SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 issue2Interaction between dietary intake and GSTM1 and GSTT1 polymorphisms in head and neck cancer risk: a case-control study in São Paulo, BrazilO médico e suas interações: a crise dos vínculos de confiança author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Cadernos de Saúde Pública

Print version ISSN 0102-311X

Cad. Saúde Pública vol.27 n.2 Rio de Janeiro Feb. 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000200020 

NOTA REASEARCH NOTE

 

Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica

 

Sampling in qualitative research: a proposal for procedures to detect theoretical saturation

 

 

Bruno Jose Barcellos FontanellaI; Bruna Moretti LuchesiI; Maria Giovana Borges SaidelI; Janete RicasII; Egberto Ribeiro TuratoIII; Débora Gusmão MeloI

ICentro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, Brasil
IIFaculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil
IIIFaculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil

Correspondência

 

 


RESUMO

A transparência metodológica na pesquisa qualitativa é fator que contribui para sua confiabilidade, devendo ser garantida pelos pesquisadores. A utilização do critério de fechamento amostral por saturação é freqüente, entretanto a maneira como este processo ocorreu é raramente explicitado nos relatórios de pesquisa. Dificuldades técnicas para uma constatação objetiva da saturação também são comuns entre os pesquisadores qualitativos. Neste texto, propõe-se um modo prático de organizar o trabalho de fechamento amostral por saturação, expondo uma seqüência de oito passos procedimentais de tratamento e análise de dados coletados em entrevistas não-dirigidas com questões abertas ou em grupos focais. Almeja-se contribuir para que os pesquisadores explicitem objetivamente o modo como a saturação ocorreu e, aos seus leitores, conhecer como se deu este processo.

Amostragem; Tamanho da Amostra; Pesquisa Qualitativa; Métodos


ABSTRACT

A qualitative study's methodological transparency is considered a key factor for achieving its reliability and should be guaranteed by the researchers. Closing the sampling process by saturation is a common approach, but it is rarely made explicit in research reports. Qualitative researchers also commonly experience technical difficulties in objectively identifying saturation. This article proposes a method to organize sample closing by saturation, with a sequence of eight procedural steps for treating and analyzing data collected through open or semi-structured interviews or focus groups. The article aims to help researchers objectively explain how and when saturation occurred and to allow their readers to know how this process occurred.

Sampling Studies; Sample Size; Qualitative Research; Methods


 

 

Introdução

Ser transparente quanto à técnica de amostragem utilizada é uma atitude da dimensão ética que ajuda a evidenciar o rigor empregado em uma investigação científica. Propomos aqui um modo de sistematizar e de expor o tratamento e análise de dados coletados em pesquisas qualitativas que utilizam as chamadas amostras fechadas por saturação teórica.

"Fechar" a amostra significa definir o conjunto que subsidiará a análise e interpretação dos dados. Nas amostras não-probabilísticas (intencionais), tal definição é feita a partir da experiência do pesquisador no campo de pesquisa, numa empiria pautada em raciocínios instruídos por conhecimentos teóricos da relação entre o objeto de estudo e o corpus a ser estudado 1.

Se não houve fechamento por exaustão (abordando todos os sujeitos elegíveis), deve-se justificar por que se interrompeu o processamento de novas observações e o recrutamento de novos participantes. Uma das maneiras de fazê-lo corresponde ao processo de amostragem por saturação teórica: interrompe-se a coleta de dados quando se constata que elementos novos para subsidiar a teorização almejada (ou possível naquelas circunstâncias) não são mais depreendidos a partir do campo de observação 1,2.

Uma pesquisa decorre de questões, sendo então impossível prescindir de estabelecer quais dados são necessários e suficientes para respondê-las. Considera-se haver saturação empírica quando o pesquisador constata deles dispor 1 e que há saturação teórica quando a interação entre campo de pesquisa e o investigador não mais fornece elementos para balizar ou aprofundar a teorização 1,2.

Algumas questões conceituais e metodológicas sobre saturação foram anteriormente comentadas em texto que chamou a atenção para o risco de uma excessiva subjetividade nos critérios empregados para a finalização do recrutamento de participantes 3. No presente artigo, o objetivo é aprofundar uma proposta, resumida na Tabela 1,

de uma técnica de tratamento de dados que permita aos leitores de relatórios de pesquisas conhecerem de que modo foi constatada a saturação teórica.

 

Passos procedimentais sugeridos

Passo 1: disponibilizar os registros de dados "brutos"

De início, recomendamos que, além das transcrições integrais dos diálogos gravados, sejam também disponibilizados arquivos digitais com as correspondentes gravações de áudio. Dispor de ambos facilita um processo pormenorizado de interpretação, pois o suporte auditivo permite perceber elementos de entonação e prosódia e as transcrições possibilitam observações mais reflexivas e detidas sobre alguns trechos.

