SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.11 issue4Parasitoses intestinais nos índios Xavánte de Parabubure, Mato Grosso, BrasilPlantas do pantanal author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Cadernos de Saúde Pública

Print version ISSN 0102-311X

Cad. Saúde Pública vol.11 n.4 Rio de Janeiro Oct./Dec. 1995

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1995000400014 

Missão na Selva. Emil Odebrecht (1835-1912), um prussiano no Brasil. Moacir Werneck de Castro. Rio de Janeiro: AC&M, 1994.

 

Já havia resenhado o livro de Moacir Werneck de Castro sobre Fritz Müller, mas neste ele se superou.

Logo no início, uma frase do Doutor Blumenau sobre o vale do Itajaí, naquela época: "Aqui parece que tudo parou no primeiro dia da Criação" assemelha-se à definição de Euclides da Cunha para a Amazônia: "Terra ainda quente do Gênesis".

Muito interessante a descrição da área em que se ergueria a cidade de Blumenau.

Foi muito agradável encontrar a formação da Colônia Itajaí, atual cidade de Brusque, onde iniciei a minha carreira de pesquisador.

Com respeito às amizades de Odebrecht, é destacada a importância da Sociedade dos Atiradores, como a que conheci em Brusque, no papel de núcleo de onde nasceram outras associações importantes para o desenvolvimento da colônia.

O grande parteiro de Blumenau, Friedenreich, que se registrara na colônia como veterinário, por ser foragido da justiça, aqui aparece como médico diplomado e com prática na Alemanha.

Um debate sobre a construção da ferrovia para o planalto, entre os três grandes pioneiros de Blumenau, Odebrecht, Fritz Müller e Friedenreich, realizado numa clareira da floresta, é do maior interesse para o entendimento da mentalidade desses grandes homens.

Com base na correspondência trocada entre os membros daqui e da Alemanha, o autor reconstitui a vida da famflia Odebrecht.

Deixa a melhor impressão o respeito que Odebrecht tinha pelos índios e a sua revolta contra as matanças, às vezes patrocinadas por autoridades governamentais.

Ao comentar a atuação de Odebrecht na Repartição dos Telégrafos, o autor aproveita para incluir uma pequena biografia do Barão de Capanema,figura ilustre de brasileiro pouco conhecido.

Em boa hora, o autor anexou ao livro o diário da expedição de Odebrecht às cabeceiras dos formadores do rio Itajaí-Açú. Ali pode ser visto a dureza que é o trabalho de um engenheiro explorador.

 

Mario B. Aragão
Departamento de Ciências Biológicas
Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz