a dos pacientes de trauma fechado, uma vez que 21 (65,6%) tiveram um ISS igual ou maior que 16.

 

 

Um total de 28 pacientes (87,5%) sobreviveram e 4 (12,5%) morreram. Os ISSs dos pacientes que faleceram foram 35, 36, 41 e 41, sendo todos da faixa etária de 13 a 40 anos.

A análise do total de pacientes do presente estudo, independente do tipo de trauma, Tabela 3, mostra que 47 (47,0%) sofreram trauma leve, 26 (26,0%) trauma moderado e 27 (27,0%) trauma grave. A média do ISS de todos os pacientes foi 16,8 ± 9,5, correspondendo a um percentual de mortos de 12,0%.

 

 

Além de Baker e col.3, outros validaram o ISS em grandes séries de pacientes de idade superior a doze anos, tanto de trauma fechado como penetrante5,30 . Mais recentemente Copes e col.14 validaram o ISS, usando a AIS-85. Os resultados desses estudos, bem como os de outros 7,8,17,26,29,31 , têm confirmado a correlação do ISS com mortalidade, verificada inicialmente por Baker e col.3

Coincidindo com a literatura internacional, os dados da Tabela 3 mostram que, apesar do número de pacientes do presente estudo ser bem menor, à medida que os escores ISS vão aumentando, há também acréscimos nos percentuais de mortos e o contrário ocorre para aqueles que sobrevivem. De acordo com as expectativas, a grande maioria dos pacientes que morreram, 10 (83,3%) tinham um ISS igual ou maior de 16 e 2 (16,7%) tinham um ISS igual ou menor que 15. Face ao número reduzido de pacientes que faleceram, somente a título de ilustração, analisou-se os dados constantes nos seus laudos de necrópsia.

Dos pacientes que morreram, do intervalo de ISS de 1 a 15, um era uma mulher de 68 anos que sofreu uma queda e como conseqüência teve apenas o fêmur fraturado (ISS = 9). A causa de óbito, segundo laudo da necrópsia realizada no Instituto Médico Legal (IML), foi broncopneumonia no curso do tratamento da fratura de fêmur. Outro paciente que morreu, do mesmo intervalo de ISS, do sexo masculino, de 25 anos, morreu também vítima de queda. Havia descrito em seu prontuário fraturas de crânio e hemorragia subaracnoídea constatadas por tomografia computadorizada e um hematoma periorbital (ISS = 10). Manteve-se com um escore da Escala de Coma de Glasgow de 13, durante as primeiras 24 horas da admissão, tendo posteriormente havido rebaixamento do nível de consciência e evolução rápida para coma Depassé. No relatório de necropsia do IML constava, além das fraturas de crânio e hematoma de órbita, um hematoma subdural e pneumotórax. Assim, o ISS real desse paciente foi 26, justificando portanto sua evolução para o óbito que ocorreu por Trauma Crânio Encefálico (TCE).

Os três pacientes do intervalo de ISS de 16 a 24 tiveram como causa mortis, pelo relatório de necrópsia do IML, TCE produzido por agente contundente.

Quatro dos sete pacientes do grupo de ISS > 25 morreram devido a TCE, sendo que em três o óbito foi produzido por agente contundente e em um por agente pérfuro-contundente (projétil de arma de fogo). Os três pacientes restantes tiveram como causa mortis, respectivamente, politraumatismo produzido por agente pérfuro-contundente, hemorragia interna causada por agente pérfuro-contundente e broncopneumonia contraída no decurso de tratamento de lesões por projétil de arma de fogo.

Assim sendo, analisando as causas das mortes ocorridas na populaçãodo presente estudo, destacou-se o traumatismo crânio-encefálico já que ele foi a causa determinante da morte de 8 dos 12 pacientes. Além do TCE ter sido a principal causa mortis, é importante destacar que dos 100 pacientes, 44 (44,0%) apresentaram lesões anatômicas no crânio ou no conteúdo craniano.