Passo 2: "imergir" em cada registro

Os pesquisadores "exploram" individualmente cada uma das entrevistas, à medida que estejam disponíveis. Caso se esteja trabalhando com pré-categorias analíticas, os temas e enunciados correspondentes, que cada pesquisador considere importantes para instruí-las, são anotados. Se forem previstas formulações de novas categorias, cada pesquisador também as registra para depois discuti-las com os pares.

Passo 3: compilar as análises individuais (de cada pesquisador, para cada entrevista)

Um dos pesquisadores compila os temas e tipos de enunciados identificados por ele próprio e pelos outros investigadores. Caso sejam sugeridas novas categorias analíticas, o compilador poderá agrupá-las, pois os colaboradores podem dar nomes diferentes a conceitos e idéias muito semelhantes. Numa reunião presencial as divergências nas análises individuais são discutidas em busca do consenso.

Para facilitar essa compilação, sugerimos que os parágrafos das transcrições sejam identificados, um a um, facilitando o manejo desses trechos, podendo os pesquisadores identificar, imediatamente, o participante e o momento da entrevista em que foram proferidos.

Passo 4: reunir os temas ou tipos de enunciados para cada pré-categoria ou nova categoria

Para cada categoria são agrupados os correspondentes temas e tipos de enunciados identificados e consensuados, fazendo constar os respectivos trechos das entrevistas que os exemplificam.

Passo 5: codificar ou nominar os dados

A nominação deve representar o conjunto de idéias, valores, sentimentos etc., abarcando as manifestações dos entrevistados que contribuem para compreender melhor o que expressaram. Aqui se concentra parte do trabalho criativo de pesquisa, fundamentado em conhecimentos e envolvendo raciocínios indutivos: parte-se do particular (um ou vários enunciados) e chega-se a algo mais abstrato e geral (a nominação deste conjunto). Nominar algo que anteriormente não tinha nome revela as inclinações teórico-ideológicas dos pesquisadores, podendo este procedimento ser revisto continuamente, de acordo com os aprofundamentos conceituais que se processem no estudo adicional e na discussão. Não se trata de vincular imediatamente a denominação escolhida a determinada teoria. Embora se considere que nomear seja uma atitude expressiva do pensamento, reveladora dos conhecimentos de quem nomeia, mesmo que o pesquisador conheça profundamente certas teorias, poderá mantê-las temporariamente em suspensão (atitude próxima à epoché dos fenomenologistas) para evitar uma possível ilusão de transparência do material empírico 4.

Passo 6: alocar (numa tabela) os temas e tipos de enunciados

Trata-se de uma alocação que permita a visualização dos elementos analíticos com que se trabalha.

A Tabela 2 é um exemplo hipotético de alocação de dados, nela constando ficticiamente o registro de quais foram os entrevistados que proferiram determinado tipo de enunciado ou tema a respeito da pré-categoria "quadro clínico". Seu propósito principal é permitir uma visualização de como se distribuíram os 11 tipos de enunciados identificados ao longo das 12 entrevistas.

Observe (na soma das recorrências, na última coluna à direita) que alguns enunciados apareceram uma única vez, mas outros são frequentes. O número de recorrências não é importante per se, pois apenas revela o que teria sido mais comumente enunciado em uma amostra intencional, refletindo históricos pessoais específicos, sem possibilidades de generalização matematizada para o universo estudado. Entretanto, o pesquisador talvez queira discutir com mais ênfase esses dados, pressupondo que sejam parte importante do imaginário do grupo ou considerando tratar-se de temas com maiores possibilidades de exemplificação, mais aderidos à empiria. Nessa lógica, "diversidade biológica" mereceria particular atenção na discussão. Porém, mesmo os enunciados ou temas que apareceram uma única vez certamente devem ser discutidos, pois podem ser produtos de visões mais abrangentes ou profundas de um participante em particular.

Passo 7: constatar a saturação teórica para cada pré-categoria ou nova categoria

Se a quantificação das recorrências não é importante, uma outra nos parece ser: a soma, na última linha, da frequência de aparecimento de novos temas ou tipos de enunciados, em cada entrevista. Essa soma pode ser útil para uma constatação mais objetiva do processo de saturação.

No exemplo representado pela Tabela 2, os novos tipos de enunciados tenderam a se concentrar nas três primeiras entrevistas, não havendo novas ocorrências nas seis últimas. Uma ocorrência na sexta entrevista encerrou essa sequência. Observe que a "queda" ocorreu de maneira nítida. Isso aconteceu a despeito de as primeiras entrevistas terem possibilitado "calibrar" o entrevistador em processo, permitindo que ele fizesse uma sondagem progressivamente mais qualificada, capacitando-o e qualificando-o para melhor perscrutar os entrevistados seguintes.

