SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 issue4Bioethics and research into mental health author indexsubject indexarticles search
Home Page  

Ciência & Saúde Coletiva

Print version ISSN 1413-8123

Ciênc. saúde coletiva vol.16 n.4 Rio de Janeiro Apr. 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000400001 

EDITORIAL

 

 

Pesquisa em Saúde Mental no Brasil: through the looking-glass

"But I don't want to go among mad people," Alice remarked. "Oh, you can't help that," said the cat: "we're all mad here. I'm mad. You're mad." "How do you know that I'm mad?" said Alice. "You must be," said the cat, "or you wouldn't have come here."
Lewis Carroll, 1865

A pesquisa em Saúde Mental no contexto da Saúde Coletiva brasileira vem aumentando nos últimos anos de maneira significativa. Essa produção escoa nas revistas da área e transborda para publicações de áreas afins, como psicologia, psiquiatria, ciências sociais em geral e outras. Houve também, nos últimos anos, números especiais dedicados a essa temática, o aparecimento de novas revistas e até mesmo um número recente da prestigiosa revista Lancet, em que o sistema de Saúde Mental brasileiro foi objeto de análise e de elogios.

Os textos fundadores, inicialmente teses e material hoje considerado "cinza", apresentaram imperativos éticos e renovadores. A Reforma Psiquiátrica brasileira alterou de forma inegável as práticas cotidianas, expandiu os serviços e impactou a configuração do campo acadêmico. Por isso, hoje, definirmo-nos como antimanicomiais continua sendo importante como outrora, porém já não é mais suficiente. Novos problemas e questões se apresentam para a pesquisa. Como cientistas, é nosso dever ético-político não somente proclamar que rejeitamos essa forma inumana e excludente de lidar com o sofrimento psíquico. Somos compelidos, também, a dizer que práticas recomendamos e a argumentar em seu favor, construindo novas evidências.

Esses aspectos apresentam-se com intensidade renovada no momento atual, apontando para as próprias agências financiadoras a necessidade de estimular a pesquisa em Saúde Mental. Editais específicos do CNPq e das fundações de amparo à pesquisa podem ser mapeados por trás do referido aumento da produção científica e de vários dos artigos aqui reunidos. Pode-se constatar a fertilidade dos estudos empíricos, da reflexão científica e da inovação das práticas.

Nosso campo reflete certo ecletismo metodológico, no qual pesquisas de caráter qualitativo, etnografias, estudos hermenêuticos e interpretativos, desenhos mistos, pesquisas avaliativas participativas e estudos clássicos de cunho epidemiológico conversam entre si, porém sem abrir mão do rigor e das tradições que sustentam teoricamente o campo. Como raridade, atrevemo-nos a dizer que, na Saúde Mental, a parceria entre pesquisadores é mais usual do que na academia em geral, o que talvez tenha suas origens na longínqua militância comum, baseada em princípios éticos como os da não exclusão. Apontamos aqui o fato de que os pesquisadores em Saúde Mental brasileiros costumam citar-se uns aos outros, o que não acontece com tanta frequência na Saúde Coletiva (fato comentado como empecilho para a melhora do índice de impacto das publicações).

Mais pesquisadores envolvidos com os serviços, mais financiamento induzindo pesquisas, aumento da produção em termos de publicações: quem lê pode achar que descrevemos o paraíso. Não nos iludimos. Há inúmeros desafios pela frente. Entre os principais (honrando a articulação entre pesquisa e prática), a necessidade de constituirmos uma forte aliança entre usuários e academia para nos fortalecermos para o combate contra o estigma, a participação dos portadores de sofrimento psíquico como cidadãos, a formulação de consensos básicos sobre o que sejam boas práticas na área, a denúncia e o basta à crescente hipermedicalização da vida! No que tange ao desenvolvimento científico e acadêmico, esses temas ainda estão engatinhando. A área mostra a pujança própria de campos problemáticos jovens. A realidade aponta para a relevância e a urgência de tais estudos. É nisso que muitos de nós, autores do presente volume da revista Ciência & Saúde Coletiva, vimos trabalhando, pois acreditamos que "very few things indeed were really impossible" (Lewis Carroll, Alice's adventures in wonderland & throug the looking glass. New York: Penguin Group; 1960).

 

Rosana Onocko Campos
Universidade Estadual de Campinas