SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 issue5Analysis of the implantation of the healthcare network for victims of accidents and violence following the guidelines of the National Policy for the Reduction of Morbidity and Mortality from Violence and Accidents author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Ciência & Saúde Coletiva

Print version ISSN 1413-8123

Ciênc. saúde coletiva vol.14 n.5 Rio de Janeiro Nov./Dec. 2009

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000500001 

EDITORIAL

 

Promoção à saúde e vigilância de violências: efetividade e perspectivas

 

 

As causas externas de morbimortalidade constituem um importante problema de saúde pública manifestado pelas mortes, lesões físicas, transtornos psicológicos e sequelas decorrentes das violências e dos acidentes. Em seu conjunto, as violências e acidentes representam a terceira causa de morte na população brasileira, passando a ocupar a primeira posição quando se restringe a análise ao grupo de pessoas de 1 a 39 anos.

Registros oficiais ilustram essa tragédia ao apontar a ocorrência em 2006 de 106.651 óbitos por causas externas, sendo cerca de 47.500 homicídios, envolvendo predominantemente adolescentes e jovens de 20 a 29 anos, e cerca de 36.000 óbitos provocados pelo trânsito, vitimando pedestres, principalmente crianças e idosos. Além de danos físicos e psicológicos, as causas externas apresentam forte impacto de caráter econômico e social, representado pela diminuição da qualidade e expectativa de vida, perda de produção, absenteísmo, gastos com despesas médico-hospitalares e, até mesmo, desestruturação familiar e pessoal.

Frente a este quadro, o Ministério da Saúde incluiu a prevenção de violências e acidentes na sua agenda, responsabilizando-se não apenas pela assistência e reabilitação das vítimas, mas também pela promoção à saúde, prevenção, vigilância de acidentes e violências. Dentre as iniciativas, destaca-se a publicação, em 2001, da Política Nacional de Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências, elaborada com o objetivo de direcionar ações articuladas e sistematizadas que visassem à redução do impacto desses agravos. Em 2003, foi implantado o Projeto de Redução de Morbimortalidade por Acidentes de Trânsito; em 2004, foram criadas a da Rede Nacional de Prevenção das Violências e Promoção da Saúde e a Política Nacional de Atenção às Urgências. Em 2005, foi elaborada a Agenda Nacional de Vigilância, Prevenção e Controle dos Acidentes e Violências, definindo diversas prioridades para os anos seguintes. Em 2006, outro marco, a Política Nacional de Promoção da Saúde, priorizando a prevenção de acidentes e violências e a cultura de paz. Além disto, a organização da Vigilância de Acidentes e Violências (VIVA), em 2006, tornou-se importante instrumento para conhecer a magnitude, distribuição e tendência destes eventos. Entre 2006 e 2008, a Secretaria de Vigilância em Saúde expandiu a rede de núcleos de prevenção de violência, que são mais de 250 no país, além de investir em parcerias com o Centro Latino-Americano de Estudos de Violência e Saúde (Claves/Fiocuz), que tem possibilitado a capacitação de profissionais em serviços no tema da violência e cultura de paz. Estas iniciativas têm fortalecido a prioridade do tema no contexto do Sistema Único de Saúde, buscando articular respostas intra e intersetoriais.

Este número temático de Ciência & Saúde Coletiva apresenta uma série de estudos sobre o impacto da violência na saúde, com ênfase ao tema da vigilância e promoção da saúde. Espera-se que essa coletânea possa contribuir para a melhor compreensão do impacto da violência na saúde, além de despertar a reflexão, discussão e elaboração de estratégias efetivas a serem executadas pelo setor saúde em articulações com os demais setores. Deseja-se, ainda, que esta publicação estimule e instrumentalize os tomadores de decisão no âmbito da Saúde Coletiva, por meio de ações que promovam a saúde e a cultura da paz!

 

Otaliba Libânio de Morais Neto, Deborah Carvalho Malta, Marta Maria Alves da Silva
Editores convidados