Diversos estudos mostram que a incidência de TCE é bastante elevada em populações traumatizadas18,22,23. Além disso, o TCE é considerado como um fator dominante na determinação do prognóstico do paciente14,18, Gennarelli e col.18 , estudando 49.143 pacientes traumatizados de 95 centros de trauma, verificaram que 16.524 (34%) sofreram TCE. Destes, 3.061 (18,53%) apresentaram só TCE, 7.058 (42,71%) sofreram, além de TCE, lesões de gravidade leve na superfície externa (AIS 1 e 2), e 6.405 (38,76%) sofreram TCE e lesões extracranianas de escores AIS de 3 a 6. A mortalidade global dos pacientes com TCE foi 18,2%, três vezes mais alta do que a população sem TCE (6,1%). Foi verificado também que dos 16.524 pacientes que sofreram TCE, 3.010 morreram. A morte foi atribuída à gravidade da lesão craniana em 2.040 pacientes (67,8%), a complicações de lesões em 25,6% e a lesões extracranianas em somente 6,6%.

Ainda com relação à gravidade do trauma, vários estudos têm comprovado que o percentual de mortos é baixo em grupos de pacientes de ISS de 1 a 15, com tendência a aumentar a partir do escore 16 3,8,14,26,31 . Além disso, os estudos mostram que trauma de gravidade similar em pessoas mais jovens e mais velhas geram prognóstico pior nestes últimos pacientes3,5,7,26,31. Long e col26. verificaram que de 2.511 pacientes, 1.839 tiveram ISS < 15 e 672 > 16. Dos dezenove pacientes (1,04%) do grupo de ISS < 15 e 137 (20,3%) de ISS > 16 morreram. Todos os pacientes que faleceram de ISS < 15 eram velhos, de idade entre 64 a 94 anos. Os autores concluíram que pacientes de ISS < 15 devem ser definidos como de trauma leve e aqueles de ISS > 16 como de trauma importante.

Champiom e col.7 calcularam as freqüências de mortos de 42.944 pacientes de idade < 65 e de 3.833 de idade > 65 anos, de 111 centros de trauma dos Estados Unidos da América e Canadá, de acordo com os intervalos de ISS de O a 8, 9 a 15, 16 a 24, 25 a 40, 41 a 49, 50 a 74 e 75. Constataram que os percentuais de mortos nos pacientes de idade < 65 anos, segundo os intervalos acima citados, foram de 0,3%, 2,7%, 10,5%, 29,3%, 50,0%, 65,2% e 89,9% e nos pacientes de idade > 65 anos foram de 2,9%, 6,9%, 28,9%, 51,4%, 73,7%, 90,5% e 94,4%. A média dos escores ISS do grupo de pacientes mais jovens foi 13,4 e a dos idosos foi 13,3, correspondendo, respectivamente, a um percentual de mortos de 9,8% e 19,0%.

Smith e col.31 compararam as freqüências de mortos de 985 pacientes de idade < 65 anos com as de 456 pacientes de idade > 65 anos, de acordo com os intervalos de ISS de 1 a 15, 16 a 25 e > 25. Os percentuais de mortos do grupo de pacientes mais jovens, nesses intervalos de ISS, foram 0,4%, 12,1% e 28,6% e para o grupo de idosos foram 2,1%, 21,6% e 62,2%. A mortalidade global no grupo dos mais jovens e dos idosos foi, respectivamente, de 6,0% e 8,6%. A média do ISS dos idosos foi 10,8 ±9,1.

Copes e col.14 calcularam a freqüência de mortos para cada escore ISS de 8.629 pacientes de idade < 50 anos e 2.544 de idade > 50 anos com trauma fechado. O mesmo foi feito para 3.424 pacientes (<50 anos) e 279 (> 50 anos) com trauma penetrante. Analisando os quadros de distribuição dos pacientes do presente estudo, independente da idade, a taxa de mortos entre pacientes do grupo de ISS de 1 a 15 oscilou em torno de 1,0%, tanto para pacientes de trauma fechado como de trauma penetrante. No grupo de ISS de 16 a 24 a mortalidade foi de 12,5% para os pacientes de trauma fechado e 9,4% para os de trauma penetrante. A partir do escore 25 a mortalidade aumentou de forma quase linear.

Hill e col.21 constataram que uma média de ISS de 22,6 ± 13,4 relacionou-se com uma percentagem de mortos de 14% em um grupo de 544 pacientes de uma UTI cirúrgica de Montreal no Canadá.

Schwab e col.29 , usando o CAIS-80 para o cálculo do ISS, constataram percentagem de mortos de 6,3% em uma população de 523 pacientes de trauma, cuja média dos ISSs foi de 15,16. A freqüência de mortos, de acordo com os intervalos de ISS de 1 a 8, 9 a 15, 16 a 24, 25 a 40 e > 41, foi, respectivamente, de 0%, 0,01%, 3,8%, 15,1% e 40,5%.

