SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.3 issue2Dengue hemorrágico en el niñoDebate sobre Dengue promovido pelo CEENSP em 30.04.1986 author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Cadernos de Saúde Pública

Print version ISSN 0102-311X

Cad. Saúde Pública vol.3 n.2 Rio de Janeiro Jun. 1987

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1987000200005 

DEBATE DEBATE

 

Apresentação do debate sobre a Dengue

 

 

Mario B. Aragão

 

 

Faz pouco, num Seminário promovido pela FIOCRUZ, o Dr. Fiuza, ex-Superintendente da SUCAM, declarou que o mal da Saúde é "muito discurso e pouco recurso". Quanto à primeira parte, o presente debate foi exemplar, falou-se muito e se disse pouco. Em relação à segunda parte, não estamos perfeitamente de acordo, pois, existe muito desperdício de recursos.

Entre os poucos que falaram e disseram, há que destacar o Dr. Pedro Tauil que, sintomaticamente, não pertence aos quadros do Ministério da Saúde.

O que é preciso mencionar, na oportunidade, é que esse episódio da Dengue veio colocar, às claras, o fato do Ministério da Saúde estar, completamente, desprovido de técnicos — um problema que precisa ser atacado com decisão. No entanto, sugerimos, para a sua solução, três alternativas. Uma seria a criação de uma instituição capaz de formar técnicos altamente capacitados, o que não nos parece fácil. A segunda, recrutar técnicos de outras instituições, como tem feito, se bem que em pequena escala, o Instituto Oswaldo Cruz. A terceira, investir, maciçamente, na formação de pessoal, como fez a EMBRAPA e que, hoje, conta com um invejável quadro de pesquisadores.

No mais, não há muito a destacar. O Dr. Eduardo Costa contou como a Secretaria de Saúde descobriu a epidemia. Os representantes da SUCAM não tinham muito a dizer, porque estavam nos cargos há pouco tempo. As intervenções do público presente estavam cheias de boas intenções, porém, pouco acrescentaram.

O que deve ser mencionado é que não se chamou, para o debate, nenhum dos sobreviventes do antigo Serviço Nacional de Febre Amarela, que são os homens que sabem matar mosquitos. Quando da infestação do Estado do Pará, pelo Aëdes aegypti, em 1976, eles foram chamados e erradicaram o mosquito do Estado, assim como da área do Maranhão infestada. A nosso ver, no momento, o mais acertado seria entregar a eles, novamente, essa tarefa.