SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 issue1Health policies and politicized health? An analysis of sexual and reproductive health policies in Peru from the perspective of medical ethics, quality of care, and human rights author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Cadernos de Saúde Pública

Print version ISSN 0102-311X

Cad. Saúde Pública vol.24 n.1 Rio de Janeiro Jan. 2008

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100001 

EDITORIAL

 

Princípios e prática da promoção da saúde no Brasil

 

 

Antonio Ivo de Carvalho

Diretor, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Brasil. aivo@ensp.fiocruz.br

 

 

Princípios e prática da promoção da saúde no BrasilAs idéias sobre promoção da saúde no Brasil foram introduzidas em meados dos anos 80, alimentadas pelo debate em torno da Reforma Sanitária. A discussão dessas idéias recebeu destaque na 8ª Conferência Nacional da Saúde em 1986, cujos conceitos e objetivos para a sociedade brasileira eram bastante semelhantes àqueles propostos durante a 1ª Conferência Global sobre Promoção da Saúde, em Ottawa, Canadá, naquele mesmo ano. Os relatórios finais de ambas reuniões definiram a saúde não apenas como ausência de doença, mas concebendo-a em termos mais amplos, levando em conta outras necessidades básicas, inclusive um ambiente propício para crescimento e desenvolvimento e a busca da realização plena do potencial humano.

Outro marco durante o mesmo período foi a 1ª Conferência Latino-Americana sobre Promoção da Saúde, sob os auspícios da Organização Pan-Americana da Saúde, em Bogotá, Colômbia, durante a qual mais de 500 representantes de países membros discutiram estratégias coletivas para melhorar os padrões sanitários regionais e alcançar a eqüidade na saúde. Diversas perspectivas e estratégias têm sido discutidas em diferentes fóruns ao longo dos últimos 20 anos, levando à aprovação e implementação de uma política nacional que define as diretrizes para a promoção da saúde dentro do SUS.

A promoção da saúde deve ser compreendida como uma agenda integrada e multidisciplinar cujo objetivo primordial é fomentar mudanças em três níveis: assistência à saúde, gestão local de políticas públicas e proteção e desenvolvimento sociais para todos. A estratégia da promoção da saúde é integral na medida em que procura criar e fortalecer elos entre diversos setores e programas, não apenas dentro do chamado "setor de saúde" propriamente dito, mas envolvendo também outras agências de governo, organizações não-governamentais e movimentos sociais. Assim, todos os setores da sociedade devem compartilhar a responsabilidade no esforço de proteger e cuidar da vida humana, promovendo saúde e qualidade de vida para todos.

Para realizar essas metas, diversas prioridades já foram definidas para a promoção da saúde no Brasil: promoção de hábitos alimentares saudáveis e atividade física, cessação e prevenção do tabagismo, redução da morbi-mortalidade devida ao abuso de álcool e outras drogas, prevenção de acidentes de trânsito e promoção do desenvolvimento sustentável e de uma "cultura de paz". Apesar da abordagem inovadora e do potencial para mudança social, os princípios da promoção da saúde ainda estão longe de serem plenamente compreendidos e praticados por todos os profissionais e gestores da saúde. Até o momento, os estudos epidemiológicos constituem a única fonte de evidências convincentes no Brasil sobre a associação entre exposição comportamental a fatores de risco e doença.

O desafio continua sendo o de desenvolver e implementar um arcabouço holístico para implementar a Política Nacional de Promoção da Saúde, levando em conta toda a gama de conceitos e princípios lançados na Conferência de Ottawa e adotados no Brasil pelo SUS: eqüidade, integralidade, co-responsabilidade, participação social, acesso à educação e informação e desenvolvimento sustentável.