SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.1 issue4Soroepidemiologia da infecção chagásica: contribuição para o aumento do rendimento da reação de imunofluorescência indiretaO movimento sanitarista nos anos 20: da "conexão sanitária internacional" à especialização em Saúde Pública no Brasil author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Cadernos de Saúde Pública

Print version ISSN 0102-311X

Cad. Saúde Pública vol.1 n.4 Rio de Janeiro Dec. 1985

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1985000400009 

RESENHA

 

 

Cristina Maria Rabelais Duarte

 

 

RAÍZES DA FOME. Maria Cecília de Souza Minayo Petrópolis — Ed. Vozes, 1985

O livro Raízes da Fome foi organizado por Maria Cecília de Souza Minayo a partir de trabalhos apresentados no Simpósio sobre o tema FOME ocorrido em São Paulo no ano de 1983, quando se comemorava o 10o aniversário da morte de Josué de Castro. Além de homenagear aquele que foi um dos maiores estudiosos do tema no Brasil e no mundo, com seus direitos cassados em 1964 e com apenas algumas linhas publicadas em jornais brasileiros a respeito de sua morte em 1973, a obra reúne as mais recentes discussões sobre o que Josué de Castro considerou uma manifestação biológica de um fenômeno social, econômico e político. Vista desta forma, a fome só pode ser compreendida a partir de uma abordagem multidisciplinar. O livro reúne depoimentos de cientistas das mais diversas áreas: médicos, economistas, sociólogos, geógrafos e agrônomos, além de representantes do movimento popular, com o objetivo de melhor compreender o problema alimentar no Brasil e apresentar-lhe soluções.

Ao situar a fome no contexto das relações sociais de dominação econômica e política entre as nações e entre as classes dentro de cada nação, apresenta dados sobre produção, disponibilidade e consumo de alimentos. Estes dados, entre outros, são analisados com bastante propriedade, evidenciando contradições geradas pelo processo de acumulação de capital, que fazem com que, enquanto nos países periféricos, multidões de pessoas morram lentamente de inanição, nos países centrais cresçam as estatísticas de óbitos por doenças ligadas ao excesso de alimentação.

São tratados a questão da fome no Brasil, de sua nova geografia em relação à Geografia da Fome escrita por Josué de Castro; a crise na América Latina e no Brasil e o recrudescimento da fome; o modelo alimentar no Ocidente; a estrutura agrária na América Latina e no Brasil e as lutas sociais para enfrentar as causas que produzem a fome. Nos diferentes capítulos, ficam patentes a complexidade de fatores que determinam a situação alimentar brasileira e as suas perspectivas. O último capítulo trata da situação da pesquisa alimentar no país, apontando para a carência de estudos que forneçam subsídios para os planejadores da área de alimentação, principalmente devido à falta de apoio político para a resolução dos problemas alimentares da população e financiamento de pesquisas que revelem a sua situação.

Raízes da Fome, ao mesmo tempo em que é um retrato dramático da situação alimentar brasileira, procura resgatar o trabalho de Josué de Castro. Sua obra, segundo palavras de sua filha Anna Maria de Castro, precisa ser conhecida das novas gerações, aqueles que deverão construir um Brasil melhor, sem esquecer daqueles que, por denunciar a pobreza, a miséria, a fome, foram cassados e de outra forma banidos deste país, morrendo no exterior, como morreu Josué de Castro.

Raízes da Fome é, assim, um livro imprescindível para todos os profissionais e estudantes do campo da saúde coletiva. Acredito que rapidamente tomar-se-á referência obrigatória nos debates a respeito da terrível miséria material das camadas populares brasileiras.