Frutiger e col.17 , estudando 233 pacientes de uma UTI cirúrgica cujos ISSs, com base na AIS-80, eram > 18 e média de 29,3, verificaram percentagem de mortos de 18,4%.

Na literatura internacional, há tendência em comparar resultados de pesquisas de populações contemporâneas de trauma fechado com aqueles constatados por Baker e col.3 ou Bull5. Entretanto, para alguns pesquisadores esses dados são incomparáveis, uma vez que as lesões estudadas pelos autores citados foram assinalados pelo Manual AIS-74 e, após isso, várias revisões da AIS foram feitas, além de ter havido avanços na assistência ao traumatizado14 .

Por outro lado, é difícil comparar freqüências de mortos entre estudos mais recentes, devido a variações nos critérios de inclusão dos pacientes e também pela ausência de uniformidade nos intervalos de agrupamento dos escores ISS.

Assim, de forma geral, pode-se constatar no presente estudo que o nível de gravidade do trauma foi proporcionalmente maior nos pacientes de trauma penetrante (média do ISS = 20,8) do que nos de trauma fechado (média do ISS = 14,9). A mortalidade foi equivalente nos dois grupos, visto que ambos ficaram próximos a 12,0%, valor este compatível com os encontrados por outros autores 5,7,8,21,29,31.

O prognóstico de pacientes de trauma é influenciado por vários fatores, tais como idade, condição de saúde pré-injúria, tempo de decorrido entre o evento e a assistência definitiva, qualidade da assistência e complicações 7,17,30 .Entretanto o tipo e a gravidade das lesões, aspectos levados em consideração pela AIS e conseqüentemente refletidos no ISS, têm sido reconhecidos como os fatores mais importantes na determinação prognóstica 17,18,30.

Enquanto o tipo de lesão pode ser definido através de diagnósticos médicos, a gravidade não tem formulação concordante uma vez que pode ter significados distintos para diferentes pessoas. Pode-se inferir por gravidade a extensão das injúrias, o risco que elas causam à vida, o período e o grau de incapacitação bem como a proporção de incapacidades permanentes. Entretanto, quando se tratam de lesões graves, há pouca discordância de que o critério principal de julgamento da gravidade é o risco para a vida 30.

Determinar a proporção de feridos, incapacitados e mortos e, também, identificar os tipos de lesões apresentadas pelas vítimas de trauma, de acordo com cada tipo de acidente ou violência, é fundamental para se elaborar o perfil desses eventos e melhor fundamentar as medidas preventivas de um país ou mesmo de uma comunidade. Todavia, para que haja avanço no conhecimento a respeito do trauma é imperativo o estudo da gravidade das lesões e da gravidade do trauma. Tais estudos se tornaram possíveis com o desenvolvimento dos índices de gravidade.

Espera-se que o presente estudo sirva de estímulo para a realização de outras pesquisas a respeito dos índices de gravidade.

 

Referências Bibliográficas

1. THE ABBREVIATED INJURY SCALE (AIS): 1990 revision. Des Plaines, Association for the Advancement of Automotive Medicine, 1990.        [ Links ]

2. THE ABBREVIATED INJURY SCALE (AIS): 1985 revision. Des Plaines, American Association for Automotive Medicine, 1985.        [ Links ]

3. BAKER, S.P. et al. The Injury Severity Score: a method for describing patients with multiple injuries and evaluating emergency care. J.Trauma, 14: 187-96, 1974.        [ Links ]

4. BOYD, C.R. et al. Evaluating trauma care: the TRISS method. J.Trauma, 27: 370-8, 1987.        [ Links ]

5. BULL, J.P. The Injury Severity Score of road traffic casualties in relation to mortality, time of death, hospital treatment time and disability. Accid. Anal. Prev., 7: 249-55, 1975.        [ Links ]

6. CAYTEN, C.G.& EVANS, W. Severity indices and their implications for emergency medical services research and evaluation. J. Trauma, 19: 98-102. 1979.        [ Links ]

7. CHAMPION, H.R. et al. Major trauma in geriatric patients. Am. J.Public Health, 79 : 1278-82, 1989.        [ Links ]

8. CHAMPION, H.R. et al. The major trauma outcome study: establishing national norms for trauma care. J.Trauma, 30: 1356-65. 1990.        [ Links ]

9. CHAMPION, H.R. et al. A new characterization of injury severity. J.Trauma, 30: 539-45, 1990.        [ Links ]

10. CHAMPION, H.R. et al. A revision of the trauma score. J.Trauma, 29 : 623-9, 1989.        [ Links ]

11. CHAMPION, H.R. et al. Trauma scoring. In: Moore, E.E. et al. Trauma. 2.ed. California, Appleton & Lange, 1991. p.47-65.        [ Links ]

12. CHAMPION, H.R. et al. Trauma severity scoring to predict mortality. World J.Surg. 7: 4-11, 1983.        [ Links ]

13. CIVIL, I.D. & SCHWAB, C.W. The Abbreviated Injury Scale, 1985 revision: a condensed chart for clinical use. J.Trauma, 28: 87-90, 1988.        [ Links ]

14. COPES, W.S. et al. The Injury Seventy Score revisited. J.Trauma, 28: 69-77, 1988.        [ Links ]

15. CURRENT status of trauma severity indices. J.Trauma, 23: 185-98. 1983.        [ Links ]

16. DALOSSI. T. Determinação precoce do nível de gravidade do trauma. São Paulo. 1993. [Dissertação de Mestrado - Escola de Enfermagem da USP].        [ Links ]

17. FRUTIGER, A. et al. Five years' follow-up of severely injured ICU patients. J.Trauma, 31: 1216-25. 1991.        [ Links ]

18. GENNARELLI, T.A. et al. Mortality of patients with head injury and extracranial injury treated in trauma centers. J.Trauma, 29: 1193-201. 1989.        [ Links ]

19. GORMICAN. S.P. CRAMS scale: field triage of trauma victims. Ann.Emerg.Med., 11: 132-5. 1982.        [ Links ]

20. GREENSPAN, L. et al. Abbreviated Injury Scale and Injury Severity Score: a scoring chart. J.Trauma, 25: 60-4, 1985.        [ Links ]

21 HILL, A.B. et al. Chest trauma in a Canadian urban setting: implications for trauma research in Canada. J. Trauma, 31: 971-3, 1991.        [ Links ]

22. KOIZUMI, M.S. Aspectos epidemiológicos dos acidentes de motocicleta no Município de São Paulo, 1982. São Paulo, 1984. [Tese de Doutorado - Faculdade de Saúde Pública da USP].        [ Links ]

23. KOIZUMI, M.S. Natureza das lesões nas vítimas de acidentes de motocicleta. São Paulo, 1990. [Tese de Livre-Docência - Escola de Enfermagem da USP].        [ Links ]

24. KRISCHER, J.P. Indexes of severity, conceptual development. Health Serv.Res., 14: 56-67, 1979.        [ Links ]

25. LEVY, P.S. et al. The revised estimated survival probability index of trauma severity. Public Health Rep.. 97:452-9, 1982.        [ Links ]

26. LONG, W.B. et al. Accuracy and relationship of mecanisms of injury, trauma score, and injury severity score in identifying major trauma. Am.J.Surg.,151: 581-4, 1986.        [ Links ]

27. MORGAN, T.O. et al. Injury severity scoring: influence of timing and nurse raters on accuracy. Heart Lung, 17: 256-61, 1988.        [ Links ]

28. RATING the severity of tissue damage: the Abbreviated Injury Scale - part 1. JAMA, .215: 277-80, 1971.        [ Links ]

29. SCHWAB, C.W. et al. DRG reimbursement for trauma: the demise of the trauma center (the use of ISS grouping as an early predictor of total hospital cost). J.Trauma, 28: 939-45, 1988.        [ Links ]

30. SEMMLOW, J.L & CONE. R. Utility of the injury severity score: a confirmation. Health Serv.Res., 11: 45-52, 1976.        [ Links ]

31. SMITH, D.P. et al. Trauma in the elderly: determinants of outcome. South.Med. J., 83: 171-7. 1990.        [ Links ]

32. THOMPSON, J. & DAINS. J. Indices of injury: development and status. Nurs.Clin.North Am. 21: 655-72, 1986.        [ Links ]

 

 


Processo 95/2290-6
Recebido em 10.10.1994
Aprovado em 18.7.199

 

 

Separatas/Reprints: Terezinha Dalossi Gennari - Unidade de Terapia Intensiva da Casa da Saúde Dr. Domingos Anastácio -Rua Campos Salles, 371 - 13200-200 - Jundiaí - SP - Brasil
Edição subvencionada pela FAPESP