SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.3 issue3Depressão na infância e adolecência: aspectos sociaisInterdisciplinaridade: sim e não a vasos comunicantes em educação pós-graduada author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Cadernos de Saúde Pública

Print version ISSN 0102-311X

Cad. Saúde Pública vol.3 n.3 Rio de Janeiro Jul./Sep. 1987

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1987000300005 

PESQUISA RESEARCH

 

Determinação do grau de incapacidade em hansenianos não tratados*

 

 

Ester BorgesI; Maria Eugenia Noviski GalloII; Maria Fernanda Sardella AlvimIII; Emília BittencourtIV

IFisioterapeuta/Terapeuta Ocupacional
IIMédica/Pesquisadora da FIOCRUZ
IIIAssistente Social/Sanitarista
IVTécnica em Enfermagem

 

 


RESUMO

Foi determinado o grau de incapacidades em 189 pacientes hansenianos virgens de tratamento, sendo 39 Tuberculóides, 16 Indeterminados, 91 Dimorfos e 43 Virchowianos. Apenas 62 (32,8%) dos pacientes apresentaram grau 0, nos 127 (67,2%) restantes, os graus I, II e III determinados indicam a necessidade de educação sanitária e técnicas simples de fisioterapia, para evitar a instalação de seqüelas irreversíveis.


ABSTRACT

The authors reported the physical disability rate in 189 patients with leprosy before treatment. The lepromatous and dimorphous groups showed higher degree of disability than the others clinical forms. This finding was also predominant in the young adult s in all clinical forms.


 

 

INTRODUÇÃO

As incapacidades físicas não são inevitáveis ou necessárias, na Hanseníase, pelo contrário, sua presença indica deficiências no diagnóstico e tratamento.

Em um programa bem aplicado de controle de endemia, praticamente, nenhum paciente apresentará, no momento do diagnóstico, deformidades atribuíveis a falta de cuidados primários.

A determinação do índice de incapacidades de um paciente, antes do tratamento, é um aspecto importante no combate a infecção porque, se não é proporcionada uma assistência preventiva, só resta esperar a instalação definitiva da incapacidade e a invalidez.

O problema da invalidez, causado pela Hanseníase, tem sido objeto de atenções particulares, nos últimos anos, porque, além dos aspectos sociais e psicológicos enfrentados pelo paciente, as incapacidades podem causar limitações no trabalho, incidindo na fase produtiva do indivíduo.2

Se considerarmos apenas a insensibilidade de mãos e pés, devido ao comprometimento dos nervos periféricos, a porcentagem de invalidez chega a 50%, nos pacientes não tratados.3

É evidente que as taxas de invalidez, entre os casos novos, diminuem, gradualmente, na medida em que o diagnóstico é precoce.4

A proporção de pacientes registrados com incapacidades, classificados por categorias I, II e III, em relação com o número total de doentes em registro ativo, por forma clínica, permite uma avaliação indireta da eficácia dos programas de prevenção de incapacidades e reabilitação. A proporção de novos pacientes, com incapacidades entre os casos novos, indica a precocidade com que os casos são diagnosticados e pode funcionar, como indicador da eficácia das atividades de detecção, nos programas de controle.

 

METODOLOGIA

Foram avaliados 189 pacientes virgens de tratamento das várias formas da doença. (Tabelas 1 e 2)

 

 

 

 

A classificação clínico-histopatológica utilizada foi a de Madri.

O grau de incapacidade foi determinado de acordo com as normas, e utilizando os formulários preconizados pela DNDS/MS (Divisão Nacional de Dermatologia Sanitária — Ministério da Saúde) (Fig. 1)1

Relacionou-se o grau de incapacidades com a forma anátomo-clínica, idade e sexo dos pacientes.

Nas tabelas 3, 4, 5 e 6 acham-se expressos os graus de capacitação, distribuídos nas diversas formas clínicas, por faixa etária e sexo.

 

 

 

 

 

 

 

 

COMENTÁRIOS

Conforme o exposto nas tabelas, dos 189 pacientes avaliados no momento do diagnóstico, apenas 62, correspondendo a 32,8%, apresentavam grau 0 na determinação do grau de incapacidades, nos 127 restantes, 67,2%, foram detectados graus I, II e III, necessitando de orientação e aplicação de técnicas simples de prevenção.

Quanto à distribuição de cada forma clínica relacionando o grau de incapacidade, por idade e sexo, temos que, na Indeterminada a maior porcentagem dos casos, 81,2%, apresentou grau 0, com um maior número de casos na faixa etária de adulto jovem (15 - 49 anos), com predominância do sexo masculino.

Na forma Tuberculóide, também, observou-se o mesmo fato, 38,5% apresentaram grau 0, mesma faixa etária, com a diferença que, nesta forma, houve: predominância do sexo feminino.

Nas formas Dimorfa e Virchowiana, 45,1% e 48,7%, respectivamente, apresentaram grau II de incapacidade, com maior percentual do sexo masculino e na faixa etária de 15 - 49 anos.

Se considerarmos que raros são os serviços de atendimento a hansenianos que contam com pessoal capacitado para desenvolver as técnicas de orientação e prevenção, e se extrapolarmos os dados, por nós observados para outros serviços, poderemos fazer um prognóstico sombrio, quanto à preservação da capacidade funcional dos pacientes.

No momento, estamos acompanhando um número significativo de pacientes, desde o início do tratamento com multidroga, avaliando seu grau de incapacidade e, dentro de 2 anos, poderemos analisar o programa de prevenção que estamos aplicando.

 

BIBLIOGRAFIA

BRASIL. Divisão Nacional de Dermatologia Sanitária. Guia para o controle da Hanseníase. Brasília, Centro de Documentação do Ministério da Saúde, 1984.        [ Links ]

CENTRO DE ESTUDOS "DR. REYNALDO QUAGLIATO". Reabilitação em Hanseníase. Hospital Lauro de Souza Lima, Bauru, São Paulo, 4ª edição, 1982.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Repartição Sanitária Pan-Americana, Escritório Regional da ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Manual para o Controle da Hanseníase. Publicação Científica nº 436. Washington, E.U.A. 1983.

R.H. THANGARAJ AND S.J. YAMALKAR. Rehabilitation in Leprosy. In: Leprosy for medical practitioners and paramedical workers. CIBA-GEIGY Limited, Basle, Switzerland, 1986.        [ Links ]

 

 

* Trabalho realizado no setor de Hanseníase/FIOCRUZ auxílio Financeiro da CERPHA.