A Tabela 2 mostra como a dinâmica de tratamento e análise dos dados terminaram por levar à interrupção da captação de novos participantes: constatou-se o escasseamento de novos tipos de enunciados, correspondendo ao que se designa como saturação teórica (foi atingido, supostamente, o adensamento teórico possível, com base nos dados empíricos disponíveis e nos atributos analíticos e interpretativos dos pesquisadores) 2,3. A coleta de novos dados por meio de novas entrevistas acrescentaria supostamente poucos elementos para discussão em relação à densidade teórica já obtida.

O momento em que começam a escassear novos tipos de enunciados ou temas, para depois "desaparecerem", não se dá exatamente na mesma entrevista para cada categoria analisada. Para a categoria representada na Tabela 2, a saturação teórica ocorreu na sexta entrevista. Para uma outra, isso poderia acontecer na terceira ou na nona, por exemplo.

Passo 8: "visualizar" a saturação

A Figura 1 mostra com maior clareza visual a ideia expressa no parágrafo anterior, mostrando como se distribuiu a ocorrência de novos enunciados para três categorias: "quadro clínico", "diagnóstico" e "tratamento". Para "quadro clínico", como já comentado, houve numerosos enunciados novos no início da coleta de dados, mas após a sexta entrevista isto não ocorreu mais (= saturação constatada para esta categoria).

Entretanto, as entrevistas continuaram porque as outras categorias ("diagnóstico" e "tratamento") ainda não haviam atingido esse ponto. Nesse exemplo, a saturação teórica geral foi considerada retrospectivamente como tendo acontecido na décima entrevista, tendo a última entrevista sido realizada com o intuito de reforçar esta percepção.

 

Conclusões

Buscar compreender fenômenos subjetivos (significados culturais e/ou psicológicos) não significa adotar, como por vezes se observa, uma postura "subjetivista", que chega a desconsiderar triviais aspectos metodológicos e procedimentais sob o argumento de serem meras preocupações positivistas 5.

Neste texto, discutimos como se pode proceder para efetivar e demonstrar algo que é inevitável também nas pesquisas qualitativas: estabelecer o tamanho final da amostra. A técnica sugerida contém procedimentos trabalhosos (tanto quanto ocorre na organização e tratamento de dados nas pesquisas quantitativas), mas pode ser adaptada às especificidades de cada trabalho.

Um tratamento adequado dos significados atribuídos ao processo saúde/doença é de particular interesse para quem se dedica a estudar aspectos da promoção, prevenção e assistência à saúde considerando as perspectivas dos sujeitos implicados. Tal perspectiva é realçada no atual momento do sistema de saúde pública brasileiro, quando se procura garantir a universalização do cuidado e abranger grupos populacionais desprovidos até o momento de uma atenção sistemática. Porém, em qualquer momento histórico-cultural, a área da saúde precisará conhecer as representações e experiências subjetivas de usuários e profissionais, pois sempre se defrontará com diversidades socioculturais, dinâmicas epidemiológicas e mudanças tecnológicas cujas repercussões subjetivas, individuais ou coletivas merecerão ser compreendidas. Portanto, pesquisas qualitativas em saúde precisarão ser feitas continuamente, na tentativa de captar e explorar essa realidade empírica processual, sempre em construção 4, cabendo aos pesquisadores procurar zelar pelo rigor científico dessas produções.

 

Colaboradores

B. J. B. Fontanella e D. G. Melo conceberam e planejaram o artigo, elaboraram o rascunho e organizaram as demais versões do texto ora apresentado, e aprovaram a versão final do manuscrito. B. M. Luchesi, M. G. B. Saidel, J. Ricas e E. R. Turato contribuíram significativamente na elaboração do rascunho e na revisão crítica do conteúdo, e participaram da aprovação da versão final do manuscrito.

 

Referências

1. Pires AP. Amostragem e pesquisa qualitativa: ensaio teórico e metodológico. In: Poupart J, Deslauriers JP, Groulx LH, Lapemère A, Mayer R, Pires AP, organizadores. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Editora Vozes; 2008. p. 154-211.         [ Links ]

2. Glaser G, Strauss A. The discovery of grounded theory: strategies for qualitative research. New York: Aldine de Gruyter; 1967.         [ Links ]

3. Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública 2008; 24:17-27.         [ Links ]

4. Minayo MCDS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10ª Ed. São Paulo: Editora Hucitec; 2007.         [ Links ]

5. Gobo G. Sampling, representativeness and generalizability. In: Seale C, Gobo G, Gubrium JF, Silverman D, editors. Qualitative research practice. London/Thousand Oaks/New Delhi: Sage Publications; 2007. p. 405-26.         [ Links ]

 

 

Correspondência:
B. J. B. Fontanella
Departamento de Medicina
Centro de Ciências Biológicas e da Saúde
Universidade Federal de São Carlos
Rodovia Washington Luís km 235, SP 310
São Carlos, SP 13565-905, Brasil
bruno@ufscar.br

Recebido em 10/Ago/2010
Versão final reapresentada em 11/Out/2010
Aprovado em 26/Out/2010