SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 número12La Comprensión de los Homicidios en América Latina: ¿Pobreza o Institucionalidad? índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Page  

Ciência & Saúde Coletiva

versión impresa ISSN 1413-8123

Ciênc. saúde coletiva vol.17 no.12 Rio de Janeiro dic. 2012

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001200001 

EDITORIAL

 

Homicídios na América Latina: por uma busca de abordagens extensiva e compreensiva

 

 

O homicídio tem sido objeto de estudos nacionais e internacionais por constituir um indicador universal da violência social. A diversificada literatura sobre esse tema tem destacado sua magnitude, tanto em países social e economicamente desenvolvidos como naqueles considerados em desenvolvimento. A parcela jovem da população, sobretudo do sexo masculino, tem sido a mais vitimizada e a que se destaca por cometer mais homicídios. E nesse particular, a América Latina se destaca entre as regiões do mundo, tendo mostrado tendências de crescimento na mortalidade por essa causa nas décadas de 1980 e 1990, cujas taxas continuam se mantendo elevadas nos anos 2000.

Entretanto, a maioria dos estudos sobre homicídios no mundo e na região tem focalizado territórios nacionais e usado abordagens epidemiológicas. Poucos são os que formulam análises comparativas ou buscam compreender as possíveis semelhanças e diferenças entre as áreas, contextualizando os processos sociais, políticos e econômicos envolvidos nas dinâmicas que viabilizam a maior ou menor ocorrência desses eventos.

Este número temático constitui o esforço de elaboração de análises extensivas e comparadas das informações sobre homicídios em países como Argentina, Brasil, Colômbia, México e Venezuela. Assim, apresenta estudos epidemiológicos sobre as tendências das taxas de mortalidade, a qualidade das informações acerca dos óbitos, os grupos específicos mais afetados, os meios usados para perpetrar a agressão letal e os fatores que convergem para o excessivo número dos homicídios. Além disso, busca avançar no conhecimento ao agregar uma linha compreensiva de explicação para as elevadas ou as baixas taxas de mortalidade por homicídio em áreas e grupos específicos, a partir dos estudos de casos e do enfoque de gênero.

Vários artigos aqui incluídos são fruto de uma proposta de um grupo de pesquisadores de realizar um estudo multicêntrico que se concretizou e envolveu o Centro Latino Americano de Estudos sobre Violência e Saúde/CLAVES do Brasil e da Argentina, o Grupo de Investigacion Violencia y Salud, da Universidade Nacional da Colômbia e o Centro de Estudios en Salud, Poblacion y Desarrollo Humano, da Universidade de Guadalajara, do México. Além desses, a publicação reúne outros renomados autores da Venezuela e de outras instituições brasileiras, representantes da Organização Panamericana de Saúde, do Ministério da Saúde do Brasil e membros do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia/INCT Violência, Democracia e Segurança Cidadã que é apoiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico/CNPq.

Esta publicação é a prova inequívoca da possibilidade de se organizar e de se analisar dados sobre homicídios em distintos e distantes países da região, mesmo com parcos recursos e sem o adequado apoio financeiro para os grupos dos países latino-americanos incluídos no projeto. O que se tornou possível pela intensa comunicação, interação e vontade de conhecimento entre todos os participantes.

Espera-se que você, prezado leitor, possa sorver as densas reflexões deste trabalho e delas extrair inspiração para sua atuação como profissional de saúde e como cidadão. Pois a mortalidade por homicídio revela muito mais da formação e da organização social – como desigualdades, exclusão, informalidade, corrupção, impunidade – do que apenas um problema de segurança pública.

 

Edinilsa Ramos de Souza
Editora convidada