SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 issue5Isolation of thermotolerant Campylobacter species from two populations of chickens bred in confinement and at libertyA modern view of the evolution of virulence author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública vol.29 n.5 São Paulo Oct. 1995

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101995000500009 

NOTAS E INFORMAÇÕES NOTES AND INFORMATION

 

Raiva em morcegos insetívoros (Molossidae) do Sudeste do Brasil*

 

Rabies in insectivorous bats (Molossidae) of southeastern Brazil

 

 

Wilson Uieda; Necira M. S. Harmani; Miriam M. S. Silva

Departamento de Zoologia, Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Botucatu, SP - Brasil (W.U.)
Centro de Controle de Zoonoses, Prefeitura de São Paulo - São Paulo, SP - Brasil (N.M.S.H., M.M.S.S.)

 

 


RESUMO

Quatro casos positivos para a raiva foram diagnosticados em morcegos de três espécies de molossídeos (um Molossus molossus, um Nyctinomops laticaudatus e dois N. macrotis) do Estado de São Paulo, Brasil. Três deles foram encontrados durante o dia em locais visíveis e não habituais e o outro entrou pela janela, no início da noite. Quadro descritivo com 19 casos semelhantes, envolvendo oito espécies, é mostrado e indica que morcegos com comportamento atípico devem ser considerados como fortemente suspeitos de estarem doentes, possivelmente com raiva.

Palavra-chave: Raiva, epidemiologia. Quirópteros, microbiologia. Vírus da raiva, isolamento.


ABSTRACT

Four rabid bats belonging to three species of Molossidae (one Molossus molossus, one Nyctinomops laticaudatus and two N. macrotis) were captured in the State of S. Paulo, southeastern Brazil. Three of these bats were found during the day in unusual, visible places and the other came flying through a window in the evening. A descriptive table containing data on 19 similar cases, belonging to eight species, is presented and suggests that bats with atypical behavior must dearly be suspected of being sick, possibly as having rabies.

Keywords: Rabies, epidemiology. Chiroptera, microbiology. Rabies viruses.


 

 

Introdução

Os molossídeos são morcegos insetívoros de hábitos gregário e crespucular. Nas regiões temperadas, podem se abrigar em amplas cavernas e formar colônias de milhões de indivíduos8. Nas regiões tropicais, suas colônias são menores e contêm dezenas, centenas ou ocasionalmente milhares de morcegos.

Várias espécies de morcegos vivem em ecossistemas urbanos, utilizando recursos fornecidos direta ou indiretamente pelo homem, como edificações, plantas e iluminação noturna. As edifições são usadas geralmente como abrigos diurnos. Algumas espécies de plantas de arborização servem como abrigos (diurnos e/ou noturnos), e outras, como fontes de alimento. A iluminação noturna das cidades atrai insetos voadores que são habitualmente comidos por morcegos. Esses mamíferos voadores podem trazer transtornos às pessoas dependendo dos locais em que se abrigam, do tamanho de suas colônias e de possíveis doenças. Constantine4'6 compilou as principais doenças associadas direta e/ou indiretamente aos morcegos. Uma das principais doenças é a raiva, já diagnosticada em várias espécies de morcegos1,4,6,13, inclusive nas de molossídeos.

No presente estudo são relatados quatro casos de raiva em três espécies de molossídeos, as circunstâncias em que foram encontrados e suas possíveis relações com a saúde pública. É apresentado um quadro descritivo de vários casos de raiva em morcegos, com informações biológicas e comportamentais dos mesmos.

 

Descrição dos Casos

Os quatro casos de raiva em molossídeos foram encontrados no Estado de São Paulo, Sudeste do Brasil, no período de 1988 a 1991. Para uma análise comparativa, apresentamos uma Tabela contendo 19 casos, envolvendo oito espécies de morcegos, já conhecidos na literatura, e outros não publicados. Os casos aqui descritos são citados, a seguir, em ordem cronológica.

1o Caso:

Em junho de 1988, o Centro de Controle de Zoonoses de São Paulo (CCZ) foi acionado para capturar um morcego que, por volta das 19:00h, entrou voando pela janela de um apartamento no 7° andar de um edifício situado na área central da cidade de São Paulo (46°38'W, 23°32'S). O animal, Nyctinomops macrotis (Gray), foi encontrado locomovendo-se pelo chão e, após sua captura, foi encaminhado ao CCZ para exames laboratoriais de raiva. O diagnóstico foi positivo nos exames de imunofluorescência direta e inoculação em camundongos.

No inquérito epidemiológico foi verificado que o provável abrigo do animal doente era um vão de dilatação entre as paredes de prédios lindeiros residenciais, incluindo aquele onde o morcego foi encontrado. Recomendações sobre vedação do abrigo e informações sobre esses animais foram fornecidas às pessoas do prédio. Um dia após a vedação, 11 outros exemplares de N. macrotis foram capturados sob o rufo do prédio e, nos exames laboratoriais, foram negativos para a raiva.

