SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.31 issue4Characteristics of people involved in accidents with two-wheel-vehicles author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública vol.31 n.4 São Paulo Aug. 1997

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101997000400014 

Cartas ao Editor Letters to the Editor

 

Plumbemia em população urbana

Lead reference values in the blood of the urban population

 

 

Senhor Editor

Como membro do Grupo de Assessores (1996-98) da Revista de Saúde Pública, gostaria de registrar a discordância com a forma como foi justificado o trabalho publicado por Monica M. B. Paolielo e colaboradores, no número 31(2):144-8, 1997, sobre "Valores de referência para plumbemia em população urbana".

Refiro-me à não-citação dos diversos trabalhos brasileiros sobre plumbemia de populações não ocupacionalmente expostas - adultos e crianças -, e à imediata comparação dos achados de Londrina-PR com os achados da Itália, da Holanda e mesmo Cingapura, sem qualquer alusão aos valores de referência estabelecidos por autores brasileiros.

Entendemos que tanto os estudos pioneiros de Durval João Canella, divulgados em 1964 - sempre citados em literatura especializada sobre toxicologia ocupacional e ambiental brasileira - como os estudos mais recentes, quer os desenvolvidos por Nilda Fernícola e Fausto Azevedo, publicados em 1981, quer os de Eládio Santos Filho e colaboradores, publicados em 1993 - entre vários outros - constituem referências mínimas obrigatórias, sempre que se pretende estudar e publicar sobre o tema, no Brasil.

Por isto, foi ligeira demais a expressão dos autores de que "praticamente não existe uma base de dados para obtenção de tais valores. Por esse motivo, os valores de referência utilizados advêm de estudos realizados em outros países, onde as condições socioeconômicas, clínicas, nutricionais e ocupacionais diferem bastante das brasileiras".

Nossas observações não pretendem diminuir o mérito dos colegas da Universidade Estadual de Londrina. Ao contrário, apenas reforçam nosso cuidado em valorizar a produção científica brasileira - escassa, é verdade, mas preciosa - bem como se alinham à admirável preocupação do ilustre editor da Revista de Saúde Pública, quando busca valorizar o idioma de nosso país, bem como sua rica produção científica, como, aliás, tão bem o fez no mesmo número da Revista, no Artigo Especial sobre O Brasil e a Medicina Tropical.

 

Belo Horizonte, 22 de julho de 1997.

René Mendes
Departamento de Medicina Preventiva e Social
Faculdade de Medicina da UFMG

 

BIBLIOGRAFIA

FERNÍCOLA, N.A. & AZEVEDO, F.A. Níveis de chumbo e atividade de desidratase do ácido delta-aminolevulínico (delta-ALAD) no sangue da população da Grande São Paulo, Brasil. Rev. Saúde Pública, 15(3):272-82, 1981.

SANTOS FILHO, E. et al. Concentrações sangüíneas de metais pesados e praguicidas organoclorados em crianças de 1 a 10 anos. Rev. Saúde Pública, 27(1):59-67, 1993.

SPÍNOLA, A.G.; FERNÍCOLA, N.A.; MENDES, R. Intoxicação profissional por chumbo. In: MENDES, R. (Ed.) Medicina do Trabalho - Doenças Profissionais. São Paulo, Sarvier, 1980. p. 437-60.

 

 

Senhor Editor,

Em referência à carta do Prof. René Mendes, a qual se refere à ausência de citação de bibliografia nacional no trabalho intitulado "Valores de Referência para Plumbemia em população urbana", agradecemos ao professor pela lembrança dos três artigos mencionados.

Temos a considerar que tais artigos e textos eram de nosso conhecimento, e que, em momento algum, a não-citação dos mesmos teve qualquer conotação de desmerecimento dos trabalhos. Pelo contrário, são de autores pioneiros e que muito têm contribuído para o desenvolvimento da Toxicologia no Brasil.

Concordamos que as publicações são preciosas, mas segundo as suas próprias palavras, são escassas, e por isso o uso da expressão de "praticamente" não existirem dados. Ademais, o trabalho publicado por Santos Filho se refere apenas a crianças de 1 a 10 anos, o qual não foi objeto de nosso estudo. Em relação ao trabalho de Fernícola e Azevedo, o objetivo dos autores não foi estabelecer valores de referência e sim comparar níveis de plumbemia em populações com diferentes graus de exposição. O nosso objetivo não era realizar um estudo epidemiológico, mas estabelecer valores de plumbemia em populações ditas de referência, por se tratar de metodologia específica. Apesar disso, concordamos com o Prof. René Mendes que a citação seria pertinente no conjunto dos resultados obtidos.

 

Londrina, 20 de agosto de 1997

Monica Maria Bastos Paolielo
Departamento de Patologia Aplicada,
Legislação e Deontologia
Centro de Ciências da Saúde
Universidade Estadual de Londrina