SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 issue11Occurrence of Culicoides Latreille species (Diptera, Ceratopogonidae) in Greater Metropolitan São Luís, Maranhão State, BrazilEducação profissional em saúde author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Cadernos de Saúde Pública

Print version ISSN 0102-311X

Cad. Saúde Pública vol.23 n.11 Rio de Janeiro Nov. 2007

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007001100027 

RESENHAS BOOK REVIEWS

 

 

Gilberto Hochman

Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Brasil hochman@coc.fiocruz.br

 

 

DISEASE IN THE HISTORY OF MODERN LATIN AMERICA: FROM MALARIA TO AIDS. Armus D, editor. Durham: Duke University Press; 2003. 326 pp.

ISBN: 0-8223-3069-5.

O livro tem como desafio expor o leitor às variadas possibilidades temáticas, contextuais e conceituais de se trabalhar com saúde e doença na América Latina em perspectiva histórica. Reúne 11 ensaios de autores latino-americanos e norte-americanos de variadas filiações institucionais e disciplinares, e em estágios profissionais variados, que discutem as complexas relações entre enfermidade, política, cultura e sociedade em histórias nacionais específicas a partir do final do século XIX e ao longo do século XX.

Desde a década de 1980, historiadores, demógrafos, sociólogos, antropólogos, cientistas políticos e críticos culturais têm interpelado esse processo a partir de múltiplas filiações intelectuais, buscando na doença e na saúde um modo de organizar aspectos relevantes da experiência histórica dos países de nosso continente. O conjunto de trabalhos selecionados reflete o estado da arte da história e da historiografia da saúde e da doença. Análises que, entre outras, têm permitido descortinar especificidades locais, refletir sobre aspectos comuns, argüir o modo de inserção de cada país nos contextos científicos e médico-sanitários regionais e internacionais, e indagar sobre o lugar da saúde, da medicina e da enfermidade em nossas sociedades e na construção de identidades nacionais, étnicas, raciais, geracionais e de gênero. Essas interrogações, que se refletem no livro, vêm produzindo reavaliações tanto dessa história quanto dos conteúdos da modernidade latino-americana e caribenha e do próprio significado de seu caráter periférico e da própria idéia de periferia.

O capítulo introdutório de Armus nos oferece a melhor e mais exaustiva revisão já publicada da historiografia e da crescente produção histórica sobre enfermidade, medicina e saúde na América Latina. Para essa revisão, organiza e distribui a produção em três estilos narrativos que indicariam os caminhos de uma renovação historiográfica nesse campo: a história biomédica (voltada para processos de produção do conhecimento) que dialoga com a sociologia da ciência, a história da saúde pública (direcionada para as respostas e ações do Estado) que mantém vínculos com a ciência política e a medicina social, e a história sócio-cultural da doença (enfocando as dinâmicas sociais e culturais) que se aproxima dos estudos culturais e da antropologia, sendo este último estilo mais detalhadamente discutido. Ainda que qualquer esforço classificatório possa ser questionável, e o organizador tem claras preferências pela história social e cultural da saúde e doença, o ponto central dessa revisão é que a principal característica da renovação do campo é se afastar de uma história da medicina heróica e positivista e rejeitar determinismos de qualquer espécie, em particular o biológico. A nova perspectiva que emerge, sob a inspiração de Charles Rosenberg, é que a doença existiria a partir de uma espécie de negociação e acordo entre múltiplos atores que resulta em sua nomeação como entidade patológica específica, passível de ser reconhecida e diagnosticada, uma negociação imersa em contextos sociais, culturais e políticos específicos. É mediante esse processo de enquadramento (framing) que as enfermidades assumem o estatuto de entidades conceitualmente específicas e ontologicamente reais.

Os trabalhos reunidos no livro incorporam de modo bastante diferenciado essa perspectiva e se dedicam a analisar a doença e o processo de medicalização imersos em contextos históricos e cenários nacionais específicos. De certo modo, todos se inscrevem em perspectivas pós-foucaltianas e pós-estruturalistas que possibilitam uma maior flexibilidade na compreensão do papel dos médicos, da medicina e da ciência na sociedade moderna, fugindo de chaves interpretativas de caráter otimista ou pessimista. Sobre o Brasil o livro contém três capítulos, sendo que o único que traz novidades é o de Nancy Stepan que é dedicado às respostas precoces e originais dos serviços sanitários brasileiros à presença da malária na Amazônia entre as décadas de 1900 a 1920. Marília Coutinho discorre sobre as possibilidades da ciência na "periferia" a partir da trajetória da tripanossomíase americana a partir de sua descoberta em 1909 por Carlos Chagas. Ainda sobre o Brasil, Patrick Larvie discute as reações sociais e governamentais à epidemia de AIDS/HIV nas décadas de 1980 e 1990, a partir de suas relações com idéias sobre a modernização do país e sobre a sexualidade brasileira, tema recorrente da antropologia brasileira nas duas últimas décadas.

O tema de Marcos Cueto é a epidemia de cólera em 1991 no Peru como reveladora do descompromisso do Estado para com a saúde das populações, das percepções sociais sobre a doença e dos preconceitos contra a pobreza e contra os pobres. A lepra como problema na formação do Estado Nacional na Colômbia e as conseqüências em termos de estigmatização dos doentes, dos pobres e do próprio país é analisada por Diana Obregón. Em seu estudo sobre um manicômio na Bolívia entre 1935 e 1950, Ann Zulawski indica como as hierarquias sociais, étnicas e de gênero existentes na sociedade se reproduziam no tratamento psiquiátrico e na organização da instituição, ao mesmo tempo em que eram tencionadas por processos políticos mais amplos.

Três ensaios dedicam-se ao México, com ênfase no período revolucionário e dois sobre a Argentina. A tensa relação entre a agenda sanitária da Fundação Rockefeller e as políticas sanitárias no México revolucionário é abordada por Anne-Emanuelle Birn, com foco nas ações de combate à ancilostomíase. Os impactos das campanhas governamentais nas transformações das percepções sobre saúde, risco e contágio em torno da sífilis na sociedade mexicana do final do século XIX e primeiras décadas do XX são abordados no ensaio de Katherine Elaine Bliss. O ensaio de Ann S. Blum é sobre os esforços e os obstáculos para se erradicar o hospitalismo na Cidade do México na primeira metade do século XX, a partir da análise das concepções médicas e políticas dos programas governamentais voltados para a infância. A medicalização do comportamento e do corpo feminino e o diagnóstico de uma epidemia de histeria na Argentina em fins do século XIX são os temas de Gabriela Nouzeilles. A partir do tango – letras, dança e experiência social e cultura, Diego Armus articula tuberculose como problema sanitário, relações de gênero e as possibilidades de mobilidade social revelando um quadro complexo sobre a vida na Buenos Aires da primeira metade do século XX.

O processo coletivo de atribuição de sentido à doença e ao adoecimento tem claras e profundas intersecções com a história da América Latina moderna e são bem exemplificadas nos ensaios do livro. Epidemias, endemias, doenças infecto-contagiosas e crônicas e síndromes estão entrelaçadas com processos históricos amplos, tais como nacionalismo, imperialismo, construção de Estado, hierarquias sociais, relações de gênero, conflitos raciais, políticas públicas e identidades sexuais. Podem ser expressões metafóricas ou concretas as causas ou mesmo as conseqüências desses processos. São componentes ativos da construção simbólica e material do Estado e da nação na América Latina.

Assim, ainda que toda coletânea apresente desigualdades entre os capítulos, a boa qualidade dos ensaios juntamente com a reunião de diversas abordagens e de variações contextuais e temáticas torna o livro de Armus uma excelente porta de entrada aos interessados nos temas da história da doença e da história da América Latina, e uma possível agenda de pesquisa para este campo emergente.