O presente estudo é o primeiro registro de raiva em N. macrotis no Brasil.

2o Caso:

Em novembro de 1989, por volta das 14:00h, um morcego foi encontrado vivo no chão da calçada de uma rua comercial, área urbana da cidade de Botucatu (48°25'W, 22°55'S), Estado de São Paulo. Esse morcego, uma fêmea adulta de Molossus molossus (Pallas), estava sendo importunado com auxílio de varas por um grupo de pessoas. Após ser capturado, foi encaminhado para exames de raiva na Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da UNESP-Botucatu. O diagnóstico foi negativo na imunofluorescência direta e positivo na inoculação em camundongos.

3o Caso:

Em fevereiro de 1990, por volta das 10:00h, um morcego foi localizado pousado no muro de uma casa situada numa rua residencial, área central da cidade de São Paulo. O quiróptero, uma fêmea de Nyctinomops macrotis, foi descoberto pelas crianças da vizinhança e permaneceu vivo e imóvel até ser capturado pelos técnicos do CCZ. O diagnóstico foi positivo na imunofluorescência direta e na inoculação em camundongos.

No inquérito epidemiológico não foi encontrado seu abrigo diurno e informações gerais sobre morcegos foram fornecidas às pessoas da área.

4o Caso:

Em março de 1991, por volta das 7:30h, um morcego foi encontrado imóvel sobre o batente de uma janela de um apartamento no quarto andar de um prédio residencial, área central da cidade de Guarulhos (46°33'W, 23°28'S) Estado de São Paulo. Ao ser molestado, o animal, uma fêmea de Nyctinomops laticaudatus (E. Geoffroy), "tentou" voar mas caiu no piso do "playground" do condomínio. O quiróptero moribundo foi capturado e encaminhado ao Instituto Biológico de São Paulo, onde foram realizados os exames laboratoriais de raiva. O diagnóstico foi positivo na imunofluorescência direta e inoculação em camundongos.

No inquérito epidemiológico não foi localizado seu abrigo diurno. Informações gerais sobre morcegos e orientação foram fornecidas às pessoas do condomínio residencial.

O presente trabalho representa a primeira ocorrência de raiva diagnosticada em N. laticaudatus no Brasil.

 

Discussão

Nos quatro casos de raiva, os morcegos foram encontrados, ainda vivos, em locais não habituais (chão de sala, calçada de rua, muro de casa e batente de janela). Em três dos casos, o horário em que foram encontrados também não era habitual para suas atividades fora dos abrigos: 7:30, 10:00 e 14:00h. Estas características poderiam ser consideradas como um sintoma de estado doentio do animal, possivelmente raiva, como já foi mencionado por alguns autores1,4,5,6. Segundo Constantine5, cerca de 10% dos morcegos doentes, mortos ou suspeitos que foram submetidos a exames, na Califórnia (USA), deram resultados positivos para a raiva. O mesmo autor5 verificou que 63% dos morcegos infectados por raiva e detectados anualmente estavam paralíticos ou doentes. Nessas situações, as chances de ocorrer agressão humana acidental (envolvendo principalmente crianças) e/ou agressão a animais de estimação (cães e gatos), causada por um morcego raivoso são remotas5, mas não podem ser desprezadas. Os casos de raiva humana, transmitidos por morcegos, não são raros e sua transmissão geralmente ocorre por manipulação indevida de animal moribundo5. Em um quadro descritivo de 10 casos de raiva humana transmitida por morcegos insetívoros nos Estados Unidos e Canadá, entre 1950 e 19846, três (30%) foram devido à manipulação dos morcegos doentes por pessoas leigas.

No Tabela, 13 (68%) dos 19 casos envolvem molossídeos cujas espécies são comuns em áreas urbanas de muitas cidades brasileiras. Na maior parte das vezes, os casos de raiva detectados em morcegos são individuais e isolados. Um caso típico de surto de raiva em morcegos não hematófagos foi estudado por Burns e Farinacci3 em Tadarida brasiliensis (Tabela). No período de um mês, esses citados autores receberam cinco exemplares infectados com o vírus rábico, provenientes de um mesmo local, indicando um surto de raiva numa dada colônia desse quiróptero. Esse surto era aparentemente conseqüência de um programa intensivo de aplicação de DDT, iniciado duas semanas antes do aparecimento do primeiro caso3. É possível que o inseticida tenha provocado estresse na colônia, diminuindo conseqüentemente a resistência dos morcegos. Assim, os indivíduos que estavam albergando vírus da raiva e sem sintomas aparentes passaram a manifestar a doença. Em termos de controle, isto sugere que deve ser evitado o uso de produtos químicos tóxicos nas populações de morcegos insetívoros, em edificações ou em outros locais.

O fato de colônias de molossídeos do Estado de São Paulo poderem estar albergando vírus rábico, aparentemente acima dos níveis normais, deve ser considerado na elaboração de estratégias e na execução do controle de morcegos em áreas urbanas. Em situações normais, cerca de 0,5% dos molossídeos submetidos a exames de raiva estão infectados1,5.

Desse modo, consideramos importante que um programa de controle de morcegos, em áreas urbanas, seja fundamentado em informações bioecológicas desses animais, educação ambiental e saúde pública. Na Califórnia, cerca de 40% dos morcegos infectados e detectados anualmente devem se abrigar nos edifícios das regiões urbanas5. Faz-se necessáriao rever trabalho integrado entre profissionais das áreas afins para planejamento urbano sobre edificação e arborização, para reduzir dois dos fatores de crescimento populacional fornecidos abundantemente a esses mamíferos noturnos voadores em áreas urbanas: abrigo e alimento.

 

Agradecimentos

Ao Setor de Diagnóstico de Raiva do Centro de Controle de Zoonoses da Prefeitura de São Paulo, à Seção de Raiva do Instituto Biológico e ao Serviço de Diagnóstico de Zoonoses da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da UNESP-Botucatu pela realização dos exames de raiva nos morcegos.

 

Referências Bibliográficas

1. BAER, G.M. Rabies in nonhematophagous bats. In: Baer, G.M. The natural history of rabies. New York, Academic Press, 1975. p. 79-97.        [ Links ]

2. BAUER, A.G. & CRUSIUS, V.A. Isolamento de vírus rábico de morcego insetívoro no Rio Grande do Sul. In: Conferência Anual da Sociedade Veterinária do Rio Grande do Sul, 4a, Porto Alegre, 1965. v.2, p. 189-94.        [ Links ]

3. BURNS, K.F. & FARINACCI, CJ. Rabies in non-sanguivorous bats of Texas. J. Infect. Dis., 97: 211-8, 1955.        [ Links ]

4. CONSTANTINE, D.G. Bats in relation to the health, welfare, and economy of man. In: Wimsatt, W.A. Biology of bats. New York, Academic Press, 1970. v.2 p. 319-449.        [ Links ]

5. CONSTANTINE, D.G. Bat rabies and bat management. Bull. Soc. Vector. Ecol, 4: 1-9, 1979.        [ Links ]

6. CONSTANTINE, D.G. Health precautions for bat researchers. In: Kunz, T. H. Ecological and behavioral methods for the study of bats. Washington, Smithsonian Inst. Press, 1988. p. 491-528.        [ Links ]

7. DELPIETRO, H.; BOEHRINGER, E.G.; FORNES, A. Rabia en murciélagos insectivoros (primer caso en el genero Eumops). Rev. Med. Vet. (Bs.As.), 50(1): 57-61, 1969.        [ Links ]

8. FENTON, M.B. Bats. New York, Facts on File, 1992.        [ Links ]

9. RODRIGUES, F.M.; NAGATA, C.A.; PEIXOTO, Z.M.P. & NILSSON, M.R. Isolamento do virus da raiva de morcego insetívoro Molossus obscuras (Geoffroy, 1805), no Estado de São Paulo. Arq. Inst. Biol., 42: 193-6, 1975.        [ Links ]

10. SILEONI, S.; ROSSETTI, O.; MARQUEZ, A.; MENOYO, A.C.; TORRES, R.A. de. Aislamiento de virus rabico de murcielagos insectivoros en Cordoba, Argentina. Bol. Oficina Sanit. Panam., 70: 456-462, 1971.        [ Links ]

11. SUGAY, W. & NILSSON, M.R. Isolamento do vírus da raiva de morcegos hematófagos do Estado de São Paulo (Brasil). Bol. Oficina Sanit. Panam., 60:310-5, 1966.        [ Links ]

12. TADDEI, V.A.; GONÇALVES, C.A.; PEDRO, W.A.; TADEI, W.J.; KOTAIT, I; ARIETA, C. Distribuição do morcego vampiro Desmodus rotundus (Chiroptera, Phyllostomidae) no Estado de São Paulo e a raiva nos animais domésticos. São Paulo, Coordenadoria de Assistência Técnica Integral, Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, 1991.        [ Links ]

13. UIEDA, W.; SILVA, M.M.S.; HARMANI, N.M.S. Quirópteros e raiva: espécies com diagnóstico positivo no Brasil. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., 1995 (in press).        [ Links ]

 

 

Recebido em 15.12.1994
Aprovado em 19.7.1995

 

 

Separatas/reprints: Wilson Uieda - Departamento de Zoologia, Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista - 18618-000 - Botucatu, SP - Brasil
Edição subvencionada pela FAPESP. Processo 95/2290-6

* Trabalho apresentado na 5a Reunião Anual do Instituto Biológico, São Paulo